Vol­vo V60

A re­no­va­ção da ga­ma Vol­vo pros­se­gue a bom rit­mo com a che­ga­da da V60. A no­va iden­ti­da­de vi­su­al da mar­ca su­e­ca con­ti­nua a mar­car pon­tos, mas o que mais tem es­ta nór­di­ca pa­ra ofe­re­cer?

Altagama Motor (Portugal) - - Editorial -

Des­de que pas­sou pa­ra as mãos dos chi­ne­ses da Ge­ely, a Vol­vo tem vin­do a apre­sen­tar re­sul­ta­dos en­co­ra­ja­do­res, ali­cer­ça­dos nu­ma re­no­va­ção de to­da a ga­ma, em que os va­lo­res tra­di­ci­o­nais da mar­ca su­e­ca se ali­am a um de­sign atra­en­te e so­fis­ti­ca­do e que tan­tos adep­tos tem ca­ti­va­do por es­se mun­do fo­ra.

Sen­do um dos pro­du­tos mais po­pu­la­res da ga­ma da Vol­vo, era ape­nas uma ques­tão de tem­po até a V60 ver che­ga­da a sua vez de dar o pró­xi­mo pas­so e aju­dar a mar­ca a con­ti­nu­ar a sua sen­da de su­ces­so.

Qua­li­da­de em cres­cen­do

Ex­te­ri­or­men­te, a V60 é pra­ti­ca­men­te uma ré­pli­ca em me­nor es­ca­la da V90. Es­te ti­po de de­sign ‘ma­tri­os­kas’ é al­go ado­ta­do já por al­gu­mas mar­cas pre­mium e, se nos SUV XC60 e XC90 tal não é tão evi­den­te, nes­ta V60 sal­ta ime­di­a­ta­men­te à vis­ta as se­me­lhan­ças com a V90. Nes­te ca­so, não acha­mos que se­ja pro­pri­a­men­te uma des­van­ta­gem, da­da a be­le­za das li­nhas de am­bas as car­ri­nhas su­e­cas, mas gos­tos não se dis­cu­tem.

Es­tas se­me­lhan­ças con­ti­nu­am no in­te­ri­or, mas se com­pa­rar­mos a no­va V60 com a sua an­te­ces­so­ra, aí as coi­sas mu­dam de fi­gu­ra, e a evo­lu­ção é por de­mais evi­den­te, não só no de­sign, co­mo na qua­li­da­de dos ma­te­ri­ais em­pre­gues. A mai­o­ria dos plás­ti­cos é su­a­ve ao to­que e as apli­ca­ções em ma­dei­ra Driftwo­od con­fe­rem um ine­gá­vel to­que de clas­se e so­fis- ti­ca­ção ao ha­bi­tá­cu­lo. Os ban­cos em pe­le – de sé­rie nes­te ní­vel Ins­crip­ti­on, o mais ele­va­do – pro­por­ci­o­nam um ex­ce­len­te con­for­to aos ocu­pan­tes en­quan­to o es­pa­ço dis­po­ní­vel é am­plo em to­dos os lu­ga­res.

Es­tra­dis­ta na­ta

To­do o ên­fa­se pos­to no be­mes­tar dos ocu­pan­tes par­te do pres­su­pos­to que es­tes irão pas­sar bas­tan­te tem­po no ha­bi­tá­cu­lo da V60, uma vez que es­ta foi ta­lha­da pa­ra as lon­gas vi­a­gens em es­tra­da e au­to­es­tra­da.

Não quer is­to di­zer que não é uti­li­zá­vel no dia-a-dia, na­da dis­so. Ape­nas tem co­mo pal­co ide­al cru­zar paí­ses de lés a lés.

A ‘nos­sa’ V60 D4 Ins­crip­ti­on Au­to­ma­tic é o to­po da ga­ma V60 no que to­ca a mo­to­ri­za­ções Di­e­sel. Con­ta com os prés­ti­mos de um 2.0 li­tros tur­bo de in­je­ção di­re­ta, ca­paz de de­bi­tar 190 CV e na­da me­nos que 400 N.m, tu­do is­to con­tro­la­do pe­la trans­mis­são au­to­má­ti­ca Ge­ar­tro­nic de oi­to ve­lo­ci­da­des. Es­ta po­de ser con­tro­la­da ma­nu­al­men­te, mas ape­nas no se­le­tor, uma vez que não há pa­ti­lhas no vo­lan­te. De qual­quer for­ma, o mo­do de es­tar ‘re­lax’ da V60 con­vi­da a usar sem­pre a cai­xa em ‘D’ e no mo­do de con­du­ção Con­fort. Com es­te acer­to, a V60 con­ju­ga uma con­du­ção bas­tan­te agra­dá­vel com con­su­mos mo­de­ra­dos, ten­do em con­ta a po­tên­cia e o pe­so, na­da me­nos que 1.844 kg. Em rit­mo mo­de­ra­do con­se­gui­mos ob­ter va­lo­res abai­xo do 8 l/100 km, mas mes­mo pu­xan­do pe­los 190 CV nun­ca pas­sá­mos da bar­rei­ra dos 10 l/100 km.

Uma vez em an­da­men­to, há des­de lo­go dois ele­men­tos que se des­ta­cam: a su­a­vi­da­de de ro­la­men­to e o si­lên­cio a bor­do. Se em ace­le­ra­ção o mo­tor é al­go rui­do­so, em an­da­men­to cons­tan­te, mes­mo a rit­mos mais ele­va­dos, o mes­mo tor­na­se qua­se inau­dí­vel. A sua

As es­tra­das aber­tas e au­to­es­tra­das são os pal­cos de elei­ção da V60

res­pos­ta é ade­qua­da e per­mi­te lo­co­mo­ver a V60 sem qual­quer sen­sa­ção de es­for­ço. Em es­tra­das si­nu­o­sas, o ele­va­do con­for­to não se pa­ga à cus­ta do com­por­ta­men­to. A V60 pos­sui um pi­sar bas­tan­te se­gu­ro e nun­ca nos co­lo­cou em si­tu­a­ções do gé­ne­ro ‘de­vía­mos ter fei­to aque­la cur­va mais de­va­gar’. Aqui, con­tri­bu­em igual­men­te os ade­ren­tes Con­ti­nen­tal Pre­mium­con­tact 6 235/40 R19, que pro­por­ci­o­nam am­pla mar­gem de se­gu­ran­ça.

Em am­bi­en­te ur­ba­no, a op- ção pe­la cai­xa Ge­ar­tro­nic é, sem dú­vi­da, uma mais-va­lia em ter­mos de con­for­to de con­du­ção e a úni­ca des­van­ta­gem se­rá, pos­si­vel­men­te, ten­tar ar­ran­jar um lu­gar pa­ra es­ta­ci­o­nar os qua­se 4,80 me­tros da V60.

Va­lu­e­for­mo­ney

Es­ta Vol­vo V60 D4 Ins­crip­ti­on Au­to­ma­tic não é pro­pri­a­men­te uma pe­chin­cha, ao or­çar em 53.134€, mas pro­por­ci­o­na um ní­vel de equi­pa­men­to de sé­rie in­te­res­san­te se bem que, tal co­mo a con­cor­rên­cia, pos­sua igual­men­te uma lon­ga e one­ro­sa lis­ta de op­ci­o­nais. Con­tu­do, há que não es­que­cer o sal­to qua­li­ta­ti­vo em re­la­ção ao mo­de­lo an­te­ri­or, e o fac­to de apre­sen­tar mai­or ex­clu­si­vi­da­de, uma vez que não é uma vi­são tão cor­ri­quei­ra nas es­tra­das na­ci­o­nais co­mo al­guns mo­de­los da con­cor­rên­cia.

As óti­cas tra­sei­ras se­guem a ten­dên­cia atu­al do de­sign dos pro­du­tos Vol­vo

Pe­dro Do­min­gues Pau­lo Ca­lis­to

As lu­zes diur­nas ‘Mar­te­los de Thor’ são a as­si­na­tu­ra dis­tin­ti­va da no­va ima­gem Vol­vo. To­da a ilu­mi­na­ção ex­te­ri­or re­cor­re a tec­no­lo­gia LED

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.