Cão Ju­ris: “Cri­me, dis­se ela” – Maus tra­tos a animais

Maus tra­tos a animais

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

Em agos­to de 2014 foi pro­mul­ga­da a Lei que cri­mi­na­li­za os maus tra­tos a animais, exa­ta­men­te nu­ma al­tu­ra do ano em que se ve­ri­fi­cam, in­fe­liz­men­te, mai­o­res ta­xas de aban­do­no ani­mal.

Em ple­no séc. XXI, não se con­se­gue com­pre­en­der co­mo é que ain­da exis­tem pes­so­as que aban­do­nam e mal tra­tam os ha­bi­tan­tes des­te pla­ne­ta, cu­jo amor por nós é in­con­di­ci­o­nal. Em­bo­ra es­ta le­gis­la­ção, a nos­so ver, pos­sa ain­da pa­de­cer de al­guns ví­ci­os, ao ser do­ta­da de um de­ter­mi­na­do es­pe­cis­mo, e sen­do ain­da mui­to bran­da, a sua exis­tên­cia per se, po­de já ser vis­ta co­mo um ca­mi­nho pa­ra col­ma­tar um re­gi­me de pro­te­ção dos animais in­com­ple­to e que cla­ma­va por al­te­ra­ções, já há mui­to tem­po.

Da Lei de Pro­te­ção dos Animais à Cri­mi­na­li­za­ção dos Maus Tra­tos

Vi­a­ja­mos até à dé­ca­da de 90 pa­ra co­nhe­cer a le­gis­la­ção que es­bo­ça os pri­mei­ros con­tor­nos do re­co­nhe­ci­men­to le­gal de pro­te­ção ani­mal, a Lei 92/95 de 12 de se­tem­bro. Es­ta le­gis­la­ção proíbe, en­tre ou­tros as­pe­tos, vi­o­lên­cia con­tra animais, no­me­a­da­men­te, uti­li­za­ção de chi­co­tes, aban­do­no in­ten­ci­o­nal, ou a uti­li­za­ção de animais pa­ra fins di­dá­ti­cos, de trei­no, fil­ma­gens ou mes­mo pu­bli­ci­da­de, se daí re­sul­tar so­fri­men­to pa­ra o ani­mal. A tí­tu­lo de pro­te­ção ani­mal pre­vê ain­da es­te di­plo­ma que as Câ­ma­ras Mu­ni­ci­pais de­vem pro­vi­den­ci­ar so­lu­ções qu­an­to à ques­tão re­la­ti­va a animais er­ran­tes – vul­gar­men­te co­nhe­ci­dos co­mo animais “va­di­os” – bem co­mo pro­mo­ver o in­cen­ti­vo à es­te­ri­li­za­ção. Es­ta Lei proíbe tam­bém os es­pe­tá­cu­los de tou­ros de mor­te, bem co­mo o ato de pro­vo­car a mor­te do touro na are­na e a sor­te de va­ras, tor­nan­do-a ex­ce­ci­o­nal nos ca­sos de tra­di­ções lo­cais. Dei­xa­mos ape­nas co­mo no­ta que, es­ta mes­ma Lei que pre­co­ni­za a pro­te­ção ani­mal ex­ce­ci­o­na des­ta pro­te­ção os tou­ros de mor­te, em zo­nas on­de tal ato se­ja con­si­de­ra­do tra­di­ção. Atri­buir pri­ma­zia a um re­go­zi­jo pes­so­al no qual se as­sis­te à mor­te de um ani­mal em público, sob a ves­te de um “es­pe­tá­cu­lo”, nu­ma Lei que pro­te­ge animais não po­de ser vis­to de ou­tra for­ma, se­não co­mo um ver­da­dei­ro pa­ra­do­xo. Im­por­ta ape­nas re­fe­rir que es­ta Lei, com al­gu­mas al­te­ra­ções, ain­da se en­con­tra em vi­gor. A ver­da­de é que a exis­tên­cia de uma Lei que pro­cla­ma a pro­te­ção dos animais, em si, é po­si­ti­va, mas de que va­le uma le­gis­la­ção que ape­nas es­ta­be­le­ce uma proi­bi­ção? Que efei­to prá­ti­co re­sul­ta da­qui pa­ra um ani­mal que es­tá em dor? De fac­to, de na­da ser­ve aos seus ver­da­dei­ros le­sa­dos. É em 2014 que apa­re­ce uma al­te­ra­ção le­gis­la­ti­va a es­ta Lei on­de, pa­ra re­for­çar a proi­bi­ção, se cri­mi­na­li­zam os maus tra­tos a animais de com­pa­nhia. É, a nos­so ver, um pas­so gi­gan­te no pa­no­ra­ma le­gis­la­ti­vo, não obs­tan­te con­ti­nu­ar a ser ur­gen­te a cri­a­ção de um es­ta­tu­to pa­ra os animais, que não po­dem, ja­mais, con­ti­nu­ar a ser vis­tos co­mo coi­sas, aos olhos do Di­rei­to. Ana­li­se­mos o con­teú­do des­ta Lei.

O Con­cei­to de Ani­mal de Com­pa­nhia

O atu­al Art. 389º nº 1, do Có­di­go Pe­nal re­fe­re que, pa­ra efei­tos de cri­mi­na­li­za­ção, é con­si­de­ra­do um ani­mal de com­pa­nhia, “qual­quer ani­mal de­ti­do ou des­ti­na­do a ser de­ti­do por se­res hu­ma­nos, de­sig­na­da­men­te no seu lar, pa­ra seu en­tre­te­ni­men­to e com­pa­nhia”. Se por um la­do os animais de com­pa­nhia ga- nham dig­ni­da­de pe­nal, dei­xan­do de ser coi­sas nes­te ra­mo do di­rei­to, por ou­tro la­do é la­men­tá­vel o uso de ter­mos pou­co ri­go­ro­sos ou mes­mo des­pri­mo­ro­sos. É de las­ti­mar que o le­gis­la­dor en­ten­da que a de­fi­ni­ção de um ani­mal de com­pa­nhia é tão-so­men­te o gáu­dio do seu do­no, e que o ani­mal se­ja por es­te “de­ti­do”. Fe­cha­do es­te pa­rên­te­ses, res­sal­va­mos ain­da que, o nº 2 des­te Art. ex­clui (pa­ra efei­tos de cri­mi­na­li­za­ção) animais li­ga­dos à ex­plo­ra­ção agrí­co­la, pe­cuá­ria, agroin­dus­tri­al e animais uti­li­za­dos pa­ra fins de “es­pe­tá­cu­lo co­mer­ci­al”. Apa­ren­te­men­te, o le­gis­la­dor en­ten­de que nem to­dos os animais são dig­nos de be­ne­fi­ci­ar des­ta tu­te­la pe­nal no que diz res­pei­to aos maus tra­tos. Avan­ce­mos.

O Cri­me de Maus Tra­tos a Animais de Com­pa­nhia

À luz do Art. 387º do Có­di­go Pe­nal, são con­si-

São con­si­de­ra­dos maus tra­tos a animais, os atos des­ti­na­dos a in­fli­gir dor, so­fri­men­to ou quais­quer ou­tros maus tra­tos fí­si­cos a um ani­mal de com­pa­nhia

de­ra­dos maus tra­tos a animais, os atos des­ti­na­dos a in­fli­gir dor, so­fri­men­to ou quais­quer ou­tros maus tra­tos fí­si­cos a um ani­mal de com­pa­nhia. A pu­ni­ção pa­ra es­tes atos po­de­rá ir até um ano de pe­na de pri­são ou 120 di­as de mul­ta. Se os atos de maus tra­tos le­va­rem à mor­te do ani­mal, à pri­va­ção de al­gum ór­gão ou se ata­ca­rem a sua ca­pa­ci­da­de de lo­co­mo­ção, a pe­na apli­cá­vel é agra­va­da, au­men­tan­do pa­ra o má­xi­mo de dois anos de pe­na de pri­são ou pe­na de mul­ta até 240 di­as.

Cri­me de Aban­do­no de Ani­mal de Com­pa­nhia

So­bre o ser hu­ma­no im­pen­de um na­tu­ral de­ver de cui­da­do so­bre os animais que te­mos à nos­sa guar­da. É um de­ver éti­co, mo­ral, e hu­ma­no. Pre­vê o Art. 388º do Có­di­go Pe­nal que, “quem, ten­do o de­ver de guar­dar, vi­gi­ar ou as­sis­tir ani­mal de com­pa­nhia”, co­lo­car em pe­ri­go a sua ali­men­ta­ção e pres­ta­ção de cui­da­dos, é pu­ni­do com pe­na de pri­são até seis me­ses ou pe­na de mul­ta até 60 di­as.

O Pa­pel das As­so­ci­a­ções Zoó­fi­las

No­vi­da­de mui­to po­si­ti­va des­ta Lei é o au­men­to da re­le­vân­cia do pa­pel das As­so­ci­a­ções Animais, que po­dem ago­ra, agir, da se­guin­te for­ma: • Re­que­rer às au­to­ri­da­des que se­jam le­va­das a ca­bo me­di­das pre­ven­ti­vas e ur­gen­tes pa­ra evi­tar si­tu­a­ções on­de pos­sa es­tar efe­ti­va­men­te em cau­sa um des­tes cri­mes ou ca­sos em que se­ja emi­nen­te que is­so acon­te­ça; • Cons­ti­tuir-se as­sis­ten­tes em pro­ces­sos-cri­me nos quais es­te­jam em cau­sa maus tra­tos ou aban­do­no ani­mal, es­tan­do dis­pen­sa­das do pa­ga­men­to de cus­tas e ta­xas de jus­ti­ça. De­pois de dar a co­nhe­cer, de for­ma sin­té­ti­ca, os con­tor­nos le­gis­la­ti­vos nes­ta ma­té­ria, ca­be-nos ape­lar à par­ti­ci­pa­ção éti­ca e mo­ral de to­dos os que nos es­tão a ler. Até por­que, os cri­mes aqui re­fe­ren­ci­a­dos são pú­bli­cos, ou se­ja, o Mi­nis­té­rio Público en­car­re­ga-se de pro­mo­ver o an­da­men­to de to­do o pro­ces­so-cri­me, de­pois da quei­xa apres­ta­da.

Co­mo fa­zer quei­xa? A quem me de­vo di­ri­gir?

A GNR dis­põe do Ser­vi­ço de Pro­te­ção da Na­tu­re­za e do Am­bi­en­te – SEPNA – que se de­di­ca em par­ti­cu­lar a ques­tões li­ga­das a es­ta área. Co­mo tal, é es­te o ser­vi­ço pa­ra on­de de­ve­mos di­ri­gir a nos­sa Quei­xa, pois a ele com­pe­te vi­gi­ar, fis­ca­li­zar e in­ves­ti­gar as ações que pos­sam co­lo­car em cau­sa a na­tu­re­za e o am­bi­en­te, em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. O re­por­te de si­tu­a­ções de maus tra­tos ou aban­do­no po­de ser di­ri­gi­do por escrito ou atra­vés da sua li­nha SOS. Após ser da­da a co­nhe­cer a si­tu­a­ção, o SEPNA pro­mo­ve des­lo­ca­ção ao lo­cal, ava­li­am a si­tu­a­ção se ela se en­qua­dra nes­ta ti­pi­fi­ca­ção le­gal. Exis­tin­do um des­tes cri­mes, a GNR ela­bo­ra o Au­to de No­tí­cia e re­me­te ao Mi­nis­té­rio Público pa­ra que es­te con­du­za a in­ves­ti­ga­ção.

É pre­ci­so agir!

A ten­dên­cia é de fac­to, a al­te­ra­ção de pa­ra­dig­mas no que diz res­pei­to à for­ma co­mo o Di­rei­to olha pa­ra os animais. Eles ha­bi­tam a ter­ra, tal co­mo nós. São se­res que sen­tem, co­mo nós. São dig­nos de cui­da­do. Ape­sar des­ta ini­ci­a­ti­va le­gis­la­ti­va es­tar lon­ge dos nos­sos mai­o­res en­se­jos, po­de­mos apro­vei­tá-la e fa­zer a nos­sa par­te pa­ra que se al­te­rem men­ta­li­da­des. É um de­ver cí­vi­co, é um de­ver hu­ma­no. A Bol­sa de De­fe­sa Ani­mal, cri­a­da pe­la BQ Ad­vo­ga­das es­tá sen­sí­vel a es­te as­sun­to e to­tal­men­te dis­po­ní­vel pa­ra re­co­lher e con­du­zir es­tas si­tu­a­ções, bas­tan­do pa­ra is­so um con­tac­to pa­ra o email: bda.bqad­vo­ga­das@gmail.com.n

No­ta da re­da­ção: A GNR tem dis­po­ní­vel 24 ho­ras/dia, e com co­ber­tu­ra de to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal (con­ti­nen­te e re­giões au­tó­no­mas), a li­nha “SOS Am­bi­en­te e Ter­ri­tó­rio”, atra­vés do nú­me­ro azul 808 200 520 ou atra­vés do email sepna@gnr.pt, on­de os ci­da­dãos têm a pos­si­bi­li­da­de de de­nun­ci­ar si­tu­a­ções que pos­sam vi­o­lar a Le­gis­la­ção Am­bi­en­tal e/ou Ani­mal.

A Lei 92/95 de 12 de se­tem­bro que pre­co­ni­za a pro­te­ção ani­mal ex­ce­ci­o­na des­ta pro­te­ção os tou­ros de mor­te, em zo­nas on­de tal ato se­ja con­si­de­ra­do tra­di­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.