Audi Q3

Se pen­sa es­tar a ver um Q8 em ta­ma­nho mais re­du­zi­do fi­que a sa­ber que tem ra­zões pa­ra is­so, uma vez que a se­gun­da ge­ra­ção do SUV com­pac­to da mar­ca dos anéis de­ve mui­to ao seu big­brother. E não ape­nas no cam­po es­té­ti­co. Fo­mos co­nhe­cer os seus se­gre­dos.

Altagama Motor (Portugal) - - Editorial -

Tal­vez se­ja pe­lo am­bi­en­te en­vol­ven­te ou pe­las co­res es­co­lhi­das pa­ra a pri­mei­ra apre­sen­ta­ção fei­ta pe­la Audi, mas es­ta­mos con­ven­ci­dos de que, quan­do ti­ver a pos­si­bi­li­da­de de con­tem­plar ao vi­vo a no­va ge­ra­ção do Q3, a sua pri­mei­ra ex­pres­são se­rá de es­pan­to na for­ma de um ‘ago­ra sim’.

Fa­la­mos da se­gun­da ge­ra­ção da­que­le que foi em tem­pos o ‘Q’ mais pe­que­no da mar­ca, e que deu ago­ra um sal­to gi­gan­te em ma­té­ria de de­sign, qua­li­da- de, co­ne­ti­vi­da­de e ha­bi­ta­bi­li­da­de. A apos­ta da mar­ca dos anéis nes­te mo­de­lo é de tal for­ma sé­ria que po­de­rá mes­mo ca­ni­ba­li­zar ven­das do Q5. Pa­ra com­ple­tar o cock­tail, fal­ta re­fe­rir a di­nâ­mi­ca emo­ci­o­nan­te, mas ao tra­tar-se de um pri­mei­ro con­tac­to es­tá­ti­co, te­re­mos de nos cin­gir aos as­pe­tos re­fe­ri­dos an­te­ri­or­men­te.

Pri­mei­ro im­por­ta re­fe­rir o vi­su­al. O fac­to de o seu pre­de­ces­sor ter uma ima­gem fo­ra do co­mum fa­ce aos seus ri­vais per­mi­tiu-lhe ga­nhar po­pu­la­ri­da­de en­tre os con­du­to­res me­nos tra­di- ci­o­nais – as su­as ven­das glo­bais as­cen­dem a 1,1 mi­lhões de uni­da­des.

Se já se fa­mi­li­a­ri­zou com o Q8, do qual de­mos con­ta na edi­ção an­te­ri­or da Al­ta­ga­ma, ve­rá que o vis­to­so Q3 ado­ta mui­tos dos seus tra­ços. Des­de a gre­lha di­an­tei­ra sin­gle­fra­me oc­to­go­nal, com lâ­mi­nas verticais, aos gru­pos óti­cos tra­sei­ros, a sen­sa­ção ge­ral é de gran­de ro­bus­tez. Es­te no­vo SUV des­ti­la pre­sen­ça e vi­gor, si­tu­an­do-se anos-luz à fren­te do seu an­te­ces­sor, além de ter cres­ci­do 9,7 cm em com­pri­men-

to – che­ga aos 4,48 me­tros – e 1,8 cm em lar­gu­ra (1,85 me­tros), em­bo­ra a al­tu­ra se­ja a mes­ma (1,58 me­tros)

Mui­to mús­cu­lo

As jan­tes de até 20 po­le­ga­das com­ple­men­tam o as­pe­to ro­bus­to, as­sim co­mo al­guns de­ta­lhes vin­ca­da­men­te SUV, co­mo as pro­te­ções plás­ti­cas ne­gras que ro­dei­am o pe­rí­me­tro in­fe­ri­or da car­ro­ça­ria e que, nos ní­veis de equi­pa­men­to Ad­van­ced e S li­ne, sur­gem pin­ta­das na mes­ma cor da car­ro­ça­ria. Ní­veis que po­dem ser com­bi­na­dos com três li­nhas in­te­ri­o­res. E é pre­ci­sa­men­te no ha­bi­tá­cu­lo que se pre­sen­cia um sal­to de vá­ri­os pa­ta­ma­res no que diz res­pei­to à qua­li­da­de per­ce­tí­vel: con­ta com no­vas mol­du­ras no ta­bli­er e con­so­la cen­tral, ma­te­ri­ais e re­ves­ti­men­tos, co­mo a Al­can­ta­ra, em pon­tos an­tes con­si­de­ra­dos im­pen­sá­veis, co­mo nas por­tas e na par­te su­pe­ri­or do ta­bli­er.

O pai­nel de ins­tru­men­tos é sem­pre di­gi­tal, com um ecrã de 10,25 po­le­ga­das, que po­de au­men­tar pa­ra as 12,3 po­le­ga­das ca­so es­te­ja do­ta­do com o sis­te­ma MMI Na­vi­ga­ti­on Plus (in­clui car­to­gra­fia). Uma op­ção que faz com que o ecrã cen­tral tá­til, de 8,8 po­le­ga­das, au­men­te pa­ra as 10,1 po­le­ga­das. O seu de­se­nho é idên­ti­co ao dos úl­ti­mos pro­du­tos da mar­ca ale­mã (A5, A6, A7 Sport­back, A8 e Q8), mas re­nun­cia à fun­ção ca­pa­ci­ti­va. De no­va con­ce­ção é tam­bém o de­se­nho da ala­van­ca da cai­xa, que per­mi­te ga­nhar es­pa­ço no tú­nel cen­tral, on­de sur­ge ain­da um dis­po­si­ti­vo de car­ga por in­du­ção pa­ra smartpho­nes com tec­no­lo­gia Qi.

O no­vo Q3 con­ta com uma ha­bi­ta­bi­li­da­de ma­jo­ra­da. Com uma dis­tân­cia en­tre ei­xos que cres­ceu em 7,8 cm (pa­ra os 2,68 me­tros), os ocu­pan­tes dos ban­cos tra­sei­ros se­rão os pri­mei­ros a re­pa­rar nes­sa me­lho­ria. Ago­ra, adul­tos de 1,85 me­tros vi­a­jam sem di­fi­cul­da­des, pe­lo me­nos no es­pa­ço pa­ra as per­nas e ca­be­ça. Os en­cos­tos po­dem in­cli­nar-se em se­te po­si­ções e, mais im­por­tan­te, os ban­cos po­dem des­lo­car-se lon­gi­tu­di­nal­men­te em 15 cm (co­mo no Q5), va­ri­an­do as­sim a ca­pa­ci­da­de da ba­ga­gei­ra. E é a zo­na de car­ga ou­tra das be­ne­fi­ci­a­das pe­lo au­men­to das di­men­sões. O seu vo­lu­me so­be 265 li­tros (!!!) pa­ra um to­tal de 530 li­tros, que­dan­do a ape­nas 20 li­tros do seu ir­mão Q5, cor­ro­bo­ran­do a ideia de uma pos­sí­vel ca­ni­ba­li­za­ção… Com a se­gun­da fi­la na sua po­si­ção mais avan­ça­da, a ca­pa­ci­da­de che­ga aos 675 li­tros, en­quan­to o re­ba­ti­men­to dos ban­cos, em pro­por­ção 40:20:40, faz su­bir o va­lor pa­ra os 1.525 li­tros, jun­tan­do-lhe ain­da um pi­so to­tal­men­te pla­no. Em res­pei­to a es­te, a al­tu­ra do pi­so de car­ga é ajus­tá­vel

De di­fe­ren­tes ân­gu­los, o no­vo Q3 as­se­me­lha-se mui­to ao vis­to­so Q8

em três al­tu­ras, com um es­pa­ço es­pe­cí­fi­co pa­ra alo­jar a cha­pe­lei­ra. Já o por­tão é mo­to­ri­za­do, com fun­ção mãos-li­vres.

Va­ri­e­da­de me­câ­ni­ca

As­sim que che­gar ao mer­ca­do, no fi­nal do ou­to­no, a se­gun­da en­car­na­ção do Q3 es­ta­rá dis­po­ní­vel com qua­tro mo­to­ri­za­ções, as­sen­tes em três blo­cos a ga­so­li­na e um Di­e­sel, to­dos tur­bo de qua­tro ci­lin­dros. En­tre os pri­mei­ros, a es­co­lha co­me­ça com o 1.5 TFSI de 150 CV (35 TFSI), equi­pa­do com com de­sa­ti­va­ção de ci­lin­dros, pros­se­guin­do com o 2.0 TFSI nas va­ri­an­tes de 190 CV (40 TFSI) e de 230 CV (45 TFSI). En­tre os Di­e­sel, as en­co­men­das po­de­rão re­cair no afa­ma­do 2.0 TDI de 150 CV (35 TDI) pa- ra, mais tar­de, ofe­re­cer uma se­gun­da pos­si­bi­li­da­de de 190 CV (40 TDI). Sur­gem as­so­ci­a­dos, em op­ção ou de sé­rie, à cai­xa au­to­má­ti­ca S tro­nic de se­te ve­lo­ci­da­des, em­bo­ra os Q3 35 TDI es­te­jam as­so­ci­a­dos de iní­cio uma cai­xa ma­nu­al de seis ve­lo­ci­da­des. Por sua vez, a tra­ção in­te­gral quat­tro es­tá re­ser­va­da, de mo­men­to, pa­ra os Q3 mais enér­gi­cos.

Por fim, o cons­tru­tor ger­mâ­ni­co ga­ran­te ter me­lho­ra­do a di­nâ­mi­ca do au­to­mó­vel, tan­to no as­fal­to co­mo fo­ra de­le. Pa­ra tal, des­fru­ta de di­re­ção pro­gres­si­va va­riá­vel e pos­si­bi­li­da­de de mon­tar sus­pen­são com con­tro­lo de amor­te­ci­men­to, que va­ria a fir­me­za en­tre seis pro­gra­mas a se­le­ci­o­nar por in­ter­mé­dio do Audi dri­ve se­lect.

A er­go­no­mia foi mui­to me­lho­ra­da. Abun­dam so­lu­ções di­gi­tais mais ou me­nos so­fis­ti­ca­das por to­das as par­tes. O ga­nho nas di­men­sões ex­te­ri­o­res alo­jar co­mo­da­men­te dois adul­tos nos lu­ga­res tra­sei­ros; o ter­cei­ro, cen­tral, não irá tão có­mo­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.