Porquê usar co­mi­da no trei­no?

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

Os trei­na­do­res usam co­mi­da pa­ra trei­nar des­de sem­pre. Mes­mo há mui­to tem­po atrás quan­do mé­to­dos pu­ni­ti­vos eram pra­ti­ca­men­te os úni­cos dis­po­ní­veis, co­mi­da ain­da era usa­da, em­bo­ra mui­tas ve­zes sem no­ção do seu ver­da­dei­ro im­pac­to no trei­no.

Aos pou­cos, com a in­for­ma­ção do que é o trei­no po­si­ti­vo e do uso de al­go que o cão gos­ta, a co­mi­da co­me­çou a ser usa­da com mai­or frequên­cia.

Co­mi­da é si­nó­ni­mo de trei­no po­si­ti­vo?

O uso de co­mi­da no trei­no não é, de to­do, si­nó­ni­mo de es­tar a as­sis­tir a uma ses­são de trei­no ba­se­a­do em téc­ni­cas de re­for­ço po­si­ti­vo. Is­to por­que a co­mi­da não é re­for­ço po­si­ti­vo. A co­mi­da po­de ser usa­da, e é usa­da, co­mo re­com­pen­sa pa­ra re­for­çar um com­por­ta­men­to, mas por si mes­ma, a co­mi­da é ape­nas um re­cur­so mui­to va­li­o­so que ga­ran­te a so­bre­vi­vên­cia da es­pé­cie. Mui­tos trei­na­do­res usam a co­mi­da er­ra­da­men­te, sem sa­be­rem mui­to bem co­mo con­tro­lar o re­cur­so pa­ra que es­te pas­se a ser uma re­com­pen­sa que re­for­ça um com­por­ta­men­to, ao in­vés de um en­go­do, ou de al­go do qual o cão de­pen­de, is­to é, o cão só faz se ti­ver a co­mi­da à vis­ta. Por ou­tro la­do, tam­bém exis­tem aque­les que con­ti­nu­am a usar mé­to­dos pu­ni­ti­vos, mas mis­tu­ram uma co­mi­di­nha pe­lo meio pa­ra ten­tar dis­far­çar o que re­al­men­te es­tão a fa­zer e con­fun­dir os tu­to­res. Um es­ti­cão nu­ma en­for­ca­do­ra, se­gui­do de um pe­da­ci­nho de sal­si­cha, por exem­plo, é um des­ses ca­sos. Nes­te úl­ti­mo ca­so, a co­mi­da es­tá ali ape­nas pa­ra fa­zer a pes­soa sen­tir-se me­lhor, por­que o com­por­ta­men­to es­tá a ser con­tro­la­do pe­la via pu­ni­ti­va.

Re­lu­tân­cia em usar co­mi­da

Mui­tas pes­so­as têm re­lu­tân­cia em usar co­mi­da du­ran­te o trei­no, mui­tas ve­zes por­que usa­ram-na de for­ma er­ra­da ou al­guém os di­re­ci­o­nou er­ra­da­men­te – o tal trei­na­dor que não sa­be usar re­for­ço po­si­ti­vo ade­qua­da­men­te – e o cão tor­nou-se de­pen­de da co­mi­da e só faz se a pes­soa ti­ver um pe­da­ço de sal­si­cha bem gran­de à mos­tra na mão. Ób­vio que is­so não é trei­no. Ter um pe­da­ço de sal­si­cha na mão e mo­ve-la de um la­do pa­ra o ou­tro de for­ma a in­cen­ti­var o cão a se­gui-la e exe­cu­tar com­por­ta­men­tos não é trei­no po­si­ti­vo, é um cão a se­guir um pe­da­ço de co­mi­da. Es­tes pro­ble­mas de mau uso da co­mi­da ge­ra es­ta tal re­lu­tân­cia e pro­ble­mas que mui­tos tu­to­res têm. No en­tan­to, se­rá bom elu­ci­dar o público em ge­ral que a co­mi­da é ape­nas uma in­tro­du­ção e uma for­ma de trei­nar rá­pi­da e efi­caz­men­te com­por­ta­men­tos no­vos, mas que pas­sa­da es­sa fa­se, a co­mi­da é da­da de for­ma es­po­rá­di­ca e que, mui­tas ve­zes, a re­com­pen­sa é subs­ti­tuí­da, ou se­ja, ao in­vés de co­mi­da da­mos ou­tras coi­sas, co­mo aces­so à rua, aces­so a ou­tros cães, ti­rar a tre­la, abrir a por­ta, chei­rar ar­bus­tos ou qual­quer coi­sa li­te­ral­men­te que o cão quei­ra po­de ser uma re­com­pen­sa.

100 grãos = 100 com­por­ta­men­tos

Se o seu cão co­mer por dia 100 grãos de ra­ção, vo­cê tem 100 opor­tu­ni­da­des de re­com­pen­sar “sen­tas”. Num dia po­de re­com­pen­sar 100 “sen­tas”! Cla­ro que nin­guém faz is­so, mas o que que­ro ex­pli­car é que um grão de ra­ção é o su­fi­ci­en­te pa­ra re­for­çar­mos um com­por­ta­men­to e, co­mo tal, con­si­go du­ran­te 15 mi­nu­tos se­gui­dos re­com­pen­sar “sen­tas”, “dei­tas”, “fi­cas”, “to­cas” e an­dar 20 mi­nu­tos na tre­la sem pu­xar, tu­do se­gui­do, sem per­der o in­te­res­se do cão. É uma ques­tão de não per­der o mo­men­to, es­pe­ci­al­men­te se es­ta­mos a en­si­nar com­por­ta­men­tos no­vos que o cão ain­da não sa­be. Po­dia usar qual­quer ou­tra re­com­pen­sa, co­mo brin­car, chei­rar ar­bus­tos, abrir a por­ta, ter aces­so a ou­tros cães, cor­rer sem tre­la, etc. e mui­tas des- tas re­com­pen­sas são até bas­tan­tes mais for­tes em ter­mos de qua­li­da­de que um grão de ra­ção, mas hi­po­te­ti­ca­men­te fa­lan­do qu­an­tos com­por­ta­men­tos con­se­gui­ria trei­nar a um al­to ní­vel se ape­nas usas­se, por exem­plo, sol­tar o cão da tre­la pa­ra trei­nar um ex­ce­len­te “dei­ta e fi­ca”? Pe­di­ria um “dei­ta e fi­ca”, ti­ra­ria a tre­la, re­for­ço Jum­bo de al­to va­lor, e de­pois? O má­xi­mo que tal­vez con­se­guis­se se­ria re­pe­tir a fa­ça­nha du­as ou mais ve­zes, mas te­ria que o cha­mar e pren­der no­va­men­te. Perde-se tem­po, o trei­no dei­xa de ter con­ti­nui­da­de e fluên­cia e o cão de­mo­ra­ria o tri­plo do tem­po a con­se­guir apren­der o com­por­ta­men­to pre­ten­di­do.

Ci­ên­cia do trei­no

De acor­do com a for­ma cor­re­ta de se en­si­nar no­vos com­por­ta­men­tos a um cão, de­ve­mos sem­pre co­me­çar por en­si­nar um com­por­ta­men­to no­vo, num am­bi­en­te com pou­cas ou ne­nhu­mas dis­tra­ções que se­ja o lo­cal on­de o cão pas­sa mais tem­po, co­mo em ca­sa por exem­plo. É bem mais com­pli­ca­do en­con­trar uma re­com­pen­sa nes­se am­bi­en­te. Po­de usar brin­que­dos e brin­car. Mui­tos cães ado-

Aqui o Jo­el ten­ta per­ce­ber co­mo po­de re­ti­rar a ra­ção de den­tro das gar­ra­fas, es­ti­mu­lan­do a men­te e in­cen­ti­van­do-o a tra­ba­lhar pa­ra co­mer

ram bo­las, jo­gos de tug, etc. Mas é can­sa­ti­vo pa­ra o tu­tor e pa­ra o cão, e tem al­gu­mas li­mi­ta­ções, co­mo por exem­plo, ini­ci­al­men­te é mui­to mais di­fí­cil fa­zer um cão se­guir uma bo­la pa­ra que efe­tue um de­ter­mi­na­do com­por­ta­men­to, do que fa­zê-lo se­guir um pe­da­ço de co­mi­da. Os cães es­tão bi­o­lo­gi­ca­men­te pro­gra­ma­dos pa­ra se­guir co­mi­da, e a gran­de mai­o­ria fa­rá is­so sem pen­sar mui­to. Co­lo­que um pe­da­ci­nho de co­mi­da em fren­te a um ca­chor­ro e é vê-lo se­gui-lo pa­ra to­do o la­do. Es­ta par­te do trei­no é im­por­tan­te, pa­ra en­si­nar o com­por­ta­men­to e re­for­çá-lo. O que vem a se­guir, em que trans­for­ma­mos a co­mi­da nu­ma re­com­pen­sa, ao in­vés de ser um en­go­do, é que fa­lha na­que­les que não sa­bem bem o que es­tão a fa­zer. Pa­ra ge­ne­ra­li­zar o com­por­ta­men­to, tam­bém te­rá in­du­bi­ta­vel­men­te mais di­fi­cul­da­de se usar uma bo­la num jar­dim com cães, pa­ra trei­nar o seu cão a sen­tar quan­do vê um cão. E se qui­ser trei­nar o cão a an­dar de tre­la sem pu­xar? Co­mo fa­rá is­so com uma bo­la? Não é im­pos­sí­vel, já o fiz, mas é um de­sa­fio ten­tar ati­rar a bo­la ao ar me­to­di­ca­men­te, ao in­vés de sim­ples­men­te dar um pe­da­ço de co­mi­da ao cão.

Não faz sen­ti­do dar co­mi­da ao cão em tro­ca de na­da, al­go que eles nem gos­tam, e de­pois não sa­ber­mos co­mo o mo­ti­var a fa­zer al­go que que­re­mos

Ou se­ja, a co­mi­da fa­ci­li­ta imen­so mui­tas ta­re­fas de trei­no que de ou­tra for­ma tor­nar-se-iam um au­tên­ti­co de­sa­fio.

Um re­cur­so va­li­o­so

A co­mi­da é um dos re­cur­sos mais va­li­o­so na vi­da do cão. O cão tem mui­tos re­cur­sos que lhes são va­li­o­sos, mas por or­dem di­ría­mos que é pro­cri­ar e de­pois co­mer e be­ber. As­sim sen­do, a co­mi­da é um re­cur­so ex­tre­ma­men­te va­li­o­so que de­ve­mos não só con­tro­lar, co­mo sa­ber usar de for­ma in­te­li­gen­te pa­ra trei­nar e con­tro­lar com­por­ta­men­tos do nos­so cão. Não faz sen­ti­do ab­so­lu­ta­men­te ne­nhum dar co­mi­da gra­tui­ta­men­te ao cão em tro­ca de na­da, al­go que eles nem gos­tam, e de­pois não sa­ber­mos co­mo o mo­ti­var a fa­zer al­go que que­re­mos. Um cão de bar­ri­ga cheia não vai que­rer tra­ba­lhar pa­ra co­mer. Um cão que tem aces­so a co­mi­da o dia to­do, pou­sa­da nu­ma ta­ça, da­rá pou­co ou qua­se ne­nhum va­lor ao re­cur­so, e fo­mos nós que, inad­ver­ti­da­men­te, re­ti­rá­mos o va­lor ao re­cur­so ao co­lo­cá-lo à dis­po­si­ção do cão sem­pre que es­te quer. A co­mi­da de­ve ser usa­da co­mo re­cur­so va­li­o­so que é, e fa­zê-lo é uma for­ma in­te­li­gen­te de con­tro­lar o com­por­ta­men­to do cão. Cães que não co­mem no trei­no, ou es­tão de bar­ri­ga cheia ou pre­ci­sam de apren­der no­va­men­te a dar va­lor ao re­cur­so da co­mi­da. Ve­ja o no­vo pro­je­to da IAAD – Dei­te a ta­ça de co­mi­da ao li­xo (www. ta­ca­no­li­xo.word­press.com) – que tem co­mo in­tui­to edu­car a po­pu­la­ção de que ali­men­tar cães na ta­ça é al­go que faz me­nos fa­vo­res ao cão que irá ado­rar pro­cu­rar, brin­car e tra­ba­lhar pa­ra co­mer, ao in­vés de ter a co­mi­da en­tre­gue nu­ma ta­ça di­a­ri­a­men­te. Lem­bre-se que, co­mo re­cur­so que é, a co­mi­da de­ve ser con­tro­la­da por si, e o cão de­ve en­ten­der que se vem da sua mão é pa­ra co­mer, e que se quer co­mer de­ve ofe­re­cer al­go em tro­ca, de pre­fe­rên­cia al­go que vo­cê de­se­ja. É uma si­tu­a­ção em que to­dos ga­nham e o cão que co­me to­dos os di­as, aca­ba por fa­zê-lo, mas de uma for­ma bem mais sa­tis­fa­tó­ria e efi­caz.

O cão faz pe­la co­mi­da

Bom, se vo­cê acre­di­ta que o cão lhe obe­de­ce só por­que sim, en­ga­na-se! Ne­nhum ani­mal na ter­ra faz al­go só por­que sim. To­dos te­mos in­te­res­ses e mo­ti­va­ções que nos le­vam a exe­cu­tar de­ter­mi­na­dos com­por­ta­men­tos. No ca­so dos cães, o cão faz pe­la co­mi­da, co­mo faz o cão pas­tor se­guir as di­re­ções do pas­tor pa­ra po­der con­ti­nu­ar a con­tro­lar o re­ba­nho, co­mo faz o cão de ca­ça pa­ra po­der co­mer um pe­da­ço da ca­ça e con­ti­nu­ar a ca­çar, co­mo faz qual­quer cão. Se o cão não quer co­mer, ele não vai fa­zer. Já foi di­to, por is­so se ele tem fo­me e quer co­mer, vai fa­zer pa­ra ad­qui­rir a co­mi­da, mas es­sa é a re­com­pen­sa fi­nal, pe­lo meio exis­te o tra­ba­lho, o re­la­ci­o­na­men­to con­si­go, o en­ten­der o com­por­ta­men­to pe­di­do e a ca­pa­ci­da­de de li­dar com o am­bi­en­te ex­ter­no. O cão irá fa­zer não um, não dois, mas mui­tos com­por­ta­men­tos de­se­já­veis por um me­ro grão de ra­ção que vem even­tu­al­men­te ou não. A ci­ên­cia es­tá em sa­ber­mos co­mo fa­zer com que o cão fa­ça pa­ra re­ce­ber o seu or­de­na­do por um tra­ba­lho bem fei­to, mas ao mes­mo tem­po man­ter um re­la­ci­o­na­men­to de con­fi­an­ça, se­gu­ran­ça e em­pa­tia com o seu tu­tor.

A ceia

Con­cluin­do, em jei­to de úl­ti­ma re­fei­ção, co­mo diz a Dra. Kathy Sdao, “no mun­do do trei­no dos animais ma­ri­nhos a dis­cus­são de se usa­mos co­mi­da ou não pa­ra trei­nar nem se­quer nun­ca foi co­lo­ca­da”, lo­go es­ta dis­cus­são de porquê usar co­mi­da é per­da de tem­po. Te­mos ao nos­so dis­por um re­cur­so fan­tás­ti­co, que con­tro­la­mos a 100%, que nos per­mi­te fa­zer um trei­no efi­caz e efi­ci­en­te sem usar pu­ni­ções, não sei que dú­vi­das po­dem res­tar. Usar co­mi­da se­rá sem­pre uma for­ma útil e efi­caz de trei­nar e co­mo di­go: “1.000 ve­zes um pe­da­ço de co­mi­da na mi­nha mão, do que uma en­for­ca­do­ra no pes­co­ço do meu cão”. Apren­da a usar a co­mi­da e ve­rá que é fá­cil, efi­caz e di­ver­ti­do. Lem­bre-se, stay po­si­ti­ve!

Um cão que tem aces­so a co­mi­da o dia to­do, pou­sa­da nu­ma ta­ça, da­rá pou­co ou qua­se ne­nhum va­lor ao re­cur­so

O uso da co­mi­da per­mi­te o trei­no de com­por­ta­men­tos al­ta­men­te com­ple­xos e di­fí­ceis que de ou­tra for­ma se­ri­am um de­sa­fio ain­da mai­or.

A co­mi­da per­mi­te en­si­nar com­por­ta­men­tos no­vos, re­com­pen­sar ade­qua­da­men­te e é uma for­ma di­ver­ti­da de trei­nar.

Po­de­mos usar co­mo re­com­pen­sas ou­tras coi­sas além de co­mi­da, co­mo brin­que­dos, por exem­plo.

Co­lo­que um pe­da­ci­nho de co­mi­da em fren­te a um ca­chor­ro e é vê-lo se­gui-lo pa­ra to­do o la­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.