Bem-vin­do a ca­sa! Im­pli­ca­ções e res­pon­sa­bi­li­da­des de ter um ani­mal

Im­pli­ca­ções e res­pon­sa­bi­li­da­des de ter um ani­mal

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

Nas­ceu. Num dia de sol ou de chu­va, de dia ou de noi­te, não im­por­ta. Nas­ceu. E ago­ra? Se ti­ver sor­te, nas­ceu já no seio de uma fa­mí­lia que o amou ain­da an­tes de nas­cer e que o há-de aca­ri­nhar to­da a vi­da. Se não ti­ver tan­ta sor­te, se­rá aco­lhi­do nu­ma ins­ti­tui­ção on­de, com al­gu­ma fe­li­ci­da­de, se­rá ado­ta­do.

Pa­re­ce-lhe fa­mi­li­ar? Pois é, po­dia ser a his­tó­ria de uma qual­quer cri­an­ça, mas não... é a his­tó­ria de qual­quer cão, ga­to ou ou­tro ani­mal de es­ti­ma­ção. No mês do “Dia Mun­di­al dos Ani­mais”, a BQ es­co­lheu um ca­mi­nho me­nos ju­rí­di­co, mais in­ti­mis­ta e re­sol­veu tra­çar a vi­da do seu ani­mal de es­ti­ma­ção, des­de que nas­ce até che­gar a si, pa­ra lhe fa­lar de to­das as im­pli­ca­ções e res­pon­sa­bi­li­da­des que é ter um ani­mal e mos­trar-lhe que não é as­sim tão di­fe­ren­te de ter um filho.

Com­pra vs Ado­ção

Quan­do se to­ma a de­ci­são de ter um ani­mal de es­ti­ma­ção, vá­ri­as são as ques­tões que se co­lo­cam, sen­do que a pri­mei­ra de to­das é: On­de? Di­ri­jo-me a uma lo­ja de ani­mais ou vou a um ca­nil e ado­to um ami­go pa­ra a vi­da? Qual­quer que se­ja a op­ção, uma coi­sa fun­da­men­tal se im­põe: cer­ti­fi­ca­ção. Quer op­te por uma lo­ja ou ca­nil, cer­ti­fi­que-se que a mes­ma se en­con­tra de­vi­da­men­te li­cen­ci­a­da, qual a ori­gem dos ani­mais e, no ca­so es­pe­cí­fi­co das lo­jas, se pos­sí­vel, qual o cri­a­dor e se obe­de­ce a to­dos os re­qui­si­tos de res­pei­to pe­la vi­da ani­mal. Lem­bre-se: bo­as prá­ti­cas in­cen­ti­vam boa qua­li­da­de, se­ja a ní­vel de saú­de, bem-es­tar e dig­ni­da­de dos ani­mais, se­ja mes­mo de saú­de pú­bli­ca. Na in­for­ma­ção de uma lo­ja ou num ca­nil de­ve­rá ter sem­pre em aten­ção se os mes­mos se en­con­tram le­ga­li­za­dos, cer­ti­fi­ca­dos, se os ani­mais se en­con­tram em bo­as con­di­ções de saú­de e, até, a ma­nei­ra co­mo é con­du­zi­do o pro­ce­di­men­to ten­do em vis­ta a aqui­si­ção/ado­ção do ani­mal.

Ho­je em dia, um ani­mal de es­ti­ma­ção é um mem­bro aca­ri­nha­do da fa­mí­lia, um com­pa­nhei­ro fi­el de brin­ca­dei­ras que re­ce­be to­dos os cui­da­dos

Registo e mi­cro­chip

O pas­so se­guin­te pas­sa pe­la vi­si­ta ao mé­di­co ve­te­ri­ná­rio e registo, sen­do que, a im­ple­men­ta­ção de mi­cro­chip nos cães é obri­ga­tó­ria pa­ra to­dos os nas­ci­dos a par­tir de ju­lho de 2008. E, já ago­ra, sa­bia que é obri­ga­tó­rio o registo do seu ani­mal de es­ti­ma­ção na Jun­ta de Fre­gue­sia? Con­tu­do, se não o fez não se as­sus­te, pois po­de fa­zê-lo a to­do o tem­po. Es­te registo po­de­rá ser o seu me­lhor ami­go em ca­so de per­da do seu com­pa­nhei­ro, uma vez que o seu ami­go de qua­tro pa­tas pas­sa a cons­tar num sis­te­ma de ser­vi­ço de iden­ti­fi­ca­ção e registo ani­mal, que po­de­rá tor­nar mais fá­cil a iden­ti­fi­ca­ção do mes­mo.

Con­ví­vio com a fa­mí­lia

E pron­to! Pas­sa­das as for­ma­li­da­des, é ho­ra de tra­zer o no­vo mem­bro da fa­mí­lia pa­ra ca­sa e to­dos dis­fru­ta­rem da com­pa­nhia uns dos ou­tros. O Có­di­go Ci­vil con­ti­nua a en­ca­rar os ani­mais co­mo coi­sas – não obs­tan­te a dig­ni­da­de pe­nal que lhes foi con­fe­ri­da pe­la Lei 69/2014, de 29/08, que cri­mi­na­li­za os maus tra­tos a ani­mais de com­pa­nhia –, no en­tan­to, é ca­da vez me­nos usu­al os mes­mos se­rem en­ca­ra­dos co­mo tal em so­ci­e­da­de. Ho­je em dia, um ani­mal de es­ti­ma­ção é um mem­bro aca­ri­nha­do da fa­mí­lia, com­pa­nhei­ro fi­el de brin­ca­dei­ras, noi­tes em cla­ro e afli­ções, bas­tan­do a sua me­ra pre­sen­ça pa­ra cri­ar con­for­to em

ca­da um. Di­fi­cil­men­te se po­de­rá olhar pa­ra um ani­mal, que tan­to nos dá, co­mo uma me­ra coi­sa, equi­pa­ran­do-o a um mó­vel ou can­de­ei­ro.

E em ca­so de di­vór­cio ou se­pa­ra­ção?

Aqui é mais com­pli­ca­do... Ape­sar do di­vór­cio ser uma re­a­li­da­de cons­tan­te na so­ci­e­da­de oci­den­tal, cer­to é que a re­gu­la­ção das res­pon­sa­bi­li­da­des pa­ra com os ani­mais já não se­rá tão lí­qui­da. O fac­to de, por mais que a Lei di­ga que o são, não con­se­guir­mos en­ca­rar os ani­mais co­mo coi­sas e não con­se­guir­mos des­li­gar o la­ço afe­ti­vo que com eles cri­a­mos, faz com que se­ja mais di­fí­cil re­gu­lar a con­vi­vên­cia com eles após o di­vór­cio, do que com os pró­pri­os fi­lhos. Efe­ti­va­men­te, as cri­an­ças e o pa­tri­mó­nio es­tão tu­te­la­dos pe­la Lei, es­ti­pu­lan­do es­ta a di­vi­são dos bens da ma­nei­ra que for mais equi­ta­ti­va ao ca­so con­cre­to e a re­gu­la­ção das res­pon­sa­bi­li­da­des pa­ren­tais tem sem­pre em con­ta o su­pe­ri­or in­te­res­se do me­nor. No en­tan­to, os ani­mais não têm a mes­ma “sor­te”, não sen­do a vi­da tão fa­ci­li­ta­da pa­ra eles. De fac­to, ape­sar de po­der pa­re­cer fá­cil, uma vez que o seu es­ta­tu­to le­gal é de uma “coi­sa”, bas­ta­ria en­tão apli­car-se o re­gi­me do pa­tri­mó­nio pa­ra de­ter­mi­nar quem fi­ca com o com­pa­nhei­ro. Po­rém, é aí que en­tra o ca­rác­ter afe­ti­vo das re­la­ções que nos unem aos ani­mais e a ques­tão não é fa­cil­men­te re­sol­vi­da.

Exem­plos no es­tran­gei­ro

Se aten­tar­mos ao que se tem pas­sa­do nos ou­tros paí­ses quan­to a es­ta ques­tão, ve­mos que as so­lu­ções vão de um ex­tre­mo ao ou­tro, mas, pe­lo me­nos, exis­te re­gu­la­ção. Por exem­plo, nos Es­ta­dos Uni­dos o sis­te­ma é mui­to sim­ples e cla­ro (ain­da que não se con­cor­de com o mes­mo): os ani­mais são con­si­de­ra­dos pro­pri­e­da­de e, por­tan­to, fi­ca com eles quem os com­prou ou quem

tem o no­me na ca­der­ne­ta do pe­di­gree. Já no Bra­sil a ma­té­ria tam­bém já se en­con­tra mui­to bem re­gu­la­men­ta­da, sen­do que está mes­mo de­fi­ni­da a pos­si­bi­li­da­de de pe­dir pen­sões de ali­men­tos pa­ra os ani­mais e de es­tes fi­ca­rem com os do­nos que re­ve­lem me­lho­res ca­rac­te­rís­ti­cas pa­ra to­mar con­ta de­les e de­fi­nir di­as de vi­si­tas.

Em Por­tu­gal

Ape­sar do di­vór­cio ser uma re­a­li­da­de cons­tan­te na so­ci­e­da­de oci­den­tal, a re­gu­la­ção das res­pon­sa­bi­li­da­des pa­ra com os ani­mais ain­da não exis­te

Por cá con­ti­nu­a­mos nu­ma área de cin­zen­to car­re­ga­do. Há sem­pre a op­ção do ca­sal de­sa­vin­do che­gar a acor­do de von­ta­des so­bre quem fi­ca com o ani­mal e se ha­ve­rá “gu­ar­da com­par­ti­lha­da” do mes­mo e em que ter­mos. Po­rém, se tal não for pos­sí­vel, o re­cur­so aos tri­bu­nais ain­da re­ves­te con­tor­nos du­vi­do­sos, pois que se se tra­ta co­mo pa­tri­mó­nio, a ques­tão te­rá de ser jul­ga­da num tri­bu­nal cí­vel, con­tu­do, se tal ca­rac­te­ri­za­ção não for le­va­da em con­si­de­ra­ção, en­tão re­cai­rá no âm­bi­to dos tri­bu­nais de fa­mí­lia e me­no­res. Nu­ma de­ci­são iné­di­ta, num ca­so de di­vór­cio em Avei­ro, já em 2016, foi de­ci­di­da a atri­bui­ção de uma pen­são de ali­men­tos ao côn­ju­ge que fi­ca­ria com o cão, no va­lor de 15€, pa­ra aju­da na com­pra da ali­men­ta­ção. Con­tu­do, da­da a na­tu­re­za ob­jec­ti­fi­ca­da do ani­mal, a re­fe­ri­da pen­são te­ve de ser in­cluí­da na que foi de­ter­mi­na­da pa­ra os fi­lhos do ca­sal.

A evo­luir pa­ra um bom ca­mi­nho

Pa­ra que se­ja mais fá­cil de tra­tar es­tas si­tu­a­ções, tem si­do apon­ta­da a ana­lo­gia com a re­gu­la­ção de res­pon­sa­bi­li­da­des pa­ren­tais dos me­no­res, com as nu­an­ces es­pe­cí­fi­cas, na­tu­ral­men­te, sen­do que, se hou­ver tam­bém me­no­res en­vol­vi­dos, ain­da se tor­na mais fá­cil, bas­tan­do que se de­ter­mi­ne que o ani­mal acom­pa­nha o me­nor pa­ra a si­tu­a­ção es­tar re­sol­vi­da. Ain­da as­sim, cre­mos que uma so­lu­ção, mes­mo com ma­la­ba­ris­mos, é me­lhor do que ne­nhu­ma e mos­tra que es­ta­mos a evo­luir em di­re­ção ao bom ca­mi­nho. Bas­ta pen­sar que, mui­to pos­si­vel­men­te, ape­nas há 10 anos atrás, a si­tu­a­ção da gu­ar­da dos ani­mais de es­ti­ma­ção não era se­quer pon­de­ra­da, sen­do vis­ta co­mo al­go ab­sur­do e que ago­ra já é al­vo de re­fle­xão.

4 de ou­tu­bro

Por­tan­to, nes­te “Dia Mun­di­al dos Ani­mais”, co­mo em to­dos os res­tan­tes 364 di­as que ca­da ano tem, va­lo­ri­ze e es­ti­me o seu ami­go de qua­tro pa­tas, por­que co­mo po­de ver, as vi­cis­si­tu­des e pe­ri­pé­ci­as por que po­de pas­sar, nes­te ca­mi­nho que faz con­si­go, tam­bém não são fá­ceis, mas o amor e de­di­ca­ção que te­rá por si, is­so, ca­ro lei­tor, se­rá in­con­di­ci­o­nal e im­pa­gá­vel.

A im­ple­men­ta­ção de mi­cro­chip nos cães é obri­ga­tó­ria pa­ra to­dos os nas­ci­dos a par­tir de ju­lho de 2008.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.