Bou­vi­er Ber­nois

O com­pro­mis­so en­tre a cor, a har­mo­nia e a sen­su­a­li­da­de

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

Ber­ner Sen­ne­nhund, Dur­rbä­ch­ler ou Bou­vi­er Ber­nois: es­ta é uma raça suí­ça de gran­de be­le­za es­té­ti­ca, não só pe­las su­as pro­por­ções e ba­lan­ço en­tre as par­tes, co­mo tam­bém pe­la exu­be­rân­cia e re­par­ti­ção de co­res (pre­to, ful­vo e bran­co). O seu ta­ma­nho e es­tru­tu­ra são con­si­de­ra­dos mé­dio-gran­de, mas, e ao mes­mo tem­po, tem uma in­co­men­su­rá­vel es­toi­ci­da­de, co­mo se de uma raça gi­gan­te se tra­tas­se, se cri­a­do com fir­me­za. Do­ta­do de uma me­mó­ria no­tá­vel, re­co­nhe­ce fa­cil­men­te a fa­mí­lia e os que lhe es­tão pró­xi­mos. É, con­tu­do, re­ser­va­do fo­ra das su­as ro­ti­nas, as­si­na­lan­do com um la­drar for­te a pre­sen­ça de es­tra­nhos e in­de­se­já­veis.

OBou­vi­er Ber­nois, es­co­lho pro­po­si­ta­da­men­te a de­sig­na­ção em fran­cês, por a con­si­de­rar mais mu­si­cal e re­co­nhe­ci­da, na sua ori­gem foi uti­li­za­do co­mo cão de guar­da ter­ri­to­ri­al, de trac­ção, le­van­do os atre­la­dos com pe­sa­dos va­sos com lei­te a lu­ga­res on­de exis­ti­am quei­ja­ri­as de di­fí­cil aces­so, nos pré-al­pes de Ber­na. Pro­te­gi­am e pro­te­gem igual­men­te, bem co­mo con­du­zi­am e con­du­zem ain­da ho­je, gran­des ma­na­das de ga­do bo­vi­no. Mas ca­da vez mais po­de­mos di­zer que o Bou­vi­er Ber­nois (BB) é se­le­ci­o­na­do co­mo cão de fa­mí­lia e de te­ra­pi­as.

Fi­xa­ção da raça

No prin­cí­pio do séc. XX, pou­cos exem­pla­res co­me­ça­ram a apa­re­cer em Ex­po­si­ções e é em 1907 que, na zo­na de Burg­dorf, al­guns “en­tu­si­as­tas” de­ci­dem pro­mo­ver a sua cri­a­ção co­mo raça au­tóc­to­ne, fun­dan­do as­sim o “Clu­be Suí­ço de Dur­rbä­ch­ler”; fi­xa­ram en­tão as ca­rac­te­rís­ti­cas prin­ci­pais da raça que da­ri­am ori­gem ao pri­mei­ro es­ta­lão. Em 1910, já com uma apre­ciá­vel re­pre­sen­ta­ção em Ex­po­si­ções Ca­ni­nas, foi re­bap­ti­za­do de Bou­vi­er Ber­nois, ex­pan­din­do-se ra­pi­da­men­te em to­da a Suí­ça e no sul da Alemanha.

A raça ac­tu­al

Se há uns anos dis­ses­se que a mor­fo­lo­gia não te­ria mu­da­do de uma for­ma evi­den­te, atu­al­men­te te­nho de con­cluir que se ve­em “ti­pos” di­fe­ren­tes nos di­ver­sos paí­ses. Ina­cei­tá­vel… até por­que há um só es­ta­lão da Fe­de­ra­ção Ci­no­ló­gi­ca In­ter­na­ci­o­nal (FCI) e mui­tos des­ses cães afas­tam-se cla­ra­men­te da ima­gem des­cri­ta nes­se do­cu­men­to. Da Rús­sia, aos EUA (com es­ta­lão pró­prio), pas­san­do pe­lo Ín­di­co, te­nho ti­do o pri­vi­lé­gio de jul­gar, en­quan­to Juiz de Mor­fo­lo­gia Ca­ni­na, os meus que­ri­dos BB. En­con­tra­mos os­sa­tu­ras dé­beis e in­su­fi­ci­en­tes pa­ra um cão de tra­ba­lho, ta­ma­nhos dís­pa­res, que, por ve­zes, al­te­ram as ver­da­dei­ras pro­por­ções, re­sul­tan­do em al­guns exem­pla­res pa­ti-cur­tos e ou­tros, pou­cos fe­liz­men­te, al­tos so­bre pa­ta. Mas é no ti­po e for­ma de ca­be­ças que se en­con­tram as mai­o­res di­ver­gên­ci­as. Não po­de­mos es­que­cer o tra­ba­lho no­tá­vel, a to­dos os tí­tu­los, do gran­de ci­nó­lo­go suí­ço, Pro­fes­sor A. Heim (prin­cí­pio do séc. XX), o qual, além de es­tu-

Foi uti­li­za­do co­mo cão de guar­da ter­ri­to­ri­al, de tra­ção, le­van­do os atre­la­dos com pe­sa­dos va­sos com lei­te às quei­ja­ri­as de di­fí­cil aces­so

dar a ori­gem da raça, a di­vul­gou prin­ci­pal­men­te na Suí­ça, de on­de é au­tóc­to­ne, sen­do in­clu­si­va­men­te Juiz de Mor­fo­lo­gia Ca­ni­na. De to­do o mo­do, a se­le­ção vem sen­do uma pre­o­cu­pa­ção de al­guns cri­a­do­res. Reunidos em Con­gres­so In­ter­na­ci­o­nal na Fin­lân­dia em 2015, al­guns Juí­zes/ cri­a­do­res, ti­ve­ram a opor­tu­ni­da­de de dis­cu­tir os prin­ci­pais pro­ble­mas mor­fo­ló­gi­cos, tem­pe­ra­men­tais/com­por­ta­men­tais e de saú­de que afec­tam a raça. Te­nho o or­gu­lho de per­ten­cer ao de­sig­na­do “In­ter­na­ti­o­nal Wor­king Group” por­que, pa­ra mim, se­le­ci­o­nar/cri­ar uma raça é en­con­trar o equi­lí­brio en­tres to­dos es­ses as­pec­tos. E da­qui, dei­xo um ape­lo a to­dos os no­vos cri­a­do­res que, se o que­rem ser, se es­for­cem por se­guir a evo­lu­ção da raça, um pou­co por to­do o mun­do. Um as­pe­to que a meu ver pi­o­rou foi o ti­po de pe­la­gem: a qua­li­da­de do pe­lo mu­dou. En­con­tra­mos pe­los de­ma­si­a­do en­ca­ra­co­la­dos (a pe­na­li­zar em ida­de adul­ta) bem co­mo a re­par­ti­ção das co­res se tor­nou se­cun­dá­ria nos rin­gues pa­ra Juí­zes mais ge­ne­ra­lis­tas. Não é por aca­so que gran­des ci­nó­lo­gos di­zem que o Ber­nois não tem igual nos seus pa­res e ou­tros há que vão mais lon­ge, co­men­tan­do que o seu man­to tem um ar en­do­min­ga­do, pron­to pa­ra ir à Mis­sa. E que a cruz de­no­mi­na­da “suí­ça” é uma mar­ca da raça.

Bou­vi­er Ber­nois e Ter­ra­no­va

Em 1948, um Ter­ra­no­va pre­to, “Plu­to von Er­len­gut”, cru­zou inad­ver­ti­da­men­te (diz-se) uma fê­mea Ber­nois, “Ch­ris­ti­ne von Lux”; da­qui nas­ce­ram 7 ca­chor­ros, to­dos pre­tos com pa­tas bran­cas. Des­ta ni­nha­da, só Ba­bet­te cru­zou com um ma­cho Ber­nois, “Al­do von Ti­ef­fe­rurt” (8 ca­chor­ros). Ape­nas uma fê­mea, “Ch­ris­ti­ne von Schwarzwas­ser­ba­ch­li” foi cru­za­da com o Ber­nois “Osi von Al­len­luf­ten”. Es­tá­va­mos em 1952 e des­te cru­za­men­to “Alex von Angs­torf” e “Bel­la von Angs­torf” fo­ram uti­li­za­dos em cri­a­ção. Em 1956 “Alex” sa­gra-se Cam­peão In­ter­na­ci­o­nal fa­zen­do mais de 50 ni­nha­das. A apro­xi­ma­ção de san­gue Ber­nois ao Ter­ra­no­va te­ve pe­lo me­nos três con­sequên­ci­as po­si­ti­vas: pe­lo pre­to mais bri­lhan­te, me­lhor es­tru­tu­ra mor­fo­ló­gi­ca e a dul­ci­fi­ca­ção do ca­rá­ter e tem­pe­ra­men­to.

Prin­ci­pais ap­ti­dões da raça

Quan­do o BB é re­co­nhe­ci­do co­mo raça pu­ra, es­ta­va a ser uti­li­za­do em gran­des quin­tas, na re­gião de Ber­na, pa­ra pro­te­ger os seus li­mi­tes, bem co­mo os ga­dos e to­do o pa­tri­mó­nio dos res­pe­ti­vos do­nos. Ho­je em dia, e atra­vés de mais de cem anos, é re­co­nhe­ci­do pe­la sua po­li­va­lên­cia e pres­ta­bi­li­da­de em áre­as ini­ma­gi­ná­veis, tais co­mo: te­ra­pia jun­to a cri­an­ças e a an­ciões (de­pois de pas­sa­rem tes­tes se­ve­ros so­bre a sua ca­pa­ci­da­de de equi­lí­brio emo­ci­o­nal) e cães de des­por­to, no­me­a­da­men­te, na água, tor­nan­do-se um gran­de com­pa­nhei­ro na ver­ten­te lú­di­ca. É ain­da uti­li­za­do em bus­ca e sal­va­men­to em zo­nas de aci­den­tes na­tu­rais, mas é so­bre­tu­do, e com­pro­va­da­men­te, um cão de fa­mí­lia. A REDOG – Res­cue Dog, de­no­mi­na­da “Swiss Di­sas­ter Dogs As­so­ci­a­ti­on” é um de­par­ta­men­to da Swiss Red Cross (Cruz Ver­me­lha Sui­ça), ofe­re­ce trei­no e dis­po­ni­bi­li­za­ção de equi­pas de bus­ca e sal­va­men­to, com­pos­tas por cão e han­dler; tem atu­al­men­te cer­ca de 650 mem­bros di­vi­di­dos por 12 gru­pos re­gi­o­nais,

ba­se­an­do-se em vo­lun­ta­ri­a­do, dos quais fa­zem par­te o Bou­vi­er Ber­nois. Ti­ve opor­tu­ni­da­de de os ver des­fi­lar em 2000, em Lan­genthal on­de par­ti­ci­pei num Se­mi­ná­rio In­ter­na­ci­o­nal, no qual re­por­tei a si­tu­a­ção da raça em Por­tu­gal. Em mui­tos paí­ses há ex­pe­ri­ên­ci­as so­be­ra­nas da sua uti­li­da­de so­ci­al, mui­to pa­ra além da fa­mi­li­ar, mas cus­ta um lon­go tra­ba­lho de acom­pa­nha­men­to e trei­no, le­vá-lo a ana­li­sar os ca­sos em que te­rá ne­ces­sa­ri­a­men­te de in­ter­vir.

Apa­rên­cia ge­ral

Tra­ta-se de uma raça com uma al­tu­ra mé­dia apre­ciá­vel; nos ma­chos, o ide­al da al­tu­ra ao gar­ro­te es­tá en­tre os 66-68 cm e nas fê­me­as en­tre os 60-63 cm. Pes­so­al­men­te, pre­fi­ro cães com uma al­tu­ra per­to do li­mi­te má­xi­mo (70 cm), com vis­ta à cor­re­ta ma­nu­ten­ção da raça nos seus li­mi­tes, des­de que não per­cam a har­mo­nia; nun­ca nos de­ve­mos es­que­cer de que se tra­ta de um cão mais com­pac­to do que al­to so­bre pa­tas. Daí apre­ci­ar es­tru­tu­ras for­tes, os­sa­tu­ra evi­den­te, equi­lí­brio de an­gu­la­ções e mo­vi­men­ta­ção fá­cil. Pos­sui uma ca­be­ça pos­san­te, mas de acor­do com o con­jun­to, nun­ca de­ma­si­a­do pe­sa­da. To­dos os de­ta­lhes da ca­be­ça de­vem ser su­a­ves e har­mo­ni­o­sos. Um dos dé­fi­ces de qua­li­da­de na ca­be­ça é o for­ma­to dos olhos, o ta­ma­nho e a cor; de­vem ser em for­ma de amên­doa e cas­ta­nhos-escuros, até por­que a ex­pres­são se al­te­ra. De­ve­mos “fu­gir” de li­nhas de san­gue que apre­sen­tem olhos azuis, evi­tan­do cri­a­do­res, que de uma for­ma con­ti­nu­a­da, re­pro­du­zem exem­pla­res oriun­dos de fa­mí­li­as por­ta­do­ras des­se ge­ne, até por­que es­ses exem­pla­res po­de­rão vir a ter do­en­ças ocu­la­res gra­ves no fu­tu­ro.tra­ta-se de um de­fei­to eli­mi­na­tó­rio na raça. O seu cor­po de­ve ser com­pac­to com uma li­nha dor­sal só­li­da, ga­ru­pa su­a­ve­men­te ar­re­don­da­da, mui­to tí­pi­ca, boa os­sa­tu­ra, pei­to bem des­ci­do e bem de­sen­vol­vi­do. An­gu­la­ções in­ter­me­diá­ri­as ca­rac­te­ri­zam os seus mem­bros que de­vem ser bem apru­ma­dos e bem mus­cu­la­dos; co­to­ve­los ade­ren­tes ao cor­po. As mãos e pés ar­re­don­da­dos de­vem ser cur­tos com de­dos fe­cha­dos, bem co­lo­ca­dos (pés de ga­to). A cau­da é bem pro­vi­da de pe­lo, che­gan­do ao jar­re­te, quan­do o cão es­tá em re­pou­so; no en­tan­to, quan­do aten­to ou em mo­vi­men­to, po­de ele­vá-la ao lon­go do dor­so ou um pou­co mais aci­ma. Cha­mo a aten­ção pa­ra al­guns cães que têm vin­do a ser pre­mi­a­dos er­ra­da­men­te, apre­sen­tan­do um por­te de cau­da to­tal­men­te in­cor­rec­to: de­ma­si­a­do vi­ra­da so­bre o dor­so, che­gan­do mes­mo a fa­zer ca­ra­col e to­can­do-o de uma for­ma mui­to evi­den­te. O mo­vi­men­to de­ve ser fá­cil e re­gu­lar, com bom im­pul­so dos pos­te­ri­o­res e bom al­can­ce dos di­an­tei­ros.

Pe­la­gem tri­co­lor

O pe­lo e as su­as co­res são, sem dú­vi­da, uma mais-va­lia ra­ci­al; lon­go e bri­lhan­te, li­so ou pou­co on­du­la­do, é tri­co­lor, co­mo re­fe­ri; a re­par­ti­ção das co­res de­ve es­tar de acor­do com o es­ta­lão (FCI nº45), mas nun­ca as de­ve­mos so­bre­va­lo­ri­zar por com­pa­ra­ção a uma cor­re­ta e sau­dá­vel mor­fo­lo­gia.

Cui­da­dos com a pe­la­gem

De fá­cil tra­ta­men­to, uma ou du­as bo­as es­co­va­de­las se­ma­nais (ex­ce­tu­an­do nas mu­das sa­zo­nais)

O Bou­vi­er Ber­nois é uma raça que man­têm fa­cil­men­te uma apa­rên­cia sau­dá­vel e atra­en­te, des­de ca­chor­ro até à ida­de adul­ta

bas­tam. Pos­sui uma pro­pri­e­da­de que os ame­ri­ca­nos in­ti­tu­lam de “au­to-cle­a­ning”, ou se­ja, se o bran­co se man­char de la­ma, de­ve­mo-lo dei­xar se­car bem e quan­do es­co­va­do fi­ca­rá de no­vo ima­cu­la­do. Uma es­co­va de me­tal de den­tes es­pa­ça­dos e com­pri­dos, bem co­mo um pen­te com as mes­mas ca­rac­te­rís­ti­cas são os uten­sí­li­os es­sen­ci­ais pa­ra que a pe­la­gem do Bou­vi­er Ber­nois se man­te­nha em con­di­ções de vi­ver den­tro de nos­sas ca­sas. Os ba­nhos são um ta­bu e de­vem ser des­mi­ti­fi­ca­dos. Po­de­mos e de­ve­mos dar ba­nho ao nos­so Bou­vi­er as ve­zes que qui­ser­mos, des­de que fi­que bem se­co. A quem “usa e abu­sa” dos ba­nhos acon­se­lho a uti­li­za­ção de um ex­pul­sor, no mí­ni­mo, em­bo­ra um apa­re­lho que re­ti­re o ex­ces­so de água e se­que, ex­pul­sor/se­ca­dor (bas­ta com um mo­tor) se­ja o ide­al. Um bom champô de ma­nu­ten­ção se­rá su­fi­ci­en­te, ten­do em con­ta que pa­ra as par­tes bran­cas, um champô es­pe­cí­fi­co dá re­sul­ta­dos sur­pre­en­den­tes.

Equi­li­bra­do por na­tu­re­za, é de fá­cil con­vi­vên­cia, mes­mo en­tre ma­chos, des­de que cor­re­ta­men­te so­ci­a­bi­li­za­do lo­go a par­tir do des­ma­me

Tam­bém exis­te champôs de bri­lho ade­qua­dos pa­ra o pre­to. O tem­po que nos cus­ta o ar­ran­jo de um Bou­vi­er de­pen­de do seu es­ta­do e se é fê­mea ou ma­cho (nor­mal­men­te, a fê­mea tem me­nos pê­lo), mas va­ria en­tre uma ho­ra a ho­ra e meia. Mas te­mos de re­la­ti­vi­zar, no­me­a­da­men­te, em re­la­ção à es­ta­ção do ano, pois no ve­rão é tu­do mais fá­cil.

Tem­pe­ra­men­to

Na fa­mí­lia, con­si­de­ra-se mais um ele­men­to, e por is­so mes­mo, e tam­bém por­que se tra­ta de um ani­mal mui­to as­se­a­do e de fá­cil ma­nu­ten­ção (pou­co chei­ro), acon­se­lho a quem quei­ra ad­qui­rir um ca­chor­ro des­ta raça a criá-lo per­to de si, den­tro de ca­sa, nun­ca se es­que­cen­do que pe­la sua ori­gem mon­ta­nhei­ra, ne­ces­si­ta de exer­cí­cio e ar li­vre. Dis­cor­do que a ques­tão es­pa­ci­al se so­bre­po­nha à pro­xi­mi­da­de e dis­po­ni­bi­li­da­de de tem­po do pro- pri­e­tá­rio. O BB é mais fe­liz num T0 com do­no à mer­cê, do que num jar­dim, iso­la­do. Equi­li­bra­do por na­tu­re­za; vi­gi­lan­te; afoi­to no seu ha­bi­tat, mas al­go con­ti­do em am­bi­en­tes des­co­nhe­ci­dos, acon­se­lha-se que en­ca­re as vá­ri­as si­tu­a­ções do dia-a-dia des­de ca­chor­ro. Bon­do­so e aman­te da sua fa­mí­lia, no seio da qual se com­por­ta cal­mo e fi­el, tem por ve­zes al­gu­ma di­fi­cul­da­de em ge­rir o seu com­por­ta­men­to pe­ran­te os es­tra­nhos, em­bo­ra se apre­sen­te pa­cí­fi­co e al­gu­mas ve­zes até dó­cil. Pou­co se­du­zi­do pe­la pro­xi­mi­da­de de es­tra­nhos, re­cu­sa mui­tas ve­zes gu­lo­sei­mas ten­ta­do­ras. Não de­ve­mos nun­ca es­que­cer que, pe­lo seu ins­tin­to e ori­gem, se tra­ta de um cão rús­ti­co.

Edu­ca­ção e trei­no

Ser um cão de fa­mí­lia sig­ni­fi­ca, por ve­zes, ex­ce­der-se nas su­as fun­ções. Co­mo tal, acon­se­lho a não en­co­ra­jar gran­des trei­nos de Obe­di­ên­cia e mui­to me­nos de de­fe­sa, por­que de uma for­ma na­tu­ral, o Bou­vi­er Ber­nois mor­de­rá bai­xo por ins­tin­to (co­mo se es­ti­ves­se a jun­tar ga­do tres­ma­lha­do, pi­can­do os jar­re­tes dos bois), al­gu­mas ve­zes por sen­tir que o que lhe é es­tra­nho po­de pre­ju­di­car o seu “ama­do” do­no. Não acon­se­lho trei­nos à dis­tân­cia, ou se­ja, de­ve­mos es­tar sem­pre pre­sen­tes ao la­do do trei­na­dor e, se pos­sí­vel, ser­mos nós os seus con­du­to­res num trei­no que re­co­men­do que se­ja ape­nas de Obe­di­ên­cia. A par­tir do pro­gra­ma de va­ci­na­ção com­ple­to, po­de­mos dar iní­cio ao trei­no (4 ou 5 me­ses). O do­no de um Bou­vi­er Ber­nois de­ve ser pa­ci­en­te, equi­li­bra­do e mei­go. Te­rá de sa­ber ne­ces­sa­ri­a­men­te que es­ta raça exis­te pa­ra es­tar pró­xi­ma dos do­nos, que tem de ser aca­ri­nha­da e acom­pa-

nha­da e que nun­ca po­de­rá vi­ver ex­clu­si­va­men­te num ca­nil.

Ex­plo­rar e apren­der

É um cão equi­li­bra­do e aten­to, sem me­do no seio fa­mi­li­ar. Na­tu­ral, in­te­li­gen­te, in­tuin­do si­tu­a­ções di­fe­ren­tes no dia-a-dia dos seus com­pa­nhei­ros/do­nos, che­ga a des­co­brir o qu­an­to é im­pres­cin­dí­vel no de­cor­rer de uma do­en­ça do seu do­no (fa­lo por ex­pe­ri­ên­cia pes­so­al). No en­tan­to, é al­go re­ser­va­do em re­la­ção a es­tra­nhos, prin­ci­pal­men­te por cul­pa dos seus do­nos que o de­ve­rão en­si­nar a re­sol­ver as si­tu­a­ções de pe­ri­go. Por tu­do is­to, e pe­lo que ex­pus an­te­ri­or­men­te, acon­se­lho mais uma vez a edu­ca­rem-no per­to da fa­mí­lia, mas sem trei­nos ex­tre­ma­dos de Obe­di­ên­cia e de­fe­sa. Sair com ele, en­fren­tar am­bi­en­tes no­vos e ou­tras pes­so­as não é ta­re­fa fá­cil, mas de­ve ser uma pri­o­ri­da­de pa­ra que ele en­ten­da que “nem tu­do o que me­xe” pa­ra além dos seus, é ini­mi­go.

Os co­men­tá­ri­os

Ou­vi­mos “Que cão tão bo­ni­to!” e fi­ca­mos con­ten­tes. “Mor­de?” e te­mos de nos acal­mar. “É um São Ber­nar­do?”, aí te­mos de con­ter a fú­ria…

Pre­fe­ri o tom jo­co­so, por­que es­ta é uma raça que de­ve­rá ser bem di­vul­ga­da, sem pre­ten­der­mos que se­ja uma raça “de mo­da”. Na mi­nha hu­mil­de opi­nião, e fe­liz­men­te, em Por­tu­gal con­ti­nua não o sen­do. Es­ti­ma­mos de mo­men­to exis­ti­rem cer­ca de 400 exem­pla­res no nos­so país. Nor­mal­men­te, as pes­so­as que já en­con­tra­ram um Bou­vi­er al­gu­res es­tão mi­ni­ma­men­te in­for­ma­das. Mas aten­ção à in­for­ma­ção, pois mui­ta de­la é con­tra­di­tó­ria. Por is­so mes­mo de­ve­mos pe­sar nu­ma “ba­lan­ça”, o que se de­ve ou não re­ter da in­for­ma­ção dis­po­ní­vel. Na Es­can­di­ná­via é uma raça tra­ta­da com es­pe­ci­al ca­ri­nho, mui­to di­fun­di­da e res­pei­ta­da; na Rús­sia e paí­ses do Bál­ti­co há já um ní­vel ra­zoá­vel na cri­a­ção e selecção; na Eu­ro­pa cen­tral “vi­rou mo­da”, sen­do na Fran­ça uma das ra­ças do 2º Gru­po mais re­pre­sen­ta­das no res­pe­ti­vo Li­vro de Ori­gens; no res­to da Eu­ro­pa, cau­sa efei­tos con­tra­di­tó­ri­os; há mui­to fun­da­men­ta­lis­mo, há quem quei­ra mo­di­fi­car o ins­tin­to da raça e há quem quei­ra vê-la co­mo raça “de mo­da”. No res­to do mun­do co­lhe ca­da vez mais afi­ci­o­na­dos. Te­mos de nos en­con­trar e não ser­mos tão emo­ci­o­nais, pois o Bou­vi­er Ber­nois é, tam­bém ele, equi­li­bra­do e mo­de­ra­do.

Ma­tu­ri­da­de e reprodução

Não há uma ida­de cer­ta pa­ra que os nos­sos Bou­vi­ers atin­jam a sua ma­tu­ri­da­de sexual, di­ga­mos que as fê­me­as es­ta­rão pron­tas pa­ra se­rem mães pe­los 2 anos ou 3º cio, ca­so o pri­mei­ro se­ja tar­dio (há ca­sos em que es­te apa­re­ce mui­to pró­xi­mo do ano e meio, dois anos, mas, nor­mal­men­te, o pri­mei­ro apa­re­ce en­tre os 7 e os 10 me­ses). Qu­an­to ao ma­cho, ele é ati­vo se­xu­al­men­te des­de mui­to ce­do (a ida­de pa­ra o pri­mei­ro cru­za­men­to de­pen­de das leis de ca­da país, mas di­ga­mos que o ide­al se­rá en­tre os 15 e os 18 me­ses). Por mais es­tu­dos que se­jam fei­tos, não se tem evo­luí­do o su­fi­ci­en­te pa­ra er­ra­di­car­mos qual­quer do­en­ça ge­né­ti­ca, he­re­di­tá­ria ou não. Um cri­a­dor cons­ci­en­te de­ve­rá sa­ber o que tem em ca­sa e, por is­so, no ca­so do Bou­vi­er Ber­nois de­ve­rá evi­tar fa­zer cru­za­men­tos com li­nhas por­ta­do­ras de olhos azuis ou com “ta­ras” ocu­la­res. Fe­liz­men­te, não exis­tem gra­ves pro­ble­mas car­día­cos e qu­an­to a dis­pla­si­as, se­ja a da an­ca ou do co­to­ve­lo, de­ve­mos des­pis­tar os “fu­tu­ros” reprodutores, cons­ci­en­tes de que cães li­vres po­dem dar cães por­ta­do­res ou/e do­en­tes, pe­lo que es­ta si­tu­a­ção de­ve­rá ser bem es­cla­re­ci­da a um fu­tu­ro pro­pri­e­tá­rio. Pe­la sua rus­ti­ci­da­de e au­to-con­fi­an­ça o BB cru­za nor­mal­men­te de uma for­ma na­tu­ral, mas quan­do es­co­lhe­mos um re­pro­du­tor que nos es­tá dis­tan­te te­mos de op­tar pe­la in­se­mi­na­ção ar­ti­fi­ci­al. A mai­or par­te das ve­zes o par­to é fá­cil, mui­to bem ge­ri­do pe­las mães, que pos­su­em uma acui­da­de ex­tra­or­di­ná­ria na se­le­ção de even­tu­ais pro­ble­mas com os seus ca­chor­ros. Não há uma mé­dia jus­ta, mas apon­ta­rei os 6 a 8 ca­chor­ros co­mo mé­dia pro­vá­vel, e de­se­já­vel, por ni­nha­da. Nos úl­ti­mos anos, e à se­me­lhan­ça de ou­tras ra­ças gran­des e gi­gan­tes, tem-se no­ta­do uma cer­ta di­fi­cul­da­de na ca­pa­ci­da­de re­pro­du­ti­va, a qual não tem uma só ex­pli­ca­ção, ape­sar de ter

vá­ri­os ve­te­ri­ná­ri­os es­pe­ci­a­lis­tas em reprodução, no­me­a­da­men­te no es­tran­gei­ro.

Ca­chor­ros

O nas­ci­tu­ro en­che uma mão das nos­sas com um pe­so en­tre os 500 a 650 gra­mas; cla­ro que de­pen­de do nú­me­ro de ca­chor­ros da ni­nha­da. O au­men­to de pe­so é gra­du­al e vi­sí­vel, po­den­do atin­gir por vol­ta dos 6 me­ses, os 30 a 38 kg e aos 12 me­ses, a fê­mea já an­da­rá pe­los 36/38 kg e o ma­cho pe­los 45 kg. Em adul­to, e fa­lo por ex­pe­ri­ên­cia pró­pria, uma fê­mea pe­sa­rá en­tre os 40 a 48 kg, e um ma­cho en­tre os 42 e os 58 kg. Porquê es­ta di­fe­ren­ça? Por­que a os­sa­tu­ra e o ta­ma­nho irão de­ter­mi­nar o pe­so e, mui­tas ve­zes, uma ali­men­ta­ção ina­de­qua­da tam­bém. Nas­cem com os olhos acin­zen­ta­dos e a cor de­fi­ne-se só a par­tir dos 2 me­ses; quan­do por­ta­do­res da cor azul, es­ta apa­re­ce­rá mui­to ce­do. De­ve­mos dei­xar ao Bou­vi­er a ges­tão do seu es­for­ço fí­si­co no pri­mei­ro ano de vi­da; não de­ve­mos “pu­xar” por

A fo­to­gra­fia ilus­tra uma his­tó­ria com fi­nal fe­liz, a ado­ção de ve­te­ra­no de 10,5 anos por par­te dos seus dois no­vos ami­gos que o acei­ta­ram sem re­ser­vas

ele pa­ra que não co­me­ta ex­ces­sos e es­tes te­nham con­sequên­ci­as in­de­se­já­veis. No que diz res­pei­to à ali­men­ta­ção, sou apo­lo­gis­ta da pro­teí­na con­tro­la­da e mui­to ce­do, ca­so es­te­ja equi­li­bra­do, mu­do-o pa­ra uma ra­ção de ma­nu­ten­ção. Acon­se­lho po­rém, um acom­pa­nha­men­to sé­rio na for­ma­ção do seu ca­rá­ter. E até ao ano, es­te não de­ve ser me­nos­pre­za­do.

Es­co­lha do ca­chor­ro

Pri­mei­ro que tu­do, um do­no de­ve sa­ber o que é um “cão”, se tem re­al­men­te con­di­ções pa­ra ser um pri­vi­le­gi­a­do e pos­suir o com­pa­nhei­ro fan­tás­ti­co que é es­te ser ma­ra­vi­lho­so. Se tem mo­de­ra­ção, dis­ci­pli­na, amor pa­ra dar, tem­po pa­ra des­pen­der e to­le­rân­cia pa­ra es­ban­jar; se reu­nir tu­do is­to, tem uma imen­si­dão de ra­ças pa­ra es­co­lher; mas porquê um cão de raça? A pre­vi­si­bi­li­da­de fa­la por si: tem­pe­ra­men­to, ta­ma­nho, mor­fo­lo­gia, por exem­plo.

Vi­ven­da ou apar­ta­men­to?

Não é uma raça exi­gen­te, co­mo atrás foi sen­do des­cri­to, des­de que te­nha­mos a no­ção de que é mais um mem­bro nas nos­sas fa­mí­li­as. Aten­ção, ca­ri­nho, edu­ca­ção, uma ali­men­ta­ção equi­li­brain­ter­ro­ga­do

28 da, bons pas­sei­os e cui­da­dos hi­gié­ni­cos bá­si­cos são im­pe­ra­ti­vos do nos­so dia-a-dia. Vi­ver num apar­ta­men­to não é um dra­ma, des­de que o chão não se­ja pe­ri­go­so (po­li­do) e que os do­nos se dis­ci­pli­nem a fa­zê-lo sair as ve­zes ne­ces­sá­ri­as; es­te exer­cí­cio é pa­ra o bem co­mum. Mes­mo em ca­sas ou quin­tas com gran­des áre­as a ten­dên­cia de­le é pa­ra fa­zer as “su­as ne­ces­si­da­des” e a sua vi­gi­lân­cia sem “des­per­di­çar” mui­to tem­po e vol­tar ra­pi­di­nho pa­ra jun­to do do­no… A adap­ta­ção se­rá fá­cil com o do­no por per­to, pois co­mo se viu, o seu “pas­sa­tem­po pre­fe­ri­do” é es­tar ao pé do do­no.

Saú­de e dia-a-dia

In­fe­liz­men­te, é uma raça à qual es­tá as­so­ci­a­do o apa­re­ci­men­to de tu­mo­res de vá­ri­as ori­gens, no en­tan­to, de­vo di­zer, por ex­pe­ri­ên­cia pes­so­al, que a lon­ge­vi­da­de de­la po­de e es­tá mui­to pa­ra além do que os li­vros di­zem. Nos li­vros (dis­tin­go aqui os EUA do res­to do mun­do) a es­pe­ran­ça de vi­da va­ria en­tre os 7 e os 9 anos. No en­tan­to, na mi­nha ca­sa a mé­dia é de 10,5 anos e es­pe­ro man­tê-la e, se pos­sí­vel, au­men­tá-la. Nes­te mo­men­to, por exem­plo, te­nho três exem­pla­res vi­vos que ul­tra­pas­sa­ram es­sa ida­de-mé­dia com qua­li­da­de. Já re­fe­ri to­das es­tas si­tu­a­ções an­tes, mas re­le­vo-as mais uma vez. Aten­ção a pro­ble­mas ocu­la­res, nor­mal­men­te as­so­ci­a­dos ao ge­ne azul, e às dis­pla­si­as, cu­jo es­tu­do ge­né­ti­co não tem evo­luí­do o su­fi­ci­en­te pa­ra con­si­de­rar uma do­en­ça sim­ples­men­te he­re­di­tá­ria.

Re­la­ção fá­cil en­tre cão e do­no, trans­for­man­do-se mui­tas ve­zes, na sua dis­po­ni­bi­li­da­de, pa­ra as­su­mir o re­gis­to de “mo­de­li­to” fo­to­grá­fi­co

É sim, uma do­en­ça po­li­gé­ni­ca, de­pen­den­do a sua evo­lu­ção da ma­ni­pu­la­ção que se fa­ça de um ca­chor­ro. Pais de lei­tu­ras A (an­cas) e O (co­to­ve­los) dão com frequên­cia cães com lei­tu­ras mé­di­as e gra­ves. Há paí­ses que es­ta­tis­ti­ca­men­te con­tem­plam o con­trá­rio, es­pe­lhan­do com ver­da­de as lei­tu­ras cor­re­tas de pro­ge­ni­to­res que por­tan­do lei­tu­ras li­gei­ras e mé­di­as, dão fi­lhos isen­tos. Nes­ta área, e tam­bém por ex­pe­ri­ên­cia pes­so­al, re­co­men­do que não se fa­çam re­pro­du­zir cães cli­ni­ca­men­te do­en­tes, in­de­pen­den­te­men­te do grau que por­tem. Es­ta si­tu­a­ção (que faz mo­da) é co­mum a pra­ti­ca­men­te to­das as ra­ças mé­di­as e gran­des, mas não de­ve­mos es­que­cer que al­gu­mas ra­ças só so­bre­vi­vem com o seu mo­vi­men­to ca­rac­te­rís­ti­co, se fo­rem dis­plá­si­cas. É co­mo os prog­na­tis­mos, de­fei­tos gra­ves na mai­or par­te das ra­ças, mas es­sen­ci­ais e ca­rac­te­rís­ti­cos em al­gu­mas de­las (co­mo o Bo­xer e o Bull­dog In­glês, por exem­plo).

Ne­ces­si­da­des de exer­cí­cio

Já se fa­lou an­te­ri­or­men­te em exer­cí­cio e nos cui­da­dos a ter no pri­mei­ro ano de vi­da, ca­be-nos acres­cen­tar que é um cão des­por­ti­vo, gos­ta de água sem a pro­cu­rar, não co­bra ob­je­tos a não ser pa­ra seu pró­prio in­te­res­se e po­de­mos vê-lo a pra­ti­car Agi­lity, en­tre ou­tras mo­da­li­da­des. É uti­li­za­do co­mo as­sis­ten­te de sur­dos; em al­guns paí­ses é co­mum ob­te­rem o bre­vet de de­fe­sa; al­guns pra­ti­cam pis­ta­gem e ca­da vez mais é uti­li­za­do em di­fe­ren­tes te­ra­pi­as (cri­an­ças por­ta­do­ras de do­en­ças on­co­ló­gi­cas e até em “la­res” de 3ª ida­de). No­ta de agra­de­ci­men­to: Agra­de­ce­mos a Ma­ria Amé­lia Ta­bor­da do afi­xo “Ca­sa dos Her­dei­ros do Lo­bo”, a Ar­man­do Aze­ve­do do afi­xo “Moi­nhos d’al­vu­ra” e a to­dos aque­les que per­mi­ti­ram a pu­bli­ca­ção de fotos de sua au­to­ria – Ma­nu­e­la Bran­ca­nes, Jo­sé Al­ber­to Ro­dri­gues e An­to­nel­la Ber­to.

Na­tu­ral­men­te acei­ta bem qual­quer ou­tra raça, par­ti­lhan­do brin­ca­dei­ras e afe­tos, res­pei­tan­do ta­ma­nhos, mas man­ten­do a hi­e­rar­quia.

Per­fil de ca­be­ça de ma­cho jo­vem, ain­da em for­ma­ção, mas com as pro­por­ções cor­re­tas.

Um exem­plar de ex­ce­lên­cia em po­se na­tu­ral (a pre­fe­ri­da) usu­fruin­do do seu es­pa­ço de elei­ção, a “na­tu­re­za”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.