Co­mo ha­bi­tu­ar o seu ga­to à trans­por­ta­do­ra?

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

A trans­por­ta­do­ra faz par­te do en­xo­val es­sen­ci­al de to­do o ga­to do­més­ti­co. Se for bem es­co­lhi­da po­de ser usa­da nas idas ao mé­di­co ve­te­ri­ná­rio, pa­ra vi­a­gens e em mu­dan­ças de ca­sa, tor­nan­do tu­do mais se­gu­ro e mais sim­ples. Além dis­so, po­de fa­ci­li­tar nas apre­sen­ta­ções en­tre o nos­so ga­to e ou­tros animais re­cém-che­ga­dos a ca­sa.

Uma trans­por­ta­do­ra de al­ta qua­li­da­de é re­la­ti­va­men­te ba­ra­ta e, em qual­quer ca­so, é um in­ves­ti­men­to mais que ra­zoá­vel na se­gu­ran­ça do nos­so ga­to e na nos­sa pró­pria tran­qui­li­da­de. De­ve­mos pro­cu­rar uma trans­por­ta­do­ra que nos se­ja có­mo­da de le­var, mas que dê con­for­to e se­gu­ran­ça ao ga­to, en­quan­to lhe per­mi­te con­tem­plar o mun­do. Não de­ve ser mui­to gran­de, nem mui­to pe­que­na. Tra­ta-se de en­con­trar um mo­de­lo que se adap­te à al­tu­ra, lar­gu­ra e com­pri­men­to do nos­so ga­to, de for­ma a que se pos­sa en­cos­tar e co­lo­car-se de pé co­mo­da­men­te, mas sem so­brar de­ma­si­a­do es­pa­ço. Re­co­men­to, so­bre­tu­do, aque­las fa­bri­ca­das em plás­ti­co, fei­tas de du­as pe­ças uni­das com ra­nhu­ras de ven­ti­la­ção la­te­rais e com por­ta de re­de de me­tal.

Al­guns con­se­lhos

Al­guns con­se­lhos a ter em con­ta na ho­ra de ele­ger uma boa trans­por­ta­do­ra pa­ra o nos­so ga­to e que fa­ci­li­tam a nos­sa es­co­lha. É pre­fe­rí­vel que a trans­por­ta­do­ra se­ja fa­bri­ca­da num ma­te­ri­al rí­gi­do, pois pro­te­ge dos im­pac­tos e trans­por­ta-se me­lhor no car­ro. As de te­la ou lo­na amar­ro­tam-se fa­cil­men­te du­ran­te o trans­por­te, são ins­tá­veis ao me­nor mo­vi­men­to do ga­to quan­do os dei­xa­mos so­bre uma su­per­fí­cie e são di­fí­ceis de lim­par. Não é re­co­men­da­do es­co­lher uma trans­por­ta­do­ra me­tá­li­ca (ti­po jau­la) pa­ra o trans­por­tar, pois o ga­to po­de fi­car mui­to mais ner­vo­so e re­jei­tá-la por se sen­tir ex­pos­to a to­dos os olha­res. Tam­bém são pou­co fiá­veis as cai­xas ou trans­por­ta­do­ras des­car­tá­veis fa­bri­ca­das em car­tão, que nos po­dem ser úteis nu­ma oca­sião con­cre­ta, mas per­dem re­sis­tên­cia após a pri­mei­ra uti­li­za­ção ou quan­do se mo­lham. Só são re­co­men­dá­veis pa­ra le­var o no­vo ga­to pa­ra ca­sa, se o do­no ain­da não tem o “en­xo­val” com­ple­to que vai ne­ces­si­tar.

Trans­por­ta­do­ra de plás­ti­co

En­tre os ma­te­ri­ais rí­gi­dos, é me­lhor ele­ger o plás­ti­co que aque­les fa­bri­ca­dos em vi­me ou fi­bra ve­ge­tal, já que ape­sar des­tes úl­ti­mos po­de­rem ser mui­to bo­ni­tos, não são prá­ti­cos no que se re­fe­re à sua lim­pe­za. Uma boa trans­por­ta­do­ra de plás­ti­co fa­ci­li­ta a lim­pe­za e de­sin­fe­ção no ca­so de fu­gas (co­mo xi­xis) du­ran­te o trans­por­te ou vi­si­ta ao ve­te­ri­ná­rio (que po­dem ser fre­quen­tes em ga­tos me­dro­sos) e fa­vo­re­ce a eli­mi­na­ção de odo­res es­tra­nhos e da­que­les re­la­ci­o­na­dos com o stress e o me­do. En­tre os mo­de­los de plás­ti­co, o ide­al é que a par­te su­pe­ri­or se­ja des­mon­tá­vel. É fre­quen­te os ga­tos se sen­ti­rem mais se­gu­ros se o ve­te­ri­ná­rio os exa­mi­nar sem os re­ti­rar da trans­por­ta­do­ra, re­ti­ran­do es­sa me­ta­de su­pe­ri­or. Tam­bém, em al­guns ca­sos, é útil des­mon­tar a trans­por­ta­do­ra no pro­ces­so de ha­bi­tu­a­ção em ca­sa. Por úl­ti­mo, é re­co­men­dá­vel que além da por­ta fron­tal, pos­su­am uma por­ta su­pe­ri­or já que al­guns ga­tos não gos­tam de ser co­lo­ca­dos de fren­te, mas se acos­tu­mam ra­pi­da­men­te a en­trar por ci­ma.

Sair de ca­sa de trans­por­ta­do­ra

A mai­o­ria dos ga­tos do­més­ti­cos não sai qua­se nun­ca de ca­sa. Se pen­sar­mos bem, as saí­das à rua são con­ta­das e na mai­o­ria dos ca­sos re­du­zem-se às vi­si­tas ao ve­te­ri­ná­rio e às des­lo­ca­ções por vi­a­gem ou por mu­dan­ça de ca­sa. Tan­to umas, co­mo as

Se, em ca­sa, dei­xar­mos a trans­por­ta­do­ra num lo­cal al­to ou nou­tro sí­tio agra­dá­vel pa­ra o ga­to, es­te vai uti­li­zá-la pa­ra des­can­sar

ou­tras, po­dem não ser do agra­do do ga­to se não o acos­tu­ma­mos a re­fu­gi­ar-se na sua trans­por­ta­do­ra co­mo um lu­gar se­gu­ro. No ca­so das idas à clí­ni­ca, ao ver-se fe­cha­do e à mer­cê dos mo­vi­men­tos de des­lo­ca­ção, o ani­mal an­te­ci­pa o que vem de­pois. Um re­cin­to cheio de odo­res es­tra­nhos, so­bre­tu­do de ou­tros animais em stress, um com­ple­to des­co­nhe­ci­do que o ma­ni­pu­la pa­ra o pi­car, etc. Re­gra ge­ral, não per­gun­ta­mos ao nos­so ga­to se es­tá pre­pa­ra­do pa­ra sair de ca­sa. Sim­ples­men­te o co­lo­ca­mos na trans­por­ta­do­ra e, no me­lhor dos ca­sos, vai to­do o per­cur­so calado com as pu­pi­las di­la­ta­das e uma ex­pres­são alu­ci­na­da. No pi­or dos ca­sos, po­de mi­ar in­sis­ten­te­men­te, sa­li­var, vo­mi­tar e, pro­va­vel­men­te, aca­ba por uri­nar e de­fe­car de pu­ro me­do. Pa­ra o evi­tar o ide­al é an­te­ci­par as si­tu­a­ções e co­me­çar a tra­ba­lhar com o ga­to e a trans­por­ta­do­ra des­de o mo­men­to ze­ro.

Ha­bi­tu­ar o ga­to à sua trans­por­ta­do­ra

Em­bo­ra exi­ja um cer­to in­ves­ti­men­to de tem­po, no fi­nal é mui­to pro­vei­to­so e é sim­ples acos­tu­mar o ga­to a ver a trans­por­ta­do­ra co­mo al­go po­si­ti­vo. Pa­ra is­so é re­co­men­dá­vel dei­xar a trans­por­ta­do­ra mon­ta­da no chão, aber­ta e na zo­na de des­can­so do nos­so ga­to, pa­ra que a pos­sa usar à des­cri­ção co­mo se fos­se mais uma ca­mi­nha. Po­de­mos bor­ri­far a trans­por­ta­do­ra com fe­ro­mo­nas ar­ti­fi­ci­ais pa­ra que a as­so­cie a um am­bi­en­te fa­mi­li­ar e se­gu­ro (so­bre­tu­do se a da­ta de ir ao ve­te­ri­ná­rio es­tá pró­xi­ma e va­mos usá-la). Nes­te ca­so, é pre­ci­so apli­car as fe­ro­mo­nas uns di­as an­tes. Tam­bém se po­de es­fre­gar uma to­a­lha no seu cor­po e após es­tar im­preg­na­da do seu odor cor­po­ral dei­xá-la den­tro da trans­por­ta­do­ra. Is­so fa­rá que não a re­ceie. O mais pro­vá­vel é que no pri­mei­ro mo­men­to o nos­so ga­to des­con­fie des­sa cai­xa es­tra­nha, mas ao mes­mo tem­po, a cu­ri­o­si­da­de fe­li­na ina­ta le­va-o a ins­pe­ci­o­nar o no­vo ele­men­to. É nor­mal que se apro­xi­me, chei­re e se afas­te vá­ri­as ve­zes se­gui­das, até se as­se­gu­rar que es­tá tu­do em or­dem. Po­de­mos in­cen­ti­var a acei­ta­ção da trans­por­ta­do­ra co­lo­can­do umas bo­li­nhas de ra­ção ou, me­lhor ain­da, al­gu­mas gu­lo­sei­mas pa­ra ga­tos pró­xi­mo da por­ta. O ob­je­ti­vo é con­se­guir que o ga­to acei­te co­mer no seu in­te­ri­or, pa­ra is­so é ne­ces­sá­rio ter pa­ci­ên­cia e re­pe­tir o pro­ces­so de for­ma pro­gres­si­va du­ran­te vá­ri­os di­as, ten­do o cui­da­do de não opri­mir o ani­mal. Ca­da ani­mal tem o seu pró­prio rit­mo e en­quan­to al­guns en­tram de for­ma con­fi­an­te à pri­mei­ra, se o nos­so ga­to te­ve uma má ex­pe­ri­ên­cia pré­via com a trans­por­ta­do­ra po­de de­mo­rar di­as, ou até se­ma­nas, a ven­cer a des­con­fi­an­ça. Nu­ma se­gun­da fa­se, quan­do o ani­mal já en­tra e sai com se­gu­ran­ça da sua trans­por­ta­do­ra den­tro de ca­sa, acos­tu­ma­mos o ga­to a vi­a­jar de car­ro. Se va­mos sair de vi­a­gem é re­co­men­dá­vel que o ga­to não te­nha co­mi­do an­tes. É boa ideia co­lo­car um ab­sor­ven­te na trans­por­ta­do­ra e, em mui­tos ca­sos, uma man­ti­nha com odor fa­mi­li­ar a ca­sa pro­por­ci­o­na se­gu­ran­ça e tran­qui­li­da­de ao nos­so ga­to du­ran­te as des­lo­ca­ções. Os pri­mei­ros per­cur­sos de­vem ser mui­to cur­tos (por exem­plo, ar­ran­car com o car­ro, per­cor­rer uns me­tros e es­ta­ci­o­nar). É me­lhor is­so que sub­me­ter o ga­to a vá­ri­as ho­ras de vi­a­gem na sua pri­mei­ra saí­da, so­bre­tu­do se é um ga­to ner­vo­so, por­que a ex­pe­ri­ên­cia se­rá di­fí­cil de es­que­cer e a sim­ples vi­são da trans­por­ta­do­ra irá co­lo­cá-lo em pol­vo­ro­sa.

No ve­te­ri­ná­rio

As pri­mei­ras vi­si­tas ao ve­te­ri­ná­rio de­vem es­tar isen­tas de ma­ni­pu­la­ções ex­ces­si­vas e es­pe­ci­al­men­te de in­je­ções. É uma for­ma de co­nhe­cer e de re­la­ci­o­nar os odo­res com um no­vo ter­ri­tó­rio até ago­ra des­co­nhe­ci­do co­mo é a clí­ni­ca. Po­de­mos ir sim­ples­men­te cum­pri­men­tar, es­tar uns mi­nu­tos e vol­tar a ca­sa. Nas vi­si­tas de ro­ti­na, as trans­por­ta­do­ras de plás­ti­co de du­as par­tes des­mon­tá­veis fa­ci­li­tam a sua ma­ni­pu­la­ção e a ad­mi­nis­tra­ção de va­ci­nas, sem o re­ti­rar à for­ça. Os ga­tos po­dem fi­car pa­ra­li­sa­dos no fun­do e pos­si­bi­li­tam uma rá­pi­da atu­a­ção do ve­te­ri­ná­rio sem adi­ci­o­nar mais stress à si­tu­a­ção.

No dia a dia

Re­su­min­do, al­guns ga­tos têm me­do da trans­por­ta­do­ra, pois re­la­ci­o­nam-na, com ra­zão, com as idas ao ve­te­ri­ná­rio e ou­tras saí­das não agra­dá­veis. So­bre­tu­do se a trans­por­ta­do­ra per­ma­ne­ce guar­da­da fo­ra do raio de ação do ga­to, até à al­tu­ra de ser usa­da. Por is­so, re­co­men­da­mos que es­ta fa­ça par­te do en­xo­val do­més­ti­co do ga­to, co­mo se fos­se mais uma ca­mi­nha ou re­fú­gio den­tro da sua ca­sa. As­sim, a sua pre­sen­ça se­rá mais fa­mi­li­ar e me­nos ame­a­ça­do­ra quan­do for pre­ci­so usá-la.

Ca­da ga­to tem o seu pró­prio rit­mo e en­quan­to uns en­tram na trans­por­ta­do­ra de for­ma con­fi­an­te à pri­mei­ra, ou­tros pre­ci­sam de mais tem­po

A trans­por­ta­do­ra de­ve chei­rar de for­ma agra­dá­vel pa­ra o ga­to e ser-lhe fa­mi­li­ar, pa­ra is­so de­ve­mos co­lo­car uma man­ta que use ha­bi­tu­al­men­te.

En­tre os mo­de­los de plás­ti­co, o ide­al é que a par­te su­pe­ri­or se­ja des­mon­tá­vel.

As trans­por­ta­do­ras de te­la ou lo­na amar­ro­tam-se fa­cil­men­te du­ran­te o trans­por­te e são ins­tá­veis ao me­nor mo­vi­men­to do ga­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.