Cão da Ser­ra da Es­tre­la

Um guar­dião se­cu­lar

Caes & Companhia - - RAÇA -

De ca­rá­ter for­te, im­po­nen­te e equi­li­bra­do, é um cão de guar­da no­bre e fi­el, de tem­pe­ra­men­to cal­mo, com­pa­nhei­ro in­con­di­ci­o­nal do pas­tor, ami­go da sua fa­mí­lia hu­ma­na e uma das ra­ças ca­ni­nas por­tu­gue­sas mais po­pu­la­res.

Pro­va­vel­men­te a ra­ça mais an­ti­ga da Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca. Ani­mal de gran­de be­le­za e cor­pu­lên­cia, foi o com­pa­nhei­ro in­se­pa­rá­vel do pas­tor du­ran­te sé­cu­los, no seu la­bor quo­ti­di­a­no, ze­lan­do pe­la sua se­gu­ran­ça, e dos re­ba­nhos con­tra o ata­que dos pre­da­do­res que exis­ti­am na ser­ra, prin­ci­pal­men­te o lo­bo. Ain­da ho­je o é. Exis­tem re­fe­rên­ci­as ao Cão da Ser­ra da Es­tre­la no século II a.c., nos tem­pos de Vi­ri­a­to, que lu­tou con­tra os ro­ma­nos na de­fe­sa da Lu­si­tâ­nia Na épo­ca de in­ver­no, quan­do os pas­to­res e os re­ba­nhos ti­nham de aban­do­nar a ser­ra, na pro­cu­ra de pas­tos vi­ço­sos, lá iam es­tes fan­tás­ti­cos cães, per­cor­ren­do qui­ló­me­tros na sua ro­ta de tran­su­mân­cia, acom­pa­nhan­do e de­fen­den­do o pas­tor e os re­ba­nhos, pa­ra que na­da lhes acon­te­ces­se de mal. As­sim foi, e é, há sé­cu­los.

Fi­xa­ção da ra­ça

Des­de sem­pre que exis­tem re­fe­rên­ci­as ao Cão da Ser­ra da Es­tre­la. Con­tu­do, o 1º es­ta­lão da ra­ça tem a sua ori­gem em 1933, on­de a par­tir daí se co­me­ça um tra­ba­lho de se­le­ção de acor­do com as ca­rac­te­rís­ti­cas mor­fo­ló­gi­cas. O es­ta­lão de­fi­ne o Cão da Ser­ra da Es­tre­la co­mo um cão gran­de, mo­los­sói­de, ti­po mastim, rús­ti­co, bem en­tron­ca­do, com vi­va­ci­da­de de an­da­men­tos e im­po­nen­te de ati­tu­des, olhar vivo, cal­mo e ex­pres­si­vo, bem pro­por­ci­o­na­do e exis­ten­te na va­ri­e­da­de de pe­lo com­pri­do e de pe­lo cur­to.

A ra­ça atu­al

O Cão da Ser­ra da Es­tre­la é a ra­ça por­tu­gue­sa com mais re­gis­tos no Li­vro de Ori­gem Por­tu­guês (LOP). Ao lon­go dos anos a va­ri­e­da­de de pe­lo com­pri­do foi a mais de­sen­vol­vi­da por cri­a­do­res e aman­tes da ra­ça. Con­tu­do, e pe­la ca­ro­li­ce de al­guns, tam­bém a va­ri­e­da­de de pe­lo cur­to tem ti­do, em­bo­ra em me­nor nú­me­ro, al­guns de­fen­so­res na sua se­le­ção, cri­a­ção e uti­li­za­ção. Nos nos­sos di­as, e com o gran­de nú­me­ro de cri­a­do­res que têm sur­gi­do, acha­mos que, os mes­mos, não se de­vem es­que­cer nun­ca da fun­ci­o­na­li­da­de da ra­ça e dos seus as­pe­tos mor­fo­ló­gi­cos. O Cão da Ser­ra da Es­tre­la é um cão de guar­da e tem de ter es­tru­tu­ra e tem­pe­ra­men­to pa­ra a sua fun­ção.

Prin­ci­pais ap­ti­dões

Tal co­mo o es­ta­lão in­di­ca, a prin­ci­pal ap­ti­dão da ra­ça é a pro­te­ção dos re­ba­nhos, guar­da e de fa­mí­lia. Com­pa­nhei­ro in­se­pa­rá­vel, des­de sem­pre, do pas­tor e do re­ba­nho, com um ca­rá­ter equi­li­bra­do fru­to da se­le­ção na­tu­ral, na guar­da de re­ba­nhos, tem tam­bém um lu­gar es­pe­ci­al, nos nos­sos di­as e lon­ge do seu ha­bi­tat ori­gi­nal, co­mo cão de fa­mí­lia e guar­da de tan­tos la­res. A sua do­çu­ra pa­ra com os do­nos, e a sua pos­tu­ra de­fen­si­va do seu es­pa­ço pa­ra com os es­tra­nhos, são bem co­nhe­ci­das. Pri­var no dia-a-dia com es­ta mag­ní­fi­ca ra­ça, po­de ser o ali­vi­ar do stress dos nos­sos di­as pe­la paz de es­pí­ri­to que nos trans­mi­te, sen­do o agen­te neu­tra­li­za­dor da vi­da agi­ta­da e ner­vo­sa que le­va­mos.

A ra­ça em Por­tu­gal e no es­tran­gei­ro

Sen­do a ra­ça por­tu­gue­sa mais re­gis­ta­da no nos­so país, o Cão da Ser­ra da Es­tre­la é se-

gu­ra­men­te a mais co­nhe­ci­da em Por­tu­gal e no es­tran­gei­ro. Em Por­tu­gal exis­tem cri­a­do­res da ra­ça de nor­te a sul do país e pa­ra além do seu uso co­mo cão de fa­mí­lia, con­ti­nua, ho­je em dia, a ser tam­bém usa­do co­mo cão de pro­te­ção e guar­da de re­ba­nhos. O Gru­po Lo­bo, or­ga­ni­za­ção não-go­ver­na­men­tal pa­ra a pro­te­ção do Lo­bo Ibé­ri­co em Por­tu­gal, tem uti­li­za­do o Cão da Ser­ra da Es­tre­la, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te na va­ri­e­da­de de pe­lo cur­to, no seu pro­gra­ma de in­tro­du­ção de cães de ga­do em re­ba­nhos, nas zo­nas de in­fluên­cia do lo­bo, de mo­do a mi­ni­mi­zar os da­nos dos seus ata­ques. É um dos gran­des em­bai­xa­do­res do nos­so país no es­tran­gei­ro, on­de se en­con­tra es­pa­lha­do pe­los qua­tro can­tos do mun­do, em In­gla­ter­ra, Fran­ça, Sué­cia, Fin­lân­dia, Ho­lan­da e nos Es­ta­dos Uni­dos, en­tre ou­tros. Exis­tem, em al­guns des­tes paí­ses, Clu­bes da ra­ça e cri­a­do­res já com um nú­me­ro sig­ni­fi­ca­ti­vo de cães e ni­nha­das re­gis­ta­das.

Apa­rên­cia ge­ral

Cão de gran­de por­te, com uma ca­be­ça for­te e vo­lu­mo­sa, crâ­nio li­gei­ra­men­te mais com­pri­do que o chan­fro, bo­ca bem ras­ga­da, den­ti­ção com­ple­ta com den­tes for­tes e com a mor­de­du­ra pre­fe­ren­ci­al­men­te em te­sou­ra, sen­do ad­mi­ti­da a pin­ça. Os lá­bi­os são pou­co es­pes­sos e não pen­den­tes. Os olhos são de ta­ma­nho mé­dio-pe­que­no, de for­ma oval e de cor âm­bar es­cu­ro com uma ex­pres­são cal­ma e aten­ta. Ei­xos cra­ni­o­fa­ci­ais li­gei­ra­men­te di­ver­gen­tes, stop pou­co pro­nun­ci­a­do e ore­lhas pe­que­nas e re­pu­xa­das, com más­ca­ra ne­gra. O pes­co­ço de­ve de ser cur­to, di­rei­to e gros­so, com pou­ca bar­be­la e o pei­to lar­go bem ar­que­a­do e bem des­ci­do, jun­to ou li­gei­ra­men­te abai­xo do co­di­lho. A ga­ru­pa po­de ser li­gei­ra­men­te des­caí­da, sen­do a sua al­tu­ra igual ou li­gei­ra­men­te su­pe­ri­or à al­tu­ra ao gar­ro­te, com an­gu­la­ções mo­de­ra­das, mem­bros al­tos e apru­ma­dos, sen­do a al­tu­ra do pei­to in­fe­ri­or a me­ta­de da al­tu­ra ao gar­ro­te, os­sa­tu­ra for­te e bem mus­cu­la­do De an­da­men­tos vi­vos e im­po­nen­tes, com mãos e pés de for­ma in­ter­mé­dia en­tre os pés de le­bre e os pés de ga­to e li­gei­ra­men­te mais com­pri­do do que al­to. A al­tu­ra va­ria en­tre os 65 e os 73 cm pa­ra os ma­chos e en­tre os 62 e os 69 cm pa­ra as fê­me­as, com uma to­le­rân­cia de 2 cm no li­mi­te su­pe­ri­or. A sua cau­da é ca­rac­te­rís­ti­ca, sen­do de in­ser­ção mé­dia, com­pri­da e gros­sa, che­gan­do pe­lo me­nos ao cur­vi­lhão, bem guar­ne­ci­da de pe­los, sen­do fran­ja­da na va­ri­e­da­de de pe­lo com­pri­do e quan­do em re­pou­so cain­do na­tu­ral­men­te en­tre as co­xas em for­ma de ci­mi­tar­ra, for­man­do gan­cho na pon­ta. Os pe­sos mé­di­os pa­ra a ra­ça são de 45 kg a 60 kg pa­ra os ma­chos e de 35 kg a 45 kg pa­ra as fê­me­as.

Du­as va­ri­e­da­des de pe­la­gem

A pe­la­gem do Cão da Ser­ra da Es­tre­la é for­te, mui­to abun­dan­te, com uma tex­tu­ra li­gei­ra­men­te gros­sei­ra, fa­zen­do lem­brar um pou­co o pe­lo de ca­bra, com sub­pe­lo de pe­los fi­nos, cur­tos e, nor­mal­men­te, mais cla­ros do que a pe­la­gem.

Os seus olhos são de ta­ma­nho mé­dio-pe­que­no, de for­ma oval e de cor âm­bar es­cu­ro com uma ex­pres­são cal­ma e aten­ta

Na va­ri­e­da­de de pe­lo cur­to o pe­lo é li­so, ho­mo­gé­neo em to­do o cor­po, sen­do li­gei­ra­men­te mais cur­to na ca­be­ça e mem­bros e não po­de apre­sen­tar fran­jas. Na va­ri­e­da­de de pe­lo com­pri­do, o pe­lo po­de ser li­so ou li­gei­ra­men­te on­du­la­do, apre­sen­tan­do-se de­si­gual em cer­tas re­giões sen­do mais com­pri­do na cau­da que é far­ta, gros­sa e fran­ja­da, em vol­ta do pes­co­ço e bor­do in­fe­ri­or, na fa­ce pos­te­ri­or dos an­te­bra­ços, nas ná­de­gas que são abun­dan­te­men­te fran­ja­das.

Co­res da pe­la­gem

No que diz res­pei­to às co­res, e de acor­do com o es­ta­lão, são ad­mi­ti­das e con­si­de­ra­das tí­pi­cas as co­res: • Uni­co­lo­res: ama­re­lo, ful­vo e cin­za em to­dos

os gra­di­en­tes de cor; • Lo­bei­ros: lo­bei­ro ful­vo, lo­bei­ro ama­re­lo e lo­bei­ro cin­za, em to­na­li­da­des cla­ras e es­cu­ras; • Rai­a­dos: rai­a­dos ful­vo, ama­re­lo e cin­za. Na re­gião cra­ni­o­fa­ci­al é tí­pi­ca a más­ca­ra de cor ne­gra. São ad­mi­ti­das ma­lhas bran­cas nas ex­tre­mi­da­des dos pés e mãos bem co­mo nu­ma zo­na li­mi­ta­da da ba­se do pes­co­ço e no pei­to.

Cui­da­dos com a pe­la­gem

O Cão da Ser­ra da Es­tre­la, por ser um cão rús­ti­co e de tra­ba­lho, não ne­ces­si­ta de um gran­de es­for­ço na ma­nu­ten­ção da pe­la­gem. Mais do que um ba­nho, é mui­to im­por­tan­te a es­co­va­gem re­gu­lar com uma es­co­va de den­tes me­tá­li­cos e com­pri­dos. Se lhe der ba­nho de­ve es­co­lher um champô de boa qua­li­da­de, sen­do es­pe­cí­fi­co pa­ra pe­los com­pri­dos pa­ra a va­ri­e­da­de de pe­lo com­pri­do, e es­pe­cí­fi­co pa­ra pe­los cur­tos nos exem­pla­res da va­ri­e­da­de de pe­lo cur­to. Na al­tu­ra da mu­da do pe­lo as es­co­va­gens mais as­sí­du­as pre­vi­nem a for­ma­ção de nós na pe­la­gem, man­ten­do o seu pe­lo lim­po, de­fen­den­do-o de pos­sí­veis pra­ga­nas ou ra­mos e er­vas se­cas que se po­dem agar­rar ao pe­lo.

Edu­ca­ção e Trei­no

De per­so­na­li­da­de for­te e se­re­na, o Cão da Ser­ra da Es­tre­la é um cão so­ci­al que ne­ces­si­ta de edu­ca­ção des­de ten­ra ida­de e de in­te­ra­gir com pes­so­as e ani­mais pa­ra cons­truir o seu tem­pe­ra­men­to de for­ma equi­li­bra­da e se­gu­ra. No re­ba­nho ou na guar­da de pro­pri­e­da­des, ou co­mo cão de fa­mí­lia, o ca­chor­ro de­ve de ser in­tro­du­zi­do lo­go após o des­ma­me, ain­da em ten­ra ida­de, no meio am­bi­en­te em que vai vi­ver. Aí, com a sua par­ti­ci­pa­ção nas ati­vi­da­des e ritmos nor­mais do meio que lhe foi con­fi­a­do, vai cres­cer ten­do a ca­pa­ci­da­de de dis­cer­nir o que é nor­mal e o que não é, pa­ra as­sim po­der de­fen­der e pro­te­ger o que é seu. Pe­ran­te um pe­ri­go ou ame­a­ça, a sua pos­tu­ra de cão de gran­de por­te, im­po­nen­te e se­gu­ro na sua fun­ção é dis­su­a­so­ra. Con­tu­do se is­to não for su­fi­ci­en­te, ele es­ta­rá pron­to pa­ra en­fren­tar o pe­ri­go, pon­do em ris­co a sua vi­da, mas de-

Quan­do em re­pou­so, a cau­da do Ser­ra da Es­tre­la cai na­tu­ral­men­te en­tre as co­xas em for­ma de ci­mi­tar­ra, for­man­do gan­cho na pon­ta

fen­den­do o que é do seu do­no. São cães que con­vi­vem bem em gru­po, mas, e uma vez que são do­mi­nan­tes, por ve­zes, po­dem exis­tir pe­que­nos con­fron­tos pa­ra se es­ta­be­le­cer hi­e­rar­qui­as e aí vi­ve­rem em har­mo­nia cum­prin­do as su­as fun­ções. A so­ci­a­bi­li­za­ção cor­re­ta de um ca­chor­ro ori­gi­na um cão equi­li­bra­do, fi­el e ex­tre­ma­men­te res­pon­sá­vel na pro­te­ção dos seus e do seu es­pa­ço.

Os co­men­tá­ri­os

Por ser a ra­ça por­tu­gue­sa mais co­nhe­ci­da do público em ge­ral, é tam­bém a mais co­men­ta­da e to­ca­da. Qu­a­se to­das as pes­so­as já vi­ram, co­nhe­cem ou têm al­guém que li­de no dia-a-dia com o Cão da Ser­ra da Es­tre­la. A mai­o­ria das pes­so­as que tem ou te­ve um Ser­ra diz que “foi ou é mai­or do que o nos­so”. Quem não o co­nhe­ce e in­te­ra­ge com ele pe­la pri­mei­ra vez, e tal­vez de­vi­do ao seu por­te, per­gun­ta se mor­de. Mas quan­do lhe to­cam e ve­ri­fi­cam o seu com­por­ta­men­to equi­li­bra­do e do­ci­li­da­de fi­cam apai­xo­na­dos pe­la ra­ça.

Ma­tu­ri­da­de e re­pro­du­ção

O Cão da Ser­ra da Es­tre­la é uma ra­ça de cres­ci­men­to rá­pi­do, atin­gin­do, por ve­zes, o seu cres­ci­men­to fí­si­co, per­to dos 15 me­ses de ida­de. Con­tu­do, o seu ama­du­re­ci­men­to se­xu­al não acom­pa­nha o cres­ci­men­to, sen­do de 2 anos nas fê­me­as e nos ma­chos a par­tir do ano e meio. As fê­me­as têm o pri­mei­ro cio en­tre os 8 e os

Pe­la sua do­çu­ra pa­ra com os do­nos, nos nos­sos di­as, as­su­me ca­da vez mais o pa­pel de cão de fa­mí­lia e guar­da de mui­tos la­res

12 me­ses, por es­se mo­ti­vo nun­ca de­ve­rão ser cru­za­das an­tes dos 2 anos, ou ter­cei­ro cio. Pa­ra além dis­so, um cri­a­dor res­pon­sá­vel, que quei­ra usar ape­nas re­pro­du­to­res com des­pis­tes de dis­pla­sia da an­ca e co­to­ve­lo (em­bo­ra não ha­ven­do obri­ga­to­ri­e­da­de) tem sem­pre de aguar­dar pe­los 18 me­ses de ida­de pa­ra os fa­zer. Diz tam­bém o bom sen­so e res­pon­sa­bi­li­da­de, que se fa­ça o con­tro­lo da car­di­o­mi­o­pa­tia di­la­ta­da. O cru­za­men­to de­ve ser, sem­pre que pos­sí­vel, na­tu­ral. O Cão da Ser­ra da Es­tre­la, nor­mal­men­te, cru­za de for­ma na­tu­ral, sem ne­ces­si­da­de de aju­da. Con­tu­do, nos di­as de ho­je, a in­se­mi­na­ção ar­ti­fi­ci­al é uma re­a­li­da­de e, não sen­do o pre­ten­di­do, po­de ha­ver ne­ces­si­da­de de, por ve­zes, as­sim o ser. Tal co­mo a gra­vi­dez, os par­tos de­vem ser no am­bi­en­te a que a ca­de­la es­tá ha­bi­tu­a­da. Cal­mo e o mais na­tu­ral pos­sí­vel, sem in­ter­ven­ção hu­ma­na, a não ser que a saú­de da mãe ou dos ca­chor­ros se­ja pos­ta em cau­sa. Nor­mal­men­te, uma ca­de­la dá à luz uma mé­dia de 6 a 8 ca­chor­ros, po­den­do, con­tu­do, exis­tir ni­nha­das mais nu­me­ro­sas.

Ca­chor­ros

Quan­do nas­cem e até cer­ca dos pri­mei­ros 15 di­as de vi­da, os ca­chor­ros per­ma­ne­cem com os olhos fe­cha­dos. Quan­do os abrem e até ao des­ma­me têm a cor azul acin­zen­ta­do, após es­ta fa­se de­vem evi­den­ci­ar a cor âm­bar es­cu­ro, tí­pi­ca da ra­ça. Os ca­chor­ros Cão da Ser­ra da Es­tre­la têm à nas­cen­ça cer­ca de 500 g, po­den­do es­te pe­so ser in­fe­ri­or se o nú­me­ro de ca­chor­ros nas­ci­dos for mui­to gran­de. Sen­do uma ra­ça de cres­ci­men­to rá­pi­do, aos 6 me­ses de ida­de, um ca­chor­ro ma­cho, já po­de pe­sar cer­ca de 20 a 25 kg, atin­gin­do os 45 kg na ida­de adul­ta.

Es­co­lha do ca­chor­ro

O fu­tu­ro do­no de­ve ter a cons­ci­ên­cia ple­na de que, ao ad­qui­rir um Cão Ser­ra da Es­tre­la, es­tá a com­pro­me­ter-se por 10 a 12 anos, ou mais, com um com­pa­nhei­ro pa­ra a vi­da, pa­ra quem de­ve ter tem­po pa­ra acom­pa­nhar o seu cres­ci­men­to e edu­ca­ção. Se pen­sar em ad­qui­rir um exem­plar, de­ve con­sul­tar o Clu­be Por­tu­guês de Ca­ni­cul­tu­ra e um dos Clu­bes da Ra­ça - APCSE ou LICRASE (Li­ga dos Cri­a­do­res e Ami­gos do Cão da Ser­ra da Es­tre­la), pa­ra o aju­dar a iden­ti­fi­car os cri­a­do­res com ni­nha­das. De­ve pro­ce­der ao con­tac­to, e even­tu­al vi­si­ta ao ca­nil. Não se pre­ci­pi­te com o pri­mei­ro ca­chor­ro que vir. Vi­si­te vá­ri­os cri­a­do­res, in­for­me-se do seu pla­no de cri­a­ção, pe­ça pa­ra ver os exa­mes dos des­pis­tes da dis­pla­sia e da car­di­o­mi­o­pa­tia dos re­pro­du­to­res da ni­nha­da. O ca­chor­ro que es­co­lher de­ve ter mais de 8 se­ma­nas de vi­da, es­tar de­vi­da­men­te va­ci­na­do (com du­as va­ci­nas no mí­ni­mo), des­pa­ra­si­ta­do e pos­suir o res­pe­ti­vo re­gis­to (Pe­di­gree). Ve­ri­fi­que a re­la­ção do cri­a­dor com os seus cães, is­to po­de dar-lhe in­di­ca­do­res do seu tem­pe­ra­men­to fu­tu­ro e dos ca­chor­ros da ni­nha­da. Por fim, e tal­vez o mais im­por­tan­te, con­si­de­re o es­pa­ço e o tem­po que tem pa­ra de­di­car ao seu cão. O Cão da Ser­ra da Es­tre­la é um cão re­ser­va­do e in­de­pen­den­te, em­bo­ra de­pen­den­te

Com­pa­nhei­ro in­se­pa­rá­vel, des­de sem­pre, do pas­tor e do re­ba­nho, pos­sui um ca­rá­ter equi­li­bra­do fru­to da se­le­ção na­tu­ral, na guar­da de re­ba­nhos no seu ha­bi­tat ori­gi­nal

AAs­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa do Cão da Ser­ra da Es­tre­la foi fun­da­da em 2 de de­zem­bro de 1986. Fi­li­a­da no Clu­be Por­tu­guês de Ca­ni­cul­tu­ra tem co­mo prin­ci­pais ob­je­ti­vos: • Pro­mo­ver a di­vul­ga­ção e o de­sen­vol­vi­men­to do Cão da Ser­ra da Es­tre­la co­mo cão de uti­li­da­de, de com­pa­nhia e de tra­ba­lho; • Tra­ba­lhar pa­ra o apu­ra­men­to da ra­ça nas su­as du­as va­ri­e­da­des (pe­lo com­pri­do e pe­lo cur­to), de mo­do a que es­tas não se afas­tem do es­ta­lão ofi­ci­al; • A or­ga­ni­za­ção de Ex­po­si­ções Mo­no­grá­fi­cas e Es­pe­ci­a­li­za­das, Mos­tras e Con­cur­sos pe­da­gó­gi­cos; • Pro­mo­ver o in­ter­câm­bio com ou­tros Clu­bes e As­so­ci­a­ções; • Con­tri­buir pa­ra o pres­tí­gio mun­di­al da Ra­ça de for­ma lú­di­ca e di­dá­ti­ca, em in­ter­ven­ções so­ci­ais, em es­co­las, pri­sões e hos­pi­tais. Con­tac­to: in­fo­apc­se@gmail.com www.apcse.com.pt do do­no e pre­ci­sa do seu es­pa­ço, na quin­ta ou no jar­dim de ca­sa, pa­ra cor­rer. Não é um cão de apar­ta­men­to. Se for edu­ca­do cor­re­ta­men­te e com re­gras des­de pe­que­no, cres­ce­rá um cão equi­li­bra­do.

O Ser­ra co­mo cão de com­pa­nhia

Sen­do o Ser­ra o “Ami­go” in­se­pa­rá­vel do pas­tor, tam­bém o se­rá da sua fa­mí­lia. Não é um cão de apar­ta­men­to, pois pre­ci­sa do seu ter­re­no e es­pa­ço pa­ra po­der sen­tir a li­ber­da­de. Nos nos­sos di­as, on­de le­va­mos uma vi­da alu­ci- nan­te, ner­vo­sa, agi­ta­da, che­gar a ca­sa ao fim de um dia de tra­ba­lho, e en­con­trar um des­tes cães de olhar cal­mo e se­gu­ro de si é a fór­mu­la per­fei­ta pa­ra apa­zi­guar o stress atra­vés da ale­gria e paz de es­pí­ri­to que nos trans­mi­tem. De­vi­do à sua fun­ção de guar­da, são cães aten­tos à en­vol­ven­te do seu es­pa­ço, sem­pre que al­go fo­ra da ro­ti­na acon­te­ça.

Ne­ces­si­da­de de exer­cí­cio

Du­ran­te a sua fa­se de cres­ci­men­to, o ca­chor­ro Cão da Ser­ra da Es­tre­la não de­ve ser sub­me­ti­do a gran­des exer­cí­ci­os ou es­for­ços. Ele sa­be ge­rir o seu exer­cí­cio e gos­ta de brin­car. Não se de­ve obri­gar a gran­des cor­ri­das pa­ra além da sua von­ta­de. A mai­o­ria gos­ta de água e em di­as de mui­to ca­lor é nor­mal vê-los den­tro de um rio, la­go ou até na pis­ci­na da sua ca­sa.

Uma reflexão fi­nal so­bre o fu­tu­ro da ra­ça

Quem ne­ces­si­tar de um cão pa­ra pro­te­ger um re­ba­nho ou a sua pro­pri­e­da­de, en­con­tra no Cão da Ser­ra da Es­tre­la qua­li­da­des que o vão sur­pre­en­der. Se de­ci­diu que es­ta é a ra­ça ide­al pa­ra si, e re­sol­veu ter um exem­plar, des­de que cor­re­ta­men­te edu­ca­do e so­ci­a­bi­li­za­do, se­rá um fan­tás­ti­co guar­da­dor de re­ba­nhos e pro­pri­e­da­des, sem nun­ca dei­xar de ser um ami­go fi­el da sua fa­mí­lia hu­ma­na e um acér­ri­mo de­fen­sor da sua ca­sa e do seu es­pa­ço. En­tre a du­as va­ri­e­da­des, pe­lo cur­to ou pe­lo com­pri­do, a úni­ca di­fe­ren­ça é ape­nas o com­pri­men­to do pe­lo e o seu gos­to pes­so­al. No­ta de agra­de­ci­men­to: Agra­de­ce­mos a Ana Ca­ta­ri­na Al­ves, João Sil­vi­no e Mar­ta Cor­reia por nos te­rem ce­di­do fo­to­gra­fi­as pa­ra ilus­trar es­te ar­ti­go.

Na épo­ca de in­ver­no, o Cão da Ser­ra da Es­tre­la per­cor­ria qui­ló­me­tros na ro­ta de tran­su­mân­cia, acom­pa­nhan­do e de­fen­den­do o pas­tor e os re­ba­nhos. Ho­je em dia, pa­ra além da con­du­ção de ga­do, é tam­bém um bom cão de guar­da e um com­pa­nhei­ro exí­mio do seu do­no.

O Cão da Ser­ra da Es­tre­la é um cão de guar­da e tem de ter es­tru­tu­ra e tem­pe­ra­men­to pa­ra a sua fun­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.