A im­por­tân­cia do mo­do de vi­da do ga­to

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

O mo­do de vi­da de um ga­to de in­te­ri­or é to­tal­men­te di­fe­ren­te do de um ga­to com aces­so ao ex­te­ri­or. Es­ta di­fe­ren­ça re­fle­te-se igual­men­te nas ne­ces­si­da­des nu­tri­ci­o­nais e sen­si­bi­li­da­des de ca­da ani­mal.

Os ga­tos de in­te­ri­or têm ten­dên­cia a ser mais sau­dá­veis e a vi­ver du­ran­te mais tem­po. As es­ta­tís­ti­cas são unâ­ni­mes em ga­ran­tir que a es­pe­ran­ça de vi­da de um ga­to de in­te­ri­or é de cer­ca de 12-13 anos, po­den­do atin­gir os 17 ou mais anos de vi­da. Con­tra­ri­a­men­te, um ga­to que te­nha aces­so ao ex­te­ri­or tem me­nor es­pe­ran­ça de vi­da. Há mui­tos ris­cos que um ga­to com aces­so ao ex­te­ri­or tem de en­fren­tar: au­to­mó­veis, cães, ou­tros ga­tos nas dis­pu­tas de ter­ri­tó­rio ou da fê­mea, do­en­ças, pa­ra­si­tas, subs­tân­ci­as tó­xi­cas, ali­men­tos es­tra­ga­dos a que pos­sam ter aces­so e con­di­ções at­mos­fé­ri­cas ad­ver­sas.

Ga­tos Com aces­so ao ex­te­ri­or

Se op­tar por per­mi­tir que o seu ga­to te­nha aces­so ao ex­te­ri­or de­ve ter em con­si­de­ra­ção os pon­tos se­guin­tes.

1. os ga­tos com aces­so ao ex­te­ri­or de­vem ser es­te­ri­li­za­dos

Os ga­tos ma­chos in­tei­ros (que não são cas­tra­dos) apre­sen­tam mai­or ris­co de se en­vol­ve­rem em lu­tas

Um ga­to de in­te­ri­or apre­sen­ta nor­mal­men­te uma gran­de ten­dên­cia pa­ra for­mar bo­las de pe­lo e pa­ra o au­men­to de pe­so

das quais re­sul­tam fe­ri­das, que mui­tas ve­zes in­fe­tam e cau­sam pro­ble­mas gra­ves. Os ma­chos cas­tra­dos têm me­nor ten­dên­cia pa­ra se en­vol­ve­rem nes­tas lu­tas, uma vez que já não têm a mes­ma es­ti­mu­la­ção hor­mo­nal. A cas­tra­ção con­sis­te na re­mo­ção ci­rúr­gi­ca dos tes­tí­cu­los, eli­mi­nan­do o te­ci­do tes­ti­cu­lar que pro­duz hor­mo­nas mas­cu­li­nas mui­to im­pli­ca­das na ma­ni­fes­ta­ção da lí­bi­do no ani­mal. À se­me­lhan­ça, as ga­tas que não são es­te­ri­li­za­das cor­rem o ris­co de en­gra­vi­dar sem­pre que apre­sen­tam o cio.

2. Cui­da­dos de va­ci­na­ção e des­pa­ra­si­ta­ção

Cer­ti­fi­que-se que o seu ani­mal é va­ci­na­do con­tra to­das as do­en­ças in­fe­ci­o­sas, es­pe­ci­al­men­te as que se trans­mi­tem por se­cre­ções (co­mo a leu­ce­mia fe­li­na). Por ou­tro la­do, o ani­mal de­ve ser des­pa­ra­si­ta­do re­gu­lar­men­te con­tra os pa­ra­si­tas in­ter­nos e ex­ter­nos, uma vez que es­tão mais ex­pos­tos à con­ta­mi­na­ção por es­tes pa­ra­si­tas.

3. es­te­ja aten­to ao com­por­ta­men­to do ani­mal

Um ga­to com aces­so ao ex­te­ri­or po­de ter aces­so a tó­xi­cos, co­mo por exem­plo, os lí­qui­dos an­ti­con­ge­lan­tes dos au­to­mó­veis que têm um sa­bor ado­ci­ca­do, im­per­ce­tí­vel pe­lo ga­to, que o po­de in­ge­rir ou sim­ples­men­te pas­sar por ci­ma do lí­qui­do der­ra­ma­do e a se­guir lam­ber as pa­tas, re­sul­tan­do no seu en­ve­ne­na­men­to. Es­ta si­tu­a­ção é uma emer­gên­cia mé­di­ca, de­ven­do con­sul­tar ime­di­a­ta­men­te o mé­di­co ve­te­ri­ná­rio.

4. iden­ti­fi­que o seu ga­to

Cer­ti­fi­que-se que o seu ani­mal está iden­ti­fi­ca­do com o no­me e a mo­ra­da do do­no, de mo­do a que, ca­so o ani­mal se per­ca, quem o en­con­trar con­si­ga en­trar em con­tac­to con­si­go. Po­de op­tar pe­la co­lo­ca­ção de um mi­cro­chip sub­cu­tâ­neo que cor­res­pon­de a um de­ter­mi­na­do nú­me­ro que iden­ti­fi­ca nu­ma ba­se de da­dos to­da a in­for­ma­ção do ani­mal e do do­no (in­for­me-se com o mé­di­co ve­te­ri­ná­rio so­bre es­ta op­ção).

5. es­co­lha da co­lei­ra ade­qua­da

A co­lei­ra de­ve ser bem ajus­ta­da ao pes­co­ço, pois evi­ta que se pren­da fa­cil­men­te, ou en­tão, fei­ta de um ma­te­ri­al com al­gu­ma elas­ti­ci­da­de de mo­do a

que, ca­so a co­lei­ra se pren­da nal­gum lo­cal, o ani­mal se con­si­ga li­ber­tar.

6. Cui­da­dos com a ex­po­si­ção so­lar

Os ga­tos de pe­la­gem cla­ra ou mes­mo bran­ca são mais sen­sí­veis à ex­po­si­ção di­re­ta da luz so­lar. Des­te mo­do, se o ani­mal tem aces­so ao ex­te­ri­or, so­fre mai­or ex­po­si­ção à ra­di­a­ção so­lar, au­men­tan­do o ris­co de de­sen­vol­vi­men­to de le­sões tu­mo­rais, es­pe­ci­al­men­te na zo­na do fo­ci­nho e das ore­lhas.

Ga­tos de in­te­ri­or

Se, op­tar por man­ter o ani­mal no in­te­ri­or, há tam­bém al­gu­mas con­si­de­ra­ções a to­mar.

1. eli­mi­na­ção dos pe­los in­ge­ri­dos

Os ga­tos de ex­te­ri­or pro­cu­ram in­ge­rir er­vas que os aju­dam a eli­mi­nar na­tu­ral­men­te os pe­los in­ge­ri­dos. Um ani­mal que vi­va no in­te­ri­or ne­ces­si­ta que lhe pro­por­ci­o­nem es­ta opor­tu­ni­da­de, atra­vés da in­ges­tão de um ali­men­to en­ri­que­ci­do em fi­bras que evi­tam a acu­mu­la­ção de pe­los no tra­to gas­troin­tes­ti­nal.

2. Mar­ca­ção do ter­ri­tó­rio

Os ga­tos têm na­tu­ral­men­te o ins­tin­to de iden­ti­fi­car o seu ter­ri­tó­rio atra­vés de mar­ca­ções com as unhas. En­quan­to um ga­to com aces­so ao ex­te­ri­or po­de re­a­li­zar es­tas mar­ca­ções em pos­tes de ma­dei­ra, ár­vo­res, etc, um ga­to de in­te­ri­or pre­ci­sa que lhe pro­vi­den­cie al­go que subs­ti­tua es­tes ele­men­tos, ca­so con­trá­rio co­me­ça­rá a ar­ra­nhar a mo­bí­lia, so­fás, etc.

3. Pos­si­bi­li­da­de de se exer­ci­tar em ca­sa

Quan­to ao exer­cí­cio, o ani­mal de in­te­ri­or não tem a mes­ma opor­tu­ni­da­de pa­ra re­a­li­zar a mes­ma quan­ti­da­de e qua­li­da­de de exer­cí­cio que um ga­to com aces­so ao ex­te­ri­or re­a­li­za.

O ali­men­to de um ga­to com aces­so ao ex­te­ri­or de­ve for­ne­cer ele­va­dos te­o­res de an­ti­o­xi­dan­tes, de mo­do a re­for­çar o seu sis­te­ma imu­ni­tá­rio

De mo­do a com­pen­sar es­ta si­tu­a­ção, de­ve pro­por­ci­o­nar-se uma sé­rie de brin­que­dos que es­ti­mu­lem o exer­cí­cio do ani­mal. Es­tes brin­que­dos são mui­to va­ri­a­dos, po­den­do ad­qui­ri-los em lo­jas da es­pe­ci­a­li­da­de, ou sim­ples­men­te criá-los em ca­sa, co­mo por exem­plo, uma bo­la fei­ta de pa­pel de alu­mí­nio.

ali­men­ta­ção de um ga­to de in­te­ri­or

Ali­men­tar cor­re­ta­men­te um ga­to de in­te­ri­or im­pli­ca res­pei­tar o fac­to de es­te ani­mal re­a­li­zar me­nos exer­cí­cio, des­pen­der mui­to do seu tem­po a dor­mir e a la­var-se, ten­do uma gran­de ten­dên­cia pa­ra for­mar bo­las de pe­lo e pa­ra o au­men­to de pe­so. Es­te au­men­to de pe­so re­sul­ta não só por­que o ga­to gas­ta me­nos ener­gia, mas tam­bém por­que a fal­ta en­ri­que­ci­men­to am­bi­en­tal (brin­que­dos) que es­ti­mu­lem a sua ati­vi­da­de, dei­xam o ga­to abor­re­ci­do, lo­go tem ten­dên­cia a pro­cu­rar mais ve­zes o ali­men­to. Os ali­men­tos in­di­ca­dos pa­ra ani­mais com es­te mo­do de vi­da con­têm um va­lor ener­gé­ti­co bai­xo (atra­vés da di­mi­nui­ção do te­or de gor­du­ra) e uma su­ple­men­ta­ção com fi­bras (co­mo as se­men­tes de Psy­lium) pa­ra fa­ci­li­tar a eli­mi­na­ção na­tu­ral das bo­las de pe­lo. Pa­ra além dis­so, um ga­to de in­te­ri­or que eli­mi­na as su­as fe­zes em ca­sa, é im­por­tan­te ga­ran­tir re­du­ção do odor das fe­zes que se con­se­gue atra­vés de um ali­men­to de ele­va­da di­ges­ti­bi­li­da­de. A di­ges­ti­bi­li­da­de de um ali­men­to está as­so­ci­a­da à qua­li­da­de da pro­teí­na que cons­ti­tui o ali­men­to. Quan­do es­ta pro­teí­na não é as­si­mi­la­da na sua to­ta­li­da­de pe­lo ani­mal, al­guns des­tes re­sí­du­os pro­tei­cos per­ma­ne­cem no in­tes­ti­no e são fer­men­ta­dos pe­la flo­ra exis­ten­te no tra­to gas­troin­tes­ti­nal. Es­tas fer­men­ta­ções ori­gi­nam umas fe­zes com chei­ro mais in­ten­so, me­nos con­sis­ten­tes e, por ve­zes, mui­to vo­lu­mo­sas.

ali­men­ta­ção de um ga­to com aces­so ao ex­te­ri­or

Um ga­to que te­nha aces­so ao ex­te­ri­or ne­ces­si­ta de in­ge­rir mais ca­lo­ri­as, des­te mo­do, o ali­men­to tem de ter mai­or te­or ener­gé­ti­co. O ali­men­to des­tes ani­mais tam­bém de­ve for­ne­cer ele­va­dos te­o­res de an­ti­o­xi­dan­tes, de mo­do a re­for­çar o sis­te­ma imu­ni­tá­rio do ani­mal que está di­a­ri­a­men­te su­jei­to a um gran­de des­gas­te, agres­sões am­bi­en­tais e tem uma mai­or pro­ba­bi­li­da­de de con­trair do­en­ças.

Qual­quer que se­ja o mo­do de vi­da do seu ani­mal há sem­pre mo­do de ga­ran­tir o seu bem-es­tar.

Os ga­tos de in­te­ri­or têm ten­dên­cia a ser mais sau­dá­veis e a vi­ver du­ran­te mais tem­po.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.