Des­pa­ra­si­ta­ção na­tu­ral e eco­lo­gia in­tes­ti­nal: Efi­cá­cia e equi­lí­brio com plan­tas e mi­ne­rais

Efi­cá­cia e equi­lí­brio com plan­tas e mi­ne­rais

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

Com o ou­to­no à por­ta, che­ga um dos mo­men­tos mais opor­tu­nos pa­ra re­a­li­zar­mos a des­pa­ra­si­ta­ção in­ter­na dos nos­sos animais de com­pa­nhia. Os pa­ra­si­tas in­tes­ti­nais são vá­ri­os, ca­da es­pé­cie com ci­clos de vi­da di­fe­ren­tes mas que, ape­sar de tu­do, res­pon­dem a es­tí­mu­los e rit­mos bi­o­lo­gi­ca­men­te se­me­lhan­tes.

Es­ta é, de­fi­ni­ti­va­men­te, uma boa al­tu­ra pa­ra agir de um mo­do efi­caz na saú­de ge­ral do seu ani­mal atra­vés de um bom es­que­ma de des­pa­ra­si­ta­ção ba­se­a­do nos con­se­lhos da saú­de na­tu­ral.

O in­tes­ti­no

O in­tes­ti­no dos ma­mí­fe­ros po­de va­ri­ar mui­to na sua mor­fo­lo­gia. En­quan­to o in­tes­ti­no do ca­va­lo tem um ce­co con­si­de­ra­vel­men­te gran­de que fun­ci­o­na co­mo uma gran­de cu­ba de fer­men­ta­ção, o que per­mi­te a es­ta es­pé­cie re­ti­rar um gran­de ren­di­men­to pro­tei­co a par­tir de fi­bras de plan­tas, o cão tem um in­tes­ti­no con­si­de­ra­vel­men­te mais cur­to, es­tan­do des­ta for­ma mais adap­ta­do à di­ges­tão de car­ne e os­so e me­nos adap­ta­do à di­ges­tão e ab­sor­ção de ce­re­ais, lá­te­os ou mes­mo le­gu­mi­no­sas. Res­pei­tar es­ta di­fe­ren­ça é im­por­tan­te, e po­de bem ser aqui que co­me­ça a ver­da­dei­ra saú­de do seu cão ou do seu ga­to.

Es­tru­tu­ra e fun­ção

Tan­to a es­tru­tu­ra co­mo as fun­ções do in­tes­ti­no não são sim­ples nem li­ne­a­res. O in­tes­ti­no não é ape­nas um con­jun­to de cé­lu­las com fun­ções me­ra­men­te di­ges­ti­vas. Na re­a­li­da­de o in­tes­ti­no não é ape­nas uma vís­ce­ra. É um ecos­sis­te­ma com­ple­xo, on­de in­te­ra­gem, com os di­fe­ren­tes ti­pos de cé­lu­las que o com­põem, uma po­pu­la­ção con­si­de­rá­vel de bac­té­ri­as be­né­fi­cas e opor­tu­nis­tas, pa­ra­si­tas, to­do o ti­po de ali­men­tos e me­di­ca­men­tos que os nos­sos animais in­ge­rem.

O se­gun­do cé­re­bro

En­tre as prin­ci­pais com­po­nen­tes bi­o­ló­gi­cas do in­tes­ti­no en­con­tram-se as su­as fun­ções sen­si­ti­va e neu­ro­ló­gi­ca. O in­tes­ti­no pos­sui uma re­de de co­ne­xões neu­ro­ló­gi­cas com­ple­xa que lhe per­mi­te re­co­lher e trans­mi­tir da­dos mui­to im­por­tan­tes so­bre a saú­de ge­ral do cor­po. Pos­sui vi­as de co­mu­ni­ca­ção di­re­tas ao cé­re­bro e ao fí­ga­do o que lhe dá sig­ni­fi­ca­ti­va au­to­no­mia de fun­ci­o­na­men­to e gran­de ca­pa­ci­da­de de adap­ta­ção e res­pos­ta a al­te­ra­ções me­ta­bó­li­cas sú­bi­tas que ocor­ram em qual­quer par­te do cor­po.

As cé­lu­las

O in­tes­ti­no dos nos­sos animais é cons­ti­tuí­do por di­fe­ren­tes ti­pos de cé­lu­las. As mais nu­me­ro­sas são res­pon­sá­veis pe­la ab­sor­ção dos ali­men­tos e or­ga­ni­zam-se for­man­do pe­que­nas vi­lo­si­da­des dan­do ao in­tes­ti­no uma apa­rên­cia de “es­co­va”. A to­ta­li­da­de da sua área po­de che­gar a ser

O uso tra­di­ci­o­nal de plan­tas com a fi­na­li­da­de de pur­ga e des­pa­ra­si­ta­ção é mui­to an­ti­go e re­mon­ta às ci­vi­li­za­ções hu­ma­nas pri­mor­di­ais

equi­va­len­te à de um cam­po de futebol (na es­pé­cie hu­ma­na). Com o des­gas­te me­câ­ni­co pro­vo­ca­do pe­la pas­sa­gem dos ali­men­tos perde cer­ca de 1/5 da sua área to­tal por dia e de­mo­ra cer­ca de 5 di­as a res­ta­be­le­cê-la.

Os ali­men­tos

O ti­po de ali­men­ta­ção que es­co­lhe­mos pa­ra os nos­sos animais in­flu­en­cia de uma for­ma mui­to sig­ni­fi­ca­ti­va a sua saú­de e qua­li­da­de de vi­da. Os ali­men­tos de­vem de ser se­le­ci­o­na­dos de acor­do com o que é mais ade­qua­do pa­ra a es­pé­cie, pri­vi­le­gi­an­do os ali­men­tos fres­cos, ou sem­pre que pos­sí­vel in­tro­du­zin­do uma quan­ti­da­de con­si­de­rá­vel na sua di­e­ta. Os ali­men­tos têm tam­bém uma im­por­tan­te ação lo­cal na nu­tri­ção das cé­lu­las do in­tes­ti­no e na sua re­no­va­ção e al­guns fun­ci­o­nam co­mo pre­bió­ti­cos na­tu­rais que po­dem aju­dam a fi­xar as bac­té­ri­as be­né­fi­cas.

Bac­té­ri­as – os prin­ci­pais ha­bi­tan­tes do ecos­sis­te­ma

Ho­je em dia já es­ta­mos mui­to fa­mi­li­a­ri­za­dos com os no­mes das prin­ci­pais cul­tu­ras bac­te­ri­a­nas in­tes­ti­nais co­mo os “lac­to­ba­ci­los” e ou­tros “aci­dó­fi­los” in­tes­ti­nais. São de­sig­na­dos por pro­bió­ti­cos e sa­be­mos o qu­an­to a sua pre­sen­ça é im­por­tan­te pa­ra o equi­lí­brio e re­gu­la­ção da fun­ção di­ges­ti­va e con­tro­lo da pre­sen­ça de bac­té­ri­as e ou­tros agen­tes (ví­rus, fun­gos, etc.) opor­tu­nis­tas ou pa­to­gé­ni­cos, po­ten­ci­al­men­te cau­sa­do­res de do­en­ças. Es­tas bac­té­ri­as es­sen­ci­ais são po­ten­ci­al­men­te afe­ta­das por uma ali­men­ta­ção de­sa­de­qua­da e pe­la to­ma de cer­tos me­di­ca­men­tos, co­mo por exem­plo, an­ti­bió­ti­cos.

Os pa­ra­si­tas

A pre­sen­ça de pa­ra­si­tas no ecos­sis­te­ma in­tes­ti­nal de­ve de ser res­pei­ta­da e de­vi­da­men­te va­lo­ri­za­da. Em ex­ces­so, são po­ten­ci­al­men­te pe­ri­go­sos pa­ra a saú­de ani­mal e hu­ma­na, po­den­do in­clu­si­va­men­te cau­sar uma di­mi­nui­ção da imu­ni­da­de ge­ral do ani­mal. Mas a sua pre­sen­ça, des­de que con­tro­la­da, po­de-se apre­sen­tar co­mo be­né­fi­ca. Não des­cu­ran­do a ne­ces­si­da­de de uma des­pa­ra­si­ta­ção re­gu­lar e efi­caz, ten­do em con­si­de­ra­ção o am­bi­en­te on­de ca­da ani­mal se in­se­re, de­ve de ha­ver al­gum cui­da­do tan­to na es­co­lha do pro­du­to des­pa­ra­si­tan­te, bem co­mo do in­ter­va­lo e do mo­men­to mais ade­qua­do pa­ra a des­pa­ra­si­ta­ção, de mo­do a não pro­vo­car uma es­te­ri­li­za­ção ex­ces­si­va do ecos­sis­te­ma in­tes­ti­nal.

A im­por­tân­cia do in­tes­ti­no na imu­ni­da­de ge­ral

Pa­ra além das já re­fe­ri­das fun­ções de di­ges­tão e ab­sor­ção de ali­men­tos, o in­tes­ti­no tem um pa­pel mui­to im­por­tan­te na re­gu­la­ção da imu­ni­da­de ge­ral, uma vez que na sua pa­re­de exis­tem con­jun­tos de cé­lu­las imu­ni­tá­ri­as es­pe­cí­fi­cas que pro­du­zem um ti­po de imu­no­glo­bu­li­nas, as Iga’s.

Es­tas mo­lé­cu­las são de­pois dis­tri­buí­das por to­do o or­ga­nis­mo pa­ra se fi­xa­rem es­sen­ci­al­men­te nas mu­co­sas do apa­re­lho di­ges­ti­vo, res­pi­ra­tó­rio e uro­ge­ni­tal, bem co­mo na pe­le e ser­vir co­mo pri­mei­ra li­nha de de­fe­sa con­tra po­ten­ci­ais agen­tes pa­to­gé­ni­cos am­bi­en­tais (por exem­plo, bac­té­ri­as, ví­rus, fun­gos, etc.).

A im­por­tân­cia do in­tes­ti­no no equi­lí­brio hí­dri­co

O equi­lí­brio hí­dri­co e hi­dro-elec­tro­lí­ti­co, ou se­ja, a re­gu­la­ção da quan­ti­da­de de água e sais pre­sen­tes no or­ga­nis­mo tam­bém pas­sa pe­lo in­tes­ti­no. Es­ta fun­ção tem a sua se­de prin­ci­pal no in­tes­ti­no gros­so, en­quan­to as fun­ções de di­ges­tão e ab­sor­ção dos ali­men­tos es­tão es­sen­ci­al­men­te con­cen­tra­das ao ní­vel do in­tes­ti­no delgado. Di­ar­rei­as pro­lon­ga­das ou pro­fu­sas po­dem, des­ta for­ma, ser res­pon­sá­veis por graus de de­si­dra­ta­ção e de­se­qui­lí­brio de al­guns mi­ne­rais no or­ga­nis­mo, co­mo por exem­plo, o só­dio.

Por­que de­vo des­pa­ra­si­tar o meu ani­mal?

Tal co­mo qual­quer ser vi­vo, os nos­sos animais têm um con­ta­to re­gu­lar com to­do o ti­po de agen­tes bi­o­ló­gi­cos co­mo ví­rus, bac­té­ri­as e pa­ra­si­tas, na­tu­ral­men­te pre­sen­tes no am­bi­en­te e ecos­sis­te­mas. Uma pre­sen­ça mí­ni­ma con­tro­la­da de pa­ra­si­tas no in­tes­ti­no é nor­mal e fun­ci­o­na tal co­mo uma “au­to-va­ci­na”, pro­mo­ven­do a cri­a­ção de imu­no­glo­bu­li­nas es­pe­cí­fi­cas na cir­cu­la­ção san­guí­nea que, à se­me­lhan­ça da pro­te­ção que os an­ti-cor­pos for­ne­cem con­tra os ví­rus, pre­vi­ne o cor­po dos animais de in­fes­ta­ções pa­ra­si­tá­ri­as ma­ci­ças e de do­en­ças. Des­ta for­ma, é im­por­tan­te com­pre­en­der que, o ob­je­ti­vo clí­ni­co e far­ma­co­ló­gi­co da des­pa­ra­si­ta­ção in­ter­na, quan­do su­ge­ri­da pe­lo seu mé­di­co ve­te­ri­ná­rio, não é eli­mi­nar 100% dos pa­ra­si­tas in­tes­ti­nais. Es­te­ri­li­zar o in­tes­ti­no, na re­a­li­da­de, não é bi­o­lo­gi­ca­men­te pos­sí­vel, e o que se al­can­ça é um con­tro­lo da po­pu­la­ção pa­ra­si­ta re­si­den­te e uma mo­de­ra­ção da pre­sen­ça dos mes­mos.

O úni­co se­não…

Ter em men­te que a des­pa­ra­si­ta­ção é uma for­ma de con­tro­lo dos pa­ra­si­tas in­tes­ti­nais e não os eli­mi­na ou ma­ta a 100% é im­por­tan­te pa­ra com­pre­en­der­mos quais as me­lho­res op­ções pa­ra agir­mos de for­ma efi­caz no con­tro­lo dos pa­ra­si­tas in­tes­ti­nais e con­tri­buir, efe­ti­va­men­te, pa­ra uma me­lhor saú­de ge­ral dos nos­sos animais. Se ti­ver­mos em con­ta que a er­ra­di­ca­ção dos pa­ra­si­tas nun­ca é com­ple­ta quan­do re­cor­re­mos a agen­tes quí­mi­cos de con­tro­lo, ou se­ja, os con­ven­ci­o­nais des­pa­ra­si­tan­tes em pas­ta ou com­pri­mi­do, é fá­cil com­pre­en­der que es­ta­mos, na re­a­li­da­de, a agir de for­ma se­me­lhan­te ao que acon­te­ce com o uso pre­ven­ti­vo dos an­ti­bió­ti­cos nos animais de pro­du­ção, ou se­ja, en­quan­to con­tro­la­mos par­te dos mi­cror­ga­nis­mos pre­sen­tes con­tri­buí­mos pa­ra que os res­tan­tes se tor­nem ca­da vez mais re­sis­ten­tes e re­si­den­tes per­ma­nen­tes.

Nos mo­men­tos cer­tos, as es­co­lhas cer­tas!

A des­pa­ra­si­ta­ção mais efi­caz e efe­ti­va faz-se, dia-a-dia, com op­ções cons­ci­en­tes de ali­men­ta­ção sau­dá­vel não pro­ces­sa­da, uma boa hi­dra­ta­ção e res­pei­to pe­los bi­or­rit­mos do cor­po dos nos­sos animais. Nas al­tu­ras cer­tas, sa­ber es­co­lher plan­tas e ou­tros pro­du­tos co­mo de­ter­mi­na­das ar­gi­las aju­da a re­du­zir re­gu­lar­men­te al­guns dos pa­ra­si­tas que pos­sam ter fa­ci­li­da­de em se ins­ta­lar e re­pro­du­zir de for­ma ocul­ta. Des­ta for­ma, po­de­mos cri­ar as con­di­ções ide­ais pa­ra uma des­pa­ra­si­ta­ção que

O con­tro­lo re­gu­lar com pro­du­tos na­tu­rais ade­qua­dos pre­vi­ne e tra­ta com efi­cá­cia e se­gu­ran­ça do­en­ças pa­ra­si­tá­ri­as

con­tro­la, efi­caz­men­te, os pa­ra­si­tas sem con­ta­mi­na­ção am­bi­en­tal quí­mi­ca nem cri­an­do re­sis­tên­ci­as nos mes­mos às mo­lé­cu­las.

Os di­fe­ren­tes des­pa­ra­si­tan­tes na­tu­rais

Os pro­du­tos na­tu­rais que po­dem ser uti­li­za­dos pa­ra o con­tro­lo de pa­ra­si­tas in­ter­nos in­tes­ti­nais po­dem ser de di­fe­ren­tes gru­pos de subs­tân­ci­as e ter di­fe­ren­tes mo­dos de ação. Pro­du­tos que exer­cem so­bre os pa­ra­si­tas uma ação me­câ­ni­ca e fí­si­ca, co­mo as ter­ras de di­a­to­má­ce­as, pro­mo­vem a sua mor­te por abra­são e de­si­dra­ta­ção e a sua ex­pul­são por ar­ras­to me­câ­ni­co. Por ou­tro la­do, plan­tas e pro­du­tos à ba­se de plan­tas exer­cem uma ação quí­mi­ca so­bre os pa­ra­si­tas e so­bre as fun­ções fi­si­o­ló­gi­cas do cor­po dos animais de mo­do a pro­mo­ver a mor­te dos pa­ra­si­tas por to­xi­ci­da­de e o seu ar­ras­to por ação so­bre a mu­co­sa in­tes­ti­nal e ca­nais bi­li­a­res e he­pá­ti­cos.

O elo em fal­ta

O uso tra­di­ci­o­nal de plan­tas com a fi­na­li­da­de de pur­ga e des­pa­ra­si­ta­ção é mui­to an­ti­go e re­mon­ta às ci­vi­li­za­ções hu­ma­nas pri­mor­di­ais. Pa­ra es­te fim eram uti­li­za­das com­po­si­ções de plan­tas, ca­da uma com di­fe­ren­tes fun­ções te­ra­pêu­ti­cas que in­cluíam ver­mí­fu­ga e ver­mi­ci­da, an­ti-in­fla­ma­tó­ria, an­ti-in­fe­ci­o­sa, co­la­go­ga, es­pas­mó­di­ca en­tre ou­tras. No uso tra­di­ci­o­nal das plan­tas a des­pa­ra­si­ta­ção in­cluía sem­pre a pur­ga, ou se­ja, a ação ver­mí­fu­ga e ver­mi­ci­da que pro­vo­ca­va a mor­te dos pa­ra­si­tas era sem­pre acom­pa­nha­da de uma ação fi­si­o­ló­gi­ca de su­por­te so­bre ór­gãos co­mo ve­sí­cu­la bi­li­ar, fí­ga­do e in­tes­ti­no, que pro­mo­vi­am a eli­mi­na­ção e ex­cre­ção dos pa­ra­si­tas mor­tos, pa­ra que não fi­cas­sem acu­mu­la­dos nos ca­na­lí­cu­los bi­li­a­res nem he­pá­ti­cos, nem acu­mu­la­dos em ro­lhões no in­tes­ti­no. Es­te fa­tor é um as­pe­to es­sen­ci­al pa­ra uma des­pa­ra­si­ta­ção com­ple­ta e bem-su­ce­di­da, um elo per­di­do, em fal­ta nos pro­to­co­los de des­pa­ra­si­ta­ção quí­mi­ca con­ven­ci­o­nal.

Ter­ra de di­a­to­má­ce­as – des­pa­ra­si­tar e nu­trir

O uso de ter­ras de di­a­to­má­ce­as co­mo an­ti­pa­ra­si­tá­rio não é re­cen­te. É um dos pro­du­tos mais efi­ca­zes quan­do pre­ten­de­mos a des­pa­ra­si­ta­ção in­ter­na com­ple­ta, com ação ver­mí­fu­ga e de ar­ras­to me­câ­ni­co, em animais e hu­ma­nos. As di­a­to­má­ce­as são pe­que­nos mi­cror­ga­nis­mos do plânc­ton an­ces­tral ri­cos em sí­li­ca e ou­tros mi­ne­rais. Ape­sar do pó ser mui­to su­a­ve ao ta­to, mi­cros­co­pi­ca­men­te é cons­ti­tuí­do por es­pí­cu­las mui­to agu­ça­das que têm um efei­to abra­si­vo so­bre a cu­tí­cu­la dos pa­ra­si­tas. Su­jei­tos a uma es­fo­li­a­ção pro­fun­da da sua cu­tí­cu­la, os pa­ra­si­tam dei­xam ex­pos­tos o seu in­te­ri­or, fi­can­do sen­sí­veis à sí­li­ca na­tu­ral­men­te pre­sen­te que, des­ta for­ma os de­bi­li­ta. Uma vez de­bi­li­ta­dos, os pa­ra­si­tas tor­nam-se mais sen­sí­veis e me­nos re­sis­ten­tes às con­di­ções am­bi­en­tais na­tu­rais do in­tes­ti­no. Tor­nan­do-se im­pos­sí­vel a sua so­bre­vi­vên­cia, a mai­o­ria dei­xa de se fi­xar con­ve­ni­en­te­men­te à pa­re­de in­tes­ti­nal e são eli­mi­na­dos na­tu­ral­men­te.

Plan­tas efi­ca­zes e so­lu­ções na­tu­rais

Vá­ri­as plan­tas apre­sen­tam efi­cá­cia an­ti­pa­ra­si­tá­ria na­tu­ral. Já te­rá cer­ta­men­te vis­to o seu ani­mal a pro­cu­rar ati­va­men­te er­vas es­pe­cí­fi­cas do

jar­dim pa­ra se pur­gar. Se es­ti­ver com aten­ção vai per­ce­ber que es­se com­por­ta­men­to ocor­re em al­gu­mas al­tu­ras do ano par­ti­cu­la­res e es­se po­de ser, no ca­so do seu ani­mal, um dos si­nais que in­di­cam que es­ta­mos nu­ma al­tu­ra pro­pí­cia pa­ra a cor­re­ta eli­mi­na­ção dos pa­ra­si­tas in­ter­nos. Al­gu­mas plan­tas efi­ca­zes no con­tro­lo de pa­ra­si­tas são re­fe­ri­das de se­gui­da. Se as plan­tas uti­li­za­das fo­rem, aci­ma de tu­do, plan­tas lo­cais da flo­ra au­tóc­to­ne me­di­ter­râ­ni­ca e eu­ro­peia, es­ta­rá mui­to pro­va­vel­men­te a op­tar por so­lu­ções que o seu pró­prio ani­mal es­co­lhe­ria em na­tu­re­za, pa­ra a mes­ma fi­na­li­da­de.

Fa­ça vo­cê mes­mo!

Se es­ti­ver fi­ca­do in­te­res­sa­do no te­ma, po­de fa­zer de for­ma fá­cil e se­gu­ra, um des­pa­ra­si­tan­te in­ter­no pa­ra uso re­gu­lar no seu ani­mal, com pro­du­tos sim­ples, de acor­do com a re­cei­ta que lhe su­ge­ri­mos (ver cai­xa). Com es­ta com­po­si­ção ob­tém ação ver­mí­fu­ga efi­caz que cau­sa a mor­te dos pa­ra­si­tas e uma ação me­câ­ni­ca de es­fo­li­a­ção e ar­ras­to, pa­ra evi­tar as con­sequên­ci­as so­bre a saú­de da pre­sen­ça de pa­ra­si­tas ina­ti­vos e mor­tos acu­mu­la­dos no or­ga­nis­mo do seu ani­mal.

É fre­quen­te os do­nos ob­ser­va­rem os seus cães a in­ge­rir plan­tas du­ran­te as saí­das à rua.

An­ci­los­to­ma é um pa­ra­si­ta ne­má­to­de que se alo­ja no in­tes­ti­no delgado do hos­pe­dei­ro ma­mí­fe­ro (cão, ga­to ou ho­mem).

O ti­po de ali­men­ta­ção que es­co­lhe­mos pa­ra os nos­sos animais in­fluên­cia de uma for­ma mui­to sig­ni­fi­ca­ti­va a sua saú­de e qua­li­da­de de vi­da.

Ca­chor­ros e ga­ti­nhos po­dem nas­cer pa­ra­si­ta­dos. A ter­ra de di­a­to­má­ce­as po­de ser usa­da com efi­cá­cia e se­gu­ran­ça des­de os pri­mei­ros di­as de vi­da pa­ra con­tro­lo de pa­ra­si­tas in­ter­nos e ex­ter­nos.

For­mas lum­bri­cói­des e ne­má­to­des po­dem pa­ra­si­tar or­gãos tão di­fe­ren­tes co­mo in­tes­ti­no (as­ca­rí­de­os), pul­mão (an­gi­os­tron­gi­los) e co­ra­ção (di­ro­fi­lá­ri­as).

Op­tar por des­pa­ra­si­tan­tes na­tu­rais pre­vi­ne com efi­cá­cia e se­gu­ran­ça, re­du­zin­do as re­sis­tên­ci­as pa­ra­si­tá­ri­as e a con­ta­mi­na­ção am­bi­en­tal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.