Três do­en­ças me­nos co­nhe­ci­das

Do­en­ças en­dó­cri­nas fe­li­nas III

Caes & Companhia - - VETERINÁRIA -

Pa­ra a ter­cei­ra e úl­ti­ma par­te da nos­sa tri­lo­gia so­bre do­en­ças en­dó­cri­nas em ga­tos, va­mos fa­lar de três do­en­ças en­dó­cri­nas me­nos co­nhe­ci­das.

Es­tas três do­en­ças são bem me­nos co­nhe­ci­das, uma vez que são ra­ras e mui­tas ve­zes sub­di­ag­nos­ti­ca­das: Hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo, Hi­pe­ral­dos­te­ro­nis­mo e Acro­me­gá­lia.

Hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo

O hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo é tam­bém co­nhe­ci­do co­mo sín­dro­me de Cushing. É uma do­en­ça que se de­sen­vol­ve quan­do há uma pro­du­ção ex­ces­si­va e per­sis­ten­te da hor­mo­na cor­ti­sol pro­du­zi­da pe­las glân­du­las adre­nais (lo­ca­li­za­das no ab­dó­men, per­to dos rins). Es­ta do­en­ça é mais fre­quen­te­men­te cau­sa­da por uma ano­ma­lia da glân­du­la hi­pó­fi­se (lo­ca­li­za­da no cé­re­bro) que, en­tre ou­tras fun­ções, con­tro­la a pro­du­ção das hor­mo­nas das glân­du­las adre­nais. Em al­guns ca­sos, po­de ser de­vi­do a uma ano­ma­lia das pró­pri­as glân­du­las adre­nais.

Hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo ia­tro­gé­ni­co

O hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo ia­tro­gé­ni­co é o ter­mo usa­do quan­do a do­en­ça é in­du­zi­da pe­la ad­mi­nis­tra­ção a lon­go pra­zo de do­ses ele­va­das de fár­ma­cos se­me­lhan­tes ao cor­ti­sol. Es­tes me­di­ca­men­tos po­dem ser cor­ti­cos­te­rói­des (vul­gar­men­te de­no­mi­na­do cor­ti­so­na), que são mui­tas ve­zes uti­li­za­dos pa­ra con­tro­lar qua­dros de in­fla­ma­ção ou aler­gia. Nos ga­tos as dro­gas da fa­mí­lia da pro­ges­te­ro­na, que por ve­zes são usa­das pa­ra con­tro­lar o cio em ga­tas in­tei­ras, tam­bém po­dem po­ten­ci­ar o efei­to do cor­ti­sol. O hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo ia­tro­gé­ni­co é re­la­ti-

O hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo ou sín­dro­me de Cushing de­sen­vol­ve-se quan­do há uma pro­du­ção ex­ces­si­va e per­sis­ten­te da hor­mo­na cor­ti­sol

va­men­te in­co­mum, uma vez que os ga­tos são bas­tan­te to­le­ran­tes a al­tas do­ses de cor­ti­cos­te­roi­des.

Hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo de ori­gem na­tu­ral (es­pon­tâ­neo)

Nes­te ca­so a pro­du­ção ex­ces­si­va de cor­ti­sol é cau­sa­da por um tu­mor lo­ca­li­za­do na pró­pria adre­nal ou, mais fre­quen­te­men­te, por um tu­mor que afe­ta a glân­du­la hi­pó­fi­se (uma pe­que­na glân­du­la na ba­se do cé­re­bro). A hi­pó­fi­se é res­pon­sá­vel por pro­du­zir vá­ri­as hor­mo­nas, in­cluin­do a hor­mo­na que es­ti­mu­la as glân­du­las adre­nais a pro­du­zir o cor­ti­sol. As­sim, se exis­tir um tu­mor na hi­pó­fi­se, vai ha­ver uma pro­du­ção ex­ces­si­va de cor­ti­sol. A mai­o­ria dos tu­mo­res da hi­pó­fi­se que pro­vo­cam a do­en­ça são be­nig­nos e mui­to pe­que­nos (mi­cro­a­de­no­mas).

Si­nais clí­ni­cos do hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo

A do­en­ça es­pon­tâ­nea sur­ge prin­ci­pal­men­te em ga­tos de meia-ida­de e mais ve­lhos, sen­do as fê­me­as mais fre­quen­te­men­te afe­ta­das que os ma­chos. Não há qual­quer pre­dis­po­si­ção ra­ci­al, no en­tan­to, pa­re­ce que os ga­tos mais afe­ta­dos são os de pe­lo cur­to. O cor­ti­sol po­de ter mui­tos efei­tos di­fe­ren­tes, fa­zen­do com que os si­nais clí­ni­cos pos­sam tam­bém ser bas­tan­te va­riá­veis. Os si­nais ini­ci­ais po­dem ser le­ves, mas eles ten­dem a pro­gre­dir ao lon­go do tem­po. Mui­tos ga­tos com hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo tam­bém têm di­a­be­tes mel­li­tus, por­que o cor­ti­sol ex­ces­si­vo in­ter­fe­re com os efei­tos da in­su­li­na. Na ver­da­de, o hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo de­ve sem­pre ser con­si­de­ra­do em qual­quer ga­to di­a­bé­ti­co de di­fí­cil ma­neio, que apre­sen­ta re­sis­tên­cia ao tra­ta­men­to com in­su­li­na.

Si­nais mais co­muns

• Au­men­to da in­ges­tão de água (po­li­dip­sia)

e au­men­to da pro­du­ção de uri­na (po­liú­ria); • Au­men­to do ape­ti­te (po­li­fa­gia); • Ab­dó­men pen­du­lar (apa­rên­cia de bar­ri­gu­do

ou bar­ril); • Le­tar­gia; • Per­da de mas­sa mus­cu­lar e fra­que­za; • Mau es­ta­do ge­ral do pe­lo, que se apre­sen­ta ba­ço, se­co, com se­bor­reia ou alo­pé­cia (fal­ta de pe­lo); • En­ro­la­men­to da pon­ta do pa­vi­lhão au­ri­cu­lar; • Sín­dro­me de pe­le frá­gil: ex­tre­ma­men­te fina,

O di­ag­nós­ti­co de hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo nem sem­pre é sim­ples, ge­ral­men­te, re­quer vá­ri­as aná­li­ses de san­gue e de uri­na, e exa­mes com­ple­men­ta­res

com per­da de elas­ti­ci­da­de e que ras­ga com fa­ci­li­da­de sen­do as fe­ri­das de ci­ca­tri­za­ção di­fí­cil.

Di­ag­nós­ti­co do hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo

O di­ag­nós­ti­co de hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo nem sem­pre é sim­ples e, ge­ral­men­te, re­quer vá­ri­as aná­li­ses de san­gue e de uri­na, in­cluí­do o do­se­a­men­to de de­ter­mi­na­das hor­mo­nas e tes­tes de es­ti­mu­la­ção, bem co­mo exa­mes com­ple­men­ta­res co­mo raio-x e/ou eco­gra­fia. In­fe­liz­men­te, ne­nhum tes­te é to­tal­men­te pre­ci­so e con­fiá­vel pa­ra o di­ag­nós­ti­co des­ta do­en­ça, sen­do ge­ral­men­te ne­ces­sá­rio re­a­li­zar mais do que um tes­te.

Tra­ta­men­to do hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo

O hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo é mui­to mais co­mum e co­nhe­ci­do em cães do que em ga­tos, e é ge­ral­men­te mui­to mais di­fí­cil de con­tro­lar em ga­tos, no en­tan­to, é pos­sí­vel o tra­ta­men­to com su­ces­so. No ca­so do hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo ia­tro­gê­ni­co de­ve-se re­ti­rar de for­ma gra­du­al e con­tro­la­da a ad­mi­nis­tra­ção do cor­ti­cos­te­rói­de ou pro­ges­ta­gé­nio, op­tan­do por tra­ta­men­tos al­ter­na­ti­vos.

Tra­ta­men­to com fár­ma­cos

Pa­ra o hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo es­pon­tâ­neo es­tão dis­po­ní­veis um con­jun­to de op­ções de tra­ta­men­to, no en­tan­to, o mais fre­quen­te é re­cor­rer ao tra­ta­men­to com fár­ma­cos: • Te­ra­pia me­di­ca­men­to­sa – Ini­be a pro­du­ção de cor­ti­sol, os com­pri­mi­dos de­vem ser ad­mi­nis­tra­dos uma vez ou du­as ve­zes por dia e a do­se ajus­ta­da de acor­do com a res­pos­ta. Os si­nais clí­ni­cos po­dem me­lho­rar ape­nas gra­du­al­men­te, mes­mo com um bom con­tro­lo da do­en­ça. • Adre­na­lec­to­mia – Re­mo­ção ci­rúr­gi­ca de uma glân­du­la adre­nal, po­de ser uma boa op­ção de tra­ta­men­to quan­do ape­nas uma glân­du­la es­tá afe­ta­da (por exem­plo, se exis­te um tu­mor be­nig­no nu­ma das glân­du­las). • Hi­po­fi­sec­to­mia – Con­sis­te na re­mo­ção ci­rúr­gi­ca da glân­du­la hi­pó­fi­se. Em­bo­ra tec­ni­ca­men­te pos­sí­vel, es­ta é uma ci­rur­gia ex­tre­ma­men­te di­fí­cil, que acar­re­ta ris­cos mui­to ele­va­dos e não é ge­ral­men­te re­co­men­da­da (só es­tá dis­po­ní­vel em al­guns cen­tros es­pe­ci­a­li­za­dos). • Ra­di­o­te­ra­pia - pa­ra tu­mo­res da hi­pó­fi­se, com

dis­po­ni­bi­li­da­de mui­to li­mi­ta­da.

Prog­nós­ti­co do hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo

O hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo é uma do­en­ça gra­ve e com um prog­nós­ti­co re­ser­va­do. A do­en­ça ra­ra­men­te tem cu­ra, mas com o tra­ta­men­to ade­qua­do, o ga­to po­de res­pon­der bem e ter mui­tos

me­ses ou mes­mo anos de boa qua­li­da­de de vi­da. No en­tan­to, se a cau­sa sub­ja­cen­te for um tu­mor ma­lig­no na adre­nal, ine­vi­ta­vel­men­te, o prog­nós­ti­co se­rá mui­to mais re­ser­va­do.

Hi­pe­ral­dos­te­ro­nis­mo

O hi­pe­ral­dos­te­ro­nis­mo é uma do­en­ça que re­sul­ta do ex­ces­so de pro­du­ção da hor­mo­na al­dos­te­ro­na pe­las glân­du­las adre­nais e po­de ser pri­má­rio ou se­cun­dá­rio. O hi­pe­ral­dos­te­ro­nis­mo pri­má­rio, tam­bém de­sig­na­do de sín­dro­me de Conn em me­di­ci­na hu­ma­na, é cau­sa­do por cé­lu­las adre­nais hi­per­plá­si­cas ou ne­o­plá­si­cas. O hi­pe­ral­dos­te­ro­nis­mo se­cun­dá­rio re­sul­ta de uma res­pos­ta in­de­se­ja­da do or­ga­nis­mo a uma al­te­ra­ção or­gâ­ni­ca co­mo a hi­po­ten­são, hi­po­vo­lé­mia, de­si­dra­ta­ção ou di­mi­nui­ção do só­dio. En­con­tra-se as­so­ci­a­do a do­en­ça re­nal, in­su­fi­ci­ên­cia car­día­ca ou in­su­fi­ci­ên­cia he­pá­ti­ca. O ex­ces­so de al­dos­te­ro­na le­va ao apa­re­ci­men­to de hi­per­ten­são ar­te­ri­al sis­té­mi­ca e/ou hi­po­ca­lié­mia (di­mi­nui­ção do po­tás­sio san­guí­neo), que ori­gi­nam al­te­ra­ções ocu­la­res (ce­guei­ra), fra­que­za mus­cu­lar, pos­tu­ra rí­gi­da e ven­tro­fle­xão do pes­co­ço. Os ga­tos po­dem ado­tar uma pos­tu­ra plan­tí­gra­da. Es­ta do­en­ça afe­ta ga­tos com ida­de mé­dia de 13 anos. Não há evi­dên­cia de pre­dis­po­si­ção de ra­ça ou de gé­ne­ro.

Tra­ta­men­to do hi­pe­ral­dos­te­ro­nis­mo

Os ga­tos sem tra­ta­men­to so­bre­vi­vem em mé­dia cer­ca de 1,5 a 4 me­ses. Se fo­rem tra­ta­dos me­di­ca­men­te so­bre­vi­vem cer­ca de 2,5 a 32 me­ses, sen­do a in­su­fi­ci­ên­cia re­nal a prin­ci­pal cau­sa de mor­te. Em contrapartida os pa­ci­en­tes sub­me­ti­dos a ci­rur­gia têm me­lhor prog­nós­ti­co, po­den­do so­bre­vi­ver até uma mé­dia de 12 a 20 me­ses.

Prog­nós­ti­co do hi­pe­ral­dos­te­ro­nis­mo

Exis­tem dois ti­pos de tra­ta­men­tos pos­sí­veis pa­ra o hi­pe­ral­dos­te­ro­nis­mo pri­má­rio: tra­ta­men­to mé­di­co e tra­ta­men­to ci­rúr­gi­co (adre­na­lec­to­mia). O tra­ta­men­to ci­rúr­gi­co é con­si­de­ra­do o tra­ta­men­to de elei­ção. In­de­pen­den­te­men­te da op­ção te­ra­pêu­ti­ca es­co­lhi­da, a abor­da­gem ini­ci­al, de­ve ser sem­pre di­re­ci­o­na­da pa­ra o con­tro­lo da hi­po­ca­lié­mia e/ou da hi­per­ten­são.

Acro­me­gá­lia

A acro­me­gá­lia (ou hi­per­so­ma­to­tro­pis­mo) é uma do­en­ça cau­sa­da pe­la pro­du­ção cró­ni­ca e ex­ces­si­va

da hor­mo­na do cres­ci­men­to. É ca­rac­te­ri­za­da pe­lo su­per­cres­ci­men­to cró­ni­co do te­ci­do con­jun­ti­vo, os­sos e ór­gãos. Em ga­tos, a acro­me­gá­lia é pro­vo­ca­da por ade­no­mas hi­po­fi­sá­ri­os. Es­tes tu­mo­res são de cres­ci­men­to len­to e po­de es­tar pre­sen­te du­ran­te mui­to tem­po, até que sur­jam os pri­mei­ros si­nais clí­ni­cos. A acro­me­gá­lia é uma do­en­ça que ocor­re mais fre­quen­te­men­te em ga­tos de pe­lo cur­to, mais ve­lhos (en­tre 8 a 14 anos) e é mais co­mum nos ma­chos.

Si­nais clí­ni­cos

Os si­nais clí­ni­cos mais co­muns são: •Au­men­to dos ór­gãos ab­do­mi­nais (rim, fí­ga­do); •Es­tri­dor res­pi­ra­tó­rio; • Alar­ga­men­to da fa­ce; •Cres­ci­men­to clás­si­co das ex­tre­mi­da­des; •Au­men­to do ta­ma­nho do cor­po, man­dí­bu­la e lín­gua.

Di­ag­nós­ti­co e tra­ta­men­to

Tal co­mo tam­bém ocor­re no hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo fe­li­no, a acro­me­gá­lia po­de le­var a di­a­be­tes mel­li­tus com re­sis­tên­cia à in­su­li­na. O au­men­to do pe­so em ga­tos com di­a­be­tes não con­tro­la­da são si­nais ca­rac­te­rís­ti­cos da acro­me­gá­lia. O di­ag­nós­ti­co de acro­me­gá­lia é fei­to atra­vés da de­ter­mi­na­ção de con­cen­tra­ções ele­va­das da hor­mo­na de cres­ci­men­to em cir­cu­la­ção ou po­de fa­zer-se a me­di­ção da con­cen­tra­ção da IGF-1 (In­su­lin-li­ke Growth Fac­tor-1), cu­ja pro­du­ção é di­re­ta­men­te es­ti­mu­la­da pe­la hor­mo­na de cres­ci­men­to. A res­so­nân­cia mag­né­ti­ca e to­mo­gra­fia axi­al com­pu­to­ri­za­da são tam­bém mei­os úteis pa­ra a vi­su­a­li­za­ção de pos­sí­veis mas­sas hi­po­fi­sá­ri­as. Atu­al­men­te, o me­lhor tra­ta­men­to pa­ra um ga­to com um tu­mor na hi­pó­fi­se é a ra­di­o­te­ra­pia ou a ci­rur­gia (quan­do dis­po­ní­veis).

Prog­nós­ti­co da acro­me­gá­lia

O prog­nós­ti­co a lon­go pra­zo é re­ser­va­do, aca­ban­do a mai­o­ria dos ga­tos por mor­rer de in­su­fi­ci­ên­cia car­día­ca con­ges­ti­va, in­su­fi­ci­ên­cia re­nal cró­ni­ca ou si­nais do cres­ci­men­to de uma mas­sa pi­tui­tá­ria. O prog­nós­ti­co a lon­go pra­zo po­de ser me­lho­ra­do com o di­ag­nós­ti­co e tra­ta­men­to pre­co­ces.

O hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo es­pon­tâ­neo sur­ge prin­ci­pal­men­te em ga­tos de meia-ida­de e mais ve­lhos, sen­do as fê­me­as mais fre­quen­te­men­te afe­ta­das que os ma­chos.

Mui­tos ga­tos com hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo tam­bém têm di­a­be­tes mel­li­tus, por­que o cor­ti­sol ex­ces­si­vo in­ter­fe­re com os efei­tos da in­su­li­na.

No tra­ta­men­to do hi­pe­ral­dos­te­ro­nis­mo os pa­ci­en­tes sub­me­ti­dos a ci­rur­gia têm me­lhor prog­nós­ti­co, po­den­do so­bre­vi­ver até uma mé­dia de 12 a 20 me­ses.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.