Al­pi­ne A110

Je­an Ré­dé­lé fun­dou a Al­pi­ne com ba­se na sua pai­xão, por sua vez mol­da­da pe­las si­nu­o­sas es­tra­das al­pi­nas, que de­ram o no­me à pró­pria mar­ca. Vol­vi­dos mais de 60 anos, a mar­ca fran­ce­sa vol­ta a apai­xo­nar com o lan­ça­men­to do mo­der­no e co­bi­ça­do A110.

Altagama Motor (Portugal) - - Sumário - Ber­nar­do Gon­za­lez e An­tó­nio No­guei­ra

Nas­ci­do em 1922, em Di­ep­pe, Je­an Ré­dé­lé uti­li­zou to­da a sua pai­xão e os seus co­nhe­ci­men­tos téc­ni­cos pa­ra sin­grar, pri­mei­ro co­mo pi­lo­to e me­câ­ni­co, e de­pois co­mo cons­tru­tor de au­to­mó­veis des­por­ti­vos e de com­pe­ti­ção. Após os es­tu­dos, abriu um con­ces­si­o­ná­rio Re­nault – cons­tru­tor ao qual ha­ve­ria de fi­car li­ga­do pa­ra o res­to da sua vi­da – na sua ci­da­de na­tal. O gos­to pe­la con­du­ção le­vou-o a par­ti­ci­par no iní­cio dos anos 50 em di­ver­sas com­pe­ti­ções de es­tra­da, co­mo o ra­li Di­ep­peRou­en,

ao vo­lan­te de um Re­nault 4 CV mo­di­fi­ca­do. A in­tro­du­ção de uma cai­xa de cin­co ve­lo­ci­da­des – no lu­gar da uni­da­de ori­gi­nal de ape­nas três – era o ti­po de al­te­ra­ções que Ré­dé­lé gos­ta­va de ope­rar nos seus car­ros, po­ten­ci­an­do ain­da mais os do­tes des­tes. O fran­cês con­quis­tou vá­ri­as vi­tó­ri­as à clas­se em di­ver­sas com­pe­ti­ções, co­mo a Mil­le Mi­glia e o ra­li Cri­té­rium des Al­pes, e, quan­do em 1955 cri­ou a sua pró­pria em­pre­sa, deu-lhe o no­me de Al­pi­ne, em ho­me­na­gem à cor­di­lhei­ra on­de tan­tos su­ces­sos des­por­ti­vos co­nhe­ce­ra. Aliás, as es­trei­tas e si­nu­o­sas es­tra­das al­pi­nas vi­ri­am, tam­bém, a in­flu­en­ci­ar as li­nhas mes­tras do que se­ri­am os mo­de­los Al­pi­ne, pois Ré­dé­lé re­co­nhe­ceu que não era a me­ra po­tên­cia que tor­na­va um car­ro rá­pi­do nu­ma tor­tu­o­sa eta­pa de ra­li, mas sim a le­ve­za, as di­men­sões com­pac­tas e a agi­li­da­de. “Es­co­lhi o no­me Al­pi­ne pa­ra a mi­nha em­pre­sa por­que, pa­ra mim, é um ad­je­ti­vo que sim­bo­li­za o pra­zer de con­du­zir em es­tra­das de mon­ta­nha”, afir­ma­ria o fun­da­dor.

Os pri­mei­ros pas­sos

O pri­mei­ro Al­pi­ne foi o A106, ba­se­a­do no chas­sis do Re­nault 4 CV, se­gui­do, em 1958, pe­lo A108 mon­ta­do em chas­sis pró­prio. Con­tu­do, foi com o A110 Ber­li­net­te, lan­ça­do em 1962, que a em­pre­sa co­me­çou a afir­mar­se, nu­ma al­tu­ra em que exis­tia já uma es­trei­ta co­la­bo­ra­ção com a Re­nault, ao pon­to de os con­ces­si­o­ná­ri­os da mar­ca fran­ce­sa se­rem res­pon­sá­veis pe­la ven­da e ma­nu­ten­ção dos au­to­mó­veis cri­a­dos por Ré­dé­lé.

No iní­cio da dé­ca­da de 70, a Al­pi­ne era já um con­ten­dor de res­pei­to nas com­pe­ti­ções in­ter­na­ci­o­nais, ven­cen­do pe­la pri­mei­ra vez o Ra­li Mon­te Car­lo em 1971, se­gui­do de no­vo triun­fo em ‘73. Nes­se ano, a em­pre­sa con­quis­tou o tí­tu­lo de Cons­tru­to­res do Cam­pe­o­na­to Mun­di­al de Ra­lis, o seu mai­or fei­to até à da­ta. Com o cres­ci­men­to de ven­das, Ré­dé­lé man­dou er­guer, em 1969, uma fá­bri­ca pa­ra a cons­tru­ção dos seus car­ros em Di­ep­pe – as mes­mas ins­ta­la­ções que pro­du­zem atu­al­men­te o no­vo A110 – e, em 1971, en­trou em pro­du­ção o subs­ti­tu­to do A110, o A310. Dois anos mais tar­de, nu­ma al­tu­ra em que a cri­se do pe­tró­leo atin­giu a Eu­ro­pa e os EUA – com for­te re­fle­xo nas ven­das de mo­de­los mais des­por­ti­vos – a Al­pi­ne aca­bou por ser ad­qui­ri­da pe­la Re­nault.

Res­ga­tar a pai­xão

Ao lon­go da dé­ca­da de ’70 e ’80 a fá­bri­ca con­ti­nu­ou a lan­çar no­vos e ino­va­do­res au­to­mó­veis de es­tra­da, in­cluin­do o A310 V6 e o GTA – mais tar­de no­me­a­do de A610, em 1991. A pro­du­ção dos Al­pi­ne ces­sou em 1995, al­tu­ra em que a fá­bri­ca de Di­ep­pe pas­sou a cons­truir o Re­nault Sport Spi­der e pos­te­ri­or­men­te ou­tros mo­de­los ex­clu­si­vos da mar­ca do lo­san­go.

Ao ca­bo de 40 anos, ha­vi­am si­do cons­truí­dos mais de 30 mil au­to­mó­veis de es­tra­da Al­pi­ne, jun­ta­men­te com mais de 100 au­to­mó­veis de com­pe­ti­ção.

Es­cre­ve-se ago­ra um no­vo ca­pí­tu­lo da his­tó­ria Al­pi­ne, com o re­lan­ça­men­to da pro­du­ção do pri­mei­ro mo­de­lo de es­tra­da, 23 anos após o A610. Pe­la voz dos

O Al­pi­ne A110 tem uma re­la­ção pe­so/po­tên­cia de 4,3 kg/cv, o que faz ma­ra­vi­lhas pe­lo seu com­por­ta­men­to di­nâ­mi­co

res­pon­sá­veis da mar­ca fran­ce­sa, “há mui­to que tí­nha­mos a am­bi­ção de fa­zer re­gres­sar a Al­pi­ne, e ago­ra é o mo­men­to cer­to.” As pa­la­vras “pai­xão” e “pri­vi­lé­gio” re­ve­lam bem o es­pí­ri­to em tor­no des­te no­vo de­sa­fio, em­bo­ra a ex­pres­são “gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de” de­mons­tre igual­men­te o pe­so de um le­ga­do fa­ce aos inú­me­ros en­tu­si­as­tas da mar­ca por to­do o glo­bo.

O pro­je­to Al­pi­ne A110 foi anun­ci­a­do em 2012 pa­ra, cin­co anos mais tar­de, ser re­ve­la­do no Sa­lão Au­to­mó­vel de Ge­ne­bra o A110 Pre­miè­re Edition. Cons- truí­do na re­no­va­da e mo­der­ni­za­da fá­bri­ca de Di­ep­pe, o Pre­miè­re Edition se­rá co­mer­ci­a­li­za­do em 11 mer­ca­dos eu­ro­peus – bem co­mo no Ja­pão e Aus­trá­lia –, em con­ces­si­o­ná­ri­os de­di­ca­dos, li­mi­ta­do a um lo­te ini­ci­al de 1955 – pa­ra ce­le­brar o ano de fun­da­ção da mar­ca. Je­an Ré­dé­lé te­ria fi­ca­do or­gu­lho­so…

Uma ques­tão de ADN

Aten­den­do à ex­clu­si­vi­da­de des­ta Pre­mié­re Edition, uma vol­ta ao Cir­cui­to Es­to­ril foi o pos­sí­vel pa­ra um pri­mei­ro contacto em pis­ta com o no­vo Al­pi­ne A 110. De- vi­do à dis­po­si­ção cen­tral tra­sei­ra do mo­tor, a re­par­ti­ção de pe­sos – 44% à fren­te e 56% atrás – é bas­tan­te equi­li­bra­da, além de não acu­sar mais de 1.080 kg na ba­lan­ça, so­bre­tu­do pe­la sua cons­tru­ção em alu­mí­nio (es­tru­tu­ra e car­ro­ça­ria). Es­ta­mos pe­ran­te um cou­pé de tra­ção tra­sei­ra, de dois lu­ga­res, que cum­pre na per­fei­ção o le­ma do fun­da­dor da mar­ca: le­ve, com­pac­to e ágil.

Des­de a pri­mei­ra cur­va que o Al­pi­ne in­cu­tiu bas­tan­te con­fi­an­ça. A sus­pen­são de du­plos tri­ân­gu­los, o au­to­blo­can­te ele­tró­ni­co e as jan­tes Fu­chs de 18 po­le­ga­das com pneus 335/40 no ei­xo tra­sei­ro fa­zem ma­ra­vi­lhas no que diz res­pei­to à mo­tri­ci­da­de e equi­lí­brio em cur­va. Se so­mar­mos a ca­pa­ci­da­de de tra­va­gem de au­to­ria da Brem­bo – dis­cos di­an­tei­ros de 320 mm e qu­a­tro êm­bo­los –, es­ta­mos em pre­sen­ça de um car­ro que pro­por­ci­o­na uma con­du­ção mui­to com­pen­sa­do­ra, com mar­gens de se­gu­ran­ça bas­tan­te ele­va­das. A agi­li­da­de e sen­sa­ção de le­ve­za com que de­vo­ra cur­vas fe­cha­das é, no mí­ni­mo… apai­xo­nan­te.

O fac­to de le­var­mos o mo­tor ‘às cos­tas’ tor­na a sua pre­sen­ça mais no­ta­da, sem, con­tu­do, se tor­nar

in­có­mo­da. As pas­sa­gens da cai­xa de du­pla em­brai­a­gem (Ge­trag de se­te re­la­ções) fa­zem-se acom­pa­nhar por um bor­bu­lhar e es­ta­li­dos mui­to ra­cing, emi­ti­dos pe­la saí­da de es­ca­pe cen­tral.

Há que re­al­çar ain­da as fan­tás­ti­cas bac­quets, as­si­na­das pe­la Sa­belt, que sus­tam o cor­po na per­fei­ção e as­se­gu­ram uma po­si­ção de con­du­ção bai­xa, bem ali­nha­da com o vo­lan­te e pe­dais.

Os 4,5 se­gun­dos que le­va pa­ra atin­gir os 100 km/h de­mons­tram bem a ca­pa­ci­da­de de nos ca­ta­pul­tar pa­ra ve­lo­ci­da­des proi­bi­ti­vas… num pis­car de olhos!

Nes­te no­vo ca­pí­tu­lo, a Al­pi­ne vai man­ter-se fi­el aos seus prin­cí­pi­os de cons­truir des­por­ti­vos le­ves, com­pac­tos e ágeis

Se­rão cons­truí­das so­men­te 1955 uni­da­des da Pre­miè­re Edition em ho­me­na­gem à da­ta de fun­da­ção da Al­pi­ne. Se­gue-se a pro­du­ção cor­ren­te, com en­co­men­das a se­rem acei­tes via a app da mar­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.