Di­ca Fe­li­na: Um car­ní­vo­ro mui­to gour­met

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO - Ma­ria João Di­nis da Fon­se­ca Mé­di­ca Ve­te­ri­ná­ria

Quan­do di­go, e in­sis­to, que os ga­tos são car­ní­vo­ros es­tri­tos ou su­per car­ní­vo­ros, é por­que es­tou a fa­lar de um re­gi­me ali­men­tar exi­gen­te e par­ti­cu­lar. E, no ca­so do ga­to, pa­ra além de um es­ti­lo ali­men­tar, ser car­ní­vo­ro é tam­bém um es­ti­lo de vi­da!

Ser car­ní­vo­ro es­tri­to sig­ni­fi­ca uma adap­ta­ção do or­ga­nis­mo do ga­to a um re­gi­me ali­men­tar em que a car­ne é o prin­ci­pal in­gre­di­en­te. Só atra­vés da car­ne (ou peixe) o ga­to é ca­paz de sa­tis­fa­zer as su­as ne­ces­si­da­des em al­guns nu­tri­en­tes es­sen­ci­ais, no­me­a­da­men­te, ami­noá­ci­dos com a tau­ri­na e a ar­gi­ni­na. É por es­ta ra­zão que fa­bri­car ra­ções ve­ge­ta­ri­a­nas pa­ra ga­tos é di­fí­cil e se­gun­do al­guns nu­tri­ci­o­nis­tas ve­te­ri­ná­ri­os es­tá mes­mo de­sa­con­se­lha­do.

O que diz no ró­tu­lo?

As ra­ções co­mer­ci­ais, que vul­gar­men­te cha­ma­mos de “cro­que­tes” (co­mi­da se­ca), têm na sua com­po­si­ção uma ele­va­da per­cen­ta­gem de ce­re­ais, te­mos que ter aten­ção e pre­fe­rir ali­men­tos ri­cos em pro­teí­na de ori­gem ani­mal. Per­ca 5 mi­nu­tos, vá bus­car a em­ba­la­gem de co­mi­da se­ca que tem em ca­sa, e na par­te do ró­tu­lo que diz com­po­si­ção ve­ja qual o in­gre­di­en­te que vem em pri­mei­ro lu­gar. É car­ne ou peixe? Óti­mo! A se­guir, na par­te que diz com­po­si­ção ana­lí­ti­ca, ve­ja a per­cen­ta­gem que tem de pro­teí­na, tem per­to de 40% de pro­teí­na? Óti­mo! Com es­tas du­as in­di­ca­ções vai con­se­guir ser um con­su­mi­dor mais in­for­ma­do e es­co­lher um ali­men­to que me­lhor su­pri­me as ne­ces­si­da­des do seu pe­que­no fe­li­no. Em ca­sos par­ti­cu­la­res o mé­di­co ve­te­ri­ná­rio po­de in­di­car es­pe­ci­fi­ca­men­te ou­tro ti­po de ali­men­to.

Van­ta­gens da ali­men­ta­ção hú­mi­da

São es­sen­ci­al­men­te du­as as ra­zões pe­las quais de­ve dar di­a­ri­a­men­te ali­men­ta­ção hú­mi­da ao seu ga­to. Por um la­do, pe­lo fac­to de ser mais ri­ca em pro­teí­na de ori­gem ani­mal (tem me­nos ce­re­ais), por ou­tro pe­la quan­ti­da­de de água que tem. É fá­cil per­ce­ber que co­mer um ali­men­to hi­dra­ta­do é mais sau­dá­vel e mais pró­xi­mo da ali­men­ta­ção na­tu­ral dos ga­tos (que é à ba­se de animais vi­vos e, co­mo tal, mui­to ri­cos em água).

O que sig­ni­fi­ca di­zer que os ga­tos são ne­o­fó­bi­cos no que se re­fe­re à ali­men­ta­ção?

Os ga­tos são fi­xa­ti­vos no seu re­gi­me ali­men­tar, ou se­ja, não gos­tam de mu­dan­ças. Mais uma vez, tem tu­do a ver com so­bre­vi­vên­cia. Se co­mi e não mor­ri, en­tão pos­so co­mer ou­tra vez! Um no­vo ali­men­to em na­tu­re­za po­de por a vi­da de um ga­to em pe­ri­go. A par­te boa da ques­tão, é que es­te com­por­ta­men­to faz com que os ga­tos se­jam me­nos atrei­tos a en­ve­ne­na­men­tos, do que, por exem­plo, os cães; a par­te me­nos boa é que é di­fí­cil que co­mam o que nós que­re­mos!

De pe­que­ni­no se… ex­pe­ri­men­ta com mais fa­ci­li­da­de

É mui­to im­por­tan­te que ha­bi­tue o seu ga­to, des­de be­bé, a di­fe­ren­tes tex­tu­ras (se­co, mous­se, pe­da­ços) e di­fe­ren­tes sa­bo­res. Des­te mo­do, em adul­to, sem­pre que pre­ci­sar de mu­dar a ali­men­ta­ção, não te­rá tan­ta di­fi­cul­da­de.

Re­gras a se­guir!

Se­ja ou não di­fí­cil in­tro­du­zir um no­vo ali­men­to ao seu ga­to, eis al­gu­mas re­gras que se de­vem res­pei­tar: • Não mis­tu­re o ali­men­to no­vo com o ve­lho, fa­ça-o sem­pre em co­me­dou­ros se­pa­ra­dos; • Co­me­ce por co­lo­car me­nos do ali­men­to no­vo e vá au­men­tan­do a quan­ti­da­de de mo­do a que a mu­dan­ça se­ja pro­gres­si­va; • Evi­te mu­dar a ali­men­ta­ção du­ran­te uma fa­se de do­en­ça que se­ja acom­pa­nha­da de dor ou náu­sea, de mo­do a evi­tar que o seu ga­to as­so­cie a no­va ali­men­ta­ção a uma si­tu­a­ção de­sa­gra­dá­vel.

Sa­bo­res no­vos

Mas, se por um la­do não gos­tam de mu­dan­ças, gos­tam de sa­bo­res no­vos! Pa­re­ce uma con­tra­di­ção, mas pa­ra um ga­to a tex­tu­ra é mais im­por­tan­te que o sa­bor. Ou se­ja, é di­fí­cil in­tro­du­zir ali­men­tos hú­mi­dos a um ga­to que sem­pre co­meu se­cos, mas se va­ri­ar sa­bo­res den­tro da mes­ma tex­tu­ra há mui­tos ga­tos que agra­de­cem.

Co­me­dou­ros in­te­ra­ti­vos

Co­me­cei por di­zer que ser car­ní­vo­ro é mais do que um re­gi­me ali­men­tar, é um es­ti­lo de vi­da, por­que es­tá in­ti­ma­men­te li­ga­do à ca­ça! Lem­bre-se de usar co­me­dou­ros in­te­ra­ti­vos, es­tá as­sim a ir de en­con­tro a um dos pra­ze­res do ga­to que é ca­çar!

Vol­ta­mos em ou­tu­bro com a Di­ca: Qu­e­res fa­lar co­mi­go? En­tão olha bem pa­ra mim! Até lá, bons mo­men­tos fe­li­nos!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.