Es­te­ri­li­za­ção de ga­tos e de cães: Tu­do o que pre­ci­sa sa­ber

Tu­do o que pre­ci­sa de sa­ber

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

A es­te­ri­li­za­ção dos ga­tos e dos cães tem vá­ri­as van­ta­gens tan­to pa­ra o ani­mal co­mo pa­ra o do­no, mas ain­da sus­ci­ta al­gu­mas dú­vi­das às quais pro­cu­ra­mos dar res­pos­ta nes­te ar­ti­go.

Aes­te­ri­li­za­ção é um mé­to­do ci­rúr­gi­co atra­vés do qual o Mé­di­co Ve­te­ri­ná­rio re­ti­ra os ór­gãos reprodutores: nas fê­me­as, os ová­ri­os e o úte­ro (ova­ri­ohis­te­rec­to­mia); e nos ma­chos, os tes­tí­cu­los (or­qui­ec­to­mia). In­ter­ven­ção que se des­ti­na a im­pe­dir a reprodução.

Van­ta­gens da Es­te­ri­li­za­ção pa­ra o Ani­mal

A es­te­ri­li­za­ção eli­mi­na os prin­ci­pais pro­ble­mas clí­ni­cos pas­sí­veis de afe­tar o sis­te­ma re­pro­du­tor e di­mi­nui os ris­cos de do­en­ças con­ta­gi­o­sas e de aci­den­tes. Por es­se mo­ti­vo, a es­pe­ran­ça de vi­da dos animais es­te­ri­li­za­dos du­pli­ca!

A es­te­ri­li­za­ção evi­ta o ris­co de do­en­ças do sis­te­ma re­pro­du­tor

A fê­mea não es­te­ri­li­za­da es­tá ex­pos­ta a de­ter­mi­na­das do­en­ças, no­me­a­da­men­te, par­tos di­fí­ceis, quis­tos ová­ri­cos, in­fe­ções ute­ri­nas (me­tri­te, pió­me­tra) e tu­mo­res ma­má­ri­os, 90% dos quais são can­ce­rí­ge­nos! A ova­ri­ohis­te­rec­to­mia pre­co­ce pro­te­ge per­ma­nen­te­men­te a fê­mea con­tra to­dos es­tes ris­cos mé­di­cos. Os tu­mo­res das glân­du­las pe­ri­a­nais (jun­to do ânus) são mais fre­quen­tes nos cães do que nas ca­de­las. Mais de 95% dos ma­chos com es­ta pa­to­lo­gia fi­cam cu­ra­dos após a es­te­ri­li­za­ção. A hi­per­pla­sia da prós­ta­ta é uma do­en­ça be­nig­na fre­quen­te em cães não es­te­ri­li­za­dos. Tam­bém nes­ta si­tu­a­ção, a es­te­ri­li­za­ção tem um efei­to cu­ra­ti­vo. Nos cães, os tu­mo­res tes­ti­cu­la­res são co­muns, so­bre­tu­do a par­tir dos 10 anos de ida­de, ocor­ren­do so­bre­tu­do em cães crip­torquí­de­os (com um tes­tí­cu­lo re­co­lhi­do na ca­vi­da­de ab­do­mi­nal). Nes­tes ca­sos, a es­te­ri­li­za­ção de­ve ser re­a­li­za­da o mais ce­do pos­sí­vel.

A es­te­ri­li­za­ção di­mi­nui o ris­co de aci­den­tes

Es­ti­mu­la­dos pe­lo seu ins­tin­to sexual, ga­tos e cães não es­te­ri­li­za­dos têm ten­dên­cia a fu­gir, por ve­zes du­ran­te di­ver­sos di­as. No de­cur­so des­sa “aven­tu­ra”, po­dem so­frer aci­den­tes de vi­a­ção, in­to­xi­ca­ções e di­ver­sos trau­ma­tis­mos na sequên­cia de con­fron­tos com ou­tros animais (mor­de­du­ras, ar­ra­nha­de­las, etc.) ou até le­var um ti­ro de um vi­zi­nho mais en­fu­re­ci­do! Em con­tra­par­ti­da, os animais es­te­ri­li­za­dos não se afas­tam mui­to de ca­sa e, co­mo tal, es­tão me­nos ex­pos­tos a es­se ti­po de aci­den­tes.

A es­te­ri­li­za­ção re­duz o ris­co de do­en­ças con­ta­gi­o­sas, es­pe­ci­al­men­te nos ga­tos

Atra­vés do con­tac­to di­re­to com um con­gé­ne­re in­fe­ta­do, os ga­tos po­dem con­trair do­en­ças con­ta­gi­o­sas mor­tais, co­mo a leu­co­se fe­li­na (FELV), trans­mi­ti­da atra­vés de lam­bi­de­las ou por via sexual du­ran­te o aca­sa­la­men­to, e a imu­no­de­fi­ci­ên­cia fe­li­na (FIV), trans­mi­ti­da prin­ci­pal­men­te por mor­de­du­ras. Atu­al­men­te, ape­nas se en­con­tra dis­po­ní­vel a va­ci­na an­ti-leu­co­se. Fa­ce ao ris­co de FIV, a es­te­ri­li­za­ção cons­ti­tui a pre­ven­ção mais efi­caz, pois di­mi­nui o nú­me­ro de con­tac­tos que po­dem con­du­zir ao con­tá­gio.

Van­ta­gens da Es­te­ri­li­za­ção pa­ra o do­no

A es­te­ri­li­za­ção evi­ta ni­nha­das in­de­se­ja­das e per­mi­te con­tro­lar as po­pu­la­ções de animais. Além dis­so, com­por­ta a enor­me van­ta­gem de su­pri­mir os com­por­ta­men­tos se­xu­ais, tan­to do ma­cho, co­mo da fê­mea, que cons­ti­tu­em uma fon­te de pro­ble­mas pa­ra os do­nos.

A es­te­ri­li­za­ção é um mé­to­do ci­rúr­gi­co atra­vés do qual o mé­di­co ve­te­ri­ná­rio re­ti­ra os ór­gãos reprodutores

A es­te­ri­li­za­ção evi­ta ni­nha­das in­de­se­ja­das

De um mo­do ge­ral, os do­nos de fê­me­as que­rem evi­tar aca­sa­la­men­tos aci­den­tais. Nes­ta si­tu­a­ção, a es­te­ri­li­za­ção é o mé­to­do ide­al. A con­tra­ce­ção com fár­ma­cos apre­sen­ta inú­me­ros ris­cos, no­me­a­da­men­te, de de­sen­vol­vi­men­to de tu­mo­res, in­fe­ções ute­ri­nas, hi­per­pla­sia do en­do­mé­trio e hi­per­pla­sia quís­ti­ca da ma­ma. A gra­vi­dez psi­co­ló­gi­ca (pseu­do­ges­ta­ção) ocor­re de­vi­do a um de­se­qui­lí­brio de du­as hor­mo­nas: a pro­lac­ti­na e a pro­ges­te­ro­na. Con­tu­do, ou­tros fa­to­res tam­bém po­dem con­tri­buir pa­ra que ocor­ra uma gra­vi­dez psi­co­ló­gi­ca, tais co­mo, mu­dan­ças na ro­ti­na diá­ria, a sau­da­de ou a ca­rên­cia. Os si­nais fí­si­cos são idên­ti­cos aos de uma ver­da­dei­ra ges­ta­ção, sen­do a es­te­ri­li­za­ção o tra­ta­men­to mais in­di­ca­do e efi­caz.

A es­te­ri­li­za­ção su­pri­me o com­por­ta­men­to sexual

Na ga­ta, o pe­río­do de cio ma­ni­fes­ta-se atra­vés de pos­tu­ras es­pe­cí­fi­cas e, so­bre­tu­do, por vo­ca­li­za­ções de gran­de so­no­ri­da­de, tan­to de dia co­mo de noi­te. A có­pu­la de­sen­ca­deia a ovu­la­ção e a in­ter­rup­ção do cio. Na au­sên­cia de um ma­cho, o pe­río­do de cio po­de du­rar mais de uma se­ma­na e após um re­pou­so sexual, va­riá­vel con­so­an­te a raça, ini­cia-se um no­vo ci­clo que se re­pe­te vá­ri­as ve­zes ao ano. A es­te­ri­li­za­ção su­pri­me de ime­di­a­to e per­ma­nen­te­men­te es­te con­jun­to de ma­ni­fes­ta­ções. No ma­cho não es­te­ri­li­za­do, a mar­ca­ção uri­ná­ria es­tá li­ga­da à ati­vi­da­de sexual: o ga­to pro­je­ta ja­tos de uri­na em su­per­fí­ci­es ver­ti­cais pa­ra de­li­mi­tar o seu ter­ri­tó­rio. O odor in­ten­so da uri­na cons­ti­tui um si­nal ol­fa­ti­vo pa­ra os seus con­gé­ne­res. No en­tan­to, pa­ra os do­nos re­pre­sen­ta uma fon­te de gran­des trans­tor­nos! Além dis­so, em pre­sen­ça de uma ga­ta em cio, o com­por­ta­men­to re­pro­du­ti­vo dá ori­gem a con­fron­tos en­tre os ma­chos, acom­pa­nha­dos de vo­ca­li­za­ções. De uma for­ma ge­ral, a cas­tra­ção eli­mi­na es­tes com­por­ta­men­tos e ate­nua o odor da uri­na. Na ca­de­la, nor­mal­men­te, o cio ocor­re du­as ve­zes por ano. Ca­rac­te­ri­za-se por cor­ri­men­to san­gui­no­len­to e atra­ção de to­dos os ma­chos das re­don­de­zas, obri­gan­do o do­no a re­co­lher a ca­de­la em ca­sa du­ran­te es­te pe­río­do. A es­te­ri­li­za­ção as­se­gu­ra uma mai­or tran­qui­li­da­de ao do­no.

Con­sequên­ci­as da es­te­ri­li­za­ção

A es­te­ri­li­za­ção mul­ti­pli­ca o ris­co de ex­ces­so de pe­so por 3,4x nos ga­tos e 2x nos cães

A es­te­ri­li­za­ção pro­vo­ca uma al­te­ra­ção das se­cre­ções hor­mo­nais. Por es­te mo­ti­vo, após a ci­rur­gia, as ne­ces­si­da­des ener­gé­ti­cas do ga­to di­mi­nu­em 30% e o seu ape­ti­te au­men­ta 20%. Al­guns ga­tos fi­cam com um ape­ti­te in­sa­ciá­vel. No ca­so dos cães, a es­te­ri­li­za­ção con­duz a uma di­mi­nui­ção das ne­ces­si­da­des ener­gé­ti­cas (- 30%) e a um au­men­to do con­su­mo ali­men­tar (+ 30%). Por es­te mo­ti­vo, a es­te­ri­li­za­ção pre­dis­põe a um au­men­to de pe­so rá­pi­do e sig­ni­fi­ca­ti­vo. Os dois pri­mei­ros me­ses após a es­te­ri­li­za­ção são os mais crí­ti­cos no que diz res­pei­to ao pos­sí­vel au­men­to de pe­so. Se a ali­men­ta­ção do ani­mal não for adap­ta­da ime­di­a­ta­men­te após a es­te­ri­li­za­ção, um ga­to de 4 kg po­de au­men­tar 2 kg, o equi­va­len­te a 30 kg no ca­so de um ho­mem de 60 kg. Um au­men­to de 3 kg num cão de raça pe­que­na é equi­va­len­te ao au­men­to de 1 5kg num ho­mem de 70 kg! As­sim, o ris­co de obe­si­da­de é cer­ca de du­as ve­zes mais ele­va­do em cães es­te­ri­li­za­dos do que na po­pu­la­ção ca­ni­na em ge­ral. Es­te au­men­to de pe­so, po­ten­ci­a­do pe­lo ele­va­do te­or em ma­té­ri­as gor­das do ali­men­to ha­bi­tu­al, pre­dis­põe à ins­ta­la­ção de uma obe­si­da­de de­cla­ra­da. A obe­si­da­de afe­ta so­bre­tu­do animais adul­tos até aos 8-10 anos. O ris­co de obe­si­da­de é mai­or no ma­cho do que nas fê­me­as.

A es­te­ri­li­za­ção au­men­ta a pre­dis­po­si­ção pa­ra a for­ma­ção de cál­cu­los uri­ná­ri­os nos ga­tos

Um ga­to es­te­ri­li­za­do apre­sen­ta um ris­co 7 ve­zes su­pe­ri­or pa­ra de­sen­vol­ver cál­cu­los de oxa­la­to de cál­cio e 3,5 ve­zes su­pe­ri­or de for­mar cál­cu­los de es­tru­vi­te do que um ga­to não es­te­ri­li­za­do. Co­mo re­fe­ri­do an­te­ri­or­men­te, um ga­to es­te­ri­li­za­do es­tá mais pre­dis­pos­to à obe­si­da­de. De­vi­do ao ex­ces­so de pe­so, o ani­mal tor­na-se me­nos ati­vo. Des­lo­ca­se com me­nor frequên­cia pa­ra be­ber água e, con­se­quen­te­men­te, uri­na me­nos. A uri­na con­cen­tra-se na be­xi­ga, cri­an­do as con­di­ções ide­ais pa­ra a for­ma­ção de cál­cu­los de es­tru­vi­te, mais fre­quen­tes nos ga­tos jo­vens, ou de oxa­la­to de cál­cio, mais fre­quen­tes nos ga­tos ido­sos. Os ma­chos, de­vi­do à sua es­pe­ci­fi­ci­da­de ana­tó­mi­ca, têm mais di­fi­cul­da­de em eli­mi­nar es­pon­ta­ne­a­men­te os cál­cu­los de es­tru­vi­te e, por con­sequên­cia, apre­sen­tam uma in­ci­dên­cia su­pe­ri­or às fê­me­as. Além dis­so, al­gu­mas ra­ças co­mo o Bur­mês ou o Per­sa

evi­den­ci­am mai­or pre­dis­po­si­ção pa­ra a for­ma­ção de cál­cu­los uri­ná­ri­os.

Cui­da­dos nu­tri­ci­o­nais a ter após a es­te­ri­li­za­ção

Co­mo re­fe­ri­do an­te­ri­or­men­te, o ris­co de obe­si­da­de é mais ele­va­do em ma­chos es­te­ri­li­za­dos do que na po­pu­la­ção em ge­ral. Por con­se­guin­te, é es­sen­ci­al adap­tar a ali­men­ta­ção dos animais es­te­ri­li­za­dos às su­as no­vas ne­ces­si­da­des evi­tan­do, as­sim, um even­tu­al au­men­to de pe­so. Os ali­men­tos pa­ra ga­tos e cães es­te­ri­li­za­dos de­vem ser for­mu­la­dos com bai­xo te­or de gor­du­ra, ele­va­do te­or de pro­teí­na (pa­ra ma­nu­ten­ção da mas­sa mus­cu­lar), um com­ple­xo de fi­bras es­pe­cí­fi­cas (pa­ra pro­mo­ver a sa­ci­e­da­de) e L-car­ni­ti­na (co­mo mo­bi­li­za­dor de gor­du­ras). Pa­ra ga­tos com ape­ti­te in­sa­ciá­vel, exis­tem no mer­ca­do so­lu­ções nu­tri­ci­o­nais que di­mi­nu­em na­tu­ral­men­te a sen­sa­ção de fo­me, fa­zen­do com que os ga­tos men­di­guem me­nos ali­men­tos, en­tre re­fei­ções. Além dis­so, pa­ra pro­mo­ver a ma­nu­ten­ção do pe­so ide­al, é es­sen­ci­al res­pei­tar a do­se diá­ria de ali­men­to, pro­mo­ver a prá­ti­ca re­gu­lar de exer­cí­cio fí­si­co e pe­sar o ani­mal re­gu­lar­men­te. É fre­quen­te os do­nos per­gun­ta­rem se po­dem li­mi­tar-se a ad­mi­nis­trar uma quan­ti­da­de in­fe­ri­or do ali­men­to ha­bi­tu­al. A res­pos­ta é não! Os ali­men­tos for­mu­la­dos pa­ra animais es­te­ri­li­za­dos pos­su­em uma com­po­si­ção di­fe­ren­te dos ali­men­tos de ma­nu­ten­ção ha­bi­tu­ais. Por ou­tro la­do, es­tes ali­men­tos não pro­por­ci­o­nam uma sen­sa­ção de sa­ci­e­da­de ao cão, que te­rá ten­dên­cia a pe­din­char cons­tan­te­men­te mais ali­men­tos (não nos po­de­mos es­que­cer que o seu ape­ti­te au­men­ta após a es­te­ri­li­za­ção). Os ali­men­tos pa­ra ga­tos es­te­ri­li­za­dos ou cães de ra­ças pe­que­nas de­vem, igual­men­te, aju­dar a pro­mo­ver a saú­de do sis­te­ma uri­ná­rio, atra­vés de um equi­lí­brio mi­ne­ral ade­qua­do e do con­tro­lo do ph uri­ná­rio. Os ali­men­tos hú­mi­dos, gra­ças ao seu ele­va­do te­or de hu­mi­da­de, tam­bém aju­dam a pro­mo­ver a saú­de des­te sis­te­ma. So­bre­tu­do a par­tir da fa­se em que os animais en­tram na fa­se ge­riá­tri­ca (7 anos no ca­so dos ga­tos), é es­sen­ci­al pro­te­ger as cé­lu­las do en­ve­lhe­ci­men­to, atra­vés da in­cor­po­ra­ção de an­ti­o­xi­dan­tes (vi­ta­mi­na C, vi­ta­mi­na E, tau­ri­na, lu­teí­na e po­li­fe­nóis de chá ver­de e de uva). A es­co­lha de um ali­men­to adap­ta­do à “no­va” vi­da do ga­to e do cão con­tri­bui pa­ra a pre­ven­ção ris­co de obe­si­da­de é cer­ca de du­as ve­zes mais ele­va­do em cães es­te­ri­li­za­dos do que na po­pu­la­ção ca­ni­na em ge­ral, sen­do mai­or nos ma­chos do que nas fê­me­as.

É es­sen­ci­al adap­tar a ali­men­ta­ção dos animais es­te­ri­li­za­dos às su­as no­vas ne­ces­si­da­des evi­tan­do, as­sim, um even­tu­al au­men­to de pe­so

O ris­co de obe­si­da­de é cer­ca de du­as ve­zes mais ele­va­do em cães es­te­ri­li­za­dos do que na po­pu­la­ção ca­ni­na em ge­ral, sen­do mai­or nos ma­chos do que nas fê­me­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.