Trans­por­ta­do­ra: Não é ape­nas um aces­só­rio de trans­por­te

Não é ape­nas um aces­só­rio de trans­por­te

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

A trans­por­ta­do­ra é um aces­só­rio uti­li­za­do pa­ra le­var o cão ou vi­a­jar com ele sem pro­ble­mas. Mas tam­bém po­de ser usa­da co­mo uma fer­ra­men­ta pa­ra edu­car o ca­chor­ro e pa­ra cor­ri­gir al­gu­mas con­du­tas pro­ble­má­ti­cas dos cães.

Uma trans­por­ta­do­ra é uma es­pé­cie de jau­la ou de ha­bi­tá­cu­lo fe­cha­do, nor­mal­men­te de plás­ti­co, que nos per­mi­te con­fi­nar o nos­so cão num lu­gar se­gu­ro e vi­a­jar com ele de for­ma mais tran­qui­la; e não de­ve­mos fi­car alar­ma­dos quan­do ou­vi­mos a pa­la­vra “jau­la”. A trans­por­ta­do­ra não é um lu­gar de cas­ti­go on­de se fe­cha o ani­mal por­que se por­tou mal. Pe­lo con­trá­rio, en­tre as mui­tas van­ta­gens que tem es­te aces­só­rio te­mos de fa­lar, so­bre­tu­do, de co­mo o con­ver­ter num lu­gar se­gu­ro, on­de o nos­so cão es­te­ja tran­qui­lo e se sin­ta “em ca­sa”.

Di­fe­ren­tes ta­ma­nhos e mo­de­los

Em­bo­ra a trans­por­ta­do­ra es­te­ja mais in­di­ca­da pa­ra ani­mais de pe­que­no por­te, exis­tem mo­de­los pa­ra to­dos os ta­ma­nhos. E, de­pen­den­do do uso que lhe da­mos, po­de­mos es­co­lher di­fe­ren­tes mo­de­los: com ro­das ou sem elas, acol­cho­a­das e fle­xí­veis, com gra­des me­tá­li­cas na par­te su­pe­ri­or pa­ra fa­vo­re­cer a ven­ti­la­ção e al­gu­mas, pa­ra mai­or co­mo­di­da­de, to­tal­men­te des­mon­tá­veis. A trans­por­ta­do­ra de­ve ser su­fi­ci­en­te­men­te am­pla pa­ra que o cão pos­sa per­ma­ne­cer le­van­ta­do, dar a vol­ta e sen­tar-se; mas quan­do é uti­li­za­da em vi­a­gens ou des­lo­ca­ções – em­bo­ra a sua lar­gu­ra de­va fa­ci­li­tar a sua co­mo­di­da­de du­ran­te as ho­ras que du­ra a vi­a­gem – não de­ve per­mi­tir que es­te se mo­va brus­ca­men­te.

Ape­sar de es­tar as­so­ci­a­da ao trans­por­te, é um aces­só­rio que se po­de con­ver­ter no re­fú­gio fa­vo­ri­to do cão, on­de po­de re­la­xar e se sen­te se­gu­ro

Al­gu­mas das van­ta­gens

A trans­por­ta­do­ra é, so­bre­tu­do, um ele­men­to de con­tro­lo. Tem mui­tos be­ne­fí­ci­os, já que po­de­mos con­ver­tê-la num lo­cal pri­va­do on­de o nos­so cão po­de re­la­xar e se sin­ta se­gu­ro. En­tre al­gu­mas das van­ta­gens que nos po­de pro­por­ci­o­nar o seu uso está a edu­ca­ção do ca­chor­ro, o tra­ta­men­to de al­guns pro­ble­mas de con­du­ta, co­mo a an­si­e­da­de por se­pa­ra­ção ou a des­trui­ção de ob­je­tos e, cla­ro, a sua se­gu­ran­ça nas vi­a­gens.

Edu­car o ca­chor­ro

A ro­ti­na de edu­car o ca­chor­ro a fa­zer as su­as ne­ces­si­da­des no lo­cal es­co­lhi­do ou na rua é uma ta­re­fa que, em mui­tas oca­siões, não con­se­gui­mos fa­zer por fal­ta de tem­po. Além de uma boa do­se de pa­ci­ên­cia, ge­ral­men­te, de­ve­mos vi­giá-lo con­ti­nu­a­men­te pa­ra que não fa­ça as su­as ne­ces­si­da­des por to­da a ca­sa. Ten­do em con­ta que o ca­chor­ro nun­ca uri­na, nem de­fe­ca, no seu lo­cal de des­can­so, po­de­mos con­fi­ná-lo na trans­por­ta­do­ra du­ran­te um bre­ve es­pa­ço de tem­po, en­quan­to es­ta­mos ocu­pa­dos com ou­tras coi­sas. Mas é im­por­tan­te não dei­xar o ca­chor­ro fe­cha­do mais de 1 ou 2 ho­ras, já que, pe­lo con­trá­rio, po­de­ría­mos stres­sá-lo ou po­de fa­zer as “su­as coi­sas” no in­te­ri­or.

Um cão des­trui­dor

A trans­por­ta­do­ra tam­bém é de gran­de uti­li­da­de pa­ra tra­tar pro­ble­mas de des­trui­ção no lar. Mui­tos cães, por stress, por abor­re­ci­men­to ou, no ca­so dos ca­chor­ros, pe­la mu­dan­ça da den­ti­ção e von­ta­de de ex­plo­rar, de­di­cam-se a mor­der tu­do o que en­con­tram quan­do não os po­de­mos vi­gi­ar. Quan­do te­mos um ca­chor­ro que apre­sen­ta es­ta con­du­ta de­ve­mos ten­tar per­ce­ber a cau­sa des­te com­por­ta­men­to e pe­dir acon­se­lha­men­to a um pro­fis­si­o­nal. Em mui­tos ca­sos a trans­por­ta­do­ra po­de ser um com­ple­men­to que nos aju­da no tra­ta­men­to e con­tro­lo do pro­ble­ma. Pa­ra is­so, de­ve­mos man­ter o cão na sua trans­por­ta­do­ra, tran­qui­lo e có­mo­do, com vá­ri­os dos seus brin­que­dos pre­fe­ri­dos no in­te­ri­or e uma gu­lo­sei­ma que pos­sa ro­er ou mas­ti­gar. Des­te mo­do, o cão man­tém-se ocu­pa­do e po­de­mos de­di­car-nos a ou­tras ati­vi­da­des. Em­bo­ra se­ja con­ve­ni­en­te não nos se­pa­rar­mos de­le mais de 3 ho­ras.

Tra­ta­men­to da an­si­e­da­de

Es­te aces­só­rio tam­bém nos po­de aju­dar a so­lu­ci­o­nar o pro­ble­ma da an­si­e­da­de por se­pa­ra­ção. Po­de­mos uti­li­zá-la pa­ra que o ani­mal se vá acos­tu­man­do a, quan­do es­ta­mos em ca­sa, es­tar al­gum tem­po a des­can­sar no seu ha­bi­tá­cu­lo, pa­ra que não es­te­ja sem­pre de­pen­den­te dos nos­sos mo­vi­men­tos. Nes­tes ca­sos, é mui­to im­por­tan­te que o cão ve­ja a trans­por­ta­do­ra co­mo um lu­gar on­de se sen­te se­gu­ro e pro­te­gi­do. Por ve­zes, pa­ra au­men­tar a tran­qui­li­da­de é con­ve­ni­en­te ta­pá-la com uma man­ta, mas evi­tan­do que fi­que sem ven­ti­la­ção.

Des­ta for­ma, a es­cu­ri­dão e a au­sên­cia de es­tí­mu­los pro­vo­ca­rá uma mai­or tran­qui­li­da­de no cão e evi­ta­rá que se sin­ta in­se­gu­ro na nos­sa au­sên­cia.

Vi­a­jar se­gu­ro

A trans­por­ta­do­ra tam­bém é um aces­só­rio in­dis­pen­sá­vel pa­ra acos­tu­mar o cão a per­ma­ne­cer tran­qui­lo nas des­lo­ca­ções que fa­ze­mos. No ca­so do cão, evi­ta que sal­te de um as­sen­to pa­ra ou­tro, que nos in­co­mo­de en­quan­to con­du­zi­mos ou que la­dre quan­do vê al­go pe­la ja­ne­la. Se for­mos vi­a­jar fre­quen­te­men­te com o nos­so cão, o ide­al é que es­te es­te­ja acos­tu­ma­do à sua pró­pria trans­por­ta­do­ra, já que o uso de uma ou­tra po­de dei­xá-lo ner­vo­so. Pa­ra vi­a­jar de bar­co ou avião é obri­ga­tó­rio. No ca­so de ani­mais de pe­que­no ta­ma­nhos, mui­tas com­pa­nhi­as aé­re­as per­mi­tem que vi­a­jem na ca­bi­na, mas es­ta­be­le­cem um li­mi­te de pe­so e a trans­por­ta­do­ra de­ve, nor­mal­men­te, ser rí­gi­da.

Acos­tu­má-lo à trans­por­ta­do­ra

O cão, ins­tin­ti­va­men­te, pro­cu­ra um re­fú­gio on­de se sin­ta se­gu­ro, e nun­ca o fa­rá num lu­gar des­co­nhe­ci­do. Pa­ra is­so ne­ces­si­ta de um lu­gar tran­qui­lo, com ob­je­tos e odo­res que lhe se­jam fa­mi­li­a­res. Con­se­guir que o ca­chor­ro en­tre na trans­por­ta­do­ra e per­ma­ne­ça cal­mo é mui­to fá­cil. Ini­ci­al­men­te, é nor­mal que o cão te­nha re­ceio e não que­ria en­trar, mas só te­mos de ter um pou­co de pa­ci­ên­cia. Du­ran­te os pri­mei­ros di­as no seu no­vo lar o ca­chor­ro in­ves­ti­ga, chei­ra e ex­plo­ra to­dos os can­tos da ca­sa. Se en­con­tra um lo­cal co­ber­to on­de se abri­gar e que, além dis­so, te­nha uma ca­ma con­for­tá­vel com al­guns brin­que­dos no seu in­te­ri­or, não vai he­si­tar em en­trar pa­ra brin­car ou, sim­ples­men­te, pa­ra des­can­sar. No iní­cio, pa­ra o acos­tu­mar, o me­lhor é man­ter a por­ta aber­ta, pa­ra que pos­sa en­trar e sair com to­da a li­ber­da­de. Se o cão se mos­tra eva­si­vo ou re­ti­cen­te em en­trar na trans­por­ta­do­ra, co­lo­ca­mos lá den­tro os seus brin­que­dos fa­vo­ri­tos e, de vez em quan­do, umas gu­lo­sei­mas. Tam­bém, em al­guns ca­sos, já que a trans­por­ta­do­ra é um ob­je­to des­mon­tá­vel, po­de­mos re­ti­rar a par­te su­pe­ri­or, pa­ra evi­tar a sen­sa­ção de en­jau­la­men­to e, des­ta for­ma, o cão per­ma­ne­ça mais tran­qui­lo. Quan­do o cão es­ti­ver ha­bi­tu­a­do, fe­cha­mos a por­ta du­ran­te bre­ves pe­río­dos de tem­po, cu­ja du­ra­ção se­rá au­men­ta­da pou­co a pou­co, sem­pre man­ten­do-se por per­to, pa­ra o tran­qui­li­zar.

As pri­mei­ras des­lo­ca­ções de car­ro na trans­por­ta­do­ra de­vem ser em pas­seio, até ao cam­po ou à praia, e não pa­ra ir ao ve­te­ri­ná­rio

A trans­por­ta­do­ra de­ve ser al­go po­si­ti­vo!

O im­por­tan­te é que as­so­cie sem­pre a trans­por­ta­do­ra a al­go po­si­ti­vo. Por exem­plo, as pri­mei­ras des­lo­ca­ções de car­ro na trans­por­ta­do­ra de­vem ser em pas­seio, até ao cam­po ou à praia, e não pa­ra ir ao ve­te­ri­ná­rio. Nun­ca de­ve­mos for­çar o cão a en­trar na trans­por­ta­do­ra, pois é fun­da­men­tal que não a re­la­ci­o­ne com uma ex­pe­ri­ên­cia de­sa­gra­dá­vel. O nos­so cão nun­ca de­ve ver a trans­por­ta­do­ra co­mo uma jau­la, nem co­mo um lu­gar on­de é fe­cha­do quan­do se por­ta mal.

Se for­mos vi­a­jar fre­quen­te­men­te com o nos­so cão, o ide­al é que es­te es­te­ja acos­tu­ma­do à sua pró­pria trans­por­ta­do­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.