Au­di R8 RWS

O pri­mei­ro Au­di R8 de tra­ção tra­sei­ra as­su­me-se co­mo uma de­mons­tra­ção de for­ça por par­te da mar­ca ale­mã. Dis­po­ní­vel ape­nas co­mo uma edi­ção li­mi­ta­da, tro­ca al­gu­ma efi­cá­cia por pu­ro pra­zer de con­du­ção.

Altagama Motor (Portugal) - - Sumário -

Não exis­te um tem­pla­te de ‘co­mo fa­zer um su­per­des­por­ti­vo’, mas no ima­gi­ná­rio co­le­ti­vo a tra­ção às ro­das pos­te­ri­o­res apa­re­ce co­mo um must. E se for acom­pa­nha­da por uma mo­to­ri­za­ção ‘à mo­da an­ti­ga’ – que é co­mo quem diz, at­mos­fé­ri­ca, com mui­tos ci­lin­dros, e na­da de down­si­zing – a con­fi­gu­ra­ção do nos­so car­ro ide­al vai-se tor­nan­do bas­tan­te mais su­ges­ti­va.

Com es­tas pre­mis­sas em men­te, nas­ce um Au­di sin­gu­lar den­tro da ga­ma R8, o RWS, ou Re­ar Whe­el Se­ri­es. Es­te já cum­pria o se­gun­do re­qui­si­to – a mo­to­ri­za­ção à an­ti­ga –, mas ago­ra cum­pre igual­men­te o pri­mei­ro, nu­ma ma­no­bra que al­guns po­dem con­si­de­rar sur­pre­en­den­te por par­te de um cons­tru­tor que sem­pre se des­ta­cou pe­lo sis­te­ma quat­tro, prin­ci­pal­men­te nes­te su­per­des­por­ti­vo R8. No en­tan­to, ele aqui es­tá, nu­ma sé­rie li­mi­ta­da a 999 uni­da­des, me­ta­de das quais des­ti­na­das à Eu­ro­pa.

Igual, mas di­fe­ren­te

Vi­su­al­men­te, o R8 RWS apre­sen­ta-se qua­se to­tal­men­te idên- ti­co aos res­tan­tes mo­de­los des­ta ga­ma. O es­pe­ta­cu­lar de­sign, es­tre­a­do em 2006 e re­to­ca­do em 2015, con­ti­nua tão be­lo e atu­al co­mo quan­do foi re­ve­la­do.

Pa­ra se dis­tin­guir, o RWS ado­ta de­ta­lhes co­mo as si­de­bla­des su­pe­ri­o­res em pre­to bri­lhan­te, en­quan­to as in­fe­ri­o­res as­su­mem a cor da car­ro­ça­ria. Op­ci­o­nal­men­te, es­tá dis­po­ní­vel a ris­ca a to­do o com­pri­men­to do car­ro – ver­me­lha nes­ta uni­da­de – ins­pi­ra­da na ver­são de com­pe­ti­ção.

O ver­da­dei­ro en­can­to des­te R8 RWS – que tam­bém exis­te em Roadster – en­con­tra-se ocul- to, mas vem su­bin­do à su­per­fí­cie à me­di­da que va­mos ex­plo­ran­do os seus li­mi­tes. Cla­ro es­tá que em es­tra­das ‘nor­mais’, aber­tas ao trân­si­to, é im­pos­sí­vel aflo­rar os li­mi­tes do car­ro.

Ao ar­ran­car­mos, re­cor­da­mos as pa­la­vras dos en­ge­nhei­ros da Au­di aquan­do da apre­sen­ta­ção in­ter­na­ci­o­nal, há uns me­ses atrás: “per­de em efi­cá­cia, mas ga­nha em di­ver­são”. E acer­ta­ram em cheio. O V10 de 5,2 li­tros, aqui com 540 CV, con­tra os 610 CV do R8 quat­tro, ecoa des­de o iní­cio co­mo uma mú­si­ca de he­avy

me­tal. E que ar­ran­que! Que anun­cie, no pa­pel, uma ace­le­ra­ção dois dé­ci­mos pior que a ver­são quat­tro é to­tal­men­te ir­re­le­van­te quan­do 3,7 se­gun­dos de­pois de ar­ran­car­mos já atin­gi­mos os 100 km/h.

É im­pres­si­o­nan­te a pro­gres­são do R8 as­sim que car­re­ga­mos no ace­le­ra­dor a fun­do. A ex­tra­or­di­ná­ria pu­jan­ça do V10 obri­ga a ho­ras ex­tra­or­di­ná­ri­as por par­te do con­tro­lo de tra­ção pa­ra do­mar o RWS, al­go tes­te­mu­nha­do

pe­la cons­tan­te pre­sen­ça da luz avi­sa­do­ra do fun­ci­o­na­men­to do mes­mo no pai­nel de ins­tru­men­tos. A ace­le­ra­ção é in­ces­san­te e o ím­pe­to com que se lan­ça pa­ra a fren­te é igual, quer ace­le­re­mos a fun­do a 100 km/h ou a 200 km/h. A en­tre­ga de po­tên­cia às ro­das do R8 é ge­ri­da pe­la cai­xa S tro­nic (de du­pla em­brai­a­gem e se­te ve­lo­ci­da­des), ex­ce­len­te na sua ra­pi­dez, mas, por ve­zes, um pou­co im­pre­ci­sa em ma­no­bras de bai­xa ve­lo­ci­da- de. No mo­do Con­fort – exis­tem três per­fis de con­du­ção se­le­ci­o­ná­veis no vo­lan­te – e de for­ma a ten­tar pou­par al­gu­mas go­tas aos ele­va­dos con­su­mos, quan­do cir­cu­la­mos a mais de 55 km/h en­tra em mo­do co­as­ting, li­ber­tan­do am­bas as em­brai­a­gens de for­ma a eli­mi­nar a fric­ção. Além des­te sis­te­ma, e em ter­mos de eco­lo­gia/pou­pan­ça de com­bus­tí­vel, con­ta­mos, ain­da, com ou­tras du­as tec­no­lo­gi­as adi­ci­o­nais: start/stop e a pos­si­bi­li­da-

O R8 RWS es­tá dis­po­ní­vel co­mo edi­ção li­mi­ta­da a 999 uni­da­des

de de de­sa­ti­var uma das ban­ca­das de ci­lin­dros quan­do a car­ga do ace­le­ra­dor é mais con­ti­da. O ren­di­men­to é im­por­tan­te, mas se se pu­der igual­men­te ser eco­ló­gi­co, tan­to me­lhor.

In­ten­so

Emis­sões à par­te, em es­tra­das si­nu­o­sas o R8 RWS é bas­tan­te rá­pi­do, e mais in­ten­so que um quat­tro. Pa­ra além da di­e­ta – se to­mar­mos co­mo ver­da­dei­ros os da­dos da mar­ca que in­di­cam 50 kg a me­nos que o seu ‘ir­mão’ de tra­ção to­tal –, é a tra­sei­ra mais vi­va que en­vol­ve o con­du­tor nu­ma ex­pe­ri­ên­cia de con­du­ção to­tal­men­te di­fe­ren­te e mais des­por­ti­va. Não obs­tan­te, a sen­sa­ção de con­tro- lo é ele­va­da quan­do, a par­tir do vér­ti­ce da cur­va ace­le­ra­mos pa­ra sair em for­ça: o R8 RWS não apre­sen­ta pra­ti­ca­men­te ro­la­men­to de car­ro­ça­ria, e a di­re­ção, sem ser um pro­dí­gio de ra­pi­dez, apre­sen­ta um bom ta­to e pro­gres­si­vi­da­de.

Se no pri­mei­ro contacto que ti­ve­mos com o RWS sur­gi­ram al­gu­mas dú­vi­das a res­pei­to do seu com­por­ta­men­to, ago­ra, com mais di­as e qui­ló­me­tros de contacto, e com pneus à al­tu­ra – aquan­do da apre­sen­ta­ção os veí­cu­los de tes­te es­ta­vam equi­pa­dos com pneus de in­ver­no – es­tas dis­si­pa­ram-se. Ado­tan­do um rit­mo vi­vo, con­se­gue ser tão rá­pi­do co­mo o quat­tro e, ca­so o as­fal­to pro­por­ci­o­ne boa ade­rên- cia, po­de até su­pe­rá-lo li­gei­ra­men­te. Ca­so op­te­mos por des­li­gar as aju­das ele­tró­ni­cas, a si­tu­a­ção mu­da de fi­gu­ra, tor­nan­do-se de­ma­si­a­do ou­sa­do pa­ra es­tra­da aber­ta, mas in­di­ca­do e bas­tan­te di­ver­ti­do de ex­plo­rar em pis­ta.

A rit­mos in­fe­ri­o­res, em es­tra­da, con­se­gue ser mais in­for­ma­ti­vo e emo­ci­o­nal do que o seu ho­mó­lo­go de tra­ção in­te­gral e, ten­do em con­ta to­das as li­mi­ta­ções exis­ten­tes ho­je em dia, is­so é uma gran­de van­ta­gem. Pe­la nos­sa par­te, a per­da de ‘no­bre­za’ em tro­ca de uma su­pe­ri­or pai­xão as­sen­ta-lhe que nem uma lu­va. Res­ta sa­ber se a pró­xi­ma re­no­va­ção, pre­vis­ta pa­ra o fi­nal des­te ano, iní­cio do se­guin­te, tam­bém irá con­tar com uma va­ri­an­te tão ex­clu­si­va e ou­sa­da co­mo es­ta.

Pos­sui uma va­ri­an­te me­nos po­ten­te do V10: são 540 CV de pu­jan­ça e so­no­ri­da­de so­ber­ba

Ju­an Pa­blo Es­te­ban / Pe­dro Do­min­gues Pa­lo­ma So­ria

De ori­gem con­ta com jan­tes ne­gras de alu­mí­nio for­ja­do de 19”. Ilu­mi­na­ção de bom ní­vel, com fa­róis e fa­ro­lins LED e ‘pis­cas’ tra­sei­ros di­nâ­mi­cos

O ai­le­ron tra­sei­ro ele­va-se au­to­má­ti­ca ou ma­nu­al­men­te. A Au­di Sport que­bra a tra­di­ção com o pri­mei­ro R8 de es­tra­da sem tra­ção quat­tro

Co­mo ele­men­to di­fe­ren­ci­a­dor, as si­de­bla­des in­fe­ri­o­res ado­tam a cor da car­ro­ça­ria

A po­si­ção de con­du­ção é óti­ma, pe­se em­bo­ra o as­sen­to al­go es­trei­to das be­las bac­quets (op­ci­o­nais). Na ‘ba­ga­gei­ra’ ca­be mui­to pou­ca coi­sa. Os mo­dos de con­du­ção são se­le­ci­o­na­dos no vo­lan­te, e o per­fil In­di­vi­du­al é per­so­na­li­zá­vel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.