En­si­nar o cão a fi­car so­zi­nho

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

En­si­nar o cão a fi­car so­zi­nho é tal­vez das coi­sas mais im­por­tan­tes e úteis a en­si­nar ao seu cão, co­me­çan­do des­de pe­que­ni­no, is­to se qui­ser evi­tar pro­ble­mas gra­ves, co­mo an­si­e­da­de por se­pa­ra­ção.

Ou ou­tros pro­ble­mas me­nos gra­ves, mas igual­men­te im­pe­di­ti­vos de uma vi­vên­cia em har­mo­nia com o cão, co­mo um cão que não sa­be es­tar so­zi­nho e que quan­do é for­ça­do a fi­car des­trói, vo­ca­li­za, ras­pa as por­tas e tor­na-se ex­tre­ma­men­te in­co­mo­da­ti­vo.

Co­me­çar ce­do

Quan­do va­mos bus­car um ca­chor­ro, usu­al­men­te, fa­ze­mo-lo nu­ma al­tu­ra em que te­mos mais tem­po, nas fé­ri­as, num fim-de-se­ma­na ou em di­as li­vres. Da­mos to­da a nos­sa aten­ção ao ca­chor­ro quan­do es­ta­mos com ele e es­te ra­ra­men­te, se al­gu­ma vez, fi­ca so­zi­nho. Is­to faz com que o fos­so so­ci­al de so­li­dão que acon­te­ce quan­do a vi­da das pes­so­as vol­ta ao nor­mal se­ja mui­to mais in­ten­si­fi­ca­do e que is­so crie pro­ble­mas gra­ves, pois o cão não es­ta­rá pre­pa­ra­do pa­ra li­dar com es­sa sú­bi­ta so­li­dão im­pos­ta de vá­ri­as ho­ras por dia. Por is­so quan­do for bus­car o ca­chor­ro, co­me­ce lo­go a pen­sar nis­to. Na pre­ven­ção es­tá a so­lu- ção e se co­me­çar des­de lo­go a acos­tu­mar o ca­chor­ro que, por ve­zes, tem re­al­men­te que es­tar so­zi­nho is­so vai fa­ci­li­tar to­da a tran­si­ção e irá evi­tar o de­sen­vol­vi­men­to de pro­ble­mas gra­ves. Co­me­ce lo­go no 1º dia em que o seu ca­chor­ro, ou cão ado­ta­do, che­ga a sua ca­sa, não es­pe­re.

O que fa­zer?

Co­me­ce por dei­xar o ca­chor­ro so­zi­nho por cur­tos pe­río­dos de tem­po em ca­sa nas di­ver­sas di­vi­sões da sua ca­sa, pa­ra que ele se acos­tu­me a que as pes­so­as vão e ve­em e que não exis­te mo­ti­vo pa­ra pâ­ni­co. Pa­ra aju­dar es­te pro­ces­so sou apo­lo­gis­ta de co­me­çar a en­si­nar pri­mei­ro o ca­chor­ro a en­tre­ter-se com al­go en­quan­to es­tá na sua com­pa­nhia. Acos­tu­me-o a ro­er os­si­nhos ade­qua­dos pa­ra cão, kongs re­che­a­dos (os meus fa­vo­ri­tos), po­de en­si­ná-lo a co­mer atra­vés de uma bo­la de ra­ção ou en­tre­ter-se com um ta­pe­te snuf­fle com ra­ção es­pa­lha­da no mes­mo. É im­por­tan­te que o ca­chor­ro ou cão es­te­ja dis­traí­do com al­go. As­sim que ele se acos­tu­mar e apren­der a di­ver­tir-se e dis­trair-se com es­tes jo­gos, co­me­ce a dei­xá-lo so­zi­nho en­quan­to ele es­tá dis­traí­do. Dei­xe-o só en­quan­to ele co­me, en­tre e saia da di­vi­são vá­ri­as ve­zes, au­men­tan­do gra­du­al­men­te o tem­po que fi­ca fo­ra da di­vi­são em que ele es­tá. Lem­bre-se que é im­por­tan­te que ele não pos­sa se­gui-lo, fe­che a por­ta ou te­nha o cão num es­pa­ço de con­ten­ção apro­pri­a­do (par­que pa­ra cães, cra­te, etc.) do qual não po­de sair. O mes­mo sis­te­ma de­ve ser usa­do ca­so o ca­chor­ro es­te­ja a dor­mir. Sa­be­mos que não há na­da mais de­li­ci­o­so do que ter o ca­chor­ro a dor­mir no nos­so co­lo. Quan­do são mui­to pe­que­ni­nos ador­me­cem mui­tas ve­zes du­ran­te o dia. Se o acos­tu­mar a dor­mir no so­fá ao seu la­do ou ao seu co­lo, ele te­rá mui­tas mais di­fi­cul­da­des em acos­tu­mar-se a dor­mir so­zi­nho quan­do for ne­ces­sá­rio. Se ele ador­me­cer per­to de si, quan­do ele es­ti­ver a dor­mir fer­ra­do, co­lo­que-o na sua ca­mi­nha. En­tre e saia do com­par­ti­men­to vá­ri­as ve­zes. Se ele acor­dar ou abrir os olhos, ra­pi­da­men­te se aper­ce­be da mo­vi­men­ta­ção e per­ce­be que vo­cê sai, mas vol­ta ra­pi­da­men­te e que não exis­te mo­ti­vo pa­ra pâ­ni­co.

En­trar e sair de ca­sa

Não tor­ne a sua che­ga­da um even­to e, es­pe­ci­al­men­te, tor­ne a sua saí­da o even­to mais na­tu­ral pos­sí­vel. Evi­te sair de ca­sa com des­pe­di­das

En­si­ne o ca­chor­ri­nho a co­mer de uma bo­la de ra­ção, ou a brin­car com um Kong re­che­a­do, quan­do es­tá so­zi­nho, pa­ra se dis­trair

lon­gas e re­che­a­das de bei­jos, des­cul­pas e mi­mos, por­que in­fe­liz­men­te is­to ape­nas po­de au­men­tar a an­si­e­da­de que o cão po­de sen­tir por ir fi­car so­zi­nho. Tor­ne a sua saí­da de ca­sa um even­to com­ple­ta­men­te na­tu­ral, pe­gue nas su­as coi­sas e saia. Não di­ga na­da, nem co­me­ce a olhar de la­do com ca­ra de cul­pa­do pa­ra o seu cão. Ele vai-se aper­ce­ber que al­go se pas­sa e vai co­me­çar a fa­zer uma “lis­ta men­tal” de com­por­ta­men­tos que vo­cê faz an­tes de sair de ca­sa e vai ser um pro­ble­ma. Quan­do che­ga a ca­sa, tam­bém evi­te gran­des fes­tas de ar­rom­ba. Ape­sar de ser sem­pre re­ce­bi­do co­mo os Be­a­tles, acos­tu­me-se a che­gar, pou­sar pri­mei­ro as su­as coi­sas, ir la­var as mãos, fa­zer is­to e aqui­lo an­tes de fi­nal­men­te se de­di­car a fa­lar com os seus pa­tu­dos, per­gun­tar-lhes co­mo lhes cor­reu o dia e pas­sar um bom bo­ca­do a afa­gar-lhes o pe­lo. Se es­tes dois com­por­ta­men­tos, sair de ca­sa e che­gar a ca­sa, fo­rem fei­tos de uma for­ma mui­to na­tu­ral e cal­ma, es­tá a aju­dar o cão a li­dar com os mes­mos. Se fi­zer dis­to um dra­ma, não se ad­mi­re se cri­ar um.

Di­as de se­ma­na vs fim-de-se­ma­na

A mai­o­ria dos cães tem um re­ló­gio in­ter­no que os aju­da a per­ce­ber quan­do é um dia de se­ma­na e quan­do é fim-de-se­ma­na. Os nos­sos com­por­ta­men­tos são fá­ceis de in­ter­pre­tar e eles con­se­guem dis­cer­nir o que se vai pas­sar. Acos­tu­mam-se com uma ra­pi­dez in­crí­vel às ro­ti­nas que cri­a­mos du­ran­te os di­as que pas­sam e fi­cam de­pen­den­tes de­las. Lem­bre-se que se du­ran­te o fim-de-se­ma­na ou quan­do che­ga a ca­sa nun­ca dei­xa o cão so­zi­nho, en­tão ele vai apren­der que a sua pre­sen­ça im­pli­ca uma com­pa­nhia pri­o­ri­tá­ria. Mas é exa­ta­men­te is­to que que­re­mos evi­tar. Que­re­mos que o cão ou ca­chor­ro apren­da que

Ar­ran­jar ou­tro com­pa­nhei­ro de qua­tro pa­tas po­de ser bom, mas lem­bre-se que am­bos os cães de­vem ter di­rei­to a pri­va­ci­da­de

quan­do es­ta­mos em ca­sa ele po­de ter que per­ma­ne­cer so­zi­nho e que is­so po­de ter que ser ne­ces­sá­rio. Não acos­tu­me ape­nas o cão a fi­car so­zi­nho quan­do vo­cê se au­sen­ta to­tal­men­te de ca­sa, se­ja pró-ati­vo e en­si­ne as du­as ver­ten­tes, quer vo­cê saia to­tal­men­te de ca­sa ou es­te­ja em ca­sa e pre­ci­se de o iso­lar tem­po­ra­ri­a­men­te.

Um ou­tro cão

Mui­tas pes­so­as sen­tin­do-se cul­pa­das pe­lo tem­po que têm de dei­xar os seus com­pa­nhei­ros so­zi­nhos, pen­sam em ar­ran­jar um se­gun­do cão pa­ra fa­zer com­pa­nhia ao pri­mei­ro. Na­da de er­ra­do em ter­mos mais do que um ami­go pa­tu­do, mas não pa­ra fa­zer com­pa­nhia ao ou­tro, pois nun­ca se de­ve es­que­cer que um se­gun­do cão é tu­do em du­pli­ca­do. O do­bro das des­pe­sas, das pre­o­cu­pa­ções, do tra­ba­lho a pas­se­ar, a ali­men­tar, a man­ter ocu­pa­do, etc. Se es­tá a pen­sar ter ou­tro cão, é im­por­tan­te lem­brar-se que os dois cães não de­vem pas­sar 24 h por dia, 365 di­as por ano, jun­tos. Dor­mir na mes­ma di­vi­são, co­mer na mes­ma di­vi­são, pas­sar o dia na mes­ma di­vi­são. Ima­gi­ne se lhe im­pu­nham is­so du­ran­te 365 di­as com a sua ca­ra-me­ta­de ou com a sua mãe? Por mais amor e ca­ri­nho que te­nha­mos por es­sas pes­so­as, da­ría­mos em lou­cas por per­der­mos a nos­sa in­di­vi­du­a­li­da­de e pri­va­ci­da­de. Ao con­trá­rio do que pos­sa pen­sar, os cães tam­bém pre­ci­sam de pri­va­ci­da­de. Por­tan­to se­pa­re-os, se­ja na ho­ra de co­mer (em di­vi­sões di­fe­ren­tes), na ho­ra de dor­mir, po­de (e de­ve) pas­seá-los se­pa­ra­da­men­te, po­de ter um con­si­go no so­fá e o ou­tro na co­zi­nha en­quan­to al­guém faz o jan­tar ou es­tá por lá a tra­tar de al­go. O que é im­por­tan­te é ar­ran­jar tem­po in­di­vi­du­al pa­ra ca­da cão. Se fi­zer is­so, e se eles se de­rem bem, um ou­tro cão po­de de fac­to ser uma boa com­pa­nhia e re­ti­rar um pou­co do abor­re­ci­men­to e da so­li­dão das ho­ras que vo­cê não es­tá em ca­sa, e aju­dar tam­bém no en­si­no de co­mo li­dar com a au­sên­cia da fa­mí­lia hu­ma­na.

Cláudia Es­ta­nis­lau Trei­na­do­ra da It's All About Dogs (www.it­sal­la­bout­dogs.net) Fotos: IAAD

Dis­trai-lo com um os­so é uma óti­ma for­ma de dei­xar o ca­chor­ro en­quan­to saí­mos e en­tra­mos da di­vi­são en­si­nan­do ao ca­chor­ro que saí­mos, mas vol­ta­mos.

Quan­do o ca­chor­ri­nho sou­ber des­can­sar e sos­se­gar so­zi­nho sem ter que es­tar em ci­ma de si es­tá no bom ca­mi­nho.

Quan­do o ca­chor­ro ador­me­cer co­lo­que-o na trans­por­ta­do­ra ou na sua ca­mi­nha so­zi­nho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.