E na nos­sa ca­sa? Quem man­da?

Caes & Companhia - - CÃO JURIS -

Na ru­bri­ca des­te mês va­mos es­cla­re­cer as dú­vi­das ati­nen­tes à pos­si­bi­li­da­de de ter ou não um ani­mal de es­ti­ma­ção em nos­sa ca­sa, bem co­mo se po­de­mos de­ci­dir li­vre­men­te “alar­gar a fa­mí­lia”, ten­do mais do que um com­pa­nhei­ro de qua­tro pa­tas.

Nes­te ca­so, são vá­ri­os os fa­to­res que in­flu­em e não ne­ces­sa­ri­a­men­te li­ga­dos ao ani­mal, mas an­tes ao ti­po de ha­bi­ta­ção (se é pró­pria, ar­ren­da­da, se exis­te con­do­mí­nio, etc.) e à quan­ti­da­de de ani­mais que pre­ten­de­mos que fa­çam par­te do nos­so agre­ga­do fa­mi­li­ar, co­mo ve­re­mos de se­gui­da.

Po­de o meu con­do­mí­nio proi­bir-me de ter ani­mais?

Sur­pre­en­den­te­men­te, a res­pos­ta é “sim” ou me­lhor, é an­tes um “já che­ga”. Con­fu­so? Pas­sa­mos a ex­pli­car. Ca­so a sua re­a­li­da­de se­ja um apar­ta­men­to num pré­dio com con­do­mí­nio cons­ti­tuí­do, en­tão a ver­da­de é que, não obs­tan­te a sua von­ta­de em ter vá­ri­os ani­mais de es­ti­ma­ção, te­rá de se cer­ti­fi­car de que os seus vi­zi­nhos, con­dó­mi­nos e co-pro­pri­e­tá­ri­os, par­ti­lham ou não des­se mes­mo de­se­jo. Is­to por­que, de acor­do com o ar­ti­go 1422º do Có­di­go Ci­vil, num con­do­mí­nio, os pro­pri­e­tá­ri­os que o com­põem es­tão su­jei­tos em ge­ral às par­tes de­no­mi­na­das pri­va­das e co­muns, com es­pe­ci­fi­ci­da­des pa­ra ca­da uma de­las. E, co­mo tal, es­sas es­pe­ci­fi­ci­da­des, bem co­mo to­das as de­mais con­di­ções de uso, frui­ção e con­ser­va­ção das par­tes co­muns de­ve­rão es­tar bem de­fi­ni­das, atra­vés do Re­gu­la­men­to de Con­do­mí­nio, pre­vis­to no ar­ti­go 1429º-a, tam­bém do Có­di­go Ci­vil.

Po­de­rá es­ta re­gu­la­men­ta­ção ser li­mi­ta­do­ra do aces­so dos meus ani­mais ao meu apar­ta­men­to?

É exa­ta­men­te es­te con­jun­to de re­gras que po­de­rão di­zer-lhe “já che­ga” quan­do de­ci­de ter mais do que um ani­mal de es­ti­ma­ção. Ou dois ou três.

De fac­to, os con­dó­mi­nos de um pré­dio fra­ci­o­na­do po­dem, se tal cor­res­pon­der à von­ta­de da mai­o­ria, li­mi­tar a es­ti­pu­la­ção le­gal ao nú­me­ro má­xi­mo de ani­mais es­ta­be­le­ci­do. Tal ma­té­ria vem pre­vis­ta no De­cre­to-lei 314/2003, de 17 de de­zem­bro, sen­do que, de uma for­ma ge­né­ri­ca, ca­da ha­bi­ta­ção po­de alo­jar até três cães ou qua­tro ga­tos adul­tos, com li­mi­te de qua­tro ani­mais, a não ser que, a pe­di­do, o ve­te­ri­ná­rio mu­ni­ci­pal e o de­le­ga­do de saú­de au­to­ri­zem um má­xi­mo de seis ani­mais, por se ve­ri­fi­ca­rem as con­di­ções hi­gio-sa­ni­tá­ri­as e de bem-es­tar ani­mal exi­gí­veis (art. 3º nº 2 do di­plo­ma le­gal enun­ci­a­do). Po­rém, em ca­so de con­do­mí­nio, tem apli­ca­ção o art. 3º nº 3 do De­cre­to-lei re­fe­ri­do e é por­tan­to pos­sí­vel que o re­gu­la­men­to es­ta­be­le­ça um nú­me­ro in­fe­ri­or de ani­mais per­mi­ti­dos por ca­da fra­ção, in­de­pen­den­te­men­te da sua ti­po­lo­gia. O que sig­ni­fi­ca que, na prá­ti­ca, o con­do­mí­nio, na au­sên­cia de es­pe­ci­fi­ca­ção ex­pres­sa, po­de­rá es­ti­pu­lar co­mo um nú­me­ro in­fe­ri­or um “não são per­mi­ti­dos ani­mais”. Cu­ri­o­so é de­no­tar que o in­ver­so não se ve­ri­fi­ca, ou se­ja, ten­do a sor­te de ha­bi­tar num pré­dio to­tal­men­te ami­go dos ani­mais, não po­de­rão os con­dó­mi­nos ela­bo­rar um re­gu­la­men­to que per­mi­ta um nú­me­ro de ami­gos de qua­tro pa­tas su­pe­ri­or ao le­gal­men­te es­ta­be­le­ci­do.

De uma for­ma ge­né­ri­ca, ca­da ha­bi­ta­ção po­de alo­jar até três cães ou qua­tro ga­tos adul­tos, com li­mi­te de qua­tro ani­mais

E se a mi­nha ca­sa for ar­ren­da­da?

Se a fra­ção for ar­ren­da­da, es­ta passa exa­ta­men­te pe­los mes­mos con­di­ci­o­na­lis­mos, sen­do que a po­si­ção de ar­ren­da­tá­rio é ain­da mais li­mi­ta­do­ra, na me­di­da em que mes­mo que não ha­ja re­gu­la­men­to de con­do­mí­nio que proí­ba os ani­mais, o con­tra­to de ar­ren­da­men­to po­de­rá pre­ver tal es­ti­pu­la­ção. Ou­tra pos­si­bi­li­da­de pas­sa­rá pe­lo ar­ren­da­tá­rio ver o seu con­tra­to re­sol­vi­do, nos ter­mos do art.º 1083/2/a) do Có­di­go Ci­vil, ca­so se pro­ve que ocor­reu uma vi­o­la­ção rei­te­ra­da e gra­ve de re­gras de hi­gi­e­ne, do sos­se­go, da boa vi­zi­nhan­ça ou das nor­mas cons­tan­tes do re­gu­la­men­to do con­do­mí­nio.

Ou­tros fa­to­res a ter em con­ta

Den­tro do que se tem co­mo ocor­rên­ci­as mais fre­quen­tes te­mos as que se pren­dem com a per­ma­nên­cia dos ani­mais nas va­ran­das ou ter­ra­ços ou com o fac­to dos mes­mos la­dra­rem ou fa­ze­rem ba­ru­lho. No pri­mei­ro ca­so, é acon­se­lhá­vel con­sul­tar a Cer­ti­dão Pre­di­al da fra­ção e pré­dio, pa­ra sa­ber se a va­ran­da ou ter­ra­ço es­tão de­fi­ni­dos co­mo par­tes co­muns ou pri­va­das (sen­do que, no que às va­ran­das con­cer­ne, fre­quen­te­men­te são con­si­de­ra­das par­tes co­muns de uso pri­va­do, aten­ta à qua­li­da­de co­mum das fa­cha­das on­de es­tão in­se­ri­das), pa­ra sa­ber se os con­dó­mi­nos po­de­rão pro­nun­ci­ar-se quan­to à per­ma­nên­cia do ani­mal nes­se es­pa­ço. Por ou­tro la­do, mui­tos são os ca­sos em que o nos­so ani­mal so­fre com a nos­sa au­sên­cia e, por is­so, la­dra ou ga­ne, sen­do que em tal ca­so de­ve­re­mos ter em aten­ção a lei que re­gu­la­men­ta o ruí­do, pre­vis­ta no De­cre­to-lei 9/2007, de 17 de ja­nei­ro, com as al­te­ra­ções do De­cre­to-lei 278/2007, de 1 de agos­to. Con­tu­do, há que de­no­tar que, ape­sar de tais im­po­si­ções, li­mi­ta­ções e nu­me­rus clau­sus, a re­gu­la­men­ta­ção aqui em cau­sa não tem co­mo in­tui­to re­gu­lar as re­la­ções de vi­zi­nhan­ça, que pas­sa­rão sem­pre pe­lo uso bom sen­so e pe­la bi­to­la da nor­ma­li­da­de so­ci­al. Quer is­to di­zer que, ca­sos po­de ha­ver em que um úni­co ani­mal po­de­rá cau­sar vá­ri­os dis­túr­bi­os, sen­do que cin­co cães ou ga­tos po­de­rão nem se­quer dar con­ta da sua pre­sen­ça e es­tar num es­pa­ço ade­qua­do às su­as ne­ces­si­da­des de bem-es­tar, pe­lo que aí as dis­po­si­ções le­gais aci­ma enun­ci­a­das po­de­rão ser apli­ca­das (no pri­mei­ro ca­so) ou afas­ta­das (no se­gun­do), da­do a le­gis­la­ção vi­sar pro­te­ger, em pri­mei­ra li­nha, a saú­de pú­bli­ca.

Em con­clu­são

Em su­ma, al­gu­mas pes­so­as gos­tam de ter ani­mais ou mes­mo mui­tos ani­mais, con­tu­do ou­tras não e, co­mo em tu­do o que re­ge a nos­sa so­ci­e­da­de, im­pe­ra a de­mo­cra­cia, ain­da que a von­ta­de de al­guns não se­ja a de to­dos. Pe­lo que, se pro­cu­ra uma ca­sa, pro­cu­re tam­bém to­das as in­for­ma­ções que lhe per­mi­tam a si e aos seus com­pa­nhei­ros de es­ti­ma­ção ser e ter bons vi­zi­nhos.

Em ca­so de con­do­mí­nio é pos­sí­vel que o re­gu­la­men­to es­ta­be­le­ça um nú­me­ro in­fe­ri­or de ani­mais per­mi­ti­dos por ca­da fra­ção, in­de­pen­den­te­men­te da sua ti­po­lo­gia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.