5 mi­tos

Com­por­ta­men­tos agres­si­vos em cães

Caes & Companhia - - TREINO -

Com­por­ta­men­tos agres­si­vos fa­zem par­te do port­fó­lio de com­por­ta­men­tos dos cães e são com­por­ta­men­tos com­ple­ta­men­te nor­mais e na­tu­rais pa­ra a es­pé­cie, con­for­me o es­tí­mu­lo e as va­ri­an­tes apre­sen­ta­das. In­fe­liz­men­te, em re­dor dos com­por­ta­men­tos agres­si­vos exis­tem mui­tos mi­tos que nos im­pos­si­bi­li­tam de en­ten­der me­lhor es­tes com­por­ta­men­tos. A exis­tên­cia de idei­as pré-con­ce­bi­das irão in­flu­en­ci­ar-nos no en­ten­di­men­to re­al do que es­tes com­por­ta­men­tos são, qual a sua ver­da­dei­ra fun­ção e con­sequên­ci­as.

Es­te ar­ti­go pre­ten­de abor­dar 5 mi­tos que ro­dei­am a apre­sen­ta­ção de com­por­ta­men­tos agres­si­vos por par­te dos cães, na es­pe­ran­ça de que ao des­mis­ti­fi­car es­tes, as pes­so­as pos­sam de al­gu­ma for­ma, abor­dar com­por­ta­men­tos agres­si­vos de uma for­ma di­fe­ren­te, ter uma no­va pers­pec­ti­va des­tes com­por­ta­men­tos e po­de­rem sem in­ter­fe­rên­ci­as en­ten­der me­lhor com o que es­tão a li­dar.

“O meu cão é agres­si­vo”

“Agres­si­vi­da­de” não é uma ca­rac­te­rís­ti­ca da per­so­na­li­da­de. Ne­nhum cão acor­da e é agres­si­vo de ma­nhã à noi­te com tu­do o que apa­re­ce à fren­te. Co­mo tal, nun­ca de­ve­mos di­zer “o meu cão é agres­si­vo”, mas sim “o meu cão apre­sen­ta com­por­ta­men­tos agres­si­vos”. Es­ses com­por­ta­men­tos agres­si­vos não de­vem ser usa­dos co­mo ró­tu­lo pa­ra de­fi­nir ne­nhum cão. O seu cão não é agres­si­vo, ele apre­sen­ta, con­so­an­te de­ter­mi­na­dos es­tí­mu­los, com­por­ta­men­tos con­si­de­ra­dos agres­si­vos. Es­tes com­por­ta­men­tos são de­mons­tra­dos, por ve­zes, em cer­tas si­tu­a­ções e nou­tras não. O seu cão po­de de­mons­trar com­por­ta­men­tos agres­si­vos di­re­ci­o­na­dos a cães, mas ser mui­to so­ciá­vel com pes­so­as. Po­de de­mons­trar com­por­ta­men­tos agres­si­vos pa­ra pes­so­as es­tra­nhas, mas ser mui­to so­ciá­vel e ca­ri­nho­so com as pes­so­as que co­nhe­ce. Po­de de­mons­trar com­por­ta­men­tos agres­si­vos no ve­te­ri­ná­rio, mas em mais ne­nhum lo­cal! To­das es­tas va­ri­an­tes de­ve­ri­am ser su­fi­ci­en­tes pa­ra en­ten­der­mos que com­por­ta­men­tos agres­si­vos não fa­zem par­te da per­so­na­li­da­de de um cão. Ele não nas­ceu as­sim, ele co­me­çou a de­mons­trar com­por­ta­men­tos agres­si­vos, sim­ples­men­te, por­que a sua ex­pe­ri­ên­cia e apren­di­za­gem de al­gu­ma for­ma o le­vou a apre­sen­tar es­ses com­por­ta­men­tos em de­ter­mi­na­dos con­tex­tos ou fa­ce a de­ter­mi­na­dos es­tí­mu­los, por­que no pas­sa­do com­por­ta­men­tos agres­si­vos fo­ram os que re­sul­ta­ram me­lhor pa­ra li­dar com os mes­mos.

“O meu cão é mau”

Mal­da­de não es­tá em na­da re­la­ci­o­na­da com a exi­bi­ção de com­por­ta­men­tos agres­si­vos. Mal­da­de e bon­da­de são, efe­ti­va­men­te, con­cei­tos hu­ma­nos que im­pli­cam uma mo­ra­li­da­de que, in­clu­si­ve na nos­sa es­pé­cie va­ri­am, de pes­soa pa­ra pes­soa, de co­mu­ni­da­de pa­ra co­mu­ni­da­de, de ci­da­de pa­ra ci­da­de, de país pa­ra país. Um com­por­ta­men­to po­de ser con­si­de­ra­do mal­do­so pa­ra uma de­ter­mi­na­da pes­soa, mas pa­ra ou­tra po­de ser vis­to co­mo nor­mal ou até so­ci­al­men­te acei­tá­vel. Bas­ta pen­sar, por exem­plo, que nós ma­ta­mos e co­me­mos va­cas, mas es­tas são sa­gra­das pa­ra os hin­dus. Lo­go, pa­ra es­tes, o que nós fa­ze­mos às va­cas é pu­ra mal­da­de. Ou­tro exem­plo é o con­su­mo de cães na Chi­na. Pen­sa­mos na mal­da­de que is­so é e o quão er­ra­do é pa­ra nós, no en­tan­to, na Chi­na é

O seu cão não é agres­si­vo, ele apre­sen­ta, con­so­an­te de­ter­mi­na­dos es­tí­mu­los, com­por­ta­men­tos con­si­de­ra­dos agres­si­vos

tra­di­ci­o­nal e nor­ma­li­za­do na sua so­ci­e­da­de. Vis­to is­to, não exis­te pos­si­bi­li­da­de ne­nhu­ma de que os cães pos­sam acom­pa­nhar tal con­cei­to, se nem nós con­se­gui­mos um con­sen­so mun­di­al so­bre o que é al­go mau ou al­go bom. A sub­je­ti­vi­da­de do con­cei­to es­tá lon­ge do mun­do dos cães. A exi­bi­ção de com­por­ta­men­tos agres­si­vos ser­ve uma de­ter­mi­na­da fun­ção, is­to é, eles exis­tem com o in­tui­to de ser­vir um ob­je­ti­vo es­pe­cí­fi­co mui­tas ve­zes re­la­ci­o­na­do com de­fe­sa ou afas­ta­men­to de um de­ter­mi­na­do es­tí­mu­lo que as­sus­ta o cão ou do qual ele pre­ten­de man­ter uma cer­ta dis­tân­cia. Co­mo tal, um cão que exi­be com­por­ta­men­tos agres­si­vos não é, nem nun­ca irá ser, um cão mau, nem de­ve ser vis­to co­mo tal. Es­tes com­por­ta­men­tos, co­mo to­dos os ou­tros, de­vem ser ana­li­sa­dos den­tro de um con­tex­to e ser­vin­do uma de­ter­mi­na­da fun­ção, ro­tu­lar o cão de “mau”, in­fe­liz­men­te irá in­flu­en­ci­ar a nos­sa vi­são do que o com­por­ta­men­to é.

“O meu cão é do­mi­nan­te, por­que é agres­si­vo”

Do­mi­nân­cia é uma me­me, is­to é, uma ideia que passa de pes­soa pa­ra pes­soa ao lon­go do tem­po, mas que não tem re­la­ção ne­nhu­ma com a ci­ên­cia, nem nun­ca foi iden­ti­fi­ca­da pe­los pro­fis­si­o­nais co­mo ver­da­dei­ra. O con­cei­to do cão do­mi­nan­te é, por­tan­to, um con­cei­to mui­to ul­tra­pas­sa­do que atin­giu o seu pi­co há de­ze­nas de anos atrás quan­do exis­tiu uma ex­tra­po­la­ção de es­tu­dos fei­tos em lo­bos pa­ra cães. Os pró­pri­os es­tu­dos fei­tos em lo­bos mu­da­ram ra­di­cal­men­te, in­fe­liz­men­te, a me­me da do­mi­nân­cia per­sis­tiu no mun­do dos cães, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te, por­que é uma ideia sim­plis­ta de jus­ti­fi­car o uso de de­ter­mi­na­das téc­ni­cas, mas aci­ma de tu­do de jus­ti­fi­car de­ter­mi­na­dos com­por­ta­men­tos exi­bi­dos pe­los cães que não eram en­ten­di­dos. Mui­tas pes­so­as as­so­ci­am a exi­bi­ção de com­por­ta­men­tos agres­si­vos com a ideia de do­mi­nân­cia. O cão do­mi­nan­te é o cão agres­si­vo. Ora, co­mo já dis­se­mos an­tes em re­la­ção à agres­são, es­ta é en­ten­di­da co­mo um con­jun­to de com­por­ta­men­tos e não uma ca­rac­te­rís­ti­ca da per­so­na­li­da­de, co­mo tal, nun­ca po­de­mos afir­mar que o cão é agres­si­vo e, con­se­quen­te­men­te, do­mi­nan­te. Do­mi­nân­cia, eto­lo­gi­ca­men­te fa­lan­do, tam­bém não é uma ca­rac­te­rís­ti­ca da per­so­na­li­da­de de um ani­mal, mas sim uma for­ma de des­cre­ver o re­la­ci­o­na­men­to en­tre dois ou mais in­di­ví­du­os da mes­ma es­pé­cie. Do­mi­nân­cia, co­mo tal, não po­de ser usa­da pa­ra de­fi­nir a in­di­vi­du­a­li­da­de de ne­nhum cão. Ne­nhum cão é do­mi­nan­te, nem agres­si­vo. Ne­nhum cão acor­da de ma­nhã do­mi­nan­te e agres­si­vo, e se dei­ta à noi­te do­mi­nan­te e agres­si­vo. Os com­por­ta­men­tos agres­si­vos são cha­ma­dos de com­por­ta­men­tos ri­tu­a­lís­ti­cos que têm pri­má­ria e bi­o­lo­gi­ca­men­te, a fun­ção de evi­tar con­fli­tos mais gra­ves, não são com­por­ta­men­tos usa­dos pa­ra au­men­tar con­fli­tos. Ao ros­nar, abo­ca­nhar o ar ou mes­mo mor­der, o cão es­tá a ten­tar ter­mi­nar um re­la­ci­o­na­men­to po­ten­ci­al­men­te pe­ri­go­so.

Sa­bia que os com­por­ta­men­tos agres­si­vos têm pri­má­ria e bi­o­lo­gi­ca­men­te, a fun­ção de evi­tar con­fli­tos mais gra­ves

“A agres­si­vi­da­de do meu cão é ge­né­ti­ca”

Os cães não nas­cem com ne­nhum ge­ne de agres­si­vi­da­de. Agres­são de­ter­mi­na um con­jun­to de com­por­ta­men­tos e não uma ca­rac­te­rís­ti­ca ge­né­ti­ca. Ca­rac­te­rís­ti­cas ge­né­ti­cas, de­ter­mi­nam coi­sas co­mo a cor do pe­lo, o ta­ma­nho, o for­ma­to das ore­lhas, o ti­po de cau­da e ou­tras ca­rac­te­rís­ti­cas mor­fo­ló­gi­cas. A ge­né­ti­ca po­de fa­zer com que al­guns com­por­ta­men­tos es­te­jam mais pre­dis­pos­tos a se­rem apre­sen­ta­dos, pe­ran­te os es­tí­mu­los e va­ri­an­tes cer­tas, do que ou­tros. Mas é ape­nas uma pre­dis­po­si­ção que de­pen­de des­sas va­ri­an­tes e es­tas úl­ti­mas es­tão, em úl­ti­mo ca­so, de­pen­den­tes da apren­di­za­gem e das ex­pe­ri­ên­ci­as a que o cão é ex­pos­to du­ran­te a sua vi­da. Ne­nhum cão nas­ce agres­si­vo e os com­por­ta­men­tos agres­si­vos não são fru­to di­re­to da ge­né­ti­ca, tan­to quan­to a sua ca­pa­ci­da­de de sa­ber na­dar. Ape­sar da pre­dis­po­si­ção de qual fa­la­mos an­te­ri­or­men­te, em úl­ti­ma aná­li­se, é a ex­pe­ri­ên­cia de vi­da e a apren­di­za­gem du­ran­te a mes­ma que irá di­tar se um cão irá apre­sen­tar com­por­ta­men­tos agres­si­vos, con­se­gue na­dar ou co­brar uma bo­la. Quan­do co­lo­ca­mos a ge­né­ti­ca co­mo úni­ca res­pon­sá­vel pe­la apre­sen­ta­ção de com­por­ta­men­tos agres­si­vos, in­fe­liz­men­te, es­ta­mos qu­a­se que a di­zer que não exis­te na­da a fa­zer, e a bai­xar os bra­ços, pois se a ge­né­ti­ca fos­se de fac­to a úni­ca va­ri­an­te a ter em con­ta na apre­sen­ta­ção de com­por­ta­men­tos agres­si­vos en­tão não exis­ti­ria na­da a fa­zer. Em úl­ti­mo ca­so, sa­be­mos que a mo­di­fi­ca­ção de com­por­ta­men­tos agres­si­vos é, não só pos­sí­vel, co­mo acon­se­lha­da e que es­ta mu­dan­ça é fei­ta atra­vés do en­ten­di­men­to do que an­te­ce­de o com­por­ta­men­to e aqui­lo

que o man­tém.

A ra­ça, ida­de ou ta­ma­nho do cão não de­ter­mi­na se es­te é ou não agres­si­vo.

Ao ros­nar, abo­ca­nhar o ar ou mes­mo mor­der, o cão es­tá a ten­tar ter­mi­nar um re­la­ci­o­na­men­to po­ten­ci­al­men­te pe­ri­go­so.

Ter con­fi­an­ça nas pes­so­as é im­pe­ra­ti­vo pa­ra que com­por­ta­men­tos agres­si­vos não se­jam exi­bi­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.