Nis­san Le­af

A Nis­san con­ti­nua a sua apos­ta nos mo­de­los elé­tri­cos e deu uma se­gun­da vi­da ao LE­AF, com mais e me­lhor tec­no­lo­gia e um de­sign me­nos ‘po­lé­mi­co’ que a pri­mei­ra ge­ra­ção.

Altagama Motor (Portugal) - - Editorial -

Apre­sen­ta­da na Eu­ro­pa no fi­nal do ano pas­sa­do, a se­gun­da ge­ra­ção do Nis­san LE­AF ten­ci­o­na con­ti­nu­ar – e in­cre­men­tar – a sen­da de su­ces­so co­mer­ci­al da pri­mei­ra ver­são. Pa­ra is­so, a mar­ca ni­pó­ni­ca do­tou es­ta no­va ite­ra­ção de no­vas e mais ca­pa­zes ba­te­ri­as de iões de lí­tio de 40 kwh, e de um mo­tor elé­tri­co igual­men­te mais po­ten­te, ca­paz de de­sen­vol­ver 150 CV e na­da me­nos que 320 N.m dis­po­ní­veis… des­de que co­lo­ca­mos o car­ro em an­da­men­to. Pa­ra co­lo­car es­te úl­ti­mo va­lor em pers­pe­ti­va, um BMW 330i, com mo­tor 2.0 tur­bo de 252 CV, apre­sen­ta um bi­ná­rio de 350 N.m…

Em ter­mos prá­ti­cos, is­to sig­ni­fi­ca que o LE­AF é se­nhor de ar­ran­ques bas­tan­te cé­le­res, com um re­gis­to de 7,9 se­gun­dos dos 0-100 km/h, mas, mais im­por­tan­te, é ca­paz de re­cu­pe­ra­ções ca­pa­zes de en­ver­go­nhar mui­ta gen­te. Aliás, foi al­go que fi­ze­mos vá­ri­as ve­zes, até com con­du­to­res que jul­ga­vam os seus TDI ca­pa­zes de ba­ter um car­ro ‘a pi­lhas’, ape­nas pa­ra des­co­brir, da pi­or ma­nei­ra, que es­ta­vam en­ga­na­dos.

Su­a­vi­da­de vi­go­ro­sa

Es­te sub­tí­tu­lo po­de pa­re­cer um con­tras­sen­so, mas a ver­da­de é que o LE­AF con­se­gue jun­tar am­bos os atri­bu­tos. Ao vi­gor jun­ta­se uma su­a­vi­da­de di­fí­cil de igua­lar até pe­los mais so­fis­ti­ca­dos mo­to­res de com­bus­tão in­ter­na (ICE), o que re­sul­ta nu­ma uti­li­za­ção ex­tre­ma­men­te agra­dá­vel. Aqui, alia-se a cai­xa de ve­lo­ci­da­des que, ao con­trá­rio das cai­xas au­to­má­ti­cas dos car­ros ICE, tem uma úni­ca re­la­ção, o que pro­por­ci­o­na uma pro­gres­são sem que­bras nem ‘so­lu­ços’. Te­mos ape­nas ace­le­ra­ção con­tí­nua e inin­ter­rup­ta. E a res­pos­ta ao ace­le­ra­dor é ab­so­lu­ta­men­te ins­tan­tâ­nea. As­sim

que exer­ce­mos a me­nor pres­são no pe­dal da di­rei­ta, o LE­AF res­pon­de ime­di­a­ta­men­te, qua­se pa­re­cen­do que se­gue o nos­so pen­sa­men­to e não as or­dens do ace­le­ra­dor.

E já que fa­la­mos em ace­le­ra­dor, va­mos es­cla­re­cer uma coi­sa so­bre a qual fo­mos vá­ri­as ve­zes ques­ti­o­na­dos, de­vi­do à cam­pa­nha pu­bli­ci­tá­ria da Nis­san, que diz que o Le­af se con­duz com um só pe­dal. Na ver­da­de, sim e não. O Nis­san LE­AF tem dois pe­dais, ace­le­ra­dor e tra­vão, mas con­ta com um mo­do de con­du­ção de­sig­na­do e-pe­dal, que po­de pro­por­ci­o­nar uma ex­pe­ri­ên­cia se­me­lhan­te a ter uni­ca­men­te um pe­dal. O que o e-pe­dal faz é atu­ar so­bre o mo­tor elé­tri­co em si, in­cre­men­tan­do o efei­to de tra­va­gem sem­pre que le­van­ta­mos o pé do ace­le­ra­dor, re­ge­ne­ran­do as­sim mais ener­gia. A de­sa­ce­le­ra­ção é, efe­ti­va­men­te, equi­va­len­te a tra­var com o res­pe­ti­vo pe­dal, de tal for­ma que o LE­AF acen­de os stops nes­ta si­tu­a­ção. No en­tan­to, a sua va­li­da­de é al­go ques­ti­o­ná­vel na prá­ti­ca. Em con­du­ção em es­tra­da, sig­ni­fi­ca que te­mos que es­tar sem­pre a pres­si­o­nar o ace­le­ra­dor pa­ra o LE­AF pro­gre­dir, mes­mo que se­ja ape­nas uma le­ve pres­são. Ora, is­to cau­sa pre­ci­sa­men­te o efei­to opos­to ao pre­ten­di­do, uma vez que es­ta­mos cons­tan­te­men­te a con­su­mir ener­gia e não po­de­mos fa­zer o cha­ma­do ‘lift & co­ast’ (le­van­tar o pé do ace­le­ra­dor e dei­xar o car­ro ‘des­li­zar’ por si), on­de, aí sim, é re­ge­ne­ra­da ener­gia. A úni­ca si­tu­a­ção em que ve­mos es­ta so­lu­ção ter al­gu­ma uti­li­da­de se­rá no pá­ra-ar­ran­ca ur­ba­no, con­tro­lan­do o LE­AF ape­nas com o uso do ace­le­ra­dor. Con­tu­do, mes­mo nes­te ce­ná­rio ur­ba­no po­de­mos usar o LE­AF no seu mo­do nor­mal – exis­tem o mo­do ‘nor­mal’, eco e e-pe­dal –, por­que ele re­ve­la-se bas­tan­te co­me­di­do nos seus gas­tos e, ao con­trá­rio de um au­to­mó­vel con­ven­ci­o­nal, é aqui que ofe­re­ce

con­su­mos ener­gé­ti­cos mais co­me­di­dos. Já em es­tra­da aber­ta e, prin­ci­pal­men­te, au­to­es­tra­da, os gas­tos são mai­o­res, quer por ser ne­ces­sá­rio mai­or ta­xa de es­for­ço pa­ra man­ter ve­lo­ci­da­de – a qual se en­con­tra li­mi­ta­da a 144 km/h –, quer pe­la qua­se ine­xis­tên­cia de si­tu­a­ções de re­ge­ne­ra­ção de ener­gia.

Eco­ló­gi­co e eco­nó­mi­co

Uma das idei­as de qu­em nun­ca an­dou num car­ro elé­tri­co é que an­da­mos em stress per­ma­nen­te a olhar pa­ra o ní­vel de car­ga da ba­te­ria. Ao iní­cio, is­so acon­te­ce, sim. Con­tu­do, as­sim que nos acos­tu­ma­mos à for­ma co­mo o LE­AF ge­re e con­so­me ener­gia, es­sa an­si­e­da­de de­sa­pa­re­ce e da­mos por nós a con­du­zir de for­ma tão des­pre­o­cu­pa­da co­mo se de um car­ro con­ven­ci­o­nal se tra­tas­se. Com a ba­te­ria aci­ma dos 90%, a au­to­no­mia in­di­ca­da an­dou sem­pre em re­dor dos 300 km. Nas nos­sas des­lo­ca­ções, re- car­re­gá­mos o LE­AF du­as ve­zes e con­se­gui­mos fa­zer sem­pre bem aci­ma de 200 km en­tre ca­da re­car­ga, sem nun­ca ter dei­xa­do a ba­te­ria des­cer abai­xo dos 30%, e is­to com al­gu­mas re­cu­pe­ra­ções e ar­ran­ques mais mus­cu­la­dos de per­meio. O mai­or pro­ble­ma com a au­to­no­mia do LE­AF aca­ba por ser a me­dío­cre re­de de abas­te­ci­men­to. Além dos pos­tos de abas­te­ci­men­to ain­da não se­rem em nú­me­ro sig­ni­fi­ca­ti­vo, gran­de par­te

Su­a­vi­da­de, si­lên­cio e vi­gor, os três ad­je­ti­vos que me­lhor des­cre­vem a pro­gres­são do LE­AF

des­tes en­con­tra-se fo­ra de fun­ci­o­na­men­to. A tí­tu­lo de exem­plo, na ci­da­de de Lou­res, on­de o LE­AF per­noi­tou por uns di­as, exis­tem seis pos­tos de re­car­ga… ne­nhum dos quais em fun­ci­o­na­men­to na al­tu­ra des­te en­saio. Aca­bá­mos por re­cor­rer ao pos­to de uma fa­mo­sa lo­ja de mo­bi­liá­rio su­e­ca pa­ra ali­men­tar o ‘nos­so’ LE­AF, o que im­pli­cou sem­pre le­var uma ou­tra vi­a­tu­ra tra­di­ci­o­nal pa­ra re­gres­sar a ca- sa. Lá se foi o la­do eco­ló­gi­co… No que to­ca ao pre­ço, a ver­são en­sai­a­da, a Tek­na, es­tá dis­po­ní­vel a par­tir de 36.650€, mas po­de ace­der ao LE­AF a par­tir dos 34.400€ da ver­são Ac­cen­ta. São va­lo­res em li­nha com os fa­mi­li­a­res com­pac­tos ICE equi­va­len­tes, pe­lo que o Nis­san LE­AF po­de ser uma op­ção a ter em con­ta na ho­ra de ad­qui­rir um veí­cu­lo pa­ra a fa­mí­lia. O es­pa­ço é am­plo em to­dos os lu­ga­res, e a ba­ga­gei­ra aco­lhe 394 li­tros de ba­ga­gem, mais do que su­fi­ci­en­te pa­ra um fim-de-se­ma­na fo­ra. Ape­nas tem que ve­ri­fi­car se os pos­tos de abas­te­ci­men­to do seu des­ti­no es­tão fun­ci­o­nais…

As re­cu­pe­ra­ções do LE­AF en­ver­go­nham mui­tos au­to­mó­veis con­ven­ci­o­nais

Pe­dro Do­min­gues Pau­lo Ca­lis­to

Fa­róis de LED e jan­tes de 17” são op­ci­o­nais en­glo­ba­dos em dois packs dis­tin­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.