O que é uma con­vul­são?

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

A ocor­rên­cia de um epi­só­dio con­vul­si­vo é um dis­túr­bio neu­ro­ló­gi­co, em que exis­te uma res­pos­ta anor­mal, cau­sa­da por uma per­tur­ba­ção na ati­vi­da­de elé­tri­ca dos neu­ró­ni­os ce­re­brais.

Es­ta ati­vi­da­de le­va a es­pas­mos tem­po­rá­ri­os, nor­mal­men­te mar­ca­dos por mo­vi­men­tos sú­bi­tos, in­vo­lun­tá­ri­os e re­pe­ti­ti­vos dos mús­cu­los. Po­de afe­tar qual­quer par­te do cor­po do ani­mal e ter di­fe­ren­tes graus de in­ten­si­da­de.

Cau­sas

Es­ta de­sor­dem po­de ser cau­sa­da por vá­ri­os fa­to­res: tu­mo­res, in­to­xi­ca­ções, trau­ma, di­e­ta e pro­ble­mas he­pá­ti­cos. Po­de tam­bém exis­tir qua­dros con­vul­si­vos de ori­gem idi­o­pá­ti­ca em de­ter­mi­na­das ra­ças, que de­mons­tram ter al­gu­ma pre­dis­po­si­ção ge­né­ti­ca. Uma al­te­ra­ção neu­ro­ló­gi­ca cró­ni­ca, co­mum na prá­ti­ca clí­ni­ca é a epi­lep­sia, sen­do es­ta mar­ca­da por cri­ses con­vul­si­vas re­ci­di­van­tes. É mais co­mum em ra­ças com pro­pen­são ge­né­ti­ca, co­mo o Cão de Pas­tor Ale­mão, o Cão de São Ber­nar­do, o Col­lie, o Re­tri­e­ver do La­bra­dor, o Gol­den Re­tri­e­ver, o Husky Si­be­ri­a­no, o Coc­ker Spa­ni­el, o Ca­ni­che e o Be­a­gle. Con­tu­do, em to­das as ra­ças é im­por­tan­te des­car­tar ou­tras cau­sas de con­vul­sões. São exem­plos, os tu­mo­res ce­re­brais, pois in­ter­fe­rem com a for­ma­ção dos si­nais elé­tri­cos e no mo­do co­mo são trans­mi­ti­dos. A per­sis­tên­cia de ní­veis bai­xos de glu­co­se san­guí­nea, pois

li­mi­ta a ener­gia dis­po­ní­vel a ní­vel ce­re­bral. Ou­tras cau­sas de epi­só­dio con­vul­si­vo são as in­fe­ções pa­ra­si­tá­ri­as e ví­ri­cas, sen­do exem­plos, a to­xo­plas­mo­se e a es­ga­na, res­pe­ti­va­men­te. Na in­to­xi­ca­ção por me­tais pe­sa­dos, por ve­zes, é ve­ri­fi­ca­da uma in­to­le­rân­cia por par­te dos animais à ex­po­si­ção a alu­mí­nio, co­bre, chum­bo e mer­cú­rio. De­se­qui­lí­bri­os a ní­vel dos iões, co­mo ní­veis bai­xos de cál­cio em fê­me­as pós-par­to e ní­veis al­tos de po­tás­sio po­dem de­sen­ca­de­ar con­vul­sões. Os ní­veis ele­va­dos de po­tás­sio po­dem ser se­cun­dá­ri­os a uma in­su­fi­ci­ên­cia re­nal, po­den­do es­ta ser a cau­sa do pro­ble­ma ori­gi­nal. Po­de ocor­rer um epi­só­dio após va­ci­na­ção, por re­a­ções alér­gi­cas a de­ter­mi­na­dos com­po­nen­tes.

Si­nais clí­ni­cos

Po­dem va­ri­ar de le­ves a gra­ves, mas de­vem sem­pre ser si­nal de alar­me. Nor­mal­men­te, o ani­mal, pri­mei­ro apre­sen­ta-se de­so­ri­en­ta­do: cor­ren­do em cír­cu­los, con­fu­so, com al­te­ra­ções de com­por­ta­men­to, por ve­zes se­guin­do o do­no. Se­gui­da­men­te é co­mum a per­da de con­tro­lo do cor­po e caí­da do ani­mal no so­lo. Ob­ser­va-se uma ri­gi­dez que man­tém os mem­bros es­ti­ca­dos e a ca­be­ça in­cli­na­da pa­ra trás. Exis­tem tre­mo­res nos mem­bros, cer­ra­men­to da bo­ca e per­da do con­tro­lo so­bre os es­fínc­te­res uri­ná­rio e anal. É co­mum a vi­su­a­li­za­ção de per­da de cons­ci­ên­cia, que­da re­pen­ti­na, hi­per­sa­li­va­ção, es­pas­mos mus­cu­la­res, mo­vi­men­tos des­co­or­de­na­dos, pa­ra­li­sia tem­po­rá­ria e au­sên­cia de per­ce­ção sen­so­ri­al.

No ca­so de con­vul­sões re­cor­ren­tes po­de ser ne­ces­sá­ria a uti­li­za­ção de me­di­ca­ção con­tro­la­da pa­ra o res­to da vi­da do ani­mal

No fi­nal da con­vul­são o ani­mal po­de apre­sen­tar-se no­va­men­te de­so­ri­en­ta­do, po­den­do mes­mo apre­sen­tar ce­guei­ra tem­po­rá­ria. Ra­ra­men­te, po­dem exis­tir cri­ses con­vul­si­vas par­ci­ais em que os si­nais são vis­tos ape­nas em par­tes do cor­po.

Di­ag­nós­ti­co

É re­a­li­za­do atra­vés da anam­ne­se, exa­me fí­si­co e pos­sí­vel ob­ser­va­ção das cri­ses pe­lo mé­di­co ve­te­ri­ná­rio. De­ve-se fa­zer a dis­tin­ção en­tre uma con­vul­são ge­ne­ra­li­za­da e uma par­ci­al.

Tra­ta­men­to

Pa­ra atin­gir uma con­di­ção es­tá­vel é ne­ces­sá­rio pro­ce­der a um tra­ta­men­to ade­qua­do e atem­pa­do, con­tu­do há ca­sos on­de não exis­te res­pos­ta ime­di­a­ta à te­ra­pia ins­ti­tuí­da. A me­di­ca­ção pa­ra a epi­lep­sia não cu­ra o ani­mal, mas di­mi­nui a frequên­cia e a se­ve­ri­da­de das con­vul­sões. Ge­ral­men­te, o tra­ta­men­to hos­pi­ta­lar en­vol­ve a apli­ca­ção in­tra­ve­no­sa de dro­gas co­nhe­ci­das co­mo o di­a­ze­pam, fe­no­bar­bi­tal e pro­po­fol. Os dois pri­mei­ros fár­ma­cos po­dem ser de­pois con­ti­nu­a­dos nu­ma te­ra­pia em ca­sa por via rec­tal, em si­tu­a­ções de cri­ses con­vul­si­vas, ou sob for­ma oral, res­pe­ti­va­men­te. Exis­tem ain­da ou­tras dro­gas pa­ra te­ra­pia an­ti­con­vul­si­va co­mo o bro­me­to de po­tás­sio, ga­ba­pen­ti­na, le­ve­ti­ra­ce­tam e a ime­pi­toí­na. Es­tas dro­gas po­dem ser ad­mi­nis­tra­das iso­la­da­men­te ou em as­so­ci­a­ção.

Prog­nós­ti­co

Se­rá me­lhor, qu­an­to mais ce­do for ini­ci­a­do o tra­ta­men­to. No ca­so de con­vul­sões re­cor­ren­tes po­de ser ne­ces­sá­ria a uti­li­za­ção de me­di­ca­ção con­tro­la­da pa­ra o res­to da vi­da do ani­mal. Nes­te ca­so são ne­ces­sá­ri­os ajus­tes na do­sa­gem e mo­ni­to­ri­za­ção com exa­mes san­guí­ne­os da con­cen­tra­ção sé­ri­ca dos prin­cí­pi­os ati­vos uti­li­za­dos.

Co­mo é que o do­no po­de aju­dar?

Co­mo pre­ven­ção, de­ve ad­mi­nis­trar ao seu ani­mal uma di­e­ta de boa qua­li­da­de, evi­tar si­tu­a­ções de stress, e ter o ani­mal sem­pre va­ci­na­do e des­pa­ra­si­ta­do pa­ra pre­ve­nir do­en­ças in­fe­ci­o­sas. Du­ran­te uma cri­se con­vul­si­va, os si­nais são fa­cil­men­te de­te­tá­veis. Não se de­ve co­lo­car a mão na bo­ca do ani­mal, pois es­te po­de mor­der du­ran­te um es­pas­mo sem ter cons­ci­ên­cia do que es­tá a fa­zer. Pa­ra evi­tar aci­den­tes que cau­sem da­nos de­ve-se afas­tar qual­quer ob­je­to que o pos­sa atin­gir e en­vol­ver o ani­mal nu­ma to­a­lha. De igual mo­do, é im­por­tan­te ga­ran­tir que o ani­mal se en­con­tra no chão, pa­ra pre­ve­nir even­tu­ais que­das. Se a cri­se con­vul­si­va se re­pe­tir, o ani­mal de­ve ser ob­ser­va­do por um mé­di­co ve­te­ri­ná­rio. Após o iní­cio do tra­ta­men­to, du­ran­te as du­as pri­mei­ras se­ma­nas, o ani­mal po­de apre­sen­tar so­no­lên­cia e pros­tra­ção. Con­tu­do, tra­ta-se de um efei­to se­cun­dá­rio co­mum. Con­vém fi­car aten­to e con­tac­tar o mé­di­co ve­te­ri­ná­rio se, lhe pa­re­cer, que a se­da­ção é ex­ces­si­va. De­ve pres­tar aten­ção a si­nais co­mo os au­men­tos de in­ges­tão de água e de mic­ção, e vó­mi­tos. É acon­se­lha­do fa­zer-se uma ava­li­a­ção re­gu­lar a ca­da 6 a 12 me­ses.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.