Bou­le­do­gue Fran­cês

Caes & Companhia - - VETERINÁRIA -

Aler­gi­as

Um pro­ble­ma co­mum nes­ta ra­ça são as aler­gi­as cró­ni­cas que, nor­mal­men­te, apre­sen­tam os pri­mei­ros si­nais en­tre os 6 e os 9 me­ses. Es­tas po­dem ser pro­vo­ca­das por um di­ver­so nú­me­ro de fa­to­res, tor­nan­do-as, por ve­zes, com­pli­ca­das de di­ag­nos­ti­car. A in­ci­dên­cia po­de ser sa­zo­nal ou anu­al. As aler­gi­as po­dem ter ori­gem ali­men­tar, am­bi­en­tal, pa­ra­si­tá­ria ou a ou­tras subs­tân­ci­as (co­mo por exem­plo quí­mi­cos, pó­len e pó). As aler­gi­as ali­men­ta­res são mais fre­quen­te­men­te re­a­ções a in­gre­di­en­tes co­mo tri­go, la­ti­cí­ni­os e di­fe­ren­tes ti­pos de car­nes. Os si­nais clí­ni­cos in­clu­em pru­ri­do (por ve­zes, em áre­as cor­po­rais es­pe­cí­fi­cas), in­fla­ma­ção, in­fe­ção, per­da de pe­lo, fe­ri­das, es­pir­ros, cor­ri­men­to na­sal e ocu­lar, di­ar­reia ou vó­mi­tos. Os tra­ta­men­tos são va­ri­a­dos e de­pen­dem da iden­ti­fi­ca­ção da cau­sa da aler­gia, sen­do que al­guns ani­mais po­dem ter aler­gi­as a vá­ri­os fa­to­res e não ape­nas um. Da­do que as aler­gi­as são res­pos­tas do sis­te­ma imu­ne é im­por­tan­te um efi­caz fun­ci­o­na­men­to imu­no­ló­gi­co.

Sín­dro­me do bra­qui­cé­fa­lo

Es­ta con­di­ção é re­sul­ta­do de cru­za­men­tos que cri­a­ram es­tru­tu­ras na­sais cur­tas, mas com­pac­tas, as­so­ci­a­das a na­ri­nas es­trei­tas e pa­la­tos mo­les alon­ga­dos que obs­tru­em par­ci­al­men­te o flu­xo de ar pa­ra a tra­queia. Es­te con­jun­to de ca­rac­te­rís­ti­cas tor­na a res­pi­ra­ção pou­co efi­ci­en­te, po­den­do ain­da cau­sar gol­pes de ca­lor nes­tes ani­mais. Al­guns fa­to­res que po­dem au­men­tar o ris­co e com­pli­car es­ta do­en­ça são a obe­si­da­de as aler­gi­as a ex­ci­ta­ção ou o exer­cí­cio, cau­san­do uma res­pi­ra­ção ace­le­ra­da que a via res­pi­ra­tó­ria obs­truí­da não con­se­gue su­por­tar. Os si­nais clí­ni­cos ob­ser­va­dos são: res­so­nar, ta­quip­neia, ruí­dos res­pi­ra­tó­ri­os, ar­far, di­fi­cul­da­de em co­mer ou de­glu­tir, tos­se e di­fi­cul­da­de em exer­ci­tar. Os cães que so­frem des­ta pa­to­lo­gia são co­mum­men­te di­ag­nos­ti­ca­dos ain­da jo­vens. O tra­ta­men­to exa­to de­pen­de do ti­po de si­nais pre­sen­tes e quão se­ve­ros são. Exis­tem pro­ce­di­men­tos ci­rúr­gi­cos que aju­dam a pre­ve­nir os pro­ble­mas res­pi­ra­tó­ri­os em ra­ças bra­qui­cé­fa­las. É im­por­tan­te evi­tar fa­to­res de ris­co co­mo tem­po quen­te e hú­mi­do, e obe­si­da­de que po­dem pi­o­rar as di­fi­cul­da­des res­pi­ra­tó­ri­as ine­ren­tes.

Al­te­ra­ções nos dis­cos in­ter­ver­te­brais

De­vi­do à sua con­for­ma­ção os dis­cos in­ter­ver­te­brais des­ta ra­ça são mais vul­ne­rá­veis a le­sões, co­mo re­sul­ta­do de trau­ma se­ve­ro ou re­pe­ti­ti­vo, e à de­ge­ne­ra­ção. Os ani­mais po­dem ter a do­en­ça sem si­nais clí­ni­cos apa­ren­tes, mas even­tu­al­men­te de­sen­vol­vem dor na re­gião da co­lu­na. A dor re­ve­la-se na re­lu­tân­cia ou in­ca­pa­ci­da­de de le­van­tar a ca­be­ça, per­da de ape­ti­te, re­lu­tân­cia a sal­tar, la­drar ou ga­nir quan­do ma­ni­pu­la­do. Sen­do que em ca­sos se­ve­ros (com afe­ta­ção da me­du­la) sur­gem si­nais neu­ro­ló­gi­cos: de­se­qui­lí­brio, in­con­ti­nên­cia e pa­rá­li­se. O di­ag­nós­ti­co é mais co­mum em cães com ida­des com­pre­en­di­das en­tre os 4 e os 8 anos, em­bo­ra ocor­ram ca­sos em ani­mais mais jo­vens. Nas ra­di­o­gra­fi­as só se vi­su­a­li­zam le­sões cal­ci­fi­ca­das, pe­lo que em gran­de par­te das si­tu­a­ções é ne­ces­sá­ria a re­a­li­za­ção de TAC ou res­so­nân­cia mag­né­ti­ca. O tra­ta­men­to po­de, por ve­zes, ser con­ser­va­ti­vo, on­de o pro­ble­ma se re­sol­ve com re­pou­so e an­ti­in­fla­ma­tó­ri­os, ou po­de­rá ser pre­ci­so re­cor­rer a tra­ta­men­to ci­rúr­gi­co.

Ou­tras

• Di­fi­cul­da­des no par­to; • Lu­xa­ção da pa­te­la; • Can­cro; • He­mi­vér­te­bras.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.