Ra­par o cão no ve­rão

Só por­que es­tá ca­lor!?

Caes & Companhia - - GROOMING -

Ape­sar de já ha­ver mui­ta gen­te in­for­ma­da, ain­da exis­te quem ache que o me­lhor a fa­zer du­ran­te o ve­rão, pa­ra evi­tar que o cão te­nha ca­lor, é ra­par o pe­lo!

Quan­do me re­fi­ro a ra­par o pe­lo fa­lo em cor­tar à má­qui­na mui­to cur­ti­nho (en­tre 1 e 3 mm), qu­a­se à pe­le, não são cor­tes com uma al­tu­ra de pe­lo ra­zoá­vel ou à te­sou­ra. No en­tan­to, já vai ha­ven­do a no­ção de que exis­tem ra­ças ou ti­pos de pe­la­gem que nun­ca de­vem ser ra­pa­das, co­mo os nór­di­cos e os cães com sub­pe­lo den­so (lã). Ou­tra coi­sa que no­to é a pre­o­cu­pa­ção dos do­nos com a qua­li­da­de, a tex­tu­ra e al­te­ra­ções no pe­lo. O que é óti­mo. Es­te ti­po de in­for­ma­ção é re­cen­te e ain­da al­go abs­tra­ta nas men­tes de mui­tas pes­so­as. O que é per­fei­ta­men­te com­pre­en­sí­vel quan­do a es­té­ti­ca ani­mal (Gro­o­ming) não é a nos­sa área de co­nhe­ci­men­tos. So­mos bom­bar­de­a­dos com in­for­ma­ção de to­dos os la­dos. Uma cer­ta, ou­tra nem tan­to, o que se po­de tor­nar bas­tan­te con­fu­so.

As­sim sen­do, ra­pa­mos ou não?

Es­ta ques­tão não é as­sim tão li­ne­ar. Aten­ção: Nes­te pon­to es­ta­mos a re­fe­rir-nos a cães de pe­lo com­pri­do, sem sub­pe­lo ou lã. Ra­par, ra­par cur­ti­nho, a ver-se a pe­le ou pou­co mais, a não ser que se­ja por uma ques­tão de saú­de, por ter nós ou por­que es­tá a fa­zer al­gum ti­po de tra­ta­men­to, não! Ra­par nes­ta al­tu­ra do ano, com o pe­ri­go de quei­ma­du­ras so­la­res (can­cro de pe­le e le­sões gra­ves), a não ser que não exis­ta ou­tra al­ter­na­ti­va, é cla­ro que não! É pe­ri­go­so, es­pe­ci­al­men­te se o cão passa lon­gos pe­río­dos ex­pos­to ao sol ou se es­tá a pen­sar le­vá-lo con­si­go de fé­ri­as pa­ra a praia.

Ne­ces­si­ta de pro­te­ção

Na even­tu­a­li­da­de do cão ter de ser ra­pa­do (por ter nós ou pre­ci­sar de fa­zer al­gum ti­po de tra­ta­men­to), con­vém que fi­que pro­te­gi­do no in­te­ri­or de ca­sa e é de evi­tar ir com ele à rua nas ho­ras de ca­lor. Pa­ra as idas à rua nas ho­ras de ca­lor, exis­tem no mer­ca­do ca­mi­so­las re­fres­can­tes que se mo­lham. Pa­ra além de os pro­te­ger dos rai­os so­la­res, aju­dam a man­ter uma tem­pe­ra­tu­ra cor­po­ral mais bai­xa.

Pa­ra di­mi­nuir o stress

Tam­bém se po­de dar o ca­so do seu cão, pu­ra e sim­ples­men­te, stres­sar mui­to na tos­quia. Nes­te ca­so, op­tar por um cor­te cur­to, sem mui­tos de­ta­lhes, é mais rá­pi­do e me­nos stres­san­te. Já me acon­te­ceu. Pa­ra um cão pou­co so­ci­a­li­za­do, com pou­co con­tac­to com hu­ma­nos, ter um es­tra­nho com tan­ta pro­xi­mi­da­de, a to­car-lhe, po­de ser de­ma­si­a­do. Pe­ran­te es­ta si­tu­a­ção o ti­po de cor­te de­ve ser sim­ples, se­gu­ro e rá­pi­do. O ide­al é não ra­par e dei­xar o má­xi­mo de com­pri­men­to pos­sí­vel, mas, co­mo em tu­do, exis­tem ex­ce­ções e não po­de­mos ter uma ati­tu­de ra­di­ca­lis­ta nes­te as­pe­to.

Ra­par, por­que es­tá ca­lor

Não nos po­de­mos com­pa­rar a um cão. So­mos es­pé­ci­es di­fe­ren­tes, mas es­que­ce­mo-nos dis­so com mui­ta frequên­cia. São os nos­sos me­ni­nos e te­mos uma gran­de ten­dên­cia pa­ra hu­ma­ni­zar os ani­mais em to­dos os as­pe­tos.

Exis­tem ra­ças ou ti­pos de pe­la­gem que nun­ca de­vem ser ra­pa­das, co­mo os nór­di­cos e os cães com sub­pe­lo den­so

Quan­do me re­fi­ro a es­pé­ci­es di­fe­ren­tes, re­fi­ro-me tam­bém a ana­to­mi­as di­fe­ren­tes. O ca­lor que sen­ti­mos e a for­ma co­mo trans­pi­ra­mos é com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te. Os cães não trans­pi­ram pe­los mes­mos sí­ti­os que nós e, co­mo tal, tos­qui­ar um cão não o irá fa­zer ne­ces­sa­ri­a­men­te ter me­nos ca­lor. A pe­le do cão tem uma es­tru­tu­ra mui­to di­fe­ren­te, com mui­to me­nos ca­ma­das de epi­der­me. Daí a ne­ces­si­da­de de ter pe­lo pa­ra pro­vi­den­ci­ar a pro­te­ção ne­ces­sá­ria con­tra os rai­os so­la­res. Os cães pre­ci­sam do pe­lo pa­ra se pro­te­ge­rem. A ver­da­de é es­ta! Os do­nos usam pro­te­tor so­lar e cha­péus. Os cães usam o pe­lo. É per­fei­ta­men­te na­tu­ral que os cães te­nham ca­lor no ve­rão, mas, por mais es­tra­nho que pa­re­ça, se fo­rem ra­pa­dos vão so­bre­a­que­cer mui­to mais.

Cães que não de­vem ser tos­qui­a­dos de to­do!

Com ex­ce­ção dos cães de pe­lo com­pri­do, sem sub­pe­lo, ne­nhum cão de­ve ser tos­qui­a­do. O pe­lo po­de ser des­bas­ta­do, mas não à má­qui­na, sem nun­ca che­gar ao sub­pe­lo. E os cães de pe­lo cur­to, nun­ca de­vem ser tos­qui­a­dos! Por uma ra­zão mui­to sim­ples. A par­tir do mo­men­to que se cor­ta o pe­lo a es­tes cães a sua tex­tu­ra al­te­ra com­ple­ta­men­te. O sub­pe­lo de­sa­pa­re­ce ou po­de acon­te­cer o con­trá­rio, o pe­lo ca­pa de­sa­pa­re­ce (alo­pé­cia após tos­quia).

Alo­pé­cia após tos­quia

A alo­pé­cia após tos­quia é a per­da to­tal ou par­ci­al de pe­lo (pe­la­das) após a tos­quia. Po­de fi­car-se só pe­la fal­ta de pe­lo, mas co­mo a pe­le pre­ci­sa de pro­te­ção, já vi ca­sos em que de­pois avan­ça pa­ra le­sões. Ou se­ja, pa­ra além

A es­co­va­gem e o ba­nho são mais im­por­tan­tes que o com­pri­men­to do pe­lo, pois um pe­lo bem tra­ta­do pro­vi­den­cia um bom iso­la­men­to tér­mi­co

de po­der fi­car com o seu cão per­ma­nen­te­men­te ca­re­ca, pre­pa­re-se pa­ra gas­tar ri­os de di­nhei­ro em tra­ta­men­tos, me­di­ca­men­tos, po­ma­das, ba­nhos de tra­ta­men­to e aná­li­ses. Quan­do tu­do is­so po­dia ter si­do evi­ta­do se ti­ves­se dei­xa­do o pe­lo do seu cão co­mo a na­tu­re­za o fez.

Téc­ni­cas de Gro­o­ming pa­ra ca­da ti­po de pe­lo

Exis­tem vá­ri­os ti­pos de pe­lo e pa­ra ca­da ti­po exis­tem téc­ni­cas de Gro­o­ming ade­qua­das. Por exem­plo: Os cães de pe­lo cer­do­so (pe­lo de ara­me) de­vem fa­zer hand-strip­ping; Os Coc­kers de­vem fa­zer hand-pluc­king ou car­ding; Os cães de pe­lo com­pri­do de­vem cor­tar, pe­lo me­nos, as pon­tas com frequên­cia pa­ra que o pe­lo cres­ça sau­dá­vel, en­tre mui­tas ou­tras coi­sas. To­das as téc­ni­cas têm uma ra­zão de exis­tir. O ob­je­ti­vo é que o pe­lo se­ja sau­dá­vel e tí­pi­co. A uti­li­za­ção da téc­ni­ca er­ra­da po­de da­ni­fi­car a qua­li­da­de do pe­lo e pro­vo­car pro­ble­mas de pe­le, pois es­tá tu­do in­ter­li­ga­do. Pe­le sau­dá­vel, pe­lo sau­dá­vel e vi­ce-ver­sa. Não é por­que a es­ta­ção do ano mu­dou, que mu­da a for­ma cor­re­ta de tra­tar do seu cão.

Não te­nha pe­na dos cães de pe­lo com­pri­do!

Te­nho cães de pe­lo com­pri­do. Vol­ta e meia cor­to-lhes o pe­lo, por co­mo­di­da­de ou por fal­ta de tem­po pa­ra cui­dar de­les em con­di­ções, por­que es­tou mui­to ocu­pa­da. No en­tan­to, por nor­ma, os meus cães an­dam com o pe­lo com­pri­do, se­ja in­ver­no ou ve­rão. Man­ter o pe­lo com­pri­do no in­ver­no é com­pli­ca­do por cau­sa da chu­va, mas no ve­rão te­nho de ter aten­ção re­do­bra­da por­que o ca­lor, o ar se­co e o pó se­cam mui­to o pe­lo. Os meus cães to­mam ba­nho com uma frequên­cia bas­tan­te re­gu­lar, ide­al­men­te de 8 em 8 di­as, com um champô pró­prio pa­ra as ne­ces­si­da­des da­que­le mo­men­to, mais ou me­nos hi­dra­tan­te, mas usam sem­pre ama­ci­a­dor pa­ra pro­te­ger o pe­lo. Um pe­lo lim­po e bem hi­dra­ta­do, for­ma me­nos nós do que um pe­lo se­co e su­jo. Cres­ce de uma for­ma mais ho­mo­gé­nea e não al­te­ra a cor (oxi­da­ção). Es­tes cui­da­dos são fun­da­men­tais quan­do te­mos um cão de pe­lo com­pri­do e que­re­mos man­tê-lo des­te mo­do.

Mas não têm ca­lor?

Se os meus cães, de pe­lo com­pri­do, têm ca­lor nes­ta al­tu­ra do ano? Evi­den­te­men­te que sim, to­dos nós te­mos, por­que es­tá ca­lor! Tal co­mo têm to­dos os ou­tros cães, com to­dos os ti­pos e com­pri­men­tos de pe­la­gem. Mas os meus cães não so­frem de ca­lor por cau­sa do com­pri­men­to do pe­lo! Por­tan­to, quan­do pas­sar na rua por um cão de pe­lo com­pri­do, mas bem tra­ta­do, não sin­ta

pe­na. Te­nha pe­na da­que­les que não têm tra­to al­gum. Es­ses sim, so­frem com o ca­lor, pois um pe­lo com­pac­ta­do de sub­pe­lo ou com nós não es­tá a efe­tu­ar a sua fun­ção ter­mor­re­gu­la­do­ra em con­di­ções efi­ci­en­tes. A es­co­va­gem e o ba­nho são mui­to mais im­por­tan­tes que o com­pri­men­to do pe­lo. Um pe­lo bem tra­ta­do pro­vi­den­cia um bom iso­la­men­to tér­mi­co. E é es­sa a fun­ção do pe­lo, é por is­so que ele ali es­tá

Cui­da­dos nes­ta al­tu­ra do ano

Um dos cui­da­dos que te­nho é não le­var os meus cães a pas­se­ar nas al­tu­ras de mai­or ca­lor. Pro­por­ci­o­no-lhes o do­bro da quan­ti­da­de de água e man­te­nho-os em sí­ti­os fres­cos e are­ja­dos. Mas is­to é al­go que de­ve­mos pro­vi­den­ci­ar a to­dos os cães, in­de­pen­den­te­men­te do ti­po ou com­pri­men­to do pe­lo.

Opi­niões to­dos têm

Ho­je em dia bas­ta uma pe­que­na bus­ca no Go­o­gle e to­do o ti­po de in­for­ma­ção es­tá ali, a um cli­que de dis­tân­cia. Mas não sig­ni­fi­ca que se­ja cor­re­ta. Te­mos de usar o bom sen­so e pen­sar. Ver se faz sen­ti­do ou não. Tam­bém não po­de­mos acre­di­tar em al­go só por­que a mai­o­ria das pes­so­as diz que é as­sim que se de­ve fa­zer. No que to­ca a tra­ta­men­to do pe­lo não há nin­guém, ne­nhum pro­fis­si­o­nal da área da saú­de ani­mal, que sai­ba mais so­bre o as­sun­to que um Gro­o­mer ex­pe­ri­en­te e bem for­ma­do. Nem mes­mo um mé­di­co ve­te­ri­ná­rio.

“O seu a seu do­no”

Já exis­tem al­gu­mas for­ma­ções na área do tra­ta­men­to de pe­lo na área, mas Gro­o­ming não é uma ca­dei­ra que exis­ta em mui­tas Uni­ver­si­da­des. E, quan­do exis­te, é uma ca­dei­ra fa­cul­ta­ti­va. O opos­to tam­bém é vá­li­do. Um Gro­o­mer tam­bém não sa­be o su­fi­ci­en­te so­bre as­sun­tos de fo­ro clí­ni­co. Não se es­que­ça, exis­tem sem­pre ex­ce­ções à re­gra no que to­ca ao Gro­o­ming. Ca­da ca­so é um ca­so, co­mo tal, pre­ci­sa ser ana­li­sa­do in­di­vi­du­al­men­te e pre­sen­ci­al­men­te por um pro­fis­si­o­nal de Gro­o­ming. Se tem dú­vi­das ou ques­tões so­bre o tra­ta­men­to do pe­lo do seu cão, con­tac­te sem­pre um Gro­o­mer!

Há sem­pre ex­ce­ções

Com tu­do is­to, não qu­e­ro di­zer que nun­ca ra­pei um nór­di­co ou que nun­ca te­nha uti­li­za­do uma téc­ni­ca er­ra­da pa­ra a ra­ça em ques­tão. É cla­ro que sim. Acre­di­to que qu­a­se to­dos os pro­fis­si­o­nais já ti­ve­ram de fa­zer al­go que vai con­tra os seus prin­cí­pi­os e co­nhe­ci­men­tos. Mas fa­ze­mo-lo por “n” ra­zões, por exem­plo: o ani­mal es­tá em mui­to mau es­ta­do e ten­tar sal­var o pe­lo é cru­el; o ani­mal tem le­sões ou pra­ga­nas com ab­ces­sos; ou es­tá com­ple­ta­men­te in­fes­ta­do de pa­ra­si­tas. Ca­da ca­so é um ca­so, ca­da ani­mal é di­fe­ren­te, as­sim co­mo as su­as ne­ces­si­da­des mu­dam em ca­da mo­men­to es­pe­cí­fi­co. Ago­ra, ra­par só por­que es­tá ca­lor? Não fa­ça is­so!

Nos me­ses mais quen­tes os do­nos po­dem op­tar por um cor­te com uma al­tu­ra de pe­lo ra­zoá­vel ou à te­sou­ra.

A uti­li­za­ção da téc­ni­ca er­ra­da po­de da­ni­fi­car a qua­li­da­de do pe­lo e pro­vo­car pro­ble­mas de pe­le.

A es­co­va­gem re­gu­lar per­mi­te eli­mi­nar o pe­lo mor­to e sol­to, as­sim co­mo o sub­pe­lo, ha­ven­do uma cor­re­ta fun­ção ter­mor­re­gu­la­do­ra.

É per­fei­ta­men­te na­tu­ral que os cães te­nham ca­lor no ve­rão, mas se fo­rem ra­pa­dos vão so­bre­a­que­cer mui­to mais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.