Ví­rus da Es­ga­na

Al­ta­men­te con­ta­gi­o­so!

Caes & Companhia - - VETERINÁRIA -

A es­ga­na é uma do­en­ça in­fec­ci­o­sa pro­vo­ca­da pe­lo ví­rus da es­ga­na ca­ni­no CDV – Ca­ni­ne Dis­tem­per Vi­rus. Afe­ta prin­ci­pal­men­te os cães, mas tam­bém po­de atin­gir os fu­rões e ou­tros ca­ní­de­os sel­va­gens co­mo ra­po­sas, lo­bos e coi­o­tes.

Éu­ma do­en­ça gra­ve, que afe­ta qu­a­se to­do o or­ga­nis­mo do cão, in­cu­rá­vel e, ge­ral­men­te, fa­tal. De to­das as do­en­ças in­fec­ci­o­sas em cães, ape­nas a rai­va pos­sui uma ta­xa de mor­ta­li­da­de su­pe­ri­or à es­ga­na.

Trans­mis­são da es­ga­na

O ví­rus da es­ga­na é al­ta­men­te con­ta­gi­o­so, dis­se­mi­nan­do-se de for­ma mui­to fá­cil e rá­pi­da de ani­mal pa­ra ani­mal. A trans­mis­são ocor­re atra­vés de ae­ros­sóis e go­tí­cu­las in­fe­tan­tes pro­ve­ni­en­tes de se­cre­ções e ex­cre­ções ocu­la­res, res­pi­ra­tó­ri­as, di­ges­ti­vas e uri­ná­ri­as de ani­mais in­fe­ta­dos. Não se tra­ta de uma zo­o­no­se, ou se­ja, os se­res hu­ma­nos não são afe­ta­dos pe­lo ví­rus da es­ga­na, o mes­mo acon­te­ce com os ga­tos. No en­tan­to, os se­res hu­ma­nos po­dem ser­vir de veí­cu­lo de trans­mis­são do ví­rus pa­ra os cães, trans­por­tan­do-o no cal­ça­do, na rou­pa e nas pró­pri­as mãos. Um ani­mal in­fe­ta­do eli­mi­na par­tí­cu­las vi­rais até 60-90 di­as após a in­fe­ção, mas prin­ci­pal­men­te na fa­se agu­da, pri­mei­ras 1-2 se­ma­nas. As mai­o­res opor­tu­ni­da­des de dis­se­mi­na­ção ocor­rem em am­bi­en­tes on­de os cães são man­ti­dos em gru­pos, co­mo lo­jas de ani­mais, abri­gos, ca­nis, clí­ni­cas ve­te­ri­ná­ri­as e co­ló­ni­as.

Pre­dis­po­si­ção

Não há pre­dis­po­si­ção sa­zo­nal, por se­xo, ra­ça ou ida­de, po­rém a in­ci­dên­cia é mais al­ta en­tre os 3 e os 6 me­ses de ida­de, pe­río­do em que di­mi­nui a ta­xa de an­ti­cor­pos ma­ter­nos, em ani­mais não va­ci­na­dos. Se uma fê­mea ges­tan­te for in­fe­ta­da po­de ha­ver in­fe­ção trans­pla­cen­tá­ria e ne­o­na­tal. Na in­fe­ção trans­pla­cen­tá­ria os ca­chor­ros de­sen­vol­vem si­nais neu­ro­ló­gi­cos du­ran­te as 4-6 pri­mei­ras se­ma­nas de vi­da e de­pen­den­do do tem­po de ges­ta­ção em que se der a in­fe­ção, po­dem ocor­rer abor­tos, na­dos mor­tos ou ne­o­na­tos vi­vos fra­cos. Na in­fe­ção ne­o­na­tal po­dem ocor­rer ano­ma­li­as no es­mal­te den­tá­rio, le­sões car­día­cas e ocu­la­res.

Re­sis­tên­cia do ví­rus

O ví­rus da es­ga­na é pou­co re­sis­ten­te a de­ter­gen­tes co­muns, de uso do­més­ti­co, e ao ca­lor, mor­ren­do em pou­cos mi­nu­tos em am­bi­en­tes quen­tes. Po­rém po­de per­sis­tir du­ran­te se­ma­nas em am­bi­en­tes com tem­pe­ra­tu­ras pró­xi­mas dos 0°C.

Ma­ni­fes­ta­ção clí­ni­ca

Afe­ta múl­ti­plos sis­te­mas do or­ga­nis­mo, no­me­a­da­men­te, o sis­te­ma res­pi­ra­tó­rio, o sis­te­ma gas­troin­tes­ti­nal e o sis­te­ma ner­vo­so e, por is­so, a sua sin­to­ma­to­lo­gia é va­ri­a­da. A ma­ni­fes­ta­ção clí­ni­ca da in­fe­ção es­tá de­pen- den­te de di­ver­sos fa­to­res, co­mo a car­ga vi­ral, a es­tir­pe vi­ral in­fe­tan­te, da ida­de e o es­ta­do imu­ni­tá­rio do ani­mal. Si­nais clí­ni­cos ines­pe­cí­fi­cos da do­en­ça são fre­quen­tes e, ge­ral­men­te, pre­ce­dem ou ocor­rem si­mul­ta­ne­a­men­te aos si­nais neu­ro­ló­gi­cos sen­do que es­tes úl­ti­mos po­dem ocor­rer sem si­nais sis­té­mi­cos as­so­ci­a­dos.

Sin­to­ma­to­lo­gia

O pri­mei­ro sin­to­ma a sur­gir é a fe­bre, mas mui­tas ve­zes po­de pas­sar des­per­ce­bi­da. O ví­rus atin­ge as vi­as aé­re­as, os pul­mões, olhos e o apa­re­lho gas­troin­tes­ti­nal. Con­se­quen­te­men­te às le­sões dei­xa­das pe­lo ví­rus ins­ta­lam-se in­fe­ções bac­te­ri­a­nas opor­tu­nis­tas. A in­fe­ção con­jun­ta do ví­rus e bac­té­ri­as le­va a per­da de ape­ti­te, de­si­dra­ta­ção, cor­ri­men­tos na­sais e ocu­la­res mu­co­pu­ru­len­tos, pneu­mo­nia, tos­se, di­ar­reia e vó­mi­tos. Pa­ra além dis­so, o sis­te­ma imu­ni­tá­rio tam­bém é afe­ta­do, di­mi­nuin­do a ca­pa­ci­da­de do or­ga­nis­mo de lu­tar con­tra a in­fe­ção. A hi­per­que­ra­to­se (es­pes­sa­men­to da pe­le) das al­mo­fa­das plan­ta­res tam­bém é co­mum e cos­tu­ma ser pro­gres­si­va, nor­mal­men­te, só é evi­den­te de 3 a 6 me­ses após a in­fe­ção agu­da, po­den­do sur­gir até anos após a fa­se clí­ni­ca. Tam­bém é bas­tan­te co­mum a alo­pé­cia (fa­lha de pe­lo) na re­gião pe­ri­o­cu­lar com for­ma­ção de cros­tas, dan­do o as­pe­to de ócu­los. Po­dem ocor­rer exan­te­mas cu­tâ­ne­os, que são man­chas aver­me­lha­das e com re­le­vo, que po­dem evo­luir até a for­ma­ção de pús­tu­las (le­sões pe­que­nas, in­fla­ma­das, chei­as de pus e se­me­lhan­tes a uma bo­lha na su­per­fí­cie da pe­le), es­pe­ci­al­men­te no ab­dó­men.

A es­ga­na afe­ta prin­ci­pal­men­te os cães, mas tam­bém po­de atin­gir os fu­rões e ou­tros ca­ní­de­os sel­va­gens co­mo ra­po­sas, lo­bos e coi­o­tes

Sin­to­mas ner­vo­sos

A gran­de mai­o­ria dos ani­mais in­fe­ta­dos de­sen­vol­ve sin­to­ma­to­lo­gia ner­vo­sa, co­mo por exem­plo ata­ques epi­lé­ti­cos, con­vul­sões, fra­que­za dos mem­bros, pa­ra­li­sia e per­da de co­or­de­na­ção mo­to­ra. Os sin­to­mas neu­ro­ló­gi­cos po­dem ser ir­re­ver­sí­veis. A mai­o­ria dos ani­mais com sin­to­mas ner­vo­sos mor­re ou é eu­ta­na­si­a­do de­vi­do às le­sões que a do­en­ça lhes cau­sa.

Um di­ag­nós­ti­co di­fí­cil

De uma for­ma ge­ral, os sin­to­mas não são iden­ti­fi­ca­dos lo­go no iní­cio da do­en­ça, o que faz com que o di­ag­nós­ti­co se­ja mui­to di­fí­cil. Mui­tos ani­mais po­dem não apre­sen­tar to­dos os sin­to­mas tí­pi­cos, por exem­plo, um ani­mal po­de pas­sar da fe­bre di­re­ta­men­te pa­ra sin­to­mas ner­vo­sos, sem que ma­ni­fes­te di­ar­reia ou pneu­mo­nia. Re­la­ti­va­men­te ao di­ag­nós­ti­co de es­ga­na é ob­ti­do a par­tir dos si­nais clí­ni­cos e anam­ne­se. Ge­ral­men­te ba­seia-se nos si­nais clí­ni­cos tí­pi­cos, por exem­plo, um cão jo­vem (2-6 me­ses) que te­nha uma his­tó­ria de va­ci­na­ções ina­de­qua­das, ou mes­mo au­sên­cia das mes­mas, e pos­si­bi­li­da­des de ex­po­si­ção ao ví­rus. O di­ag­nós­ti­co clí­ni­co de es­ga­na em cães sem si­nais sis­té­mi­cos pre­ce­den­tes ou con­co­mi­tan­tes é di­fí­cil, no en­tan­to, es­ta ma­ni­fes­ta­ção clí­ni­ca não é fre­quen­te. Re­la­ti­va­men­te aos exa­mes la­bo­ra­to­ri­ais na ana­lí­ti­ca co­mum na clí­ni­ca, os prin­ci­pais acha­dos no he­mo­gra­ma são a di­mi­nui­ção dos gló­bu­los bran­cos, que po­de ser explicada por di­ver­sos fa­to­res, tais co­mo, a di­mi­nui­ção de pro­du­ção pe­la me­du­la ós­sea, a des­trui­ção e o au­men­to da ne­ces­si­da­de do or­ga­nis­mo na ten­ta­ti­va de com­ba­te ao ví­rus.

Exa­mes com­ple­men­ta­res

Quan­to ao di­ag­nós­ti­co de­fi­ni­ti­vo po­de ser ob­ti­do por al­guns exa­mes com­ple­men­ta­res. A ob­ser­va­ção de in­clu­sões vi­rais, ca­rac­te­rís­ti­cas de es­ga­na, no in­te­ri­or de de­ter­mi­na­das cé­lu­las san­guí­ne­as é bas­tan­te su­ges­ti­va de es­ga­na, po­rém es­tas po­dem não es­tar pre­sen­tes após 1-2 se­ma­nas da in­fe­ção pe­lo ví­rus. Ou­tros mé­to­dos, co­mo a de­te­ção do an­ti­gé­nio vi­ral em se­cre­ções e ex­cre­ções do ani­mal atra­vés da téc­ni­ca de PCR, po­dem ser bas­tan­te úteis, mas há que ter em con­si­de­ra­ção que po­dem ocor­rer fal­sos ne­ga­ti­vos. A aná­li­se de lí­qui­do ce­fa­lor­ra­qui­di­a­no tam­bém po­de au­xi­li­ar o di­ag­nós­ti­co, pois há al­te­ra­ções na quan­ti­fi­ca­ção e mor­fo­lo­gia das cé­lu­las pre­sen­tes que po­dem ocor­rer, que são mui­to su­ges­ti­vas de es­ga­na, as­sim co­mo a ti­tu­la­ção de an­ti-cor­pos an­ti-cdv mais ele­va­da do que no san­gue.

Tra­ta­men­to

No que diz res­pei­to ao tra­ta­men­to da do­en­ça, é ape­nas um tra­ta­men­to sin­to­má­ti­co e de su­por­te, não exis­te tra­ta­men­to an­ti­vi­ral. O tra­ta­men­to é fei­to de mo­do a ate­nu­ar os sin­to­mas e in­fe­ções se­cun­dá­ri­as de­vi­do à in­fe­ção pe­lo ví­rus. Se a com­po­nen­te bac­te­ri­a­na da in­fe­ção for con­tro­la­da com o tra­ta­men­to im­pos­to o mais bre­ve pos­sí­vel, os cães po­de­rão pa­re­cer cu­ra­dos du­ran­te 2 a 3 se­ma­nas até apa­re­ce­rem os sin­to­mas ner­vo­sos ca­rac­te­rís­ti­cos da do­en­ça. O tra­ta­men­to não im­pe­de que o ví­rus in­va­da o sis­te­ma ner­vo­so, não ha­ven­do quais­quer ga­ran­ti­as de su­ces­so e de cu­ra. Al­guns cães con­se­guem so­bre­vi­ver à fa­se agu­da da do­en­ça e recuperam com­ple­ta­men­te. Ou­tros, prin­ci­pal­men­te ca­chor­ros e os ani­mais com sin­to­mas ner­vo­sos, aca­bam por mor­rer por com­pli­ca­ções re­la­ci­o­na­das com o ví­rus da es­ga­na.

A ques­tão da eu­ta­ná­sia

De­pen­den­do da fa­se da do­en­ça, da de­bi­li­da­de do ani­mal e ten­do em con­ta a ca­pa­ci­da­de de in­fe­ção de ou­tros ani­mais, nun­ca se po­de des­car­tar a ne­ces­si­da­de de re­cor­rer à eu­ta­ná­sia. Is­to pa­ra pa­rar o so­fri­men­to do ani­mal e per­mi­tir evi­tar a dis­se­mi­na­ção da do­en­ça.

Pre­ven­ção

A pre­ven­ção po­de ser fei­ta atra­vés da in­ges­tão do lei­te ma­ter­no nas pri­mei­ras se­ma­nas de vi­da, se a mãe for va­ci­na­da, ou atra­vés da va­ci­na­ção, es­tes dois mé­to­dos têm per­mi­ti­do evi­tar gran­des fo­cos da do­en­ça no nos­so país. Daí a im­por­tân­cia de se­guir ri­go­ro­sa­men­te os pla­nos va­ci­nais. Tam­bém é im­por­tan­te ter os ani­mais em bo­as con­di­ções de hi­gi­e­ne e evi­tar com­por­ta­men­tos de ris­co, no­me­a­da­men­te, o con­tac­to com ou­tros cães (mes­mo que va­ci­na­dos). Os sur­tos de es­ga­na são es­po­rá­di­cos, mas uma vez que afe­ta ani­mais sel­va­gens, o con­tac­to en­tre ca­ní­de­os sel­va­gens e/ou cães aban­do­na­dos e cães do­més­ti­cos fa­ci­li­ta a pro­pa­ga­ção do ví­rus.n

As mai­o­res opor­tu­ni­da­des de dis­se­mi­na­ção ocor­rem em am­bi­en­tes on­de os cães são man­ti­dos em gru­pos, co­mo lo­jas de ani­mais, abri­gos, ca­nis, clí­ni­cas ve­te­ri­ná­ri­as e co­ló­ni­as.

A in­ci­dên­cia é mais al­ta en­tre os 3 e os 6 me­ses de ida­de, pe­río­do em que di­mi­nui a ta­xa de an­ti­cor­pos ma­ter­nos, em ani­mais não va­ci­na­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.