“O meu ca­chor­ro mor­dis­ca mui­to”: E ago­ra? O que po­de fa­zer?

E ago­ra? O que po­de fa­zer?

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

Quem tem um ca­chor­ro, ou se lem­bra do seu cão quan­do ca­chor­ro, sa­be bem o quão afi­a­dos são os seus den­tes e o co­mo ma­go­am sem­pre que ele abo­ca­nha as nos­sas mãos ou ou­tra par­te do cor­po. Des­sas mor­di­das re­sul­tam sem­pre ar­ra­nhões e man­chas aver­me­lha­das que fi­cam mar­ca­das na pe­le, co­mo se um registo se tra­tas­se pa­ra con­ta­bi­li­zar o nú­me­ro de ve­zes que ele nos mor­dis­cou ao lon­go do dia.

Pa­ra des­co­nhe­ci­men­to de mui­tos tu­to­res, os ca­chor­ros nas­cem com den­tes de lei­te. A den­ti­ção de um ca­chor­ro é com­pos­ta por ape­nas 28 den­tes, on­de não es­tão in­cluí­dos os pri­mei­ros pré-mo­la­res, nem os mo­la­res. Em adul­to, um cão tem cer­ca de 42 den­tes de­fi­ni­ti­vos: 6 in­ci­si­vos su­pe­ri­o­res e 6 in­ci­si­vos in­fe­ri­o­res, 2 ca­ni­nos su­pe­ri­o­res e in­fe­ri­o­res, 8 pré-mo­la­res in­fe­ri­o­res e in­fe­ri­o­res, 4 mo­la­res su­pe­ri­o­res e 6 mo­la­res in­fe­ri­o­res. A tran­si­ção da den­ti­ção de lei­te pa­ra de­fi­ni­ti­va ini­cia-se por vol­ta dos 4 me­ses e ter­mi­na en­tre os 6 e os 12 me­ses de ida­de.

O pe­río­do da so­ci­a­bi­li­za­ção

An­te­ri­or aos 4 me­ses e à mu­dan­ça de den­ti­ção, tem iní­cio o pe­río­do de so­ci­a­bi­li­za­ção de um ca­chor­ro. So­ci­a­bi­li­za­ção é o ato de so­ci­a­bi­li­zar, é a ca­pa­ci­da­de que um in­di­ví­duo tem de con­vi­ver so­ci­al­men­te com ou­tros in­di­ví­du­os da mes­ma es­pé­cie, ou até ser so­ciá­vel com in­di­ví­du­os de es­pé­ci­es di­fe­ren­tes da sua. So­ci­a­bi­li­zar um ca­chor­ro sig­ni­fi­ca tor­ná-lo so­ciá­vel pa­ra com o ser hu­ma­no e até mes­mo com ou­tros ani­mais que pos­sam co­a­bi­tar no mes­mo es­pa­ço, que po­dem ser da mes­ma es­pé­cie ou não. Es­te pe­río­do, que ocor­re en­tre as 8 e as 16 se­ma­nas de vi­da de um ca­chor­ro, é apon­ta­do co­mo o ide­al pa­ra o en­si­nar a ado­tar com­por­ta­men­tos ti­dos co­mo so­ci­al­men­te cor­re­tos e acei­tes nu­ma so­ci­e­da­de go­ver­na­da pe­lo ser hu­ma­no e que ele de­ve ado­tar con­so­an­te de­ter­mi­na­da si­tu­a­ção.

Abo­ca­nhar, mor­dis­car e mor­der são com­por­ta­men­tos ina­tos, mas o cão tem a ca­pa­ci­da­de de apren­der a mor­der com pou­ca for­ça

Um com­por­ta­men­to ina­to

Abo­ca­nhar, mor­dis­car e mor­der são com­por­ta­men­tos ina­tos dos cães. Co­mo é sa­bi­do, os cães não nas­cem com bo­cas mo­les, mas têm a ca­pa­ci­da­de de apren­der a mor­der com pou­ca for­ça se fo­rem en­si­na­dos. Se­rem en­si­na­dos sig­ni­fi­ca dar-lhe mui­to fe­ed­back acer­ca da for­ça que apli­cam nas mor­di­das du­ran­te os pri­mei­ros me­ses de vi­da, so­bre­tu­do du­ran­te o pe­río­do de so­ci­a­bi­li­za­ção, pois é du­ran­te es­te pe­río­do que a sua cu­ri­o­si­da­de é mais pro­nun­ci­a­da e, por­tan­to, a pro­ba­bi­li­da­de de abo­ca­nhar e mor­der tu­do o que vê é ele­va­da. En­quan­to ca­chor­ro, há uma mai­or ten­dên­cia pa­ra se apro­xi­mar de tu­do o que é lhe é des­co­nhe­ci­do; quan­do atin­ge a ma­tu­ri­da­de, a ten­dên­cia na­tu­ral é pa­ra evi­tar o que é des­co­nhe­ci­do. É tam­bém du­ran­te es­te pe­río­do que os cães es­tão mais re­ce­ti­vos a apren­der no­vos com­por­ta­men­tos e de for­ma mais rá­pi­da. Um ou­tro mo­ti­vo pa­ra que o en­si­no da ini­bi­ção de mor­di­da se­ja ini­ci­a­do nos pri­mei­ros me­ses de vi­da é o fac­to de os ca­chor­ros vi­rem pren­da­dos com den­tes bem afi­a­dos, mais pa­re­ci­dos com agu­lhas. Is­so sig­ni­fi­ca que não é ne­ces­sá­rio apli­ca­rem de­ma­si­a­da for­ça no ma­xi­lar pa­ra sen­tir­mos dor, o mais le­ve con­tac­to en­tre os seus den­tes e a nos­sa pe­le é su­fi­ci­en­te pa­ra pro­vo­car uma dor que é su­por­tá­vel, mas su­fi­ci­en­te pa­ra lhe dar es­se fe­ed­back.

Per­to dos ir­mãos

O fe­ed­back co­me­ça des­de lo­go no seio da ni­nha­da. Po­de pa­re­cer es­tra­nho ver uma ni­nha­da de ca­chor­ros a brin­car de for­ma agres­si­va, tro­can­do en­tre eles mor­di­das e ga­ni­dos. No en­tan­to, é um com­por­ta­men­to nor­mal e ne­ces­sá­rio, pois per­mi­te que co­me­cem a pra­ti­car a for­ça que apli­cam nas mor­di­das en­tre eles. Sem­pre que um ca­chor­ro mor­de com de­ma­si­a­da for­ça, o ou­tro ga­ne e ter­mi­na a brin­ca­dei­ra, afas­tan­do-se. A re­a­ção re­pe­ti­da de ga­nir a uma mor­di­da mais vi­o­len­ta, faz com que o ca­chor­ro que mor­deu co­me­ce a as­so­ci­ar a sua mor­di­da ao fim da brin­ca­dei­ra. O ter­mi­nar da brin­ca­dei­ra é a con­sequên­cia do ca­chor­ro que mor­deu. Es­te fe­ed­back per­mi­te dar a co­nhe­cer ao ca­chor­ro que, nu­ma pró­xi­ma, te­rá que mor­der com me­nos for­ça, ca­so não quei­ra fi­car sem com­pa­nhei­ro pa­ra as brin­ca­dei­ras.

Ini­bi­ção da mor­di­da

Fo­ra da ni­nha­da e in­se­ri­do nu­ma no­va fa­mí­lia, a prá­ti­ca da ini­bi­ção de mor­di­da de­ve con­ti­nu­ar. Nun­ca dei­xe que o ca­chor­ro mor­dis­que as su­as mãos. Ape­sar dos den­tes afi­a­dos, os ma­xi­la­res dos ca­chor­ros es­tão pou­co de­sen­vol­vi­dos pe­lo que a for­ça exer­ci­da não se­rá in­su­por­tá­vel. Sem­pre que o ca­chor­ro pres­si­o­nar com mais for­ça os den­tes con­tra a sua pe­le por en­ga­no, gri­te “AUUCH!”, co­mo se ti­ves­se doí­do mui­to mais do que na re­a­li­da­de do­eu. No mes­mo ins­tan­te, afas­te-se de ao pé de­le por bre­ves ins­tan­tes. Pas­sa­do um ou dois mi­nu­tos vol­te pa­ra jun­to de­le e re­to­me a brin­ca­dei­ra sem­pre com um brin­que­do na mão. O ca­chor­ro irá apren­der que se mor­der com for­ça a mais, aca­ba a brin­car so­zi­nho. Pre­pa­re-se pa­ra re­pe­tir es­te pro­ce­di­men­to ve­zes sem con­ta até que sur­ja um pa­drão. Quan­to mais fe­ed­back lhe for da­do, mais rá­pi­do o ca­chor­ro apren­de a con­tro­lar a sua for­ça na mor­di­da e a evi­tar to­tal­men­te to­car com os den­tes na sua pe­le.

Au­las pa­ra ca­chor­ros

Co­lo­car o nos­so ca­chor­ro nes­tas au­las é dar-lhe aque­la opor­tu­ni­da­de que pos­si­vel­men­te lhe foi re­ti­ra­da pre­co­ce­men­te, de con­vi­ver e brin­car com ou­tros ca­chor­ros da mes­ma fai­xa etá­ria. Os ca­chor­ros brin­cam si­mu­lan­do lu­tas, mor­dis­can­do-se uns aos ou­tros, tal co­mo se es­ti­ves­sem na sua ni­nha­da na­tu­ral. Com o es­pa­ço da au­la e as in­te­ra­ções dos ca­chor­ros sob su­per­vi­são dos trei­na­do­res e res­pe­ti­vos tu­to­res, a ges­tão de brin­ca­dei­ras é al­go que ocor­re in­ces­san­te­men­te, pe­lo que os ca­chor­ros são ime­di­a­ta­men­te se­pa­ra­dos ca­so se­ja ne­ces­sá­rio.

Ali­men­tar o ca­chor­ro à mão

Subs­ti­tuir a tra­di­ci­o­nal ta­ça de co­mi­da pe­las su­as mãos e usá-las pa­ra ali­men­tar o ca­chor­ro é mais uma opor­tu­ni­da­de que tem pa­ra trei­nar a for­ça que ele apli­ca nas su­as mor­di­das. Fa­ça das su­as mãos “a ta­ça” on­de co­lo­ca a co­mi­da,

Po­de subs­ti­tuir a ta­ça de co­mi­da pe­las su­as mãos e usá-las pa­ra ali­men­tar o ca­chor­ro, pa­ra trei­nar a for­ça que ele apli­ca nas su­as mor­di­das

só que em vez de a co­lo­car na pal­ma com mão aber­ta e dei­xar que ele apa­nhe, se­gu­re a co­mi­da na pon­ta dos de­dos e con­tro­le a for­ma co­mo ele re­ti­ra a co­mi­da. Se sen­tir os den­tes afi­a­dos do ca­chor­ro nos de­dos, gri­te “AUUCH!”, não lar­gue a co­mi­da e afas­te a mão pa­ra trás das cos­tas. Re­pi­ta es­te pro­ce­di­men­to as ve­zes ne­ces­sá­ri­as até ele ser ca­paz de agar­rar a co­mi­da de en­tre os de­dos, sem agar­rar os de­dos.

Jo­gos de tug e/ou ati­rar bo­las

Re­ser­ve um tem­po do seu dia pa­ra brin­car com o seu ca­chor­ro. Pa­ra além de for­ta­le­cer la­ços so­ci­ais, a prá­ti­ca de exer­cí­cio fí­si­co per­mi­te que o seu ca­chor­ro pra­ti­que a for­ça que apli­ca nas mor­di­das en­quan­to brin­cam. Ati­rar bo­las é um des­ses exem­plos. O ou­tro é brin­car ao tug. Mos­tre que tem uma cor­da ao seu ca­chor­ro e in­cen­ti­ve-o a agar­rá-la. Sem ex­ce­ção gri­te de dor e ter­mi­ne o jo­go se o ca­chor­ro co­me­ter o

er­ro de mor­der a sua mão en­quan­to abo­ca­nha a cor­da. Se ele não o abo­ca­nhar en­quan­to agar­ra a cor­da, po­de pros­se­guir a brin­ca­dei­ra per­mi­tin­do que ele pu­xe a cor­da. A pos­se de uma boa ini­bi­ção de mor­di­da do seu ca­chor­ro dá-lhe a con­fi­an­ça ne­ces­sá­ria pa­ra im­ple­men­tar o mes­mo com­por­ta­men­to jun­to de ou­tras pes­so­as. É ex­tre­ma­men­te be­né­fi­co ter mais do que uma pes­soa na qual foi pra­ti­ca­da uma boa ini­bi­ção de mor­di­da. Ge­ne­ra­li­zar o com­por­ta­men­to ao mai­or nú­me­ro de pes­so­as pos­sí­vel é di­mi­nuir o ris­co de ata­ques que re­sul­tem em mor­di­das gra­ves ou mui­to gra­ves. Sem­pre que du­ran­te uma brin­ca­dei­ra en­tre o seu ca­chor­ro e seus fa­mi­li­a­res ou ami­gos re­sul­te uma mor­di­da por par­te do seu ca­chor­ro, a pes­soa em cau­sa de­ve tam­bém ela gri­tar de dor e pa­rar com a brin­ca­dei­ra. Des­ta for­ma está tam­bém a par­ti­ci­par no pro­ces­so de en­si­no da ini­bi­ção de mor­di­da do seu ca­chor­ro. O tu­tor que du­ran­te o pe­río­do de so­ci­a­bi­li­za­ção do seu ca­chor­ro apos­te no en­si­no de uma boa ini­bi­ção de mor­di­da, além de ser uma pes­soa res­pon­sá­vel e co­nhe­ce­do­ra das ca­pa­ci­da­des agres­si­vas de um cão, te­rá con­fi­an­ça na pos­tu­ra que o seu cão ado­tar sem­pre que for con­fron­ta­do com uma si­tu­a­ção me­nos con­for­tá­vel. O cão adul­to foi de­vi­da­men­te trei­na­do em ca­chor­ro pa­ra sa­ber que não po­de mor­der hu­ma­nos ou ou­tros cães de for­ma ne­nhu­ma. No en­tan­to é de ex­tre­ma im­por­tân­cia re­lem­brar es­te com­por­ta­men­to ao cão du­ran­te to­da a sua vi­da, pe­lo que de­ve dar-lhe fe­ed­back sem­pre que se­ja mor­di­do por ele.

Um cão de­ve ser de­vi­da­men­te trei­na­do em ca­chor­ro pa­ra sa­ber que não po­de mor­der hu­ma­nos, ou ou­tros cães, de for­ma ne­nhu­ma

O do­no não de­ve per­mi­tir que o ca­chor­ro mor­dis­que as su­as mãos.

A ini­bi­ção de mor­di­da é um fa­tor im­por­tan­te no trei­no do cão.

En­tre ir­mãos de ni­nha­da, sem­pre que um ca­chor­ro mor­de com de­ma­si­a­da for­ça, o ou­tro ga­ne e ter­mi­na a brin­ca­dei­ra afas­tan­do-se.

O seu cão de­ve agar­rar os grãos de ra­ção sem mor­der os de­dos.

To­bi­as a agar­rar o tug de ma­nei­ra con­tro­la­da, sem abo­ca­nhar a mão.

Brin­que ao tug, mas só se o cão não mor­der a sua mão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.