Ca­ça­do­res do­am 1500 eu­ros a Ins­ti­tui­ção de Cri­an­ças Aban­do­na­das

Caes & Companhia - - EVENTOS - Ma­fal­da Lei­tão

No dia 25 de ju­nho, re­a­li­zou-se uma Pro­va de Be­ne­fi­cên­cia de San­to Hu­ber­to (Pa­dro­ei­ro dos Ca­ça­do­res). As Pro­vas de San­to Hu­ber­to são pro­vas de ca­ça, com ca­ça­dor e cão de pa­rar – cães que per­ten­cem ao gru­po 7 da FCI (Fé­dé­ra­ti­on Cy­no­lo­gi­que In­ter­na­ti­o­na­le), cu­jo ob­je­ti­vo pri­mor­di­al é pro­mo­ver o es­pí­ri­to des­por­ti­vo do ca­ça­dor, for­má-lo na cor­re­ta prá­ti­ca do ato ci­ne­gé­ti­co, ten­do em con­si­de­ra­ção os as­pe­tos téc­ni­cos, le­gais e cí­vi­cos, as­sim co­mo a fun­ção e uti­li­za­ção do cão de pa­rar, num qua­dro de res­pei­to pe­la Na­tu­re­za e pe­la Eco­lo­gia. Es­ta Pro­va de Be­ne­fi­cên­cia te­ve co­mo “al­vo” a As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Apoio à Cri­an­ça Aban­do­na­da (APACA), que aju­da cri­an­ças ne­ces­si­ta­das, quer fí­si­ca e/ou psi­co­lo­gi­ca­men­te, quer mo­ne­ta­ri­a­men­te (fa­mí­li­as des­fa­vo­re­ci­das). To­da­via, há que fa­zer re­fe­rên­cia a uma si­tu­a­ção mui­to tris­te. A As­so­ci­a­ção ini­ci­al­men­te es­co­lhi­da pe­los ca­ça­do­res era uma As­so­ci­a­ção que aju­da ani­mais aban­do­na­dos. Tu­do es­ta­va or­ga­ni­za­do pa­ra que con­se­guís­se­mos do­ar, quer mo­ne­ta­ri­a­men­te, quer em sa­cas de ra­ção, uma gran­de quan­tia à As­so­ci­a­ção. No en­tan­to, e co­mo não vi­ve­mos num mun­do per­fei­to, a As­so­ci­a­ção foi ata­ca­da for­te­men­te por um gru­po de pes­so­as, com ame­a­ças, co­men­tá­ri­os ne­ga­ti­vos e hu­mi­lhan­tes, por se ter ali­a­do aos ca­ça­do­res. Ora, co­mo o ob­je­ti­vo não era pre­ju­di­car, mas sim aju­dar; os ca­ça­do­res e a As­so­ci­a­ção acha­ram me­lhor can­ce­lar a pro­va. E, pro­fun­da­men­te tris­tes, tan­to nós co­mo a As­so­ci­a­ção, li­mi­ta­mo-nos a se­guir vi­a­gens dis­tin­tas, co­mo até aí ti­nha si­do fei­to, co­mo até aí a So­ci­e­da­de fun­da­men­ta­lis­ta nos im­põe... Mas a ver­da­de é que os ca­ça­do­res e as As­so­ci­a­ções po­dem unir-se, ha­ven­do uma sen­si­bi­li­za­ção con­jun­ta pa­ra o aban­do­no ani­mal! E a aju­da pas­sou a re­ver­ter pa­ra a APACA, pa­ra cri­an­ças aban­do­na­das. De re­fe­rir que es­ta não foi a pri­mei­ra op­ção, por­que es­ta­ria agen­da­da pa­ra o fi­nal do ano. Qual o ob­je­ti­vo de tu­do is­to? Aju­dar. Pro­mo­ver o es­pí­ri­to de ca­ri­da­de en­tre to­dos. Fa­zer cri­an­ças e fa­mí­li­as um bo­ca­di­nho mais fe­li­zes! Uma Pro­va que con­tou com mais de 100 pes­so­as, oriun­das de vá­ri­os pon­tos do país. Pes­so­as sen­si­bi­li­za­das pa­ra es­tas ques­tões e que qui­se­ram im­ple­men­tar a di­fe­ren­ça e, re­al­men­te, con­se­gui­ram. Gas­ta­ram mui­to di­nhei­ro, do­a­ram mui­to di­nhei­ro, per­de­ram tem­po com as su­as fa­mí­li­as, mas o gran­de ob­je­ti­vo foi cum­pri­do! No fi­nal da pro­va foi en­tre­gue à Pre­si­den­te da APACA a quan­tia de 1.500 eu­ros. A fe­li­ci­da­de era tal, que as pa­la­vras tei­ma­vam em sair, mis­tu­ra­das en­tre sor­ri­sos e lá­gri­mas de con­ten­ta­men­to. Es­ta não é a pri­mei­ra vez que ca­ça­do­res se jun­tam pa­ra aju­dar Ins­ti­tui­ções que ne­ces­si­tam! Mas tal­vez se­ja a pri­mei­ra vez que o mun­do po­de­rá co­me­çar a olhar pa­ra “es­ta gen­te” com ou­tros olhos… Com olhos de que to­dos so­mos se­res hu­ma­nos, to­dos te­mos um co­ra­ção e to­dos so­mos imor­tais! E, por­tan­to, em vez de nos ata­car­mos e jul­gar­mos, tal­vez se­ja me­lhor a união e co­o­pe­ra­ção hu­ma­na, mes­mo com ide­ais dis­tin­tos, pa­ra que o ob­je­ti­vo se­ja aju­dar e fa­zer com que to­dos te­nham a opor­tu­ni­da­de de se­rem fe­li­zes… Nem que se­ja por um bo­ca­di­nho!

Um gru­po de pes­so­as reu­niu-se. Um gru­po de pes­so­as quis fa­zer a di­fe­ren­ça. Um gru­po de pes­so­as con­se­guiu, cer­ta­men­te, co­le­tar mui­tos sor­ri­sos de mui­tas cri­an­ças. No fun­do, o gran­de ob­je­ti­vo foi cum­pri­do: aju­dar e tor­nar es­tes me­ni­nos mais fe­li­zes! Um gru­po de pes­so­as in­ti­tu­la­das de Ca­ça­do­res fi­ze­ram his­tó­ria e mos­tra­ram, uma vez mais, que ser ca­ça­dor não é si­nó­ni­mo de ser as­sas­si­no, mui­to pe­lo con­trá­rio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.