Os ad­mi­ra­do­res da ra­ça di­zem que é o com­pa­nhei­ro “per­fei­to”.

O eter­no com­pa­nhei­ro

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

Ape­sar do seu ta­ma­nho mé­dio, é um dos mais so­li­ci­ta­dos no meio ur­ba­no. Es­te êxi­to de­ve-se fun­da­men­tal­men­te ao seu tem­pe­ra­men­to, o qual os seus ad­mi­ra­do­res não têm dú­vi­das em clas­si­fi­car co­mo “per­fei­to”, es­pe­ci­al­men­te pa­ra fa­mí­li­as com cri­an­ças.

0Gol­den Re­tri­e­ver ou Co­bra­dor Dou­ra­do é uma ra­ça de cães que se de­sen­vol­veu no Rei­no Uni­do, mais con­cre­ta­men­te na Es­có­cia, por vol­ta de 1850. Em me­a­dos do sé­cu­lo XVIII a ca­ça de aves era mui­to po­pu­lar en­tre as clas­ses mais ri­cas e era ne­ces­sá­ria uma ra­ça de cães que con­se­guis­se re­cu­pe­rar as aves em ter­ra, mas es­pe­ci­al­men­te em água, por­que, co­mo sa­be­mos, a Es­có­cia está co­ber­ta de ri­os e la­gos. O Gol­den Re­tri­e­ver cri­ou-se pe­la pri­mei­ra vez em Gui­sa­chan na pro­pri­e­da­de do “pai dos Gol­dens”, o Sir Du­dley Mar­jo­ri­banks, mais tar­de o Ba­rón de Twe­ed­mouth – das Ter­ras Al­tas Es­co­ce­sas. Os me­lho­res per­di­guei­ros cru­za­ram-se com os me­lho­res cães de água e es­te foi o iní­cio de uma das mais fa­mo­sas ra­ças de cães do pla­ne­ta. A cru­za ori­gi­nal foi en­tre um Per­di­guei­ro ama­re­lo “Nous” e uma ca­de­la Twe­ed Wa­ter Spa­ni­el “Bel­le”. Em 1868 nas­ce­ram 4 ca­chor­ros que fo­ram a ba­se pa­ra o fu­tu­ro me­lho­ra­men­to ge­né­ti­co da ra­ça, ao que fo­ram in­tro­du­zi­das ra­ças co­mo o Set­ter Ir­lan­dês, o Blo­odhound, o Ter­ra­no­va e dois Re­tri­e­vers de pe­lo en­ca­ra­co­la­do e cor pre­ta. Es­ta foi uma al­tu­ra em que as cru­zas fo­ram mui­to pró­xi­mas (en­do­gâ­mi­cas) e mui­to se­le­ci­o­na­das por Lord Twe­ed­mouth, pa­ra de­sen­vol­ver um cão de ca­ça mais for­te e po­de­ro­so que os an­ti­gos Re­tri­e­vers, gen­til e in­te­li­gen­te pa­ra que pu­des­se ser fa­cil­men­te trei­na­do. Du­ran­te mui­tos anos exis­tiu uma con­tro­vér­sia so­bre quais as ra­ças que ini­ci­al­men­te de­ram ori­gem ao Gol­den Re­tri­e­ver, mas os re­gis­tos de 1952 que Lord Twe­ed­mouth es­cre­veu en­tre 1835 e 1890 dis­si­pa­ram to­das as dú­vi­das do que o pró­prio ti­nha fei­to com os seus cães ama­re­los que ti­nha ad­qui­ri­do num cir­co rus­so. Nun­ca fo­ram men­ci­o­na­dos cães de pas­tor rus­sos, a as­cen­dên­cia do Gol­den Re­tri­e­ver é to­da de cães de ca­ça, tal co­mo pre­ten­dia Lord Twe­ed­mouth Os re­gis­tos in­di­ca­vam que Twe­ed­mou th ad­qui­riu o seu pri­mei­ro Re­tri­e­ver ama­re­lo em Brigh­ton em 1865 e que o cão se cha­ma­va “Nous”, co­mo di­to an­te­ri­or­men­te, e que re­sul­ta­va de uma ni­nha­da em que os res­tan­tes ir­mãos eram com­ple­ta­men­te pre­tos e com pe­lo en­ca­ra­co­la­do, ti­po Curly Co­a­ted Re­tri­e­ver.

Fi­xa­ção da ra­ça

Em 1903, o registo da ra­ça foi acei­te pe­lo Ken­nel Club do Rei­no Uni­do co­mo Flat Co­ats – Gol­den. Fo­ram apre­sen­ta­dos pe­la pri­mei­ra vez nu­ma Ex­po­si­ção Ca­ni­na em 1908, pro­pri­e­da­de do Vis­con­de Har­cout que co­me­çou a sua li­nha­gem “Cu­lham”. Fo­ram apre­sen­ta­dos na Crufts e no Pa­lá­cio de Cris­tal, mas na­que­la épo­ca era al­go que não era ofi­ci­al. Em 1909 já eram 8 exem­pla­res na Crufts e em 1910 apa­re­ce­ram 10. Em 1911, a ra­ça pas­sou a ser re­co­nhe­ci­da co­mo Re­tri­e­ver (Gol­den and Yel­low). Só após 14 anos, em 1915, é que a ra­ça foi re­co­nhe­ci­da pe­lo Ame­ri­can Ken­nel Club. No en­tan­to “iría­mos” es­pe­rar 18 anos até que se fun­das­se o Gol­den Re­tri­e­ver da Amé­ri­ca.

Sen­do ori­gi­nal­men­te um cão de ca­ça de co­bro, atu­al­men­te o Gol­den Re­tri­e­ver é um dos cães de fa­mí­lia mais apre­ci­a­dos

A ra­ça atu­al

To­dos os apai­xo­na­dos do Gol­den Re­tri­e­ver con­se­guem dis­tin­guir fa­cil­men­te dois ti­pos de Gol­dens. Em­bo­ra exis­tam vá­ri­as li­nhas e ti­pos na Eu­ro­pa, aqui­lo que mais se per­ce­be é a di­fe­ren­ça en­tre os Gol­den Re­tri­e­vers eu­ro­peus e os Gol­den Re­tri­e­vers ame­ri­ca­nos. Sur­pre­en­de que, sen­do a mes­ma ra­ça, as di­fe­ren­ças es­te­jam tão bem mar­ca­das. A mais sig­ni­fi­ca­ti­va é sem dú­vi­da a cor, nos EUA têm uma to­na­li­da­de dou­ra­da mui­to in­ten­sa e, pe­lo con­trá­rio, os Gol­dens bri­tâ­ni­cos e no res­to da Eu­ro­pa têm um tom mais cre­me e mui­to mais su­a­ve que che­ga a pa­re­cer mar­fim. A tex­tu­ra do man­to tam­bém é di­fe­ren­te en­tre as du­as li­nhas, a eu­ro­peia com mais sub­pe­lo e a ame­ri­ca­na com pe­lo bas­tan­te mais com­pri­do. Es­tru­tu­ral­men­te, a li­nha ame­ri­ca­na tem os om­bros mais su­bi­dos que a eu­ro­peia, o que faz com que a li­nha dor­sal se­ja um pou­co des­cen­den­te, en­quan­to por cá a li­nha dor­sal de­ve ser to­da ela pa­ra­le­la ao chão. Ou­tro pon­to a fa­vor do Gol­den eu­ro­peu, a meu ver, é a ca­be­ça. Os ame­ri­ca­nos pos­su­em uma ex­pres­são du­ra, com o fo­ci­nho mais es­trei­to e pe­que­no, ao con­trá­rio dos eu­ro­peus que têm uma ex­pres­são mais do­ce e su­a­ve, ape­sar de mais po­ten­te. A ex­pres­são dos olhos tam­bém é di­fe­ren­te, ve­jo os olhos dos Gol­den ame­ri­ca­nos mui­to pe­que­nos e “achi­ne­sa­dos”, en­quan­to por cá os olhos são mai­o­res e em for­ma de ave­lã. No mo­vi­men­to, os Gol­dens ame­ri­ca­nos abran­gem mais es­pa­ço, lan­çam as pa­tas bem lá pa­ra a fren­te, é um es­pe­tá­cu­lo vê-los em mo­vi­men­to, coi­sa que por cá não é mui­to nor­mal, an­da­men­tos mais ele­gan­tes e me­nos pu­jan­tes é o que te­mos por cá.

Prin­ci­pais ap­ti­dões da ra­ça

O Gol­den Re­tri­e­ver é um tí­pi­co cão de ca­ça cu­ja prin­ci­pal fun­ção é co­brar, co­mo o pró­prio no­me diz (re­tri­e­ve é re­cu­pe­rar). O co­bro é mes­mo is­so, ir bus­car as “pe­ças” atin­gi­das pe­lo ca­ça­dor e tra­zê-las de vol­ta in­tac­tas. Ape­sar da sua in­con­tes­tá­vel be­le­za, o mo­ti­vo da sua cres­cen­te po­pu­la­ri­da­de por to­do o Mun­do é o seu ca­rá­ter afá­vel e mei­go, que faz des­te um ma­ra­vi­lho­so cão de fa­mí­lia que se ade­qua ao ti­po de vi­da de qual­quer um. Ca­da vez mais fa­mí­li­as pro­cu­ram um Gol­den (ou dois) pa­ra au­men­tar a fa­mí­lia. Exí­mio na de­mons­tra­ção de amor aos seus do­nos e de­mais se­res, is­so faz de­le um fra­co cão de gu­ar­da, por­que mes­mo com es­tra­nhos de­mons­tra to­da a sua bon­da­de. De­vi­do ao seu bom tem­pe­ra­men­to e ati­tu­de cal­ma é mui­to uti­li­za­do co­mo cão de as­sis­tên­cia e tam­bém em ce­ná­ri­os de bus­ca e sal­va­men­to; por exem­plo, no World Tra­de Cen­ter, on­de fi­ca­ram fa­mo­sos al­guns Gol­dens que en­con­tra­ram vá­ri­as pes­so­as nos es­com­bros. É tam­bém bas­tan­te fre­quen­te ver exem­pla­res a fa­zer tra­ba­lho de te­ra­pia. Um exem­plo, foi o seu pa­pel no res­cal­do do ata­que a uma dis­co­te­ca em Or­lan­do, na Fló­ri­da (EUA), que re­sul­tou em 49 mor­tes, aju­dan­do os so­bre­vi­ven­tes e os fa­mi­li­a­res e ami­gos das ví­ti­mas a li­dar com a dor e o me­do.

Não há Re­tri­e­ver que não ado­re ir a cor­rer apa­nhar e tra­zer-lhe na bo­ca uma bo­la, um bo­ne­co ou até um pau­zi­nho.

A cor da pe­la­gem do Gol­den Re­tri­e­ver vai des­de a to­na­li­da­de cre­me até ao dou­ra­do, mas nun­ca ver­me­lho ou mog­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.