Cui­da­dos com os “gor­di­nhos”: Pro­gra­mas de per­da de pe­so

Pro­gra­mas de per­da de pe­so

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

Uma vez que os cães e os ga­tos pas­sa­ram do quin­tal pa­ra a nos­sa ca­sa ou mes­mo pa­ra o nos­so quar­to, is­to sig­ni­fi­ca que a Me­di­ci­na Ve­te­ri­ná­ria tem que acom­pa­nhar es­ta evo­lu­ção, for­ne­cen­do um ní­vel de ser­vi­ços mais com­ple­tos e ade­qua­dos à no­va re­a­li­da­de.

As­sim, os Cen­tros Mé­di­co Ve­te­ri­ná­ri­os apos­tam ca­da vez mais nos ser­vi­ços des­ti­na­dos à obe­si­da­de ani­mal, cri­an­do pro­gra­mas de per­da de pe­so. Tal co­mo nas pes­so­as, a vi­da se­den­tá­ria dos animais e a fal­ta de tem­po por par­te dos tu­to­res são al­guns dos fa­to­res que in­flu­en­ci­am o ga­nho de pe­so.

Ter um ani­mal “gor­di­nho”

Os animais com ex­ces­so de pe­so ten­dem a ser aque­les que mais pro­cu­ram os do­nos pa­ra pe­dir co­mi­da, o que faz com que, er­ra­da­men­te as pes­so­as pen­sem que es­tes animais são mais fe­li­zes ali­men­tan­do-os mais. In­fe­liz­men­te, a mai­o­ria dos tu­to­res de animais com ex­ces­so de pe­so não tem cons­ci­ên­cia des­ta do­en­ça nem to­ma a ini­ci­a­ti­va de se di­ri­gir a um Cen­tro Mé­di­co Ve­te­ri­ná­rio pa­ra ser acon­se­lha­da. Na ver­da­de o ser “gor­di­nho” po­ten­cia uma sé­rie de al­te­ra­ções co­mo pro­ble­mas car­día­cos, res­pi­ra­tó­ri­os, cu­tâ­ne­os, uri­ná­ri­os, en­tre tan­tos ou­tros.

Ava­li­a­ção cor­po­ral

Con­si­de­ra-se que um ani­mal tem ex­ces­so de pe­so quan­do a sua gor­du­ra cor­po­ral ul­tra­pas­sa 20% do pe­so ide­al, ou obe­so se es­te va­lor atin­gir os 30%-40%. In­fe­liz­men­te, ao con­trá­rio da po­pu­la­ção hu­ma­na, não exis­te uma fór­mu­la es­pe­cí­fi­ca pa­ra ava­li­a­ção do pe­so ani­mal em re­la­ção ao ta­ma­nho, is­to é, um ga­to ma­gro de gran­de por­te po­de­rá pe­sar tan­to ou mais que um ga­to pe­que­no mas obe­so. Des­ta for­ma, pa­ra ava­li­ar se o seu ani­mal tem ex­ces­so de pe­so de­ve pal­par a gor­du­ra su­per­fi­ci­al so­bre as cos­te­las e ve­ri­fi­car se tem ou não cin­tu­ra e/ou gor­du­ra ab­do­mi­nal. Por ou­tro la­do, de­ve ter em aten­ção o com­por­ta­men­to do seu ani­mal, per­ce­ben­do se de­tém a ca­pa­ci­da­de de re­a­li­zar exer­cí­ci­os e/ou se ma­ni­fes­ta dor ou can­sa­ço ao mo­vi­men­tar-se.

Pro­gra­mas de per­da de pe­so

Nes­tes pro­gra­mas di­re­ci­o­na­dos aos animais obe­sos, de­ve-se fa­zer tam­bém uma ava­li­a­ção cor­po­ral com­ple­ta com medição da cir­cun­fe­rên­cia ab­do­mi­nal e ava­li­a­ção mus­cu­lar, bem co­mo uma ava­li­a­ção nu­tri­ci­o­nal. Se pos­sí­vel, efe­tu­ar em con­jun­to exa­mes que nos dão a co­nhe­cer al­te­ra­ções san­guí­ne­as e/ou en­dó­cri­nas que in­flu­en­ci­am o pe­so.

Fa­to­res a ter em con­ta

Re­gra ge­ral a obe­si­da­de é as­so­ci­a­da ao se­den­ta­ris­mo e ao ex­ces­so de ali­men­ta­ção ofe­re­ci­da pe­los do­nos. No en­tan­to, sa­bia que exis­tem ou­tros fa­to­res igual­men­te im­por­tan­tes? A raça es­tá di­re­ta­men­te li­ga­da a al­te­ra­ções de pe­so, pois ca­da uma de­las tem ca­rac­te­rís­ti­cas par­ti­cu­la­res de con­for­ma­ção cor­po­ral, is­to é, exis­tem ra­ças ge­ne­ti­ca­men­te mais pro­pen­sas ao au­men­to da mas­sa gor­da e ou­tras com mai­or fa­ci­li­da­de em man­ter a mas­sa mus­cu­lar. Tam­bém a ida­de e o se­xo têm in­fluên­cia di­re­ta no ga­nho de pe­so. O con­cei­to de que a es­te­ri­li­za­ção ou a cas­tra­ção por si só en­gor­da é ape­nas um mi­to! No pe­río­do pós-ci­rúr­gi­co, ocor­re uma di­mi­nui­ção de es­tro­gé­ni­os que in­duz di­re­ta­men­te um au­men­to do ape­ti­te. É nes­ta fa­se, que o ani­mal se tor­na mais gu­lo­so e que o do­no não he­si­ta em mi­má-lo! É por­tan­to fun­da­men­tal ajus­tar o ti­po de ali­men­ta­ção a es­ta no­va con­di­ção do ani­mal pa­ra que ex­ces­sos não se­jam co­me­ti­dos. Ou­tro fa­tor pe­lo qual o con­tro­lo de pe­so é im­por­tan­te tem a ver com a pre­ven­ção de pa­to­lo­gi­as, tais co­mo, a di­a­be­tes mel­li­tus, hi­pe­ra­dre­do­cor­ti­cis­mo e hi­po­ti­roi­dis­mo.

Di­a­be­tes Mel­li­tus

A Di­a­be­tes Mel­li­tus ca­rac­te­ri­za-se por um au­men­to da glu­co­se (açú­car) no san­gue e em con­sequên­cia na uri­na. As su­as cau­sas po­dem ser: • Ge­né­ti­ca, dan­do ori­gem à Di­a­be­tes ju­ve­nil ca­ni­na; • Do­en­ças do sis­te­ma imu­ni­tá­rio que dão ori­gem à Di­a­be­tes clas­si­fi­ca­da co­mo ti­po I. Tem co­mo con­sequên­cia a di­mi­nui­ção da se­cre­ção de in­su­li­na pe­lo pân­cre­as e é mais fre­quen­te em cães; • Ex­ces­so de pe­so que le­va à in­ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta dos te­ci­dos à in­su­li­na, clas­si­fi­ca­da co­mo Di­a­be­tes ti­po II, mais fre­quen­te em ga­tos e si­mi­lar aos hu­ma­nos.

Ní­vel de in­su­li­na

Pa­ra que os ór­gãos do cor­po pos­sam tra­ba­lhar, es­tes pre­ci­sam de ener­gia so­bre a for­ma de açú­car. A in­su­li­na per­mi­te que as cé­lu­las cap­tem glu­co­se a par­tir do san­gue, co­mo que uma pon­te en­tre es­te úl­ti­mo e os ór­gãos. Nos pa­ci­en­tes com di­a­be­tes, a in­su­li­na é in­su­fi­ci­en­te (Di­a­be­tes ti­po I) ou há re­sis­tên­cia à mes­ma (Di­a­be­tes ti­po II) im­pe­din­do que a glu­co­se che­gue aos ór­gãos, per­ma­ne­cen­do no san­gue. O au­men­to de açú­car no san­gue le­va a que es­te se­ja ex­cre­ta­do na uri­na. Es­tes dois in­di­ca­do­res – au­men­to dos ní­veis de glu­co­se no san­gue e na uri­na – per­mi­tem o di­ag­nós­ti­co da do­en­ça. Em ter­mos com­por­ta­men­tais, a fal­ta de açú­car nos ór­gãos pro­vo­ca um au­men­to do ape­ti­te e di­mi­nui­ção da sa­ci­e­da­de. Con­co­mi­tan­te­men­te é no­tó­rio um au­men­to da in­ges­tão de água e em con­sequên­cia da emis­são de uri­na. Após o di­ag­nós­ti­co, é ne­ces­sá­rio a pres­cri­ção mé­di­ca de in­su­li­na e um con­tro­lo ali­men­tar ade­qua­do. No en­tan­to, ado­tan­do um es­ti­lo de vi­da sau­dá­vel e o tra­ta­men­to in­di­ca­do, o seu ani­mal po­de ter uma ex­ce­len­te qua­li­da­de de vi­da e uma es­pe­ran­ça mé­dia de vi­da igual a um ani­mal não di­a­bé­ti­co. Na­da me­lhor que man­ter o seu ani­mal den­tro do pe­so ide­al e for­ne­cer uma ali­men­ta­ção ade­qua­da.

Hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo

O Hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo, tam­bém co­nhe­ci­do co­mo Sín­dro­me de Cushing, es­tá re­la­ci­o­na­do com o au­men­to de cor­ti­sol en­dó­ge­no pro­du­zi­do pe­las glân­du­las adre­nais. É uma do­en­ça mais co­mum em cães e ra­ra­men­te di­ag­nos­ti­ca­da em ga­tos. Nos cães de por­te pe­que­no, a cau­sa mais co­mum é um tu­mor be­nig­no da hi­pó­fi­se. A do­en­ça po­de tam­bém ter co­mo cau­sa um tu­mor da adre­nal, sen­do es­ta úl­ti­ma mais co­mum em cães de por­te gran­de. Al­gu­mas ra­ças são mais pro­pen­sas que ou­tras, no­me­a­da­men­te, os Ca­ni­che, os Bo­xer, os Be­a­gle e os Bos­ton Ter­ri­er.

Hi­po­ti­roi­dis­mo

O Hi­po­ti­roi­dis­mo, as­sim co­mo o Hi­pe­ra­dre­no­cor­ti­cis­mo, é mais fre­quen­te em cães. Afe­ta animais en­tre os 4 e os 10 anos de ida­de e mai­o­ri­ta­ri­a­men­te cães de mé­dio a gran­de por­te.

A mai­o­ria dos sin­to­mas es­tá re­la­ci­o­na­do com o abran­da­men­to do me­ta­bo­lis­mo, fal­ta ou in­ca­pa­ci­da­de de re­a­li­zar exer­cí­cio que mui­tas ve­zes é con­fun­di­do com o en­ve­lhe­ci­men­to do ani­mal. Ocor­re um au­men­to de pe­so sem exis­tir au­men­to de ape­ti­te, bem co­mo al­te­ra­ções na pe­le e no pe­lo. Nos ma­chos pro­vo­ca di­mi­nui­ção do li­bi­do e/ou in­fer­ti­li­da­de, e nas fê­me­as não es­te­ri­li­za­das a di­mi­nui­ção da frequên­cia ou mes­mo a au­sên­cia de cio.

So­mos o que co­me­mos

Quan­do fa­la­mos que “so­mos o que co­me­mos”, tam­bém po­de­mos apli­car aos animais. A ali­men­ta­ção de­ve su­prir as ne­ces­si­da­des nu­tri­ci­o­nais e es­tar adap­ta­da à ida­de, con­di­ção e/ou es­ti­lo de vi­da de ca­da ani­mal (cres­ci­men­to, ges­ta­ção, do­en­ça e ní­vel de exer­cí­cio).

Ali­men­ta­ção do ca­chor­ro

A ali­men­ta­ção do ca­chor­ro em fa­se de cres­ci­men­to é fun­da­men­tal, tan­to pe­la ne­ces­si­da­de nu­tri­ci­o­nal co­mo no au­men­to do te­ci­do adi­po­so, con­si­de­ra­do fi­si­o­lo­gi­ca­men­te nor­mal. As cé­lu­las de gor­du­ra (adi­pó­ci­tos) de um ca­chor­ro em cres­ci­men­to au­men­tam em ta­ma­nho, en­quan­to as de um ca­chor­ro obe­so au­men­tam em ta­ma­nho e em nú­me­ro. Con­tu­do, a re­du­ção da quan­ti­da­de ali­men­tar po­de cau­sar pro­ble­mas, pois os ca­chor­ros ten­dem a não acei­tar um vo­lu­me de ali­men­to res­tri­to.

Es­co­lha o ali­men­to ide­al

O ob­je­ti­vo de uma di­e­ta co­mer­ci­al ve­te­ri­ná­ria se­rá man­ter o vo­lu­me do bo­lo ali­men­tar con­cen­tran­do-se nos nu­tri­en­tes es­sen­ci­ais. A me­lhor prá­ti­ca ali­men­tar se­rá o for­ne­ci­men­to de um ali­men­to es­pe­ci­a­li­za­do sa­tis­fa­zen­do as ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas de ca­da ani­mal. Nas cau­sas de­ter­mi­nan­tes da obe­si­da­de a ali­men­ta­ção é sem dú­vi­da pre­pon­de­ran­te.

Obe­si­da­de vs Raça

Exis­tem al­gu­mas ra­ças ge­ne­ti­ca­men­te pre­dis­pos­tas à obe­si­da­de, co­mo por exem­plo, no ca­so dos cães, o Coc­ker Spa­ni­el, o Re­tri­e­ver do La­bra­dor, o Col­lie, o Bou­le­do­gue Fran­cês, o Bo­xer, o Sch­nau­zer e o Ca­ni­che. No ca­so dos ga­tos, e com o mes­mo grau de im­por­tân­cia, foi ve­ri­fi­ca­do que animais des­cen­den­tes de raça in­de­fi­ni­da, têm mais ten­dên­cia a obe­si­da­de do que ra­ças de­fi­ni­das. Se achar que o seu ani­mal tem ex­ces­so de pe­so, pe­ça acon­se­lha­men­to nu­tri­ci­o­nal.

Fotos: Au­to­ra e Shut­ters­tock

Eli­se Fer­nan­des En­fer­mei­ra Ve­te­ri­ná­ria Hos­pi­tal Ve­te­ri­ná­rio Cen­tral da Li­nha de Cas­cais | Ve­to­ei­ras

A ali­men­ta­ção de­ve su­prir as ne­ces­si­da­des nu­tri­ci­o­nais e es­tar adap­ta­da à ida­de, con­di­ção e/ou es­ti­lo de vi­da de ca­da ani­mal.

Con­si­de­ra-se que um ani­mal tem ex­ces­so de pe­so quan­do a sua gor­du­ra cor­po­ral ul­tra­pas­sa 20% do pe­so ide­al, ou obe­so se es­te va­lor atin­gir os 30%-40%.

A me­lhor prá­ti­ca ali­men­tar se­rá o for­ne­ci­men­to de um ali­men­to es­pe­ci­a­li­za­do sa­tis­fa­zen­do as ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas de ca­da ani­mal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.