Vi­a­jar tran­qui­lo

Com plan­tas, es­sên­ci­as e ho­me­o­pa­tia

Caes & Companhia - - SAÚDE ANIMAL NATURAL -

Che­ga­ram as fé­ri­as! Pa­ra que es­te tem­po se­ja apro­vei­ta­do ao má­xi­mo com os nos­sos ani­mais gos­ta­ría­mos de lhe dei­xar umas di­cas pa­ra um ve­rão des­can­san­do uti­li­zan­do so­lu­ções sim­ples, prá­ti­cas e efi­ca­zes da me­di­ci­na na­tu­ral e ho­lís­ti­ca.

Sim, é tem­po de fé­ri­as e o ca­lor já o anun­cia. Pa­ra os nos­sos ami­gos de qua­tro pa­tas, es­ta al­tu­ra do ano po­de sig­ni­fi­car, uma vi­a­gem lon­ga pa­ra uma ca­sa de fé­ri­as e mais tem­po na com­pa­nhia dos seus cui­da­do­res, uma es­ta­dia em ho­tel ou a vi­si­ta re­gu­lar de um pet sit­ter ou dog wal­ker. Con­so­an­te a sen­si­bi­li­da­de de ca­da ani­mal, po­dem sur­gir ques­tões de saú­de ou com­por­ta­men­tais que se­rão ne­ces­sá­ri­as ge­rir pa­ra que to­dos fi­quem bem, se­ja qual for a si­tu­a­ção.

O que po­de acon­te­cer!

De­pen­den­do das su­as op­ções pa­ra o tem­po de fé­ri­as e da per­so­na­li­da­de do seu ani­mal, di­fe­ren­tes si­tu­a­ções po­dem sur­gir e a sua re­so­lu­ção de­ve ser rá­pi­da, sim­ples e, aci­ma de tu­do, efi­caz! Con­si­de­ran­do di­fe­ren­tes di­nâ­mi­cas e op­ções pes­so­ais, apre­sen­ta­mos pro­pos­tas sim­ples e na­tu­rais pa­ra ge­rir com au­to­no­mia e efi­cá­cia ca­da uma de­las.

Ce­ná­ri­os mais fre­quen­tes

Se es­tes são os seus pro­ble­mas, po­de­mos ter uma so­lu­ção: • Vou de vi­a­gem, mas o meu cão fi­ca mui­to an­si­o­so ao an­dar de car­ro. • O meu ga­to vai na trans­por­ta­do­ra, mas mia, in­can­sá­vel, to­do o tem­po da vi­a­gem. • O meu cão fi­ca mal dis­pos­to, en­joa e vo­mi­ta! Não con­se­gue vi­a­jar sem sa­li­var abun­dan­te­men­te. • Le­vo o meu ani­mal co­mi­go, mas te­nho di­fi­cul­da­de a que se adap­te e ha­bi­tue a no­vos am­bi­en­tes. • Sem­pre que o dei­xo no ho­tel, o meu ani­mal fi­ca de­pri­mi­do, tris­te ou an­si­o­so du­ran­te to­da a es­ta­dia. • Qu­e­ro dei­xar o meu cão com um ser­vi­ço de pet sit­ting, mas ele não to­le­ra pas­sei­os à tre­la sem ser na mi­nha com­pa­nhia.

Se ele vi­a­ja con­si­go…

Pa­ra quem vi­a­ja com os seus ani­mais po­dem sur­gir di­ver­sas si­tu­a­ções que po­dem cau­sar trans­tor­no, tan­to ao ani­mal co­mo aos seus cui­da­do­res. A mai­o­ria dos ani­mais per­ce­be que vo­cê vai vi­a­jar ou al­te­rar a ro­ti­na, mes­mo an­tes de co­me­çar a fa­zer as ma­las! En­quan­to, pa­ra al­guns, is­to é mo­ti­vo de fe­li­ci­da­de, pa­ra ou­tros ani­mais po­de ser mo­ti­vo de an­si­e­da­de. Al­guns ani­mais não gos­tam de vi­a­jar de car­ro, por­que sen­tem en­jo­os for­tes, ou­tros fi­cam an­si­o­sos com a mu­dan­ça de am­bi­en­te, e te­mos ain­da que con­si­de­rar que, ao vi­a­jar em tem­po de ve­rão, o ca­lor ex­ces­si­vo po­de ser um fa­tor de des­con­for­to acres­ci­do.

An­si­e­da­de du­ran­te a vi­a­gem

Se o seu ani­mal fi­ca ex­tre­ma­men­te an­si­o­so du­ran­te as vi­a­gens, po­de re­cu­sar-se a su­bir pa­ra o car­ro. Du­ran­te a vi­a­gem po­de não con­se­guir des­can­sar, es­tar agi­ta­do, vo­ca­li­zar sons com frequên­cia, hi­per­ven­ti­lar (ar­far) du­ran­te to­da a vi­a­gem e, in­clu­si­va­men­te, ten­tar sal­tar ou sair do lo­cal on­de de­ve per­ma­ne­cer em se­gu­ran­ça du­ran­te a vi­a­gem Nes­tas si­tu­a­ções, os ani­mais po­dem evi­den­ci­ar um pa­drão emo­ci­o­nal de me­do ou pâ­ni­co, cho­que, in­de­ci­são, an­gus­tia, es­go­ta­men­to, des­con­tro­lo e di­fi­cul­da­de de adap­ta­ção.

Su­pri­mir ou re­gu­lar?

A mai­o­ria dos pro­du­tos de uso ve­te­ri­ná­rio pa­ra a ges­tão das si­tu­a­ções de stress e an­si­e­da­de em vi­a­gem con­sis­tem em mo­lé­cu­las com po­ten­ci­al se­da­ti­vo, as quais po­dem dei­xar o seu ani­mal pou­co des­per­to ou re­a­ti­vo du­ran­te a vi­a­gem. Em al­guns ani­mais in­to­le­ran­tes as es­tas subs­tân­ci­as, ocor­re a re­a­ção con­trá­ria e fi­cam hi­pe­rex­ci­ta­dos. Es­tes pro­du­tos têm efei­tos se­cun­dá­ri­os e, em ani­mais com al­gu­mas pa­to­lo­gi­as co­mo he­pá­ti­cas, re­nais ou ou­tras, não po­dem, ou não de­vem, ser usa­dos. O seu uso cau­sa no ani­mal um es­ta­do de ali­e­na­ção e de­tur­pa­ção men­tal. Pa­ra es­tas si­tu­a­ções, em vez de su­pri­mir, su­ge­ri­mos-lhe al­gu­mas op­ções atra­vés das quais po­de re­gu­lar e re­gu­la­ri­zar es­tes com­por­ta­men­tos com mais se­gu­ran­ça de uti­li­za­ção e me­nos con­sequên­ci­as e efei­tos se­cun­dá­ri­os pa­ra os seus ani­mais.

Plan­tas e fi­to­te­ra­pia!

A nos­sa su­ges­tão pa­ra a ges­tão des­tas si­tu­a­ções de an­si­e­da­de em vi­a­gem com o seu ani­mal passa sem­pre pe­lo uso de pro­du­tos na­tu­rais que apre­sen­tam boa efi­cá­cia e se­gu­ran­ça de uti­li­za­ção. Pa­ra uma abor­da­gem com ba­se em plan­tas e fi­to­te­ra­pia, po­de­mos re­co­men­dar o uso de pro­du­tos es­pe­cí­fi­cos pa­ra saú­de ani­mal na­tu­ral que con­te­nham ca­mo­mi­la, pas­si­flo­ra, va­le­ri­a­na, gri­fo­nia ou com­bi­na­ções des­tas di­fe­ren­tes plan­tas. Es­tas plan­tas pro­mo­vem um es­ta­do de tran­qui­li­da­de e re­la­xa­men­to que po­de ser apa­ren­te­men­te se­me­lhan­te ao dos tran­qui­li­zan­tes, sem exer­ce­rem um efei­to se­da­ti­vo pro­fun­do, per­mi­tin­do ao ani­mal e aos seus cui­da­do­res vi­a­ja­rem tran­qui­los.

Su­ple­men­tos e vi­ta­mi­nas!

Al­gu­mas vi­ta­mi­nas do gru­po B são igual­men­te im­por­tan­tes pe­lo seu efei­to de me­di­a­ção e re­gu­la­ção neu­ro­ló­gi­ca, que po­de be­ne­fi­ci­ar ani­mais sen­sí­veis ao stress das vi­a­gens. Es­tas vi­ta­mi­nas po­dem ser ad­mi­nis­tra­das em com­bi­na­ção com

Al­gu­mas vi­ta­mi­nas do gru­po B são im­por­tan­tes pe­lo seu efei­to de me­di­a­ção e re­gu­la­ção neu­ro­ló­gi­ca, óti­ma pa­ra o stress das vi­a­gens

plan­tas an­te­ri­or­men­te re­fe­ri­das pa­ra um efei­to re­gu­la­dor oti­mi­za­do. A le­ve­du­ra de cer­ve­ja, adi­ci­o­na­da re­gu­lar­men­te à di­e­ta do seu ani­mal, por ser ri­ca em al­gu­mas vi­ta­mi­nas do com­ple­xo B, é um pro­du­to na­tu­ral que po­de fa­ci­li­tar a mo­du­la­ção e re­gu­la­ri­za­ção do com­por­ta­men­to em ani­mais com ma­ni­fes­ta an­si­e­da­de. Em par­ti­cu­lar o ino­si­tol, tam­bém co­nhe­ci­da por vi­ta­mi­na B8, é um im­por­tan­te nu­tri­en­te re­gu­la­dor do com­por­ta­men­to em ani­mais com an­si­e­da­de e é be­né­fi­co que es­te­ja na com­po­si­ção des­tes pro­du­tos ou se­ja adi­ci­o­na­do nas do­ses cor­re­tas pa­ra uma uti­li­za­ção res­pon­sá­vel.

Es­sên­ci­as flo­rais!

São pro­du­zi­das a par­tir de flo­res se­le­ci­o­na­das de acor­do com o as­pe­to emo­ci­o­nal que se quer equi­li­brar. As es­sên­ci­as flo­rais são pre­pa­ra­das se­gun­do os mes­mos prin­cí­pi­os da ho­me­o­pa­tia e a sua fun­ção é agir so­bre os de­se­qui­lí­bri­os emo­ci­o­nais dos se­res e pro­mo­ver a saú­de. Atu­am atra­vés do “prin­cí­pio da trans­for­ma­ção”, ca­ta­li­san­do a trans­for­ma­ção dos as­pe­tos emo­ci­o­nais ne­ga­ti­vos no seu equi­va­len­te po­si­ti­vo, aju­dan­do o ani­mal a en­fren­tar e ge­rir as si­tu­a­ções pa­ra ele ad­ver­sas com mai­or cons­ci­ên­cia e tran­qui­li­da­de. Os flo­rais po­dem aju­dar a tra­tar as emo­ções as­so­ci­a­dos às per­tur­ba­ções na per­so­na­li­da­de de ca­da um dos ani­mais. Por se­rem “es­sên­ci­as” que equi­li­bram as­pe­tos emo­ci­o­nais, não fun­ci­o­nam co­mo “dop­ping”, “an­si­o­lí­ti­cos” ou “an­ti-de­pres­si­vos” e per­mi­tem uma uti­li­za­ção efi­caz e mui­to se­gu­ra.

Quais as es­sên­ci­as mais ade­qua­das pa­ra o meu ani­mal?

Uma vez que as es­sên­ci­as flo­rais re­gu­lam as­pe­tos emo­ci­o­nais es­pe­cí­fi­cos, pa­ra me­lhor aju­dar o seu ani­mal é im­por­tan­te que re­co­nhe­ça ne­le qual a emo­ção em de­se­qui­lí­brio ou em con­fli­to com a sua pró­pria per­so­na­li­da­de. De um mo­do ge­ral, em si­tu­a­ções de an­si­e­da­de em vi­a­gem, exis­tem cer­ca de cin­co emo­ções trans­ver­sal­men­te en­vol­vi­da que po­dem ser re­co­nhe­ci­das e tra­ta­das, quer uma a uma in­di­vi­du­al­men­te, quer atra­vés da com­po­si­ção de uma fór­mu­la flo­ral es­pe­cí­fi­ca pa­ra o ani­mal. Des­ta for­ma, po­de­mos su­ge­rir que uti­li­ze, con­so­an­te a(as) emo­ção(ões) que iden­ti­fi­ca em de­as se­qui­lí­brio no seu ani­mal: pa­ra o pâ­ni­co – Rock Ro­se; pa­ra agi­ta­ção, ir­ri­ta­bi­li­da­de e in­tran­qui­li­da­de – Im­pa­ti­ens; pa­ra a an­gús­tia ex­tre­ma – Swe­et Chest­nut; pa­ra o es­go­ta­men­to fí­si­co – Oli­ve; e pa­ra apoi­ar a ca­pa­ci­da­de de adap­ta­ção – Wal­nut. Po­de ain­da uti­li­zar uma fór­mu­la ge­ne­ra­lis­ta de apoio à ges­tão do stress e an­si­e­da­de que con­te­nha Rock Ro­se (pâ­ni­co), Cher­ry Plum (des­con­tro­lo), Im­pa­ti­ens (in­qui­e­ta­ção), Cle­ma­tis (de­bi­li­da­de) e Star of Bethe­lehem (cho­que e trau­ma emo­ci­o­nal).

Quan­do vo­cê vi­a­ja e eles fi­cam!

Quan­do vo­cê vi­a­ja e não tem a pos­si­bi­li­da­de que eles o acom­pa­nhem, as op­ções pas­sam em ge­ral por uma es­ta­dia em ho­tel ou a re­qui­si­ção de um

ser­vi­ço de pet sit­ting. Em­bo­ra em ge­ral es­tes ser­vi­ços re­a­li­zem abor­da­gens de adap­ta­ção às pes­so­as, es­pa­ços e ani­mais pre­sen­tes na no­va ro­ti­na an­tes da au­sên­cia efe­ti­va dos cui­da­do­res, a mai­o­ria dos ani­mais po­de, ain­da as­sim, ma­ni­fes­tar an­si­e­da­de de for­mas mais ou me­nos evi­den­tes. Pa­ra es­tes ca­sos es­pe­cí­fi­cos, e de acor­do com o que iden­ti­fi­car no seu ani­mal po­de uti­li­zar com mui­ta se­gu­ran­ça es­sên­ci­as flo­rais, uma vez que o dis­cer­ni­men­to e es­ta­do de cons­ci­ên­cia do ani­mal não so­frem al­te­ra­ção, não o dei­xan­do in­ca­pa­ci­ta­do de re­a­gir em ca­so de ne­ces­si­da­de, mas per­mi­tin­do que vi­va a ex­pe­ri­ên­cia de um mo­do emo­ci­o­nal­men­te equi­li­bra­do e tran­qui­lo. Pa­ra es­tes ca­sos, as nos­sas su­ges­tões de es­sên­ci­as flo­rais são: apren­di­za­gem (Chest­nut Bud), re­sis­tên­cia à mu­dan­ça (Rock Wa­ter), adap­ta­ção (Wal­nut), ca­pa­ci­da­de ex­plo­ra­tó­ria (Ver­vain), con­fi­an­ça e se­gu­ran­ça (Ce­ra­to), con­cen­tra­ção e aten­ção (Cle­ma­tis) e su­pe­rar a no­ção de in­ca­pa­ci­da­de (Lar­ch).

Ao vi­rar da es­qui­na!

En­jo­os, in­dis­po­si­ções, vó­mi­to e sa­li­va­ção po­dem ser li­mi­ta­ções à pos­si­bi­li­da­de dos ani­mais vi­a­ja­rem com os seus do­nos, e es­tas po­dem co­me­çar lo­go ao vi­rar da es­qui­na. A ori­gem do de­se­qui­lí­brio po­de ser cen­tral, ao ní­vel do sis­te­ma ner­vo­so, mas tam­bém po­de ter ori­gem fun­ci­o­nal ou metabólica. Pa­ra es­tes ca­sos a nos­sa prin­ci­pal re­co­men­da­ção é que não ali­men­te o seu ani­mal nas 4 ho­ras ime­di­a­ta­men­te an­te­ri­o­res à vi­a­gem pro­gra­ma­da. Pa­ra além dis­so, po­de re­cor­rer a um su­por­te te­ra­pêu­ti­co com ba­se na ho­me­o­pa­tia. Des­ta for­ma es­ta­mos, mais uma vez, a atu­ar ao ní­vel da re­gu­la­ção dos sis­te­mas fun­ci­o­nais e me­ta­bó­li­cos do ani­mal que ge­ram e con­tri­bu­em pa­ra o de­se­qui­lí­brio. A ho­me­o­pa­tia tra­ba­lha com subs­tân­ci­as e me­di­ca­men­tos mui­to di­luí­dos. Em­bo­ra con­tro­ver­so, es­te me­ca­nis­mo de ação de me­di­ca­men­tos ba­se­a­dos em subs­tân­ci­as di­luí­das obe­de­ce a leis e prin­cí­pi­os fí­si­cos e quí­mi­cos, tal co­mo os me­di­ca­men­tos que se ba­sei­am na mai­or con­cen­tra­ção per­mi­ti­da das subs­tân­ci­as (me­di­ca­ção con­ven­ci­o­nal). O seu mo­do de ação é re­gu­la­dor e não ini­bi­dor. Pro­cu­ran­do uma abor­da­gem ho­me­o­pá­ti­ca com ação pre­do­mi­nan­te a ní­vel fí­si­co (me­lho­ria dos sin­to­mas fí­si­cos) su­ge­ri­mos di­lui­ções en­tre D4 e D10.

Tam­bém im­por­tan­te em vi­a­gem…

Pa­ra além de to­das as re­co­men­da­ções es­pe­cí­fi­cas que lhe po­de­mos dei­xar, no âm­bi­to da me­di­ci­na na­tu­ral e ho­lís­ti­ca, pa­ra ge­rir a saú­de do seu ani­mal em tem­po de fé­ri­as, e em par­ti­cu­lar

em vi­a­gem, é im­por­tan­te que de­ter­mi­na­das re­gras bá­si­cas se­jam cum­pri­das pa­ra que pos­sa ob­ter os me­lho­res re­sul­ta­dos, con­for­to e saú­de pa­ra si e pa­ra os seus ani­mais. Em vi­a­gem não se es­que­ça de ha­bi­tu­ar o seu ani­mal a vi­a­jar de car­ro, de pre­fe­rên­cia des­de ca­chor­ro, em pe­que­nos per­cur­sos lo­cais an­tes de fa­zer com ele uma gran­de vi­a­gem (vi­a­gens su­pe­ri­o­res a 1 ho­ra de tra­je­to). Ca­so a vi­a­gem se­ja su­pe­ri­or a uma ho­ra con­si­de­re fa­zer pa­ra­gens pa­ra que pos­sa dar com ele um pe­que­no pas­seio a ca­da ho­ra ou de 2 em 2 ho­ras no má­xi­mo. Le­ve con­si­go água e um re­ci­pi­en­te ade­qua­do pa­ra a ofe­re­cer ao seu ani­mal. A água de­ve de ser in­ge­ri­da em pe­que­nas quan­ti­da­des de ca­da vez e

En­jo­os, in­dis­po­si­ções, vó­mi­to e sa­li­va­ção po­dem ser li­mi­ta­ções à pos­si­bi­li­da­de dos ani­mais vi­a­ja­rem com os seus do­nos nas fé­ri­as

nun­ca de­ve dei­xar in­ge­rir uma gran­de quan­ti­da­de de água de se­gui­da, ime­di­a­ta­men­te an­tes das vi­a­gens ou nos seus in­ter­va­los. Lem­bre-se que o ca­lor po­de au­men­tar a an­si­e­da­de, náusea e des­con­for­to do seu ani­mal em vi­a­gem, pa­ra além de po­der ge­rar si­tu­a­ções gra­ves de hi­per­ter­mia. Con­si­de­re adi­ar ou an­te­ci­par a sua vi­a­gem de mo­do a que não coin­ci­da com as ho­ras de mai­or ca­lor.

Fé­ri­as fe­li­zes!

Após es­tas re­co­men­da­ções res­ta-nos de­se­jar-lhe umas fé­ri­as fe­li­zes, quer se­ja na com­pa­nhia ou não dos seus ani­mais, mas sem­pre com a tran­qui­li­da­de, efi­cá­cia e se­gu­ran­ça que as so­lu­ções da me­di­ci­na ani­mal na­tu­ral e ho­lís­ti­ca lhe po­dem ofe­re­cer.

As es­sên­ci­as flo­rais per­mi­tem que o ani­mal vi­va a ex­pe­ri­ên­cia de fi­car em ca­sa com um pet sit­ter de um mo­do emo­ci­o­nal­men­te equi­li­bra­do e tran­qui­lo. Ca­mo­mi­la, pas­si­flo­ra, va­le­ri­a­na, gri­fo­nia ou com­bi­na­ções des­tas di­fe­ren­tes plan­tas pro­mo­vem um es­ta­do de tran­qui­li­da­de e re­la­xa­men­to, sem exer­ce­rem um efei­to se­da­ti­vo pro­fun­do.

A ho­me­o­pa­tia tra­ba­lha com subs­tân­ci­as e me­di­ca­men­tos mui­to di­luí­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.