Gru­pos san­guí­ne­os: O seu ga­to é A, B ou AB?

O seu ga­to é A, B ou AB?

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

À se­me­lhan­ça do que acon­te­ce com os hu­ma­nos, os nos­sos ami­gos de qua­tro pa­tas têm tam­bém di­fe­ren­tes gru­pos san­guí­ne­os. O sis­te­ma de clas­si­fi­ca­ção é, no en­tan­to, re­la­ti­va­men­te mais sim­ples, ape­sar de di­ta­rem igual­men­te a com­pa­ti­bi­li­da­de no ca­so de uma trans­fu­são.

Exis­tem três gru­pos san­guí­ne­os prin­ci­pais: A, B e AB. A gran­de mai­o­ria das nos­sas bo­las de pe­lo tem san­gue do ti­po A, mas exis­tem ex­ce­ções, so­bre­tu­do quan­do fa­la­mos em ga­tos de de­ter­mi­na­das ra­ças. E não va­le a pe­na mis­tu­rar, ape­sar da mes­ma ter­mi­no­lo­gia uti­li­za­da em Me­di­ci­na Hu­ma­na, es­tes gru­pos são com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes dos nos­sos.

O que de­ter­mi­na o gru­po san­guí­neo do meu ga­to?

Tal co­mo acon­te­ce con­nos­co, o gru­po san­guí­neo é de­ter­mi­na­do ge­ne­ti­ca­men­te por um par de ge­nes, sen­do o gru­po A do­mi­nan­te so­bre o gru­po B. Ou se­ja, ge­ne­ti­ca­men­te fa­lan­do, quan­do um ga­to per­ten­ce ao gru­po A po­de ter dois ge­nes iguais (AA) ou di­fe­ren­tes (Ab); en­quan­to um ga­to per­ten­cen­te ao gru­po B te­rá obri­ga­to­ri­a­men­te dois ge­nes iguais (bb). A he­ri­ta­bi­li­da­de do gru­po san­guí­neo AB não é ain­da bem com­pre­en­di­da, mas pre­su­me-se que se­ja trans­mi­ti­do de for­ma in­de­pen­den­te, sen­do re­ces­si­vo pe­ran­te o A (dan­do ori­gem a um ani­mal do gru­po A), mas do­mi­nan­te so­bre o B (dan­do ori­gem a um ga­to do gru­po B). Des­ta for­ma, fi­ca um bo­ca­di­nho mais fá­cil de per­ce­ber a enor­me pro­ba­bi­li­da­de de um ga­to ser do ti­po A, por­que um mai­or nú­me­ro de com­bi­na­ções di­ta a sua ex­pres­são.

Co­mo sa­ber o gru­po san­guí­neo do meu ga­to?

O gru­po san­guí­neo po­de ser fa­cil­men­te de­te­ta-

do por tes­tes rá­pi­dos no Hos­pi­tal ou por mé­to­dos la­bo­ra­to­ri­ais mais ela­bo­ra­dos, no­me­a­da­men­te, atra­vés de aná­li­se ge­né­ti­ca (que não só re­ve­la o gru­po, mas tam­bém os ge­nes na ori­gem do mes­mo).

In­com­pa­ti­bi­li­da­de en­tre di­fe­ren­tes gru­pos san­guí­ne­os

Ga­ti­nhos de gru­po san­guí­neo B pos­su­em sem­pre ele­va­dos an­ti­cor­pos an­ti-a, que fa­zem com que seu or­ga­nis­mo re­co­nhe­ça o san­gue do ti­po A co­mo es­tra­nho, “ata­can­do” os gló­bu­los ver­me­lhos e dan­do ori­gem a re­a­ções ad­ver­sas, que po­dem mes­mo ser fa­tais. Já os de gru­po A têm al­guns an­ti­cor­pos an­ti-b, o que po­de igual­men­te le­var a uma con­sequên­cia de­sas­tro­sa no ca­so de uma trans­fu­são. Ga­tos do ti­po AB, por ou­tro la­do, não pos­su­em an­ti­cor­pos an­ti-a nem an­ti-b. Con­tra­ri­a­men­te ao que acon­te­ce na mai­o­ria dos ma­mí­fe­ros, em que é ne­ces­sá­rio exis­tir con­tac­to com um agen­te ex­ter­no (an­ti­gé­nio) pa­ra que se de­sen­vol­vam an­ti­cor­pos con­tra o mes­mo, os ga­tos pos­su­em an­ti­cor­pos na­tu­rais (alo­an­ti­cor­pos) que se criam sem ex­po­si­ção pré­via ao agen­te ex­ter­no: os ga­tos de ti­po san­guí­neo B têm na­tu­ral­men­te an­ti­cor­pos an­ti-a, e vi­ce-ver­sa, mes­mo que nun­ca te­nham con­tac­ta­do, o que im­pli­ca que, mes­mo no ca­so de uma pri­mei­ra trans­fu­são de san­gue, os gru­pos san­guí­ne­os do da­dor e do re­ce­tor se­jam co­nhe­ci­dos, de for­ma a mi­ni­mi­zar pos­sí­veis efei­tos co­la­te­rais.

Iso­e­ri­tró­li­se Ne­o­na­tal

A iso­e­ri­tró­li­se ne­o­na­tal afe­ta ga­ti­nhos re­cém-nas­ci­dos de gru­po san­guí­neo A, cu­ja mãe é do gru­po san­guí­neo B. Tal co­mo ex­pli­ca­do an­te­ri­or­men­te,

Uma trans­fu­são san­guí­nea en­tre ga­tos de gru­pos san­guí­ne­os di­fe­ren­tes po­de le­var à mor­te do re­ce­tor, por is­so é es­sen­ci­al a ti­pi­fi­ca­ção do san­gue

e se­gun­do a lei das pro­ba­bi­li­da­des, é até bas­tan­te ex­pec­tá­vel que, ocor­ren­do o cru­za­men­to en­tre um ma­cho do ti­po A e uma fê­mea do ti­po B, as cri­as se­jam do ti­po A. Con­tra­ri­a­men­te ao que acon­te­ce na me­di­ci­na hu­ma­na, a pas­sa­gem de an­ti­cor­pos ma­ter­nos (da mãe pa­ra o fi­lho) que pos­sa ocor­rer du­ran­te a ges­ta­ção não é ex­pres­si­va, acon­te­cen­do atra­vés do co­los­tro (pri­mei­ro lei­te ma­ter­no) du­ran­te as pri­mei­ras 24 ho­ras de vi­da do ga­ti­nho. Du­ran­te a lac­ta­ção, um ga­ti­nho do ti­po san­guí­neo A recebe en­tão an­ti­cor­pos an­ti-a, o que po­de le­var à des­trui­ção dos seus gló­bu­los ver­me­lhos e, no fun­do, pro­vo­car uma re­a­ção se­me­lhan­te à de uma trans­fu­são san­guí­nea in­com­pa­tí­vel. Ape­sar de tu­do, es­ta re­a­ção é re­la­ti­va­men­te ra­ra (já que mais de 95% dos ga­tos são ti­po A) e ten­de a acon­te­cer so­bre­tu­do em ga­tos com “pe­di­gree”, mo­ti­vo pe­lo qual os cri­a­do­res de­vem in­ves­ti­gar jun­ta­men­te com o mé­di­co ve­te­ri­ná­rio os ge­nes de ca­da re­pro­du­tor. A tí­tu­lo de cu­ri­o­si­da­de, e tam­bém por se­rem das ra­ças mais po­pu­la­res em Por­tu­gal, a per­cen­ta­gem de ga­tos do ti­po B é mai­or em Per­sas, Bri­tish Shorthair e Scot­tish Fold (ain­da que a gran­de mai­o­ria per­ten­ça ao A).

Exis­tem três gru­pos san­guí­ne­os em ga­tos: A, B e AB.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.