Ja­guar E-PACE

O mui­to es­pe­ra­do fe­li­no ur­ba­no tem for­ma e fun­ção. Ao de­sign ape­la­ti­vo alia ar­gu­men­tos di­nâ­mi­cos in­te­res­san­tes. Mas se­rá is­so su­fi­ci­en­te pa­ra om­bre­ar com as re­fe­rên­ci­as des­ta clas­se de SUV com­pac­tos?

Altagama Motor (Portugal) - - Editorial -

Quan­do abri­mos a por­ta do no­vo E-PACE de noi­te, a luz de cor­te­sia, pro­je­ta­da no so­lo, re­sul­ta no gra­fis­mo de uma fi­gu­ra fe­li­na com uma cria. Não é ino­cen­te: é uma cla­ra men­sa­gem de que se tra­ta de um baby jag, e não de um mo­de­lo sé­ni­or. O lan­ça­men­to do no­vo E-PACE acon­te­ce nu­ma al­tu­ra em que es­ta clas­se fer­vi­lha de no­vi­da­des, on­de nos úl­ti­mos me­ses tam­bém ini­ci­a­ram as su­as car­rei- ras co­mer­ci­ais o BMW X2 e Vol­vo XC40, ape­nas pa­ra no­me­ar os mais re­cen­tes. Por is­so, não po­dia ha­ver me­lhor ti­ming. A ex­pec­ta­ti­va em tor­no des­te mo­de­lo tem si­do enor­me, e qu­em aguar­dou até ao mo­men­to não de­ve­rá fi­car de­si­lu­di­do. Co­mo for­ma de di­fe­ren­ci­a­ção fa­ce ao F-PACE, es­te E-PACE tem um vi­su­al ins­pi­ra­do no F-TYPE, no­tó­rio tan­to no for­ma­to das óti­cas co­mo no in­te­ri­or, in­clu­si­ve. Bas­ta di­zer que, a par do seu ir­mão des­por- ti­vo – dis­po­ní­vel tan­to em ca­brio co­mo cou­pé –, es­te SUV com­pac­to é o úni­co que pos­sui se­le­tor de cai­xa por ala­van­ca e não por ro­tor, co­mo acon­te­ce com a ge­ne­ra­li­da­de da ofer­ta da Ja­guar Land Ro­ver. Pa­ra­le­la­men­te, a dis­po­si­ção de al­guns ele­men­tos – no­me­a­da­men­te co­man­dos da ven­ti­la­ção e dos mo­dos de con­du­ção, ins­tru­men­ta­ção ana­ló­gi­ca e a pe­ga pa­ra o pas­sa­gei­ro, jun­to à con­so­la cen­tral – são por­me­no­res par­ti­lha­dos com o F-TYPE. To­da a mon­ta­gem in­te­ri­or, su­per­fí­ci­es e apli­ca­ções evi­den­ci­am boa qua­li­da­de, co­mo que que­ren­do re­al­çar que, ape­sar de ser o ben­ja­mim da fa­mí­lia, o E-PACE não es­tá lon­ge dos seus big brothers nes­ta ma­té­ria. Ape­nas há a apon­tar al­guns plás­ti­cos cu­jas ares­tas es­tão mal ‘li­ma­das’, prin­ci­pal­men­te nas áre­as in­fe­ri­o­res e nos lu­ga­res tra­sei­ros.

Já na ha­bi­ta­bi­li­da­de equi­pa­ra­se aos seus ri­vais, sen­do ge­ne­ro­so em al­tu­ra pa­ra qu­em vi­a­ja

atrás e ajus­ta­do na área pa­ra per­nas, ade­qua­do pa­ra ocu­pan­tes até 1,8 me­tros.

Jun­ta-se a is­so uma vo­lu­me­tria de ba­ga­gei­ra de 577 li­tros, sen­do re­fe­ren­ci­al nes­te sub­seg­men­to, em­bo­ra à cus­ta da au­sên­cia de ro­da so­bres­sa­len­te.

O fa­tor pe­so

O pe­so é um fa­tor nes­te mo­de­lo, ain­da que bem es­ca­mo­te­a­do. Na ba­lan­ça acu­sa mais de 1.700 kg, o que pa­ra um to­do-o-ter­re­no light é con­si­de­rá­vel – um mal co­mum des­ta clas­se. Bas- ta ver que ain­da há coi­sa de 20 anos es­te era o gé­ne­ro de mas­sa que en­con­trá­va­mos num TT pu­ro-e-du­ro de chas­sis lon­go. Co­mo os tem­pos evo­luí­ram… Ape­sar dis­to, e à par­te da ex­ce­len­te sen­sa­ção de so­li­dez quan­do co­me­ça­mos a ro­lar es­tra­da fo­ra, o E-PACE pa­re­ce con­tra­di­zer os da­dos da sua fi­cha téc­ni­ca. O se­gre­do es­tá na fir­me­za de sus­pen­são con­ju­ga­da com uma di­re­ção di­re­ta e pre­ci­sa e di­men­sões re­la­ti­va­men­te com­pac­tas, le­van­do o con­jun­to a de­mons­trar um com­por­ta­men- to le­ve e ágil, além de gran­de àvon­ta­de a cir­cu­lar por es­tra­das si­nu­o­sas, em ma­no­bras de ci­da­de e de es­ta­ci­o­na­men­to. Aglu­ti­na tu­do o que um SUV ur­ba­no de­ve ter, acres­cen­tan­do ain­da uma tó­ni­ca bem di­nâ­mi­ca que tan­to agra­da aos con­du­to­res mais jo­vens de es­pí­ri­to.

On­de es­te E-PACE sur­pre­en­deu foi pre­ci­sa­men­te na acu­ti­lân­cia do ei­xo di­an­tei­ro, per­mi­tin­do uma con­du­ção agres­si­va, sem pre­juí­zo pa­ra a es­ta­bi­li­da­de e se­gu­ran­ça – até por­que a car­ro­ça­ria tem pou­ca in­cli- na­ção em cur­va. Mes­mo nos mo­men­tos de mai­or apoio, se fe­char­mos mais a di­re­ção, a fren­te não se ne­ga, mos­tran­do que a sub­vi­ra­gem não faz par­te do seu car­dá­pio.

Sen­do fi­el aos va­lo­res do seu cri­a­dor, o E-PACE é in­dul­gen­te pa­ra com os seus pas­sa­gei­ros. Em­bo­ra a ab­sor­ção te­nha um ca­rá­ter mais con­sis­ten­te, não che­ga pa­ra in­co­mo­dar, a me­nos que a via es­te­ja re­al­men­te dis­for­me. O bem-es­tar a bor­do com­ple­ta-se com uma in­so­no­ri­za­ção de­cen­te, con­tri­buin-

do pa­ra a já re­fe­ri­da per­ce­ção de qua­li­da­de e so­li­dez.

Mo­tor enér­gi­co

Pou­cos SUV do seg­men­to C pa­re­cem ter gran­de vo­ca­ção off ro­ad, mas o E-PACE, mais uma vez, con­tra­ria es­ta ten­dên­cia, mos­tran­do ca­pa­ci­da­de pa­ra ven­cer obs­tá­cu­los com fa­ci­li­da­de e atra­ves­sar cur­sos de água sem so­frer con­sequên­ci­as. Is­to de­ve-se à sua tra­ção in­te­gral apoi­a­da na ele­tró­ni­ca, que au­xi­lia na es­ta­bi­li­da­de des­te chas­sis no as­fal­to as­sim co­mo na efi­cá- cia fo­ra de­le. Es­te sis­te­ma in­te­gra a fun­ção All­sur­fa­ce Pro­gress Con­trol (ASPC), as­sim co­mo um pro­gra­ma de ve­lo­ci­da­de pro­gra­ma­da, que, tal co­mo o Hill Des­cent Con­trol, dei­xa ao con­du­tor ape­nas a res­pon­sa­bi­li­da­de de con­tro­lar a di­re­ção. As ca­pa­ci­da­des TT do E-PACE são re­ma­ta­das com ân­gu­los fa­vo­rá­veis, ten­do de en­tra­da, saí­da e ven­tral 23, 21 e 29 graus, res­pe­ti­va­men­te, além de uma ca­pa­ci­da­de de pas­sa­gem a vau de 50 cm.

En­tre as cin­co op­ções de pro­pul­são do E-PACE, es­te D180 é o mais equi­li­bra­do da ofer­ta Di­e­sel – exis­tem ain­da o D150 e o D240, usan­do sem­pre o mes­mo blo­co 2.0 de qua­tro ci­lin­dros. A de­sig­na­ção cor­res­pon­de à po­tên­cia, trans­mi­ti­da via uma cai­xa au­to­má­ti­ca de no­ve ve­lo­ci­da­des, num con­jun­to que re­sul­ta bas­tan­te su­a­ve na en­tre­ga mas pu­jan­te na res­pos­ta, sen­do par­ti­cu­lar­men­te ‘en­cor­pa­do’ a bai­xos e mé­di­os re­gi­mes. O tem­pe­ra­men­to da me­câ­ni­ca va­ria con­so­an­te o per­fil de con­du­ção se­le­ci­o­na­do – en­tre In­ver­no, Eco, Com­fort e Dy­na­mic –, e se

O pe­so é ele­va­do, mas es­ca­mo­te­a­do gra­ças a uma cor­re­ta con­fi­gu­ra­ção do chas­sis

os pri­mei­ros dois são mais apro­pri­a­dos a to­a­das mais mo­de­ra­das, já os res­tan­tes ajus­tam-se a uma pos­tu­ra mais des­por­ti­va. É na sen­si­bi­li­da­de do ace­le­ra­dor e na con­vic­ção nas pas­sa­gens de cai­xa que se no­tam mai­o­res di­fe­ren­ças, per­mi­tin­do es­pre­mer mai­or ener­gia do 2 li­tros e rit­mos bem mais ele­va­dos. Pa­ra­do­xal­men­te, não sen­ti­mos gran­des al­te­ra­ções nos con­su­mos en­tre mo­dos de con­du­ção, já que mes­mo em Eco, por exem­plo, só com al­gum es­for­ço con­se­gui­mos bai­xar dos 8,5 li­tros de mé­dia. O ape­ti­te des­ta fa­mí­lia de pro­pul­so­res co­me­ça a ser uma ca­rac­te­rís­ti­ca, in­de­pen­den­te­men­te do mo­de­lo em que es­te­ja mon­ta­do e da trans­mis­são a que se­ja as­so­ci­a­do.

Es­te Ja­guar es­tá des­ti­na­do a ser uma op­ção eli­tis­ta, pa­ten­te no seu PVP. Es­ta me­câ­ni­ca, com­bi­na­da com o ní­vel de equi- pa­men­to S, or­ça em 62.750€, uma ci­fra bem aci­ma da con­cor­rên­cia di­re­ta. O cons­tru­tor bri­tâ­ni­co quer ofe­re­cer uma gran­de va­ri­e­da­de de es­co­lha de ver­sões, mas is­so, tal co­mo nou­tras ga­mas, aca­ba por ser con­fu­so pa­ra o cli­en­te fi­nal. Mais: a re­la­ção pre­ço/equi­pa­men­to de­ve­ria ser mais ge­ne­ro­sa, não só pa­ra jus­ti­fi­car o pre­ço co­mo for­ma de de­mar­ca­ção dos seus ri­vais ale­mães.

A re­la­ção pre­ço/ equi­pa­men­to de­ve­ria ser mais ape­la­ti­va

Ber­nar­do Gon­za­lez Pau­lo Ca­lis­to

A er­go­no­mia es­tá bem con­se­gui­da, fa­ci­li­ta­da pe­los ban­cos de bom apoio e 10 vi­as de re­gu­la­ção. O es­pa­ço atrás é am­plo em al­tu­ra e ajus­ta­do pa­ra per­nas. Já a ba­ga­gei­ra é ge­ne­ro­sa, mas à cus­ta da fal­ta de pneu so­bres­sa­len­te, que tem um pre­ço de 249€

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.