Ar­tri­te e Or­to­pe­dia

Caes & Companhia - - VETERINÁRIA -

Atu­al­men­te exis­te uma mai­or aten­ção dos pro­pri­e­tá­ri­os ao es­ta­do de saú­de dos seus me­lho­res ami­gos. As­sim sen­do, si­nais or­to­pé­di­cos co­mo uma lo­co­mo­ção anor­mal, me­nos exer­cí­cio fí­si­co ou uma tu­me­fa­ção nu­ma re­gião ar­ti­cu­lar são ca­da vez mais fre­quen­tes nos cen­tros ve­te­ri­ná­ri­os, sen­do a ar­tri­te uma pa­to­lo­gia im­por­tan­te e res­pon­sá­vel pe­las al­te­ra­ções lo­co­mo­to­ras exi­bi­das.

Aar­tri­te é de­fi­ni­da co­mo a in­fla­ma­ção de uma ar­ti­cu­la­ção com acu­mu­la­ção de lí­qui­do na mes­ma e tu­me­fa­ção dos te­ci­dos cir­cun­dan­tes, le­van­do ao com­pro­me­ti­men­to da mo­bi­li­da­de e res­pos­ta do­lo­ro­sa do ani­mal aquan­do a lo­co­mo­ção. Exis­tem di­ver­sas eti­o­lo­gi­as por de­trás des­ta pa­to­lo­gia, des­de ano­ma­li­as con­gé­ni­tas ou ad­qui­ri­das ao ní­vel dos li­ga­men­tos e da con­for­ma­ção ar­ti­cu­lar, in­fe­ções, ne­o­pla­si­as, res­pos­tas imu­no­me­di­a­das ou trau­ma­tis­mos.

O pri­mei­ro si­nal

Pa­ra se de­te­tar uma dor ar­ti­cu­lar con­se­quen­te a uma ar­tri­te, o pri­mei­ro si­nal vi­sí­vel na lo­co­mo­ção é o mí­ni­mo apoio pos­sí­vel do mem­bro afe­ta­do, ha­ven­do as­sim en­cur­ta­men­to da pas­sa­da. Aquan­do da ex­plo­ra­ção do mem­bro sus­pei­to, de­pen­den­do da eti­o­lo­gia e se­ve­ri­da­de da in­fla­ma­ção, po­de-se ve­ri­fi­car a dor do ani­mal du­ran­te a mo­vi­men­ta­ção do mem­bro ou ape­nas to­can­do na ar­ti­cu­la­ção afe­ta­da.

Os­te­o­ar­tri­te

A os­te­o­ar­tri­te ca­rac­te­ri­za-se por ser cró­ni­ca, não apre­sen­tar qual­quer pre­dis­po­si­ção ar­ti­cu­lar, ra­ci­al ou de ta­ma­nho e len­ta­men­te re­duz a ca­pa­ci­da­de fun­ci­o­nal da ar­ti­cu­la­ção ou ar­ti­cu­la­ções afe­ta­das. Ins­ta­bi­li­da­de ar­ti­cu­lar e trau­ma­tis­mo são al­gu­mas das cau­sas mais fre­quen­tes. Nos si­nais clí­ni­cos mais fa­cil­men­te ob­ser­vá­veis in­clui-se: dor ar­ti­cu­lar, me­nor uso de mo­vi­men­tos/pos­tu­ras on­de a ar­ti­cu­la­ção es­te­ja sob

es­for­ço e tu­me­fa­ção da ar­ti­cu­la­ção de­bi­li­ta­da. Em ca­sos cró­ni­cos, a atro­fia da mus­cu­la­tu­ra en­vol­vi­da no mo­vi­men­to ar­ti­cu­lar po­de­rá ser vi­sí­vel.

In­cor­re­ta con­for­ma­ção ar­ti­cu­lar

Quan­do fa­la­mos de in­cor­re­ta con­for­ma­ção ar­ti­cu­lar – com par­ti­cu­lar im­por­tân­cia na ar­ti­cu­la­ção da an­ca e co­to­ve­lo – co­mo fe­nó­me­no des­po­le­tan­te de os­te­o­ar­tri­te e per­ma­nen­te dor ar­ti­cu­lar, atu­al­men­te a se­le­ção ra­ci­al es­ti­pu­la a ne­ces­si­da­de de se­le­ção de pro­ge­ni­to­res sem es­ta pa­to­lo­gia, vis­to ha­ver um im­por­tan­te fa­tor he­re­di­tá­rio des­ta pa­to­lo­gia em cer­tas ra­ças.

Pre­dis­po­si­ção em cães e ga­tos

No en­tan­to, cães de ra­ças gran­des e ani­mais obe­sos são pre­dis­pos­tos a de­sen­vol­ver os­te­o­ar­tri­te por ele­va­do es­for­ço me­câ­ni­co de cer­tas ar­ti­cu­la­ções. No ca­so dos ga­tos, a pa­to­lo­gia ar­ti­cu­lar mais fre­quen­te é a os­te­o­ar­tri­te da an­ca, do jo­e­lho e lu­xa­ção da ró­tu­la. Igual­men­te den­tro da mes­ma li­nha de pen­sa­men­to, le­sões nos li­ga­men­tos que pro­mo­vam a ins­ta­bi­li­da­de ar­ti­cu­lar cul­mi­nam no de­sen­vol­vi­men­to de os­te­o­ar­tri­te por des­gas­te me­câ­ni­co.

Ar­tri­te sép­ti­ca ou in­fec­ci­o­sa

No ca­so da ar­tri­te sép­ti­ca ou in­fec­ci­o­sa, o agen­te al­can­ça a ar­ti­cu­la­ção, nor­mal­men­te, atra­vés de um cor­po es­tra­nho, de uma in­fe­ção pró­xi­ma da ar­ti­cu­la­ção ou mes­mo de­vi­do a um qua­dro de in­fe­ção ge­ne­ra­li­za­da. Ve­ri­fi­ca-se co­mo si­nal uma in­ten­sa tu­me­fa­ção de­vi­do ao acú­mu­lo de lí­qui­do, com con­sequên­cia do­lo­ro­sa e pos­si­bi­li­da­de da pre­sen­ça de fe­bre. Nes­te ca­so, o cor­re­to di­ag­nós­ti­co re­si­de na la­va­gem ar­ti­cu­lar, com re­co­lha e ava­li­a­ção mi­cros­có­pi­ca do lí­qui­do. A abun­dan­te la­va­gem ar­ti­cu­lar e re­mo­ção do cor­po es­tra­nho apre­sen­ta-se, nor­mal­men­te, su­fi­ci­en­te pa­ra de­be­lar a pa­to­lo­gia quan­do o foco in­fec­ci­o­so foi ino­cu­la­do lo­cal­men­te e a uti­li­za­ção de an­ti­bi­o­te­ra­pia sis­té­mi­ca es­tá uni­ca­men­te in­di­ca­da ca­so se evi­den­cie fo­cos in­fec­ci­o­sos em ou­tras re­giões do ani­mal.

Po­li­ar­tri­te

A po­li­ar­tri­te é uma pa­to­lo­gia on­de vá­ri­as ar­ti­cu­la­ções es­tão afe­ta­das, po­den­do es­ta ser cau­sa­da por uma in­fe­ção ge­ne­ra­li­za­da ou uma res­pos­ta au­toi­mu­ne. Al­guns si­nais exi­bi­dos em ani­mais com po­li­ar­tri­te são: his­tó­ria de in­to­le­rân­cia ao exer­cí­cio, ri­gi­dez mus­cu­lar, ano­re­xia es­po­rá­di­ca, pe­río­dos de fe­bre e clau­di­ca­ção que os­ci­la de mem­bro e re­gião afe­ta­da.

Di­ag­nós­ti­co das ar­tri­tes

No pla­no di­ag­nós­ti­co das ar­tri­tes po­de ser fei­to, pa­ra além do exa­me fí­si­co nor­mal, um exa­me or­to­pé­di­co pa­ra de­ter­mi­nar as re­giões afe­ta­das, com au­xí­lio de téc­ni­cas ima­gi­o­ló­gi­cas co­mo o raio-x ou a TC.

Ex­ces­so de pe­so

Quan­do fa­la­mos de ani­mais com ar­tri­te re­sul­tan­te de so­bre­pe­so, a re­du­ção con­tro­la­da do pe­so as­so­ci­a­da a au­men­to da mas­sa mus­cu­lar po­de­rá de­mons­trar-se van­ta­jo­so, sen­do que ini­ci­al­men­te es­ta­rá re­co­men­da­do re­pou­so.

Ma­neio di­e­té­ti­co

Den­tro do ma­neio di­e­té­ti­co, atu­al­men­te exis­tem ca­da vez mais for­mu­la­ções ali­men­ta­res on­de se adi­ci­o­nam con­dro­pro­te­to­res, co­mo con­droi­ti­na

A ar­tri­te é de­fi­ni­da co­mo a in­fla­ma­ção de uma ar­ti­cu­la­ção com acu­mu­la­ção de lí­qui­do na mes­ma e tu­me­fa­ção dos te­ci­dos cir­cun­dan­tes

e glu­co­sa­mi­na. Es­tes po­dem aju­dar a re­tar­dar e re­du­zir a in­fla­ma­ção e a evo­lu­ção da ar­tri­te, vis­to se­rem subs­tân­ci­as im­por­tan­tes na re­ge­ne­ra­ção car­ti­la­gí­nea, fun­ci­o­nan­do uni­ca­men­te co­mo um ad­ju­van­te a ou­tras téc­ni­cas mais efi­ca­zes.

Abor­da­gem far­ma­co­ló­gi­ca

Uma abor­da­gem far­ma­co­ló­gi­ca po­de ser fei­ta com re­cur­so a in­fil­tra­ções in­tra-ar­ti­cu­la­res com gli­co­sa­mi­no­gli­ca­nos, áci­do hi­a­lu­ró­ni­co e gli­co­cor­ti­coi­des, ou uti­li­za­ção sis­té­mi­ca de an­ti-in­fla­ma­tó­ri­os e anal­gé­si­cos.

Fi­si­o­te­ra­pia

Fi­si­o­te­ra­pia em pis­ci­na, elec­tro­es­ti­mu­la­ção e te­ra­pia com ul­tras­sons são téc­ni­cas não-in­va­si­vas ca­da vez mais e me­lhor apli­ca­das em qua­dros de in­fla­ma­ção ar­ti­cu­lar, de­mons­tran­do uma ca­pa­ci­da­de de re­du­zir a in­fla­ma­ção e me­lho­rar a ca­pa­ci­da­de ar­ti­cu­lar.

Te­nha uma pos­tu­ra pre­ven­ti­va!

Mes­mo com to­das as fer­ra­men­tas atu­al­men­te dis­po­ní­veis pa­ra com­ba­ter es­te pro­ble­ma fre­quen­te, a abor­da­gem pre­ven­ti­va com ava­li­a­ções pe­rió­di­cas re­a­li­za­das por mé­di­cos ve­te­ri­ná­ri­os, prin­ci­pal­men­te em cães de ra­ças com mai­or pre­dis­po­si­ção, co­mo os gran­des e ge­riá­tri­cos, po­de­rá ser a me­lhor fer­ra­men­ta pa­ra pre­ve­nir mais pre­co­ce­men­te le­sões ar­ti­cu­la­res.n

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.