Re­tri­e­ver do La­bra­dor

Caes & Companhia - - VETERINÁRIA -

Dis­pla­sia da An­ca

Es­ta mal­for­ma­ção sig­ni­fi­ca que não há uma boa co­ne­xão na ar­ti­cu­la­ção da an­ca, re­sul­tan­do na de­te­ri­o­ra­ção gra­du­al e per­da de fun­ção da mes­ma. O de­sen­vol­vi­men­to da dis­pla­sia de­pen­de de fa­to­res ge­né­ti­cos e am­bi­en­tais co­mo: sus­ce­ti­bi­li­da­de ge­né­ti­ca; cres­ci­men­to rá­pi­do; obe­si­da­de; fa­to­res nu­tri­ci­o­nais; e mas­sa mus­cu­lar pél­vi­ca. Es­tu­dos su­ge­rem que es­ta al­te­ra­ção não tem mai­or pre­dis­po­si­ção em ma­chos ou fê­me­as. Os pri­mei­ros si­nais sur­gem, ge­ral­men­te, quan­do o ani­mal é ain­da jo­vem e fi­si­ca­men­te ima­tu­ro, em­bo­ra tam­bém exis­tam mui­tos ca­sos de de­sen­vol­vi­men­to mais tar­dio que se de­ve a in­fla­ma­ção das ar­ti­cu­la­ções. Os si­nais clí­ni­cos de­pen­dem do es­ta­do de avan­ço da do­en­ça, da in­fla­ma­ção e da du­ra­ção da si­tu­a­ção. Co­mum­men­te, ob­ser­va-se: di­mi­nui­ção da ati­vi­da­de; di­fi­cul­da­de em le­van­tar-se; re­lu­tân­cia a cor­rer e a sal­tar; clau­di­ca­ção; dor nas ar­ti­cu­la­ções; di­mi­nui­ção da am­pli­tu­de de mo­vi­men­tos; e per­da de mas­sa mus­cu­lar. Pa­ra a ob­ten­ção de um di­ag­nós­ti­co é es­sen­ci­al a re­a­li­za­ção de ra­di­o­gra­fi­as. O tra­ta­men­to des­ta pa­to­lo­gia po­de ser con­ser­va­ti­vo, com a re­a­li­za­ção de fi­si­o­te­ra­pia, ou po­de ser ne­ces­sá­rio re­cor­rer a ci­rur­gia. Em am­bos os ca­sos o con­tro­lo do pe­so cor­po­ral é um as­pe­to mui­to im­por­tan­te pa­ra a re­cu­pe­ra­ção.

Os­te­o­con­dri­te Dis­se­can­te

Es­ta pa­to­lo­gia é re­sul­ta­do de um es­pes­sa­men­to anor­mal da car­ti­la­gem que é me­nos re­sis­ten­te ao stress me­câ­ni­co do que o os­so. Quan­do ocor­re um com­pro­me­ti­men­to da nu­tri­ção da car­ti­la­gem, ne­cro­se e fis­su­ras na mes­ma, for­ma-se um fla­pe que cau­sa dor in­ten­sa, pois fi­ca sol­to na ar­ti­cu­la­ção; ou­tras ve­zes pe­que­nos fla­pes cal­ci­fi­cam-se e po­dem-se alo­jar nas ex­tre­mi­da­des e ser ab­sor­vi­dos len­ta­men­te. Des­co­nhe­ce-se a eti­o­lo­gia exa­ta da do­en­ça, mas sa­be-se que está as­so­ci­a­da a fa­to­res ge­né­ti­cos, nu­tri­ção e ma­ni­pu­la­ção. Os si­nais clí­ni­cos que se po­dem ob­ser­var em ani­mais com es­ta al­te­ra­ção são: clau­di­ca­ção gra­du­al ou sú­bi­ta, em um ou mais mem­bros; di­fi­cul­da­de de sus­ten­ta­ção de pe­so; dor; in­fla­ma­ção das ar­ti­cu­la­ções; e per­da da mas­sa mus­cu­lar em si­tu­a­ções cró­ni­cas. O me­lhor mé­to­do di­ag­nós­ti­co des­ta pa­to­lo­gia é a re­a­li­za­ção de ra­di­o­gra­fi­as das ar­ti­cu­la­ções afe­ta­das. TAC e res­so­nân­cia mag­né­ti­ca são tam­bém fer­ra­men- tas úteis pa­ra ava­li­a­ção da ex­ten­são das le­sões ex­ter­nas. O tra­ta­men­to tan­to po­de pas­sar pe­la ci­rur­gia, co­mo pe­la ad­mi­nis­tra­ção de fár­ma­cos que li­mi­tam o da­no car­ti­la­gí­neo e a de­ge­ne­ra­ção. Du­ran­te a re­cu­pe­ra­ção é es­sen­ci­al re­pou­so e con­tro­lo do pe­so cor­po­ral pa­ra di­mi­nuir o stress nas ar­ti­cu­la­ções, em­bo­ra a fi­si­o­te­ra­pia se­ja acon­se­lha­da.

Ou­tras

• Di­la­ta­ção e tor­ção gás­tri­ca; • Le­são dos li­ga­men­tos cru­za­dos; • Can­cro (mas­to­ci­to­mas, os­te­o­sar­co­mas, me­la­no­mas, tu­mo­res ce­re­brais); • Os­te­o­con­dro­se; • Mal­for­ma­ção da vál­vu­la tri­cús­pi­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.