Lexus NX 300h

Quer se quei­ra, quer não, os veí­cu­los com mo­tor de com­bus­tão in­ter­na, tal co­mo os co­nhe­ce­mos, têm os di­as con­ta­dos, so­bre­tu­do no que to­ca aos SUV. O fu­tu­ro ime­di­a­to pas­sa pe­la hi­bri­di­za­ção, que a Lexus do­mi­na a seu bel-pra­zer. O re­no­va­do NX 300h com­pro­va-

Altagama Motor (Portugal) - - Editorial -

Qua­se to­das as mar­cas de au­to­mó­veis, pa­ra não di­zer to­das, de­cla­ram aber­ta­men­te que, den­tro de uma dé­ca­da, con­ti­nu­a­rão a ven­der au­to­mó­veis com mo­to­res tér­mi­cos, ou se­ja, a ga­so­li­na e, tam­bém, Di­e­sel, o com­bus­tí­vel mais efi­caz pe­lo seu rá­cio fa­vo­rá­vel en­tre efi­ci­ên­cia e pre­ço, com mui­tos mer­ca­dos (co­mo o por­tu­guês) a mos­tra- rem-se ain­da mui­to in­te­res­sa­dos nes­sa com­bi­na­ção.

Ou­tro pon­to a ter em con­ta é sa­ber co­mo se­rão os au­to­mó­veis num fu­tu­ro mais ou me­nos pró­xi­mo. Is­to, por­que, dei­xan­do de la­do as al­ter­na­ti­vas elé­tri­cas ou ali­men­ta­das por pi­lha de com­bus­tí­vel a hi­dro­gé­nio, pa­re­ce evi­den­te que os mo­to­res a ga­so­li­na ou a ga­só­leo fa­rão par­te da es­tra­té­gia de hi­bri­di­za­ção das mar- cas, se­ja de que for­ma for. Afi­nal de con­tas, é uma re­a­li­da­de que já te­mos en­tre mãos. Mar­cas co­mo a Toyo­ta e a sua fi­li­al de lu­xo, a Lexus, da qual sur­ge o exem­plar des­tas pá­gi­nas, em­pe­nha­ram-se em cheio nu­ma es­tra­té­gia com veí­cu­los co­mo o SUV mé­dio NX 300h, o qual foi pro­fun­da­men­te re­no­va­do e que tem con­ta­do com ele­va­do su­ces­so na con­fi­gu­ra­ção hí­bri­da.

Qua­se igual

Pa­ra aque­les que ain­da não pu­de­ram ex­pe­ri­men­tar as sen­sa­ções de con­du­zir um veí­cu­lo des­te gé­ne­ro, aci­ma de tu­do há uma no­ção de tran­qui­li­da­de: con­du­zem-se co­mo qual­quer ou­tro car­ro de cai­xa au­to­má­ti­ca, uma vez acos­tu­ma­dos às su­as ma­nei­ras. Quan­to mui­to, o pe­so ex­tra das ba­te­ri­as e dos mo­to­res elé­tri­cos – no nos­so pro­ta­go­nis­ta, um por ca­da ei­xo pa­ra um sis­te­ma de tra­ção in­te­gral – é per­ce­tí- vel na ace­le­ra­ção e nas de­sa­ce­le­ra­ções. Es­tas úl­ti­mas são con­di­ci­o­na­das pe­lo ta­to al­go ar­ti­fi­ci­al dos tra­vões, pou­co pro­gres­si­vo e até in­có­mo­do du­ran­te os pri­mei­ros qui­ló­me­tros, mas são si­tu­a­ções às quais ga­nha­mos ha­bi­tu­a­ção num par de di­as. Além dis­so, as con­tas re­sul­tam fa­vo­rá­veis, e de que ma­nei­ra, quan­do fi­ca­mos pre­sos em qual­quer en­gar­ra­fa­men­to. En­tão, e pa­ra sur­pre­sa do con­du­tor, o con­su­mo é mais re­du­zi­do do que a mé- dia co­mum, uma vez que é nes­sas cir­cuns­tân­ci­as que o sis­te­ma hí­bri­do mos­tra os seus me­lho­res atri­bu­tos.

E um au­to­mó­vel co­mo o NX 300h, in­fi­ni­ta­men­te mais es­tra­dis­ta do que pa­ra ati­vi­da­des cam­pes­tres – nes­te con­tex­to é me­lhor não en­trar em gran­des aven­tu­ras de to­do-o-ter­re­no pa­ra as quais não foi con­ce­bi­do, mes­mo ten­do tra­ção às qua­tro ro­das –, inicia a sua mar­cha sem­pre com o im­pul­so ofe­re­ci­do pe­los seus mo- to­res elé­tri­cos, ali­men­ta­dos por uma ba­te­ria de hi­dre­to de ní­quel me­tá­li­co (NI-MH) de re­car­re­ga­men­to au­to­má­ti­co nas fa­ses de tra­va­gem e de de­sa­ce­le­ra­ção. Pa­ra os me­nos en­ten­di­dos na ma­té­ria, é um dos mo­men­tos de mai­or gas­to num veí­cu­lo, com o NX 300h a re­sol­ver es­sa ques­tão com com­pe­tên­cia in­to­cá­vel.

Não tão fa­vo­rá­vel

Uma his­tó­ria di­fe­ren­te po­de ser con­ta­da quan­do se con­duz por

es­tra­da aber­ta em rit­mo for­te, com o car­ro cheio ou jun­tan­do am­bas as cir­cuns­tân­ci­as. Nes­sas cir­cuns­tân­ci­as atu­am to­dos os mo­to­res pa­ra de­bi­tar um to­tal de 197 CV. E aí o con­su­mo, que em ci­da­de po­de ser de ape­nas 5 l/100 km, dis­pa­ra pa­ra um va­lor en­tre os 8 e os 10 li­tros de mé­dia se im­pu­ser­mos uma con­du­ção to­tal­men­te im­pru­den­te.

Além dis­so, em­bo­ra a rit­mo con­ti­do o con­for­to se­ja pre­men­te – mes­mo que o chas­sis te­nha um ca­rá­ter mais fir­me, é mui­to com­pe­ten­te a su­pe­rar bu­ra­cos, lom­bas ou jun­tas de di­la­ta­ção –, ace­le­ran­do com vi­gor acar­re­ta uma ques­tão a ter em con­ta: de­vi­do à atu­a­ção da cai­xa de va­ri­a­ção con­tí­nua de uma úni­ca ve­lo­ci­da­de, exis­te um in­ten­so e cons­tan­te zum­bi­do alheio ao sen­ti­men­to de lu­xo que es­te veí­cu­lo ema­na. Em­bo­ra se­ja mais ve­loz do que pa­re­ce, o seu ob­je­ti­vo não é ‘sprin­tar’, mas an­tes cum­prir uma vi­a­gem com sos- se­go de­sa­fi­an­do o con­du­tor a re­ti­rar dé­ci­mas de con­su­mo no com­pu­ta­dor de bor­do.

Nu­ma con­du­ção as­sim, sem ruí­dos me­câ­ni­cos que se in­tro­me­tam, o NX 300h tor­na-se aco­lhe­dor. So­bre­tu­do pe­lo cui­da­do de­po­si­ta­do no in­te­ri­or (a po­si­ção de con­du­ção é bas­tan­te er­go­nó­mi­ca, qua­se de avião), on­de li­te­ral­men­te não fal­ta na­da se op­tar­mos por um ní­vel de equi­pa­men­to de to­po, co­mo o Lu­xury em aná­li­se (71.950€).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.