Mer­ce­des-benz A180 d

O A180 d é a úni­ca va­ri­an­te Di­e­sel do Clas­se A, por en­quan­to, e a mais ra­ci­o­nal. De­sen­vol­ve 116 CV e vin­ga nos con­su­mos, mas se­rá su­fi­ci­en­te pa­ra con­ven­cer os con­su­mi­do­res ca­da vez mais exi­gen­tes?

Altagama Motor (Portugal) - - Editorial - Ber­nar­do Gon­za­le Pau­lo Ca­lis­to

Ano­va ge­ra­ção do Clas­se A veio to­mar de as­sal­to o seg­men­to C (fa­mi­li­a­res com­pac­tos), evi­den­ci­an­do não só uma gran­de evo­lu­ção fa­ce ao an­te­ces­sor co­mo um pa­ta­mar aci­ma da ge­ne­ra­li­da­de da con­cor­rên­cia. Man­te­ve uma si­lhu­e­ta fa­mi­li­ar, em­bo­ra com uma re­no­va­ção es­té­ti­ca que vai ao en­con­tro da­qui­lo que o seu cri­a­dor tem apli­ca­do a ou­tras no­vas ga­mas, no­me­a­da­men­te ao CLS – do qual pa­re­ce um pe­que­no gé­meo quan­do vis­to de fren­te. Na tra­sei­ra, as óti­cas mais ras­ga­das tam­bém es- tão na sen­da do no­vo vi­su­al da mar­ca ger­mâ­ni­ca.

A me­lho­ria ge­ral da qua­li­da­de no in­te­ri­or é uma área em que es­te no­vo hat­ch­back pon­tua bem al­to, mas, mais uma vez, bas­tou aos cri­a­ti­vos da Mer­ce­des-benz usa­rem ele­men­tos de ga­mas co­mo os Clas­se E, CLS e S pa­ra dar ao pe­tit da fa­mí­lia mai­or bri­lho. Re­fe­ri­mo­nos so­bre­tu­do ao du­plo ecrã – que mais pa­re­cem dois ta­blets con­tí­guos: um ser­ve de pai­nel de ins­tru­men­tos e o ou­tro, cen­tral, al­ber­ga to­dos os sis­te­mas de bor­do, des­de mul­ti­mé­dia à na­ve­ga­ção, pas­san­do pe-

lo áu­dio e me­nus de con­fi­gu­ra­ção. Ou­tros ‘tra­ços’ her­da­dos re­fe­rem-se ao vo­lan­te des­por­ti­vo, às saí­das de ven­ti­la­ção e ao con­tro­la­dor de apli­ca­ções com tou­ch­pad na con­so­la cen­tral, ao pon­to de apa­ren­tar que es­ta­mos a bor­do de um Clas­se E em pon­to pe­que­no. Bom pa­ra o Clas­se A, tal­vez não tan­to pa­ra os res­tan­tes big­brothers, que as­sim se tor­nam me­nos ex­clu­si­vos…

Olá, Mer­ce­des!

Das vá­ri­as for­mas de con­tro­lar cer­tas fun­ções, a mais ino­va­do­ra é por con­tro­lo vo­cal, de­sig­na­do MBUX – Mer­ce­des-benz

User Ex­pe­ri­en­ce. Ini­ci­an­do o con­tac­to com “Olá Mer­ce­des”, ime­di­a­ta­men­te te­mos ao nos­so dis­por uma efi­ci­en­te as­sis­ten­te vir­tu­al, ca­paz de exe­cu­tar pe­que­nas ta­re­fas – abrir e fe­char a cor­ti­na do te­to pa­no­râ­mi­co, ajus­tar a tem­pe­ra­tu­ra – ou pro­por­ci­o­nar as mais va­ri­a­das in­for­ma­ções e in­di­ca­ções, co­mo o cli­ma pa­ra os pró­xi­mos di­as ou lo­ca­li­zar o pos­to de abas­te­ci­men­to mais pró­xi­ma e ori­en­tar-nos até lá. Por­tu­guês foi idi­o­ma que ex­pe­ri­men­tá­mos, em­bo­ra com al­gu­mas di­fi­cul- da­des de com­pre­en­são por par­te do sis­te­ma, sen­do que em in­glês os re­sul­ta­dos fo­ram mais sa­tis­fa­tó­ri­os.

Pa­ra com­ple­men­tar es­te am­bi­en­te hi-te­ch – qua­se de fic­ção ci­en­tí­fi­ca –, to­da a en­vol­vên­cia agra­da, e é pre­ci­so pro­cu­rar bem pa­ra con­se­guir en­con­trar qual­quer ma­te­ri­al apli­ca­do que não se­ja apri­mo­ra­do pa­ra es­te seg­men­to. Tal­vez as ma­ne­tes atrás do vo­lan­te – lu­zes/lim­pa pa­ra-bri­sas à es­quer­da e co­man­do da cai­xa à di­rei­ta – de­ves­sem ser mais… ‘con­sis­ten­tes’. Não obs­tan­te, as vir­tu­des do Clas­se A não dei­xam dú­vi­das quan­to à sua con­di­ção de pre­mium.

Mo­tor ide­al?

Nes­ta pri­mei­ra fa­se co­mer­ci­al, as du­as mo­to­ri­za­ções de aces­so (com cai­xa au­to­má­ti­ca), a ga­so­li­na e ga­só­leo, A200 e A180 d, res­pe­ti­va­men­te, têm exa­ta­men­te o mes­mo pre­ço – 32.450€ nas ver­sões ba­se. Uma for­ma de pro­mo­ver o Di­e­sel? Tal­vez, mas tam­bém é uma for­ma de equi­pa­rar mo­to­res com po­tên­ci­as dís­pa­res, pois es­te A180 d não tem hi­pó­te­ses fa­ce aos 163 CV do seu ir­mão, des­ti­na­do a qu­em pri­vi­le­gia per­for­man­ces so­bre con­su­mos.

Tal co­mo na an­te­ri­or en­car­na­ção, es­te Clas­se A re­cor­re ao blo­co de 1.461 cm3 de ori­gem Re­nault. Não se po­de di­zer que es­te­ja mal ser­vi­do – ao con­trá­rio da con­vic­ção de mui­tos con­su­mi­do­res –, vis­to que a mar­ca fran­ce­sa es­tá no seu ele­men­to no que to­ca a mo­to­res com­pac­tos. O re­sul­ta­do da jun­ção des­te 1.5 Di­e­sel com a cai­xa 7G-DCT é bas­tan­te po­si­ti­vo, su­a­ve e so-

A cai­xa 7G-DCT de se­te re­la­ções in­ter­pre­ta bem a von­ta­de do con­du­tor

lí­ci­to. Mes­mo que o mo­tor não fos­se um exem­plo de li­ne­a­ri­da­de, a efi­cá­cia da cai­xa de du­pla em­brai­a­gem iria dis­far­çar es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca, já que in­ter­pre­ta ra­zo­a­vel­men­te bem a von­ta­de do con­du­tor pa­ra en­gre­nar a mu­dan­ça cer­ta a ca­da mo­men­to. Por is­so, nu­ma con­du­ção diá­ria por mei­os ur­ba­nos e ar­re­do­res, a res­pos­ta a bai­xos e mé­di­os re­gi­mes des­te bi­nó­mio é mais que su­fi­ci­en­te pa­ra que não te­nha­mos que apli­car gran­des car­gas de ace­le­ra­dor pa­ra sen­tir pro­gres­são. E tu­do gra­ças aos 260 N.m de bi­ná­rio, en­tre­gues en­tre as 1.750 e as 2.500 rpm, pe­lo que mes­mo com qua­tro ocu­pan­tes a bor­do, nun­ca es­te A180 d se mos­trou ané­mi­co.

Pa­ra uma con­du­ção mais afoi­ta, os seus 116 CV já acu­sam al­gu­ma li­mi­ta­ção, lo­go, qu­em pre­fe­re rit­mos bra­vos te­rá mes­mo de op­tar pe­lo A200.

O prin­ci­pal ar­gu­men­to des­ta uni­da­de são os con­su­mos, com mé­di­as que fi­ca­ram não de­ma­si­a­do aci­ma dos va­lo­res anun­ci­a­dos pe­la mar­ca. Ob­ti­ve­mos 6,2 l/100 km nas des­lo­ca­ções su- bur­ba­nas, re­gis­to que su­biu pa­ra os 6,7 li­tros uma vez que en­trá­mos por tra­ça­dos mais ci­ta­di­nos. Po­de não ser re­fe­ren­ci­al, mas é um bom pres­sá­gio, vis­to que com mais qui­lo­me­tra­gem a ten­dên­cia é pa­ra me­lho­rar nes­ta ma­té­ria.

Be­lo e com­pe­ten­te

A com­pe­tên­cia me­câ­ni­ca que a Mer­ce­des-benz deu a es­ta ge­ra­ção do Clas­se A te­ve re­fle­xos no de­sem­pe­nho di­nâ­mi­co. Ape­sar de as ar­qui­te­tu­ras de sus­pen­são se­rem al­go clás­si­cas –

Mcpher­son na fren­te e ei­xo se­mir­rí­gi­do atrás –, o chas­sis é bas­tan­te as­ser­ti­vo, es­tá­vel e pre­vi­sí­vel na for­ma co­mo ne­go­ceia cur­vas. Tal­vez a di­re­ção se­ja um pou­co le­ve de­mais, so­fren­do de al­gu­ma fal­ta de ta­to, mas é di­re­ta, dan­do ao ei­xo di­an­tei­ro uma re­a­ti­vi­da­de agra­dá­vel quan­do cir­cu­la­mos por es­tra­das mais re­tor­ci­das. O pe­so me­lho­ra li­gei­ra­men­te quan­do op­ta­mos pe­lo per­fil de con­du­ção mais di­nâ­mi­co, mas, nes­ta era de sis­te­mas de as­sis­tên­cia elé­tri­ca, ra­ros são os ca­sos em que o fe­e­ling da di- re­ção é re­al­men­te fa­vo­rá­vel. A sen­sa­ção de so­li­dez é pre­men­te, com uma ave­lu­da­da fil­tra­gem, sen­do um dos as­pe­tos em que mais se no­ta uma evo­lu­ção fa­ce ao pas­sa­do. Te­mos sem­pre a im­pres­são de con­du­zir um au­to­mó­vel de seg­men­to aci­ma.

A es­té­ti­ca é um pon­to a fa­vor des­te Clas­se A, mas, tal co­mo nou­tras ga­mas, a mar­ca ale­mã pro­põe aca­ba­men­tos que vin­cam uma per­so­na­li­da­de mais des­por­ti­va ou lu­xu­o­sa, abran­gen­do tan­to a car­ro­ça­ria co­mo o in­te­ri­or. A nos­sa uni- da­de de en­saio es­ta­va equi­pa­da com a Li­nha AMG, que com­pre­en­de apli­ca­ções ex­te­ri­o­res AMG, jan­tes em li­ga le­ve de 18”, sus­pen­são con­for­to re­bai­xa­da, es­to­fos em pe­le Ar­ti­co/di­na­mi­ca com pes­pon­to ver­me­lho, vo­lan­te mul­ti­fun­ções des­por­ti­vo em pe­le, fa­róis LED High Per­for­man­ce e cli­ma­ti­za­ção Ther­mo­tro­nic, en­tre ou­tros, com um cus­to de 2.250€. E co­mo sem­pre acon­te­ce na Mer­ce­des-benz, há ain­da uma lon­ga e ilus­tre lis­ta de equi­pa­men­tos pa­gos à par­te, em­bo­ra com o Pack Pre­mium Plus, por exem­plo, con­si­ga­mos adi­ci­o­nar um con­jun­to de op­ci­o­nais in­te­res­san­te, mas um pre­ço ele­va­do: 5.750€…

O chas­sis é bas­tan­te as­ser­ti­vo, es­tá­vel e pre­vi­sí­vel na for­ma co­mo ne­go­ceia cur­vas

Os fa­róis em LED High Per­for­man­ce es­tão in­te­gra­dos na Li­nha AMG. As óti­cas tra­sei­ras pas­sa­ram a ser mais ras­ga­das, em con­so­nân­cia com a no­va lin­gua­gem es­té­ti­ca da Mer­ce­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.