Gro­o­mer vs Animais di­fí­ceis

Tra­ba­lhar com animais não é fá­cil

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

Mui­tas ve­zes sou abor­da­da por pes­so­as que per­gun­tam “E co­mo fa­zem quan­do eles mor­dem?”. Ape­sar de a res­pos­ta por re­gra ser “açai­me”, na ver­da­de nem sem­pre é bem as­sim.

Quan­do tra­ba­lha­mos com animais que têm um do­no, es­te é quem os co­nhe­ce me­lhor do que nin­guém e con­ta­mos sem­pre com a sua ho­nes­ti­da­de. Os animais não fa­lam e não en­ten­dem o que es­tá a acon­te­cer, por is­so é es­sen­ci­al uma co­mu­ni­ca­ção ho­nes­ta e fron­tal por par­te do do­no. É im­por­tan­te pa­ra sa­ber co­mo li­dar com o ani­mal, o que es­pe­rar des­te, qu­an­to tem­po va­mos de­mo­rar e, aci­ma de tu­do, pa­ra pre­ve­nir aci­den­tes.

Re­cor­rer à anes­te­sia

Por ve­zes exis­tem cães que ne­ces­si­tam de ser anes­te­si­a­dos pa­ra cor­tar o pe­lo, o que só po­de ser fei­to em uma Clí­ni­ca ou Hos­pi­tal Ve­te­ri­ná­rio. Não é à toa que se anes­te­sia um ani­mal, é sem­pre em úl­ti­ma ins­tân­cia. Pa­ra se anes­te­si­ar um cão é ne­ces­sá­rio um exa­me clí­ni­co pré­vio pa­ra sa­ber se o ani­mal es­tá bem de saú­de, se po­de ser su­jei­to a uma anes­te­sia e es­te tem de es­tar em je­jum. Tu­do is­to re­quer pla­ne­a­men­to. Daí exis­tir ain­da mui­tos co­le­gas que fa­zem animais bas­tan­te agres­si­vos, sem anes­te­sia, co­lo­can­do se­ve­ra­men­te em ris­co a sua in­te­gri­da­de fí­si­ca e su­jei­tan­do-se a dei­xar de po­der tra­ba­lhar. Es­ta é a nos­sa re­a­li­da­de. As anes­te­si­as tam­bém têm um se­não. No ca­so de um cão me­dro­so, es­te nun­ca se­rá ca­paz de apren­der e ul­tra­pas­sar o me­do, pois es­tá a dor­mir. Um cal­man­te po­de ser uma so­lu­ção pa­ra es­tes ca­sos. No en­tan­to, mais uma vez, rei­te­ro a im­por­tân­cia da ad­mi­nis­tra­ção de me­di­ca­ção ser da­da ape­nas e só por um mé­di­co ve­te­ri­ná­rio e com as­sis­tên­cia do mes­mo.

Se­gu­ro de tra­ba­lho

Po­de pen­sar, “Mas não têm se­gu­ro de tra­ba­lho?”. Sim, te­mos se­gu­ro de tra­ba­lho, mas e as do­res, a fi­si­o­te­ra­pia e a in­va­li­dez? Se­rá que va­le a pe­na, por meia dú­zia de tro­cos, dei­xar de po­der tra­ba­lhar? Vo­cê cor­ria es­se ris­co? Os se­gu­ros ser­vem em úl­ti­mo ca­so, pa­gam mi­se­ra­vel­men­te e es­tão sem­pre a ten­tar fu­gir das su­as res­pon­sa­bi­li­da­des. E de­pois co­mo fa­ze­mos?

Edu­car pa­ra pre­ve­nir aci­den­tes

É er­ra­do pen­sar que, por­que tra­ba­lha­mos com animais, den­ta­das, ar­ra­nha­de­las e le­sões as­so­ci­a­das “são os­sos do ofí­cio”. Bas­ta fa­zer uma pe­que­na pesquisa na In­ter­net por “den­ta­das de cão” e ve­rá os ris­cos que cor­re­mos. Exis­te um li­mi­te que ca­da um de nós im­põe ou, pe­lo me­nos, de­ve­ria ha­ver. É da res­pon­sa­bi­li­da­de do do­no edu­car o seu ani­mal de es­ti­ma­ção. A nos­sa res­pon­sa­bi­li­da­de é cor­tar-lhe o pe­lo, dar-lhe ba­nho e se­car. Se tem um ani­mal agres­si­vo pon­de­re con­tra­tar um trei­na­dor pa­ra o edu­car. Na even­tu­a­li­da­de de não po­der, se­ja cons­ci­en­te e con­tac­te uma Clí­ni­ca ou Hos­pi­tal pa­ra que es­te se­ja anes­te­si­a­do.

In­for­ma­ção re­le­van­te

Evi­den­te­men­te que não tra­ta­mos só de an­ji-

nhos. Exis­tem cães di­fí­ceis que ape­nas pre­ci­sam de apren­der a con­fi­ar em nós, que têm me­do, o que é per­fei­ta­men­te na­tu­ral. Mas daí a ho­nes­ti­da­de que fa­lei an­tes. Se o seu cão tem me­do do as­pi­ra­dor lá de ca­sa, pro­va­vel­men­te, tam­bém te­rá do nos­so se­ca­dor. Se o seu ani­mal não gos­ta que lhe me­xam nas pa­tas ou se não gos­ta de to­mar ba­nho, qual é a re­a­ção de­le? Tu­do is­to é in­for­ma­ção mui­to im­por­tan­te a trans­mi­tir. Tam­bém é re­le­van­te sa­ber se o seu ani­mal es­tá ou es­te­ve do­en­te.

Gos­tar do Gro­o­mer

Exis­tem ca­sos de animais que se por­tam mal com um Gro­o­mer, por “n” ra­zões, mas que nou­tro lo­cal se por­tam lin­da­men­te. Os cães não têm de gos­tar de to­da a gen­te, tal co­mo nós tam­bém não gos­ta­mos. Não é que se­ja mal tra­ta­do. Tra­ba­lhei du­ran­te mui­tos anos com uma co­le­ga e tí­nha­mos al­guns animais que se da­vam me­lhor com ela e ou­tros co­mi­go. É uma ques­tão de sim­pa­tia, só e ape­nas is­so.

Quan­do pre­ci­sa­mos de aju­da!

Por ve­zes, tam­bém exis­tem animais que lu­tam tan­to con­nos­co que pre­ci­sa­mos de con­tra­tar al­guém que nos aju­de a se­gu­rar ne­les. Nes­tes ca­sos o do­no ra­ra­men­te é uma boa aju­da. Não é por mal, mas pre­ci­sa­mos de al­guém que sai­ba on­de e co­mo se­gu­rar e, aci­ma de tu­do, al­guém em quem con­fi­a­mos pa­ra o fa­zer. Lar­gar o ani­mal no mo­men­to er­ra­do po­de ser mui­to pe­ri­go­so, tan­to pa­ra nós, co­mo pa­ra ele.

Ris­co de se ma­go­a­rem

Os animais que lu­tam con­nos­co cor­rem o ris­co de se ma­go­ar. Es­te é ou­tro pro­ble­ma! Com cal­ma e pa­ci­ên­cia, fa­ze­mos o me­lhor que po­de­mos e, com o tem­po, va­mos ga­nhan­do a sua con­fi­an­ça. No en­tan­to, de­pen­den­do do ca­so, mes­mo sem ser agres­si­vo, po­de ser ne­ces­sá­rio tran­qui­li­zar o ani­mal. Aqui é uma ques­tão de pon­de­rar o que é re­al­men­te me­lhor pa­ra o ani­mal, mais até do que a nos­sa in­te­gri­da­de fí­si­ca. Te­mos mei­os de con­ten­ção, mas só até cer­to pon­to. Se te­mos um ani­mal que lu­ta tan­to que po­de des­lo­car ou par­tir uma pa­ta, ou pi­or, é sem­pre pre­fe­rí­vel anes­te­si­ar. Se até pa­ra lim­par os den­tes os mé­di­cos ve­te­ri­ná­ri­os os se­dam, ima­gi­ne quan­do se tra­ba­lha com te­sou­ras afiadas.

Co­lo­car um açai­me

Po­de­mos co­lo­car um açai­me num ani­mal agres­si­vo, mas eles ra­pi­da­men­te apren­dem a re­mo­vê-lo. Não fa­lo de animais que mor­dem pa­ra pe­que­nas coi­sas, co­mo apa­rar o pe­lo das pa­tas e cor­tar as unhas. Fa­lo da­que­les que des­de que che­gam, até que se vão em­bo­ra, só não nos co­mem se não pu­de­rem. São animais que nem os do­nos con­tro­lam, qu­an­to mais um es­tra­nho!

Cri­ar uma ro­ti­na

É mui­to im­por­tan­te, e ca­da vez mais, edu­car um ani­mal des­de ca­chor­ro a ser ma­ne­ja­do por nós. Num es­tá­dio ini­ci­al, a ser ma­ne­ja­do e a es­tar em ci­ma de uma me­sa de gro­o­ming. De­pois ha­bi­tuá-lo ao ba­nho, a cor­tar as unhas e ao se­ca­dor. Após is­so, e quan­do se sen­tir con­for­tá­vel e mi­ni­ma­men­te tran­qui­lo, co­me­ça­mos a usar instrumentos de cor­te. O ide­al é co­me­çar lo­go após o pla­no de va­ci­na­ção e se­guir um re­gi­me quin­ze­nal, pois os cães são animais de ro­ti­na. Re­gres­sar me­ses de­pois, fa­rá com que ele se de­sa­bi­tue.

A im­por­tân­cia da ho­nes­ti­da­de

Even­tu­al­men­te, sa­be­mos se o seu cão é agres­si­vo ou não. A di­fe­ren­ça es­tá no da­no que ele nos po­de cau­sar se não for ho­nes­to con­nos­co de iní­cio. Há uns anos, uma co­le­ga ti­nha agen­da­do um cão ar­ra­ça­do de Coc­ker, com cer­ca de 40 kg. Quan­do o re­ce­beu, per­gun­tou se ele era bom de li­dar, se ha­via al­go a ter em con­si­de­ra­ção, etc. A do­na não dis­se na­da. An­tes de pe­gar no cão pa­ra o co­lo­car na me­sa es­ta te­ve um pres­sen­ti­men­to e co­lo­cou-lhe um açai­me. Ele dei­xou e até aba­nou o ra­bo. No en­tan­to, a ex­pe­ri­ên­cia diz-nos que quan­do pe­ga­mos num ani­mal tão per­to da nos­sa ca­ra, sem o co­nhe­cer de la­do ne­nhum, é me­lhor pre­ve­nir. No mo­men­to em que es­ta o vai pe­gar, ele ati­ra-se ao pes­co­ço de­la. Se ela não ti­ves­se ti­do o bom sen­so de co­lo­car o açai­me, pro­va­vel­men­te ho­je não es­ta­ria aqui. Até aque­le mo­men­to es­te ani­mal não mos­trou ne­nhum si­nal de agres­si­vi­da­de. A par­tir des­se mo­men­to já não con­se­guiu to­car mais no cão. In­for­mou a do­na do que se es­ta­va a pas­sar e a do­na dis­se “Sim, ele é mui­to mau!” e mos­tra as ci­ca­tri­zes dos bra­ços que eram pro­fun­das, acres­cen­tan­do “Mas ele foi tão bem con­si­go que achei me­lhor não di­zer na­da”. Se o seu cão tem es­te ti­po de com­por­ta­men­to com o do­no, co­mo acha que se­rá com um es­tra­nho?

Não ocul­tar in­for­ma­ção

Co­mo es­ta his­tó­ria, exis­tem mui­tas mais. Do­nos que ocul­tam o ver­da­dei­ro com­por­ta­men­to dos

seus cães, com re­ceio de ser re­cu­sa­dos ou que não que­rem su­jei­tar o seu cão a uma anes­te­sia. Na ca­be­ça des­tes do­nos se o cão de­les mor­der al­guém não tem pro­ble­ma, pois são “os­sos do ofí­cio”. É nor­mal, vol­ta e meia, le­var­mos uma den­ta­di­nha que não con­se­gui­mos evi­tar, mas es­te é o nos­so ga­nha-pão. Sem as nos­sas mãos não po­de­mos tra­ba­lhar. Ocul­tar ou não dar a de­vi­da im­por­tân­cia a es­te ti­po de com­por­ta­men­to po­de tra­zer sé­ri­as con­sequên­ci­as pa­ra nós que só es­ta­mos a tra­ba­lhar de for­ma ho­nes­ta.

Os ris­cos de ser Gro­o­mer

Tra­ba­lhar com animais po­de ser uma pro­fis­são mui­to gra­ti­fi­can­te. Não é fá­cil, mas quem tem vo­ca­ção pa­ra ela não sa­be, nem quer tra­ba­lhar em ou­tra coi­sa. É da­que­las pro­fis­sões que só se faz por vo­ca­ção. É evi­den­te que aci­den­tes po­dem acon­te­cer, por es­ta ou aque­la ra­zão. Ape­sar de to­mar to­dos os cui­da­dos, pre­cau­ções e es­tan­do ple­na­men­te in­for­ma­dos de tu­do. Ain­da as­sim, co­mo tra­ba­lha­mos com animais, o grau de con­tro­lo é sem­pre re­la­ti­vo. Eles têm di­as não, tal co­mo nós.

Se­ja ho­nes­to!

Se­ja ho­nes­to con­si­go mes­mo, por­que um do­no sa­be o ani­mal que tem. Acha que uma pes­soa

Se tem um ani­mal “di­fí­cil”, pa­ra bem de to­dos, tem de exis­tir sem­pre co­mu­ni­ca­ção e res­pei­to mú­tuo, en­tre o do­no e o Gro­o­mer

es­tra­nha po­de ma­ne­jar o seu cão em se­gu­ran­ça? Se acha que não, con­tac­te uma Clí­ni­ca ou Hos­pi­tal Ve­te­ri­ná­rio e ex­po­nha o seu ca­so. Nin­guém dá uma anes­te­sia sem ten­tar pri­mei­ro. Exis­tem ris­cos que nin­guém quer cor­rer. Nes­tes ca­sos é pre­ci­so mar­car tem­po pa­ra ten­tar pri­mei­ro e per­ce­ber se é mes­mo ne­ces­sá­rio anes­te­si­ar. Se as­sim for, é pre­ci­so o tal exa­me clí­ni­co, o ani­mal tem de es­tar em je­jum e es­pe­rar que a anes­te­sia fa­ça efei­to.

As­su­mir que te­mos um ani­mal “di­fí­cil”

Con­tam-se pe­los de­dos de uma mão os cães que não con­se­gui fa­zer. Já re­cu­sei al­guns, por­que o do­no não es­tá dis­pos­to a fa­zer na­da pa­ra mo­di­fi­car o com­por­ta­men­to do seu cão. Tem de exis­tir sem­pre co­mu­ni­ca­ção e res­pei­to mú­tuo, en­tre o do­no e o Gro­o­mer. Por ve­zes, gos­ta­mos tan­to do nos­so ani­mal que fi­ca­mos um bo­ca­di­nho ce­gos no que to­ca ao seu com­por­ta­men­to. O do­no tem de ter cons­ci­ên­cia e pen­sar que é um ani­mal, que não en­ten­de e que po­de ser bas­tan­te pe­ri­go­so pa­ra quem tra­ta de­le, e pa­ra ele tam­bém, e agir de acor­do, pois é es­sa a sua res­pon­sa­bi­li­da­de co­mo do­no. Não tem mal ne­nhum ter um ani­mal di­fí­cil, o pro­ble­ma é não fa­zer na­da a es­se res­pei­to. Pe­ça aju­da, ex­po­nha o seu ca­so, dê a op­ção ao Gro­o­mer de acei­tar ou re­cu­sar tra­tar do seu ani­mal e, aci­ma de tu­do, res­pei­te, pois no fi­nal do dia o seu cão é o re­fle­xo da edu­ca­ção que lhe deu e as ou­tras pes­so­as não têm cul­pa dis­so.

Fa­ça a sua par­te!

Ter um ani­mal é mui­to mais do que pro­vi­den­ci­ar cui­da­dos bá­si­cos es­sen­ci­ais. É edu­car, pro­te­ger e cui­dar. O trei­no e edu­ca­ção ain­da são vis­tos de for­ma le­vi­a­na e a mai­o­ria das pes­so­as só recorre a um pro­fis­si­o­nal quan­do já é tar­de de­mais. In­fe­liz­men­te, os pro­fis­si­o­nais ain­da são des­pro­vi­dos de pós mi­la­gro­sos que trans­for­mam os cães em an­ji­nhos. Fa­ça a sua par­te e nós po­de­mos fa­zer a nos­sa mui­to me­lhor!

Exis­tem cães di­fí­ceis que ape­nas pre­ci­sam de apren­der a con­fi­ar em nós, que têm me­do, o que é per­fei­ta­men­te na­tu­ral.

Pe­ça aju­da, ex­po­nha o seu ca­so, dê a op­ção ao Gro­o­mer de acei­tar ou re­cu­sar tra­tar do seu ani­mal.

Se o seu cão tem me­do do as­pi­ra­dor lá de ca­sa, pro­va­vel­men­te, tam­bém te­rá do se­ca­dor do Gro­o­mer.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.