Per­gun­tas mais fre­quen­tes

Caes & Companhia - - NUTRIÇÃO -

Com que ida­de se de­ve re­a­li­zar a es­te­ri­li­za­ção?

De um mo­do ge­ral, a es­te­ri­li­za­ção efe­tua-se por vol­ta dos 6 me­ses. Con­tu­do, foi de­mons­tra­do que é pos­sí­vel uma es­te­ri­li­za­ção mais pre­co­ce sem qual­quer in­ci­dên­cia so­bre o de­sen­vol­vi­men­to do ani­mal.

As fê­me­as de­vem ter uma ni­nha­da an­tes de se­rem es­te­ri­li­za­das?

Não. Tra­ta-se de uma ideia ge­ral­men­te acei­te, mas sem fun­da­men­to ci­en­tí­fi­co. O fac­to de a fê­mea ter uma ni­nha­da não tem qual­quer efei­to be­né­fi­co so­bre a sua saú­de.

Quais são os ris­cos da ova­ri­ohis­te­rec­to­mia/or­qui­ec­to­mia?

A ova­ri­ohis­te­rec­to­mia e a or­qui­ec­to­mia são in­ter­ven­ções ci­rúr­gi­cas com um ris­co anes­té­si­co re­du­zi­do e, de for­ma ge­ral, bem su­por­ta­das pe­lo ani­mal. O ani­mal de­ve ser man­ti­do em je­jum no dia an­te­ri­or à ci­rur­gia, rein­tro­du­zin­do-se a ali­men­ta­ção no dia se­guin­te. Em prin­cí­pio, o com­por­ta­men­to re­gres­sa aos pa­drões nor­mais no es­pa­ço de 48 ho­ras.

A es­te­ri­li­za­ção evi­ta sem­pre a mar­ca­ção uri­ná­ria dos ga­tos?

Es­te com­por­ta­men­to tem uma com­po­nen­te sexual, mas tam­bém po­de ser de­sen­ca­de­a­do pe­la an­si­e­da­de. As­sim, po­de ob­ser­var-se mar­ca­ção uri­ná­ria num ga­to cas­tra­do cu­jo meio en­vol­ven­te te­nha si­do per­tur­ba­do, re­gre­din­do es­se com­por­ta­men­to se fo­rem apli­ca­das fe­ro­mo­nas cal­man­tes nas zo­nas de mar­ca­ção.

A es­te­ri­li­za­ção po­de re­sol­ver os pro­ble­mas de agres­si­vi­da­de?

Os ma­chos po­dem tor­nar-se mais agres­si­vos du­ran­te o pe­río­do re­pro­du­ti­vo, se bem que tam­bém nes­te ca­so as hor­mo­nas se­xu­ais não se­jam a úni­ca cau­sa de agres­si­vi­da­de. A es­te­ri­li­za­ção não trans­for­ma to­dos os cães e ga­tos em animais dó­ceis, mas co­mo os acal­ma re­duz as mor­de­du­ras e o cus­to do res­pe­ti­vo tra­ta­men­to!

A es­te­ri­li­za­ção im­pe­de a fu­ga dos ma­chos?

O ma­cho cas­tra­do é mui­to mais se­den­tá­rio do que o ma­cho não es­te­ri­li­za­do e dei­xa de ser atraí­do pe­las fê­me­as em cio. No en­tan­to, po­de con­ser­var o com­por­ta­men­to de ex­plo­ra­ção do meio ex­te­ri­or que o le­va a va­gue­ar pa­ra lon­ge do seu do­mi­cí­lio, es­pe­ci­al­men­te os ga­tos.

Pa­ra o do­no de um ca­sal de ga­tos ou de cães, se­rá mais im­por­tan­te es­te­ri­li­zar o ma­cho ou a fê­mea?

Se não qui­ser ter ni­nha­das de­ve es­te­ri­li­zar am­bos, pa­ra não ter de op­tar en­tre a fê­mea em pe­río­do de cio e o odor in­ten­so da mar­ca­ção do ma­cho. De­ve pri­vi­le­gi­ar-se a cas­tra­ção do ma­cho pa­ra evi­tar a aqui­si­ção e a per­sis­tên­cia de um com­por­ta­men­to de mar­ca­ção.

É pos­sí­vel es­te­ri­li­zar uma fê­mea que já se en­con­tre em cio ou em ges­ta­ção?

Du­ran­te o pe­río­do de cio, os ová­ri­os es­tão con­ges­ti­o­na­dos e san­gram com mai­or fa­ci­li­da­de. Ape­sar des­te ris­co li­gei­ro, al­guns mé­di­cos ve­te­ri­ná­ri­os pre­fe­rem ope­rar do que in­ter­rom­per o cio atra­vés de um tra­ta­men­to hor­mo­nal, de­vi­do ao ris­co de in­fe­ção ute­ri­na. Se a fê­mea se en­con­trar em ges­ta­ção, a ova­ri­ohis­te­rec­to­mia é fun­da­men­tal pa­ra re­mo­ver o úte­ro e os em­briões.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.