Quer mes­mo cri­ar? Pen­se bem an­tes de se aven­tu­rar!

Pen­se bem an­tes de se aven­tu­rar!

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

Na sé­rie de ar­ti­gos de­di­ca­dos à cri­a­ção de cães, fa­ze­mos um su­má­rio de fa­to­res a pon­de­rar no pro­ces­so de de­ci­são so­bre se de­ve­mos ou não re­pro­du­zir os nos­sos animais, e co­mo o fa­zer.

Se­tem­bro é o mês do fim das fé­ri­as da mai­o­ria dos por­tu­gue­ses. É o mês do re­gres­so ao tra­ba­lho e/ou às au­las, de dei­xar os de­va­nei­os de ve­rão pa­ra trás e vol­tar a con­cen­trar-se no tra­ba­lho. Na­tu­ral­men­te, os pri­mei­ros di­as são pa­ra re­lem­brar o tra­ba­lho que se dei­xou pen­den­te, ou as li­ções do ano an­te­ri­or. É o que va­mos tam­bém fa­zer es­te mês nes­ta sé­rie de­di­ca­da a te­mas re­le­van­tes pa­ra a cri­a­ção de cães – re­cor­dar bre­ve­men­te os as­sun­tos tra­ta­dos no “ano le­ti­vo” tran­sa­to so­bre co­mo pla­ne­ar uma ni­nha­da (ar­ti­gos pu­bli­ca­dos en­tre ou­tu­bro de 2015 e maio de 2016). Nos pró­xi­mos me­ses ire­mos en­tão abor­dar as­pe­tos mais prá­ti­cos re­la­ti­vos à con­ce­ção, par­to e cri­a­ção dos ca­chor­ros.

Porquê cri­ar?

An­tes de mais, de­ve ser mui­to bem pon­de­ra­do o porquê cri­ar? O que pre­ten­de ob­ter ao co­lo­car in­ten­ci­o­nal­men­te uma sé­rie de ca­chor­ros no mun­do? Se­rá que quer ob­ter um cão igual­zi­nho à sua ca­de­la/ cão? Is­so nun­ca irá acon­te­cer, nem se­quer se os clo­nas­se. Ca­da in­di­ví­duo é mais que a so­ma dos seus ge­nes, é o re­sul­ta­do da in­te­ra­ção des­ses ge­nes com o seu am­bi­en­te (an­tes e de­pois de nas­cer). Mes­mo dois exem­pla­res ge­ne­ti­ca­men­te iguais, ao te­rem li­gei­ras di­fe­ren­ças na for­ma co­mo a mãe é tra­ta­da du­ran­te a gra­vi­dez, ao cres­ce­rem em am­bi­en­tes mes­mo que li­gei­ra­men­te di­fe­ren­tes, irão ter um as­pe­to li­gei­ra­men­te di­fe­ren­te e com­por­ta­men­to e per­so­na­li­da­des al­go dis­tin­tas – tal co­mo acon­te­ce com os gé­me­os hu­ma­nos, com a di­fe­ren­ça que mes­mo na re­pe­ti­ção de ni­nha­das, o am­bi­en­te é sem­pre di­fe­ren­te, pe­lo que ha­ve­rá sem­pre di­fe­ren­ças mais no­tó­ri­as. Adi­ci­o­nal­men­te, não se es­que­ça que além do ca­chor­ro que pre­ten­de pa­ra si, vêm ti­pi­ca­men­te mais 4 a 8 ou mais, cu­jo des­ti­no é tam­bém da sua res­pon­sa­bi­li­da­de. Se­rá que quer mos­trar o mi­la­gre da vi­da aos seus fi­lhos? Há ví­de­os su­fi­ci­en­tes na In­ter­net pa­ra o po­der fa­zer sem se su­jei­tar ao tra­ba­lho e des­pe­sa que uma ni­nha­da dá, ao ris­co da mor­te da ca­de­la e/ou ca­chor­ros, e à res­pon­sa­bi­li­da­de acres­ci­da de as­se­gu­rar que to­dos os ca­chor­ros en­con­tram bo­as ca­sas. Se­rá que quer ape­nas ob­ter um cão de com­pa­nhia pa­ra si e/ou pa­ra os seus ami­gos, sem quais­quer ou­tros cri­té­ri­os? Os re­fú­gi­os es­tão chei­os de animais à es­pe­ra da sua fa­mí­lia per­fei­ta, não há ne­ces­si­da­de de cri­ar ape­nas se por es­sa ra­zão.

Res­pon­da a es­tas ques­tões!

Tem um ob­je­ti­vo de­fi­ni­do? Es­tá à pro­cu­ra de um ti­po es­pe­cí­fi­co, pa­ra uma fun­ção es­pe­cí­fi­ca, que vai além do cão de com­pa­nhia ge­né­ri­co? Quer con­tri­buir pa­ra o me­lho­ra­men­to de al­gu­ma par­ti­cu­la­ri­da­de de uma raça, se­ja mor­fo­ló­gi­ca, fun­ci­o­nal, com­por­ta­men­tal ou de saú­de? Es­tá pre­pa­ra­do pa­ra o gran­de in­ves­ti­men­to a ní­vel de tem­po e de di­nhei­ro que é o cri­ar uma ni­nha­da e fa­zer a tri­a­gem de do­nos ade­qua­dos, com a per­so­na­li­da­de cer­ta pa­ra o ca­rác­ter dos cães que es­tá a cri­ar? Tem pos­si­bi­li­da­de de re­to­mar os cães que, por qual­quer ra­zão, aca­bem por não se in­te­grar nas su­as

Pen­se bem por­que quer cri­ar, o que pre­ten­de ob­ter con­cre­ta­men­te. Os re­fú­gi­os es­tão chei­os de animais cri­a­dos “por­que sim”

fa­mí­li­as ou se es­tas dei­xa­rem de os po­der ter? En­tão con­ti­nu­e­mos.

Ob­je­ti­vos

A ba­se de qual­quer tra­ba­lho de cri­a­ção é sa­ber o que se pre­ten­de ob­ter, ter ob­je­ti­vos con­cre­tos. No ca­so da cri­a­ção de animais de com­pa­nhia is­to não é tão sim­ples co­mo na pro­du­ção pe­cuá­ria. Nes­sa in­dús­tria os ob­je­ti­vos são men­su­rá­veis, pre­ten­de-se ob­ter X li­tros de lei­te por ano, Y kg de pe­so à ma­tan­ça, Z ovos por ano, etc. Já no ca­so dos animais de com­pa­nhia, os cri­té­ri­os são mais sub­je­ti­vos. O que é um bom cão de com­pa­nhia? O que faz com que o cão bri­lhe num de­ter­mi­na­do des­por­to ou fun­ção? Qual a me­lhor con­for­ma­ção ana­tó­mi­ca? Em par­ti­cu­lar quan­do se con­si­de­ra que o ide­al pa­ra uma pes­soa po­de não ser o pre­ten­di­do por ou­tra… Fre­quen­te­men­te há vá­ri­os ob­je­ti­vos em si­mul­tâ­neo, o que tor­na o tra­ba­lho mais di­fí­cil – so­bre­tu­do se acon­te­cer eles es­ta­rem cor­re­la­ci­o­na­dos de for­ma in­ver­sa (o pro­gres­so num im­pli­ca pi­o­rar os re­sul­ta­dos nou­tro). Mas sa­ber o que se pre­ten­de ob­ter, e ter uma ideia da sua ba­se ge­né­ti­ca, é a ba­se in­subs­ti­tuí­vel pa­ra avan­çar, é o ali­cer­ce de qual­quer tra­ba­lho de cri­a­ção ade­qua­do.

Ava­li­a­ção da qua­li­da­de

Nem to­dos os cães são ide­ais pa­ra uti­li­zar na reprodução. Se se es­tá a cri­ar um ani­mal de uma de­ter­mi­na­da raça, ou mes­mo de raça in­de­fi­ni­da ou cru­zan­do ra­ças di­fe­ren­tes, tem de ha­ver cri­té­ri­os mí­ni­mos que o ani­mal de­ve cum­prir. O que de­fi­ne uma raça é os in­di­ví­du­os te­rem um con­jun­to de tra­ços mor­fo­ló­gi­cos e com­por­ta­men­tais que os tor­nam se­me­lhan­tes en­tre si e di­fe­ren­tes dos res­tan­tes gru­pos de in­di­ví­du­os. In­de­pen­den­te­men­te

A se­le­ção dos pro­ge­ni­to­res é a ba­se pa­ra qual­quer pro­gra­ma de cri­a­ção. Sa­ber o que se pre­ten­de ob­ter é fun­da­men­tal pa­ra sa­ber co­mo o fa­zer

de te­rem ou não raça, o que tor­na um cer­to lo­te de animais ade­qua­do a uma de­ter­mi­na­da fun­ção é pos­suir cer­tas ca­rac­te­rís­ti­cas fun­ci­o­nais pa­ra tal. Ora, os di­fe­ren­tes animais não são clo­nes nem fo­to­có­pi­as uns dos ou­tros. Sen­do o ob­je­ti­vo de cri­ar ten­tar me­lho­rar o que exis­te, não adi­an­ta usar um in­di­ví­duo me­di­a­no ou um “in­fe­ri­or”. Daí a im­por­tân­cia fun­da­men­tal da ava­li­a­ção dos in­di­ví­du­os co­mo uma bi­to­la pa­ra aju­dar a de­ci­dir que animais uti­li­zar na reprodução. A ava­li­a­ção sub­je­ti­va do cri­a­dor é ob­vi­a­men­te im­por­tan­te, mas é im­por­tan­te sa­ber com­pa­rar o in­di­ví­duo fa­ce ao es­ta­lão da sua raça, ao ti­po de tra­ba­lho pre­ten­di­do e aos res­tan­tes exem­pla­res da sua raça. Mes­mo que “ape­nas” se pre­ten­da cri­ar animais de com­pa­nhia, é fun­da­men­tal que eles te­nham as ca­rac­te­rís­ti­cas mor­fo­ló­gi­cas e com­por­ta­men­tais as­so­ci­a­das à raça; se não há se­le­ção pa­ra is­to, rá­pi­da e fa­cil­men­te es­tes tra­ços se per­dem, e dei­xa de se po­der di­zer que es­ses animais per­ten­cem à raça X, in­de­pen­den­te­men­te do que os seus re­gis­tos in­di­quem.

SE­LE­ÇÃO DOS REPRODUTORES

Ten­do ideia de on­de se pre­ten­de che­gar, já se po­de pen­sar co­mo o con­se­guir.tu­do co­me­ça, na­tu­ral­men­te, com a se­le­ção dos pro­ge­ni­to­res. Há três for­mas ge­rais de se­le­ci­o­nar os in­di­ví­du­os a uti­li­zar (ou con­ti­nu­ar a usar) na reprodução.

Se­le­ção mas­sal ou fe­no­tí­pi­ca

Nes­te ti­po de se­le­ção, es­co­lhe-se os in­di­ví­du­os que se irão re­pro­du­zir com ba­se no seu as­pe­to ou de­sem­pe­nho. Is­to pres­su­põe a exis­tên­cia de um es­ta­lão, ou pa­drão ra­ci­al, que sir­va de li­nha mes­tra pa­ra o es­ta­be­le­ci­men­to dos ob­je­ti­vos. Nor­mal­men­te, a se­le­ção mas­sal per­mi­te ob­ter um pro­gres­so efi­caz, mas ape­nas até um cer­to ní­vel, de­pois dis­so é ne­ces­sá­rio re­cor­rer a ou­tros mé­to­dos de se­le­ção. É bas­tan­te efi­ci­en­te nas ca­rac­te­rís­ti­cas com ele­va­da he­ri­ta­bi­li­da­de (ca­rac­te­rís­ti­cas cu­ja va­ri­a­ção na po­pu­la­ção é de­vi­da em gran­de par­te a uma ba­se ge­né­ti­ca), in­flu­en­ci­an­do me­lhor ca­rac­te­res re­la­ci­o­na­dos com as ca­rac­te­rís­ti­cas mor­fo­ló­gi­cas do que as­pe­tos pro­du­ti­vos.

Se­le­ção ge­ne­a­ló­gi­ca

Aqui a se­le­ção ba­seia-se nas ca­ra­te­rís­ti­cas dos as­cen­den­tes (an­ces­trais) do ani­mal em ques­tão. Es­te ti­po de se­le­ção pres­su­põe, na­tu­ral­men­te, que exis­tam re­gis­tos fiá­veis re­la­ti­vos aos exem­pla­res que es­tão na ár­vo­re ge­ne­a­ló­gi­ca (no pe­di­gree) de um ani­mal. Co­mo in­fe­liz­men­te os li­vros ge­ne­a­ló­gi­cos dos animais de com­pa­nhia não man­têm, por nor­ma, re­gis­tos so­bre as ca­rac­te­rís­ti­cas dos animais ne­les ins­cri­tos (ex­ce­to os tí­tu­los de be­le­za ou tra­ba­lho que lhe te­nham si­do atri­buí­dos e, mais re­cen­te­men­te e em al­gu­mas si­tu­a­ções, os re­sul­ta­dos dos des­pis­tes de al­gu­mas pa­to­lo­gi­as), é ne­ces­sá­rio que o cri­a­dor fa­ça um es­tu­do o mais exaus­ti­vo pos­sí­vel dos an­ces­trais dos exem­pla­res que es­tá a con­si­de­rar uti­li­zar, de for­ma a ten­tar afe­rir se es­se ani­mal tem o po­ten­ci­al de con­tri­buir pa­ra os seus ob­je­ti­vos ou não, ou se há ris­cos re­ais de vir a trans­mi­tir al­gu­ma do­en­ça de ba­se ge­né­ti­ca.

Se­le­ção ba­se­a­da na des­cen­dên­cia

Nes­te ti­po de se­le­ção, o va­lor re­pro­du­ti­vo de um in­di­ví­duo é ava­li­a­do atra­vés do es­tu­do de um da­do ca­rác­ter na sua des­cen­dên­cia. Ou se­ja, es­tu­dam-se os fi­lhos, ne­tos, etc. de di­fe­ren­tes in­di­ví­du­os pa­ra de­ter­mi­nar qual dos animais é me­lhor re­pro­du­tor pa­ra a ca­rac­te­rís­ti­ca vi­sa­da. Com ba­se nes­sa in­for­ma­ção, dá­se pre­fe­rên­cia a um da­do in­di­ví­duo pa­ra ser uti­li­za­do co­mo re­pro­du­tor no fu­tu­ro. Os tes­tes de des­cen­dên­cia são ti­pi­ca­men­te usa­dos pa­ra efe­tu­ar se­le­ção pa­ra ca­rac­te­rís­ti­cas de bai­xa he­ri­ta­bi­li­da­de (cu­ja va­ri­a­ção na po­pu­la­ção é pou­co in­flu­en­ci­a­da por fa­to­res ge­né­ti­cos), e são nor­mal­men­te usa­dos pa­ra ava­li­ar o po­ten­ci­al re­pro­du­ti­vo dos ma­chos.

Uma se­le­ção si­mul­tâ­nea

Na re­a­li­da­de, os di­fe­ren­tes cri­té­ri­os de se­le­ção de reprodutores aca­bam por ser uti­li­za­dos de for­ma si­mul­tâ­nea, de acor­do com a in­for­ma­ção dis­po­ní­vel. Ti­pi­ca­men­te, a qua­li­da­de mor­fo­ló­gi­ca e/ou com­por­ta­men­tal do in­di­ví­duo é dos prin­ci­pais cri­té­ri­os uti­li­za­dos (se­le­ção mas­sal), com­ple­men­ta­do, sem­pre que pos­sí­vel com a in­for­ma­ção so­bre os seus as­cen­den­tes (se­le­ção ge­ne­a­ló­gi­ca) e co­la­te­rais. Se o in­di­ví­duo ti­ver si­do já uti­li­za­do co­mo re­pro­du­tor, a in­for­ma­ção so­bre a sua des­cen­dên­cia é pon­de­ra­da pa­ra con­si­de­rar a sua ma­nu­ten­ção ou não co­mo re­pro­du­tor (tes­te de des­cen­dên­cia).

MÉ­TO­DOS DE SE­LE­ÇÃO

Co­mo ti­pi­ca­men­te um cri­a­dor pre­ten­de me­lho­rar vá­ri­as ca­rac­te­rís­ti­cas, co­mo tra­ba­lhar? Pro­cu­rar me­lho­rar uma de ca­da vez? Vá­ri­as ao mes­mo tem­po? Exis­tem vá­ri­as me­to­do­lo­gi­as pa­ra ten­tar che­gar ao re­sul­ta­do pre­ten­di­do.

Mé­to­do em tan­dem

Se­le­ci­o­na-se uma ca­rac­te­rís­ti­ca de ca­da vez. Quan­do se ob­tém uma me­lho­ria con­si­de­ra­da sa­tis­fa­tó­ria pa­ra es­se tra­ço, di­mi­nui-se o es­for­ço de se­le­ção apli­ca­do ne­le e au­men­ta-se o tra­ba­lho de me­lho­ra­men­to de um ou­tro ca­rác­ter, e as­sim su­ces­si­va­men­te. No en­tan­to, es­te mé­to­do não é mui­to efi­ci­en­te, em vir­tu­de do pro­gres­so

ge­né­ti­co glo­bal al­can­ça­do e do tem­po des­pen­di­do pe­lo cri­a­dor até al­can­çar o ob­je­ti­vo fi­nal. Adi­ci­o­nal­men­te, a sua efi­ci­ên­cia irá de­pen­der da as­so­ci­a­ção en­tre os ca­rac­te­res. Se os ca­rac­te­res es­ti­ve­rem as­so­ci­a­dos po­si­ti­va­men­te (am­bos os tra­ços va­ri­a­rem no mes­mo sen­ti­do), a se­le­ção pa­ra um irá be­ne­fi­ci­ar o ou­tro e o pro­gres­so se­rá mais rá­pi­do. Se não hou­ver as­so­ci­a­ção, eles se­rão trans­mi­ti­dos de for­ma in­de­pen­den­te e o pro­gres­so se­rá len­to, uma vez que se es­tá a se­le­ci­o­nar um de ca­da vez. Se a cor­re­la­ção for ne­ga­ti­va, aca­ba por não se con­se­guir al­can­çar o re­sul­ta­do ob­je­ti­vo, pois a se­le­ção pa­ra pro­gres­so nu­ma ca­rac­te­rís­ti­ca irá im­pli­car um re­tro­ces­so nou­tra.

Mé­to­do dos li­mi­a­res in­de­pen­den­tes

Aqui, a se­le­ção é efe­tu­a­da pa­ra dois ou mais ca­rac­te­res em si­mul­tâ­neo. De­ter­mi­na-se co­mo obri­ga­tó­rio pa­ra que um ani­mal se­ja uti­li­za­do na reprodução que ele te­nha um re­sul­ta­do mí­ni­mo em ca­da um dos tra­ços pa­ra que se­ja uti­li­za­do na reprodução. Es­te mé­to­do tem van­ta­gens so­bre o mé­to­do em tan­dem, por ser apli­ca­do a mais que uma ca­rac­te­rís­ti­ca ao mes­mo tem­po. No en­tan­to, pe­lo fac­to de se im­por um va­lor de qua­li­da­de mí­ni­mo a ca­da um dos ca­rac­te­res em si­mul­tâ­neo, po­de le­var a que se eli­mi­nem exem­pla­res de ele­va­do mé­ri­to em al­guns tra­ços, por não cum­pri­rem os mí­ni­mos nou­tros.

Mé­to­do dos ín­di­ces de se­le­ção

Im­pli­ca a de­ter­mi­na­ção do va­lor de ca­da uma das ca­rac­te­rís­ti­cas a se­le­ci­o­nar de for­ma in­de­pen­den­te. Es­tes va­lo­res são de­pois adi­ci­o­na­dos, ob­ten­do-se um ín­di­ce re­la­ti­vo a es­te so­ma­tó­rio. Os in­di­ví­du­os com um va­lor de ín­di­ce mais ele­va­do irão en­tão ser uti­li­za­dos pre­fe­ren­ci­al­men­te na reprodução. O pe­so que ca­da ca­rác­ter vai ter irá de­pen­der de vá­ri­os fa­to­res, co­mo a sua im­por­tân­cia, a sua he­ri­ta­bi­li­da­de, cor­re­la­ção ge­né­ti­ca com ou­tros ca­rac­te­res, etc. Adi­ci­o­nal­men­te, o va­lor do ín­di­ce atri­buí­do a um ani­mal po­de­rá va­ri­ar ao lon­go do tem­po, à me­di­da que vai ha­ven­do ca­da vez mais in­for­ma­ção dis­po­ní­vel so­bre o seu va­lor e so­bre os seus as­cen­den­tes, co­la­te­rais e des­cen­den­tes, o que per­mi­te ir atu­a­li­zan­do o re­al po­ten­ci­al re­pro­du­ti­vo do ani­mal. Os ín­di­ces de se­le­ção são mais efi­ci­en­tes que o mé­to­do dos li­mi­a­res in­de­pen­den­tes, pois per­mi­tem que in­di­ví­du­os que se des­ta­quem em al­gu­mas ca­rac­te­rís­ti­cas se­jam uti­li­za­dos na reprodução, mes­mo que se­jam al­go in­fe­ri­o­res nou­tras.

Os di­fe­ren­tes ti­pos de cru­za­men­tos têm im­pac­tos di­fe­ren­tes pa­ra as ne­ces­si­da­des do cri­a­dor e da raça. Co­nhe­ças as su­as van­ta­gens e des­van­ta­gens

EFI­CÁ­CIA DA SE­LE­ÇÃO

A cor­re­ta se­le­ção dos animais a uti­li­zar na cri­a­ção é fun­da­men­tal pa­ra um tra­ba­lho efi­caz. No en­tan­to, di­fe­ren­tes fa­to­res vão in­flu­en­ci­ar a sua efi­ci­ên­cia.

Di­fe­ren­ci­al de se­le­ção

O di­fe­ren­ci­al de se­le­ção é a di­fe­ren­ça, pa­ra uma da­da ca­rac­te­rís­ti­ca, en­tre a mé­dia dos in­di­ví­du­os da po­pu­la­ção e a mé­dia dos in­di­ví­du­os se­le­ci­o­na­dos pa­ra reprodutores. Em ge­ral, qu­an­to mai­or for o di­fe­ren­ci­al, mai­or o pro­gres­so que se po­de­rá es­pe­rar ob­ter com a se­le­ção. O nú­me­ro de ca­rac­te­res pa­ra os quais se es­tá a se­le­ci­o­nar ten­de a re­du­zir o ta­ma­nho do di­fe­ren­ci­al de se­le­ção pa­ra qual­quer ca­rác­ter, uma vez que um in­di­ví­duo po­de ser su­pe­ri­or num ca­rác­ter mas in­fe­ri­or nou­tro; é mais di­fí­cil en­con­trar um ani­mal que se­ja si­mul­ta­ne­a­men­te su­pe­ri­or pa­ra vá­ri­as ca­rac­te­rís­ti­cas que pa­ra uma úni­ca.

He­ri­ta­bi­li­da­de

A he­ri­ta­bi­li­da­de diz res­pei­to à pro­por­ção da va­ri­a­ção do ca­rac­ter na po­pu­la­ção que po­de ser atri­buí­da à ação cu­mu­la­ti­va de vá­ri­os ge­nes, ou se­ja, dá ideia da sua “trans­mis­si­bi­li­da­de”. Não diz res­pei­to à ba­se ge­né­ti­ca do tra­ço em si, mas sim à ba­se ge­né­ti­ca ou am­bi­en­tal da va­ri­a­ção do tra­ço na po­pu­la­ção. Qu­an­to mai­or for a he­ri­ta­bi­li­da­de de um ca­rác­ter, mais es­sa va­ri­a­ção é de­vi­da a uma ba­se ge­né­ti­ca; qu­an­to me­nor for a sua he­ri­ta­bi­li­da­de, mai­or é a in­fluên­cia do am­bi­en­te em que o ani­mal é cri­a­do e vi­ve na ex­pres­são da va­ri­a­ção des­se tra­ço. Co­mo se­rá de es­pe­rar, o pro­gres­so que se con­se­gue re­a­li­zar com a se­le­ção irá es­tar con­di­ci­o­na­do pe­la he­ri­ta­bi­li­da­de da ca­rac­te­rís­ti­ca.

TI­POS DE CRU­ZA­MEN­TOS

Os ti­pos de cru­za­men­tos ba­se­a­dos na aná­li­se dos an­ces­trais dos po­ten­ci­ais reprodutores as­su­mem di­fe­ren­tes no­mes con­so­an­te o grau de re­la­ci­o­na­men­to que exis­ta en­tre eles.

Cru­za­men­tos con­san­guí­ne­os (in­bre­e­ding)

A con­san­gui­ni­da­de de­fi­ne-se co­mo sen­do um sis­te­ma de aca­sa­la­men­to em que se pro­du­zem des­cen­den­tes atra­vés de pro­ge­ni­to­res que es­tão mais in­ti­ma­men­te apa­ren­ta­dos do que a mé­dia da po­pu­la­ção da qual pro­vêm. Ou se­ja, os in­di­ví­du­os usa­dos no aca­sa­la­men­to pos­su­em al­gum pa­ren­tes­co en­tre si (pos­su­em um ou mais an­te­pas­sa­dos em co­mum), su­pe­ri­or ao pa­ren­tes­co mé­dio en­tre os in­di­ví­du­os da sua raça. Tem a van­ta­gem de au­men­tar a ho­mo­zi­go­tia dos in­di­ví­du­os, le­van­do as­sim a uma mai­or uni­for­mi­da­de das ca­rac­te­rís­ti­cas nos in­di­ví­du­os e per­mi­tin­do a de­te­ção de pro­ble­mas ge­né­ti­cos re­ces­si­vos que exis­tam (não cria pro­ble­mas no­vos, mas re­ve­la o que já exis­te la­ten­te no pa­tri­mó­nio ge­né­ti­co da po­pu­la­ção). Co­mo des­van­ta­gens, tem a di­mi­nui­ção da va­ri­a­bi­li­da­de ge­né­ti­ca, da vi­a­bi­li­da­de, da fer­ti­li­da­de, do vi­gor e da ca­pa­ci­da­de pro­du­ti­va dos in­di­ví­du­os mui­to con­san­guí­ne­os. Os cru­za­men­tos nor­mal­men­te são con­si­de­ra­dos con­san­guí­ne­os quan­do o an­ces­tral co­mum ao pai e à mãe é par­ti­lha­do na 1ª ou na 2ª ge­ra­ções – por exem­plo, aca­sa­la­men­tos en­tre pais e fi­lhos, en­tre ir­mãos ou, even­tu­al­men­te, en­tre avôs e ne­tos.

Cru­za­men­tos em li­nha (li­ne­bre­e­ding)

Ape­sar de, não exis­tir uma di­fe­ren­ça es­tri­ta en­tre es­te ti­po e o an­te­ri­or – am­bos re­cor­rem à con­san­gui­ni­da­de. Con­si­de­ra-se co­mo li­ne­bre­e­ding o cru­za­men­to no qual o an­ces­tral par­ti­lha­do pe­lo pai e pe­la mãe es­tá nu­ma ge­ra­ção um pou­co mais dis­tan­te. Os efei­tos ge­né­ti­cos são os mes­mos em am­bos os cru­za­men­tos, pe­lo que as van­ta­gens e des­van­ta­gens da con­san­gui­ni­da­de irão tam­bém ocor­rer no cru­za­men­to em li­nha, em­bo­ra po­ten­ci­al­men­te não tão ra­pi­da­men­te, por o pa­ren­tes­co não ser tão es­trei­to.

Cru­za­men­to aber­to (out­cross)

Nes­te ca­so, aca­sa­lam-se animais da mes­ma raça que não são apa­ren­ta­dos en­tre si. Os efei­tos ge­né­ti­cos são os opos­tos aos da con­san­gui­ni­da­de – au­men­ta-se a he­ter­zi­go­tia e, em con­sequên­cia, di­mi­nui-se a uni­for­mi­da­de en­tre os in­di­ví­du­os. Nes­te ti­po de cru­za­men­to, ca­da um dos pro­ge­ni­to­res até po­de, ele pró­prio, ser con­san­guí­neo; o im­por­tan­te é que o pai e a mãe não par­ti­lhem an­ces­trais co­muns en­tre eles.

Cru­za­men­to de ra­ças (cross-bre­e­ding)

O re­cur­so a es­te ti­po de cru­za­men­to é nor­mal­men­te o meio pa­ra es­ta­be­le­cer uma am­pla ba­se ge­né­ti­ca pa­ra a for­ma­ção de no­vas ra­ças ou pa­ra a re­cu­pe­ra­ção de ra­ças exis­ten­tes. Es­te cru­za­men­to ini­ci­al é de­pois ti­pi­ca­men­te se­gui­do por con­san­gui­ni­da­de e se­le­ção em re­la­ção às ca­rac­te­rís­ti­cas de­se­ja­das, até se ob­ter o ti­po de­se­ja­do, ou por re­tro­cru­za­men­to (back­cross), em que os in­di­ví­du­os oriun­dos do cru­za­men­to en­tre ra­ças são aca­sa­la­dos com uma das ra­ças ori­gi­nais.

RA­ÇAS SÃO PO­PU­LA­ÇÕES GE­NE­TI­CA­MEN­TE REDUZIDAS

Uma raça, tec­ni­ca­men­te, é um gru­po de animais dis­tin­to dos res­tan­tes gru­pos da mes­ma es­pé­cie, que se re­pro­duz en­tre si dan­do ori­gem a in­di­ví­du­os se­me­lhan­tes a si pró­pri­os. O fac­to de se es­tar a tra­ba­lhar com um gru­po re­du­zi­do de animais – a po­pu­la­ção de uma raça, por mui­to abun­dan­te que se­ja, é uma go­ta de água no uni­ver­so de exem­pla­res da es­pé­cie

– le­va à ne­ces­si­da­de de se co­nhe­ce­rem os ris­cos as­so­ci­a­dos a po­pu­la­ções pe­que­nas, pois is­to tam­bém irá in­flu­en­ci­ar e con­di­ci­o­nar as de­ci­sões a to­mar. Is­to é ain­da mais im­por­tan­te ten­do em con­si­de­ra­ção que ti­pi­ca­men­te ape­nas 20%, ou me­nos, dos in­di­ví­du­os de uma raça se re­pro­duz. As­sim, um cri­a­dor de­ve sem­pre pe­sar os seus in­te­res­ses pes­so­ais con­tra o es­ta­do e as ne­ces­si­da­des da raça.

Ta­ma­nho efe­ti­vo da po­pu­la­ção

É o nú­me­ro de in­di­ví­du­os reprodutores de uma po­pu­la­ção ide­al que le­va­ria à mes­ma dis­per­são de frequên­ci­as alé­li­cas atra­vés de de­ri­va ge­né­ti­ca ale­a­tó­ria ou ao mes­mo ní­vel de con­san­gui­ni­da­de que a da po­pu­la­ção em ques­tão. De in­te­res­se prá­ti­co pa­ra o cri­a­dor, é o nú­me­ro mí­ni­mo de in­di­ví­du­os que ori­gi­na­ria a mes­ma ta­xa de con­san­gui­ni­da­de que a que ocor­re na po­pu­la­ção em aná­li­se. O ta­ma­nho efe­ti­vo tem em con­si­de­ra­ção não só o ta­ma­nho re­al da po­pu­la­ção, mas tam­bém a sua his­tó­ria ao lon­go do tem­po, e é nor­mal­men­te di­fe­ren­te (e me­nor!) que o da po­pu­la­ção exis­ten­te.

Flu­tu­a­ções de­mo­grá­fi­cas

As flu­tu­a­ções de­mo­grá­fi­cas são as va­ri­a­ções mais ou me­nos ale­a­tó­ri­as do efe­ti­vo, do nú­me­ro de ma­chos e fê­me­as, etc., ao lon­go do tem­po. Po­dem ter um im­pac­to re­le­van­te ao lon­go do tem­po em po­pu­la­ções pe­que­nas, se du­ran­te um lon­go pe­río­do nas­ce­rem pou­cos in­di­ví­du­os, ou mor­re­rem mais do que os que nas­cem.

De­ri­va ge­né­ti­ca

Em po­pu­la­ções pe­que­nas, em ca­da ge­ra­ção há a pro­ba­bi­li­da­de de se per­de­rem ale­los ra­ros por me­ro aca­so, ape­nas pe­la flu­tu­a­ção e va­ri­a­bi­li­da­de dos in­di­ví­du­os que se re­pro­du­zem. A es­te fe­nó­me­no dá-se o no­me de de­ri­va ge­né­ti­ca, e ocor­re por­que a pro­ba­bi­li­da­de que um da­do in­di­ví­duo com um ale­lo es­pe­cí­fi­co e ra­ro se re­pro­du­za é bai­xa.

Bot­tle­necks ge­né­ti­cos

Os bot­tle­necks ge­né­ti­cos ou gar­ga­los ge­né­ti­cos ocor­rem quan­do uma po­pu­la­ção vê o seu ta­ma­nho se­ve­ra­men­te re­du­zi­do por um qual­quer even­to que di­zi­me dras­ti­ca­men­te a mai­o­ria dos seus in­di­ví­du­os (co­mo a II Guer­ra Mun­di­al pa­ra vá­ri­as ra­ças ca­ni­nas). Um ca­so par­ti­cu­lar des­tes bot­tle­necks é o de­no­mi­na­do efei­to fun­da­dor, que ocor­re quan­do al­guns in­di­ví­du­os aban­do­nam a po­pu­la­ção ori­gi­nal pa­ra es­ta­be­le­cer uma no­va po­pu­la­ção/raça. Quan­do ocor­re uma di­mi­nui­ção drás­ti­ca do ta­ma­nho de uma po­pu­la­ção, além da per­da de va­ri­a­bi­li­da­de ge­né­ti­ca e os pro­ble­mas que is­so acar­re­ta, exis­te uma ele­va­da pro­ba­bi­li­da­de de per­da de ale­los ra­ros, pois é pro­vá­vel que os so­bre­vi­ven­tes não os pos­su­am. Com me­nos ale­los e uma re­du­ção na

Di­fe­ren­tes ti­pos ra­ci­ais e/ou mor­fo­ló­gi­cos es­tão su­jei­tos a di­fe­ren­tes pa­to­lo­gi­as. Des­pis­tá-las an­tes da cri­a­ção é fun­da­men­tal pa­ra aju­dar a re­du­zir a sua in­ci­dên­cia

he­te­ro­zi­go­tia (uma re­du­ção de ale­los di­fe­ren­tes nos ge­nes de ca­da in­di­ví­duo), por au­men­to da con­san­gui­ni­da­de, ocor­re a re­du­ção da vi­a­bi­li­da­de (fit­ness) dos in­di­ví­du­os da po­pu­la­ção. Mes­mo que pos­te­ri­or­men­te ocor­ra uma re­cu­pe­ra­ção do efe­ti­vo po­pu­la­ci­o­nal ori­gi­nal, a per­da de ale­los não é re­cu­pe­ra­da, uma vez que es­tes não es­ta­vam pre­sen­tes nos in­di­ví­du­os ori­gi­nais.

Au­men­to da con­san­gui­ni­da­de

Em po­pu­la­ções ge­ne­ti­ca­men­te pe­que­nas ocor­re tam­bém mais fa­cil­men­te o au­men­to da con­san­gui­ni­da­de, pe­lo que ocor­re uma di­mi­nui­ção da va­ri­a­bi­li­da­de ge­né­ti­ca da po­pu­la­ção to­tal. E se não hou­ver di­ver­si­da­de, a raça não po­de evo­luir, es­tag­na no pon­to on­de es­tá. Adi­ci­o­nal­men­te, mui­tas das ve­zes, não sa­be­mos pa­ra que ser­vem os ge­nes e/ou ale­los em ques­tão, se po­de­rão ou não ter um con­tri­bu­to po­si­ti­vo. Por exem­plo, a per­da de di­ver­si­da­de ge­né­ti­ca po­de le­var à per­da de ca­pa­ci­da­de de com­ba­ter no­vas agres­sões ex­te­ri­o­res ou in­fe­ções, de se adap­tar a no­vos am­bi­en­tes, etc.

REPRODUTORES PO­PU­LA­RES

Os cha­ma­dos reprodutores po­pu­la­res são animais uti­li­za­dos pre­fe­ren­ci­al­men­te em reprodução ma­ci­ça, em de­tri­men­to de nu­me­ro­sos ou­tros, ti­pi­ca­men­te por se des­ta­ca­rem no seu cam­po de de­sem­pe­nho, pe­lo que to­dos de­se­jam cru­zar com eles. São um dos gran­des res­pon­sá­veis pe­la re­du­ção do ta­ma­nho efe­ti­vo das po­pu­la­ções e pe­la per­da de va­ri­a­bi­li­da­de ge­né­ti­ca nas ra­ças. Ape­sar de a uti­li­za­ção de reprodutores de gran­de des­ta­que pos­sa pa­re­cer a me­lhor so­lu­ção a cur­to pra­zo pa­ra o cri­a­dor (pro­gres­sos mais rá­pi­dos em di­re­ção a es­se ti­po e, lo­go, mai­or vi­si­bi­li­da­de/ no­to­ri­e­da­de), a ní­vel po­pu­la­ci­o­nal, os efei­tos são po­ten­ci­al­men­te de­vas­ta­do­res. Fre­quen­te­men­te a in­ten­si­da­de da uti­li­za­ção de um re­pro­du­tor po­pu­lar na cri­a­ção é tal que quan­do se des­co­bre que es­tá a trans­mi­tir al­go po­ten­ci­al­men­te ne­fas­to já exis­tem nu­me­ro­sos animais pro­du­zi­dos, afe­ta­dos ou por­ta­do­res. Por ou­tro la­do, a uti­li­za­ção in­ten­si­va de um nú­me­ro mui­to re­du­zi­do de animais vai ex­cluir os ou­tros po­ten­ci­ais can­di­da­tos à reprodução. Is­to re­duz subs­tan­ci­al­men­te o ta­ma­nho efe­ti­vo da po­pu­la­ção, a sua va­ri­a­bi­li­da­de ge­né­ti­ca, e le­va a um au­men­to da con­san­gui­ni­da­de, pois a des­cen­dên­cia pro­du­zi­da é to­da apa­ren­ta­da en­tre si, re­du­zin­do as op­ções fu­tu­ras de cru­za­men­to en­tre in­di­ví­du­os não re­la­ci­o­na­dos. Foi es­ti­ma­do que mais de 90% de va­ri­an­tes ge­né­ti­cas úni­cas de­sa­pa­re­cem em seis ge­ra­ções, de­vi­do à uti­li­za­ção de reprodutores po­pu­la­res.

DES­PIS­TES DE SAÚ­DE

Não há in­di­ví­duo ne­nhum, pes­soa ou ani­mal, que se­ja per­fei­to sob qual­quer pon­to de vis­ta. To­dos são por­ta­do­res de ca­rac­te­rís­ti­cas úteis e de ca­rac­te­rís­ti­cas in­de­se­já­veis. Es­tas úl­ti­mas mui­tas ve­zes são di­fí­ceis de de­te­tar, por só ocor­re­rem em ho­mo­zi­go­tia (no ca­so de tra­ços co­di­fi­ca­dos por um ge­ne), re­que­re­rem com­bi­na­ções ge­né­ti­cas es­pe­cí­fi­cas (no ca­so de pa­to­lo­gi­as co­di­fi­ca­das por vá­ri­os ge­nes), por ape­nas se ma­ni­fes­ta­rem em fa­ses mais tar­di­as da vi­da do exem­plar (ti­pi­ca­men­te de­pois de ter já en­tra­do em reprodução), etc.

Co­mo se­gu­ra­men­te nin­guém quer cri­ar animais afe­ta­dos por al­gum pro­ble­ma, so­bre­tu­do um evi­tá­vel, efe­tu­ar des­pis­tes de saú­de é uma ne­ces­si­da­de bá­si­ca pa­ra qual­quer cri­a­dor – mes­mo que se es­te­ja “ape­nas” a pro­du­zir animais sem raça de­fi­ni­da ou a cru­zar ra­ças di­fe­ren­tes. Es­tes exa­mes não são mais que for­mas de pro­cu­rar de­te­tar, o mais pre­co­ce­men­te pos­sí­vel, po­ten­ci­ais pro­ble­mas de ba­se ge­né­ti­ca que o in­di­ví­duo pos­sa ter, pa­ra fa­ci­li­tar a ges­tão da sua uti­li­za­ção (ou não) en­quan­to re­pro­du­tor. O ti­po de des­pis­te va­ria con­so­an­te o pro­ble­ma em ques­tão. Quan­do a ba­se ge­né­ti­ca é co­nhe­ci­da e re­la­ti­va­men­te sim­ples, po­de-se fa­zer tes­tes ge­né­ti­cos; nos ou­tros ca­sos, recorre-se a exa­mes clí­ni­cos, que de­vem ser fei­tos a par­tir de de­ter­mi­na­da ida­de e/ou re­pe­ti­dos re­gu­lar­men­te.

PEN­SE BEM

O re­cur­so a reprodutores po­pu­la­res po­de pa­re­cer van­ta­jo­so pa­ra o cri­a­dor, mas pa­ra a raça ten­de a ter mais con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas que po­si­ti­vas

Cri­ar bem não é fá­cil. Des­de a es­co­lha dos animais a usar, a to­dos os tes­tes que se de­vem fa­zer, ao tre­men­do in­ves­ti­men­to fi­nan­cei­ro que re­quer (ma­nu­ten­ção dos animais, exa­mes, cru­za, ali­men­ta­ção es­pe­cí­fi­ca, va­ci­na­ções, des­pa­ra­si­ta­ções, mi­cro­chi­pa­gem, re­gis­tos, etc., etc.), à gran­de exi­gên­cia a ní­vel de tem­po (pa­ra cui­dar dos animais reprodutores, pa­ra cri­ar, edu­car e so­ci­a­li­zar os ca­chor­ros, etc.), à res­pon­sa­bi­li­da­de de es­co­lher as fa­mí­li­as ide­ais e as­su­mir o ris­co de ter animais de­vol­vi­dos em qual­quer al­tu­ra (nun­ca se sa­be as vol­tas que a vi­da dá), ca­da ni­nha­da é um com­pro­mis­so pa­ra a vi­da des­ses animais. Es­tá-se a pôr no­vas vi­das no mun­do, pe­lo que se de­ve fa­zer o pos­sí­vel pa­ra lhes dar o me­lhor iní­cio pos­sí­vel e as me­lho­res pos­si­bi­li­da­des de um lon­go e sau­dá­vel fu­tu­ro, pro­cu­ran­do ob­ter me­lhor que a ge­ra­ção an­te­ri­or. Pen­se bem, se­ja ob­je­ti­vo, so­bre se de­ve re­pro­du­zir os seus exem­pla­res. Irão con­tri­buir pa­ra os seus ob­je­ti­vos? E os seus ob­je­ti­vos não irão co­li­dir com as ne­ces­si­da­des re­ais da sua raça?

Uma ni­nha­da “por­que sim”

Se for um “me­ro” pro­pri­e­tá­rio que quer fa­zer uma ni­nha­da “por­que sim”, es­que­ça o ar­gu­men­to do “ah, mas eu não sou cri­a­dor, não que­ro ga­nhar di­nhei­ro, fa­ço is­to por amor, e por­que acho que a mi­nha ca­de­la ia gos­tar”. Em pri­mei­ro lu­gar, a reprodução não é, de to­do, uma ne­ces­si­da­de pa­ra os cães, nem eles têm se­quer os pro­ces­sos men­tais que lhes per­mi­tam pen­sar nis­so ou fi­car de­pri­mi­dos se não o fi­ze­rem, a reprodução pa­ra eles é um me­ro ato ins­tin­ti­vo. Os re­fú­gi­os es­tão chei­os de cães pro­du­zi­dos nes­tas cir­cuns­tân­ci­as, sem cui­da­dos e sem acau­te­lar as ne­ces­si­da­des dos exem­pla­res que se re­sol­veu pôr no mun­do. Em se­gun­do lu­gar, a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos cri­a­do­res de­di­ca­dos e res­pon­sá­veis fa­zem-no efe­ti­va­men­te por amor, de­pois de lon­gos anos a es­tu­dar a fun­do a sua raça, e sa­bem que a cri­a­ção é de fac­to um sor­ve­dor de di­nhei­ro, não um ge­ra­dor de ren­di­men­tos. Em ter­cei­ro lu­gar, e sal­vo o ca­so de ra­ças ra­ras, a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos animais de uma raça apa­re­cem não gra­ças a cri­a­do­res sé­ri­os, mas pe­la mão de pro­du­to­res e de inú­me­ros “cu­ri­o­sos” que ape­nas que­rem fa­zer uma ni­nha­da “por­que sim”. Lo­go, to­dos são res­pon­sá­veis pe­la qua­li­da­de, com­por­ta­men­to e saú­de da raça. O fac­to de ser “ape­nas” um do­no de cão não o ili­ba das su­as res­pon­sa­bi­li­da­des na cri­a­ção.

Nos pró­xi­mos me­ses

Es­tá se­gu­ro que, de­pois de pon­de­rar bem to­dos os as­pe­tos re­la­ti­vos à es­co­lha dos reprodutores, po­de e tem con­du­ções pa­ra pro­du­zir uma ni­nha­da? En­tão nos pró­xi­mos me­ses ire­mos ver as­pe­tos mais prá­ti­cos da cri­a­ção.

Cri­ar não é fa­zer fo­to­có­pi­as, é pro­cu­rar me­lho­rar o que já exis­te.

Se ape­nas quer ob­ter um cão de com­pa­nhia ge­né­ri­co, não se­rá pre­fe­rí­vel ir bus­cá-lo a um re­fú­gio?

Se­ja ob­je­ti­vo quan­do to­ma a de­ci­são de cri­ar. Nem to­dos os animais têm al­go de po­si­ti­vo a con­tri­buir pa­ra as ge­ra­ções fu­tu­ras.

Cri­ar bem re­quer co­nhe­ci­men­to, tem­po e di­nhei­ro. Não se aven­tu­re se não tem dis­po­ni­bi­li­da­de.

Na cri­a­ção há que pon­de­rar os in­te­res­ses in­di­vi­du­ais do cri­a­dor e as ne­ces­si­da­des da raça. Pa­ra a pre­ser­va­ção da raça a pra­zo, o cri­a­dor tem de ter em con­si­de­ra­ção tam­bém o que os res­tan­tes cri­a­do­res es­tão a fa­zer.

To­dos os que pro­du­zem uma ni­nha­da têm im­pac­to na raça - tan­to os cri­a­do­res “a sé­rio” co­mo os par­ti­cu­la­res. Não ser “cri­a­dor” não é ra­zão pa­ra se es­cu­sar às su­as res­pon­sa­bi­li­da­des.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.