Cor­tes de pe­lo apro­va­dos pe­lo cão!

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO - Isa­bel No­bre Gro­o­mer Pro­fis­si­o­nal Fo­tos: Shut­ters­tock

Ape­sar de al­guns ani­mais to­le­ra­rem bem o gro­o­ming, por­que es­tão ha­bi­tu­a­dos, se­ja­mos sin­ce­ros, gos­tar, gos­tar ne­nhum gos­ta. Mas, ain­da as­sim, exis­tem mui­tos que de­tes­tam mes­mo e é a pen­sar ne­les que es­cre­vo es­te ar­ti­go.

No mun­do ide­al to­dos os cães es­ta­ri­am ha­bi­tu­a­dos a cui­da­dos de gro­o­ming re­gu­la­res (quin­ze­nais ou men­sais) des­de be­bés. Mas sa­be­mos bem que, re­gra ge­ral, o pri­mei­ro cor­te de pe­lo é en­tre os 6 me­ses a um ano de ida­de, quan­do não é mais tar­de ain­da.

Co­me­çar pas­so a pas­so

O ide­al se­ria co­me­çar aos pou­cos e mui­to de­va­ga­ri­nho. Des­de o ca­chor­ro ape­nas cor­tar as unhas e lim­par os ou­vi­dos, até, pou­co a pou­co, o ca­chor­ro fa­zer um cor­te completo quan­do es­ti­ves­se per­fei­ta­men­te con­for­tá­vel em ci­ma de uma me­sa de gro­o­ming, com to­dos os ba­ru­lhos as­so­ci­a­dos (se­ca­dor, má­qui­na de tos­quia e te­sou­ra). Is­to são vá­ri­as ses­sões cur­tas, sen­do que o nú­me­ro de ses­sões va­ria de cão pa­ra cão.

Uma ex­pe­ri­ên­cia avas­sa­la­do­ra

Acre­di­to que, ao ler is­to, pen­se que faz sen­ti­do, no en­tan­to, pos­si­vel­men­te nun­ca pen­sou nis­to des­ta ma­nei­ra. Pa­ra um ani­mal que nun­ca nos viu na vi­da, che­gar ao nos­so sa­lão e re­ce­ber uma sé­rie de ex­pe­ri­ên­ci­as no­vas, avas­sa­la­do­ras, to­das de uma só vez e al­gu­mas as­sus­ta­do­ras (co­mo a água e/ou o se­ca­dor), po­de ser trau­ma­ti­zan­te, por mui­ta pa­ci­ên­cia e de­di­ca­ção que o gro­o­mer te­nha. E, co­mo to­dos os ani­mais são di­fe­ren­tes, com ex­pe­ri­ên­ci­as e per­so­na­li­da­des dis­tin­tas, exis­tem

uns que ul­tra­pas­sam tu­do is­to fa­cil­men­te, e se ha­bi­tu­am, mas ou­tros nun­ca o con­se­guem.

O “lo­ok” cer­to!

Ho­je em dia, em par­te por cul­pa das re­des so­ci­ais, exis­te mui­to a ma­nia de que um cão de uma de­ter­mi­na­da ra­ça tem de ter “es­te” tra­ta­men­to e “aque­le” as­pe­to. No en­tan­to, a mai­o­ria dos do­nos não sa­be que es­se “lo­ok” exi­ge vá­ri­as ho­ras de gro­o­ming, no ca­so de um cão que está acos­tu­ma­do, e ain­da mais tem­po se es­ti­ver­mos a fa­lar de um cão que nun­ca en­trou num sa­lão de gro­o­ming na vi­da.

O seu cão apro­va o cor­te?

Che­ga­mos en­tão ao tí­tu­lo des­te ar­ti­go: O seu cão apro­va o cor­te que es­co­lheu? Com o pas­sar do tem­po, a gran­de mai­o­ria dos cães ha­bi­tua-se, mas exis­te uma per­cen­ta­gem que nun­ca se vai ha­bi­tu­ar e en­tra num ci­clo ti­po bo­la de ne­ve. De ca­da vez que o cão vai ao gro­o­ming é um sa­cri­fí­cio e um stress enor­me pa­ra ele. Se não gos­ta de ser es­co­va­do em ca­sa pe­lo do­no, al­guém em quem tem con­fi­an­ça e de quem gos­ta, por­que ha­via de gos­tar de ser es­co­va­do por um completo es­tra­nho que lhe ti­ra nós e lhe me­xe em sí­ti­os que de­tes­ta (pa­tas, ra­bo e ca­be­ça)? É nes­ta al­tu­ra que o cão co­me­ça a as­so­ci­ar o sí­tio a tor­tu­ra. Na ca­be­ça de­le es­tão a fa­zer-lhe mal: Es­co­var é mau, to­mar ba­nho tam­bém e se­car é hor­rí­vel. “Por­que é que me fa­zem is­to?”, pen­sa. Al­guns do­nos pen­sam en­tão em mu­dar de sí­tio. Er­ra­do! Se mu­dar de sí­tio, irá ex­por o seu cão, ou­tra vez, a um am­bi­en­te no­vo e a ou­tro es­tra­nho, que lhe vai fa­zer pre­ci­sa­men­te as mes­mas coi­sas que ele não gos­ta.

En­tão, o que de­vo fa­zer?

A res­pos­ta é sim­ples, o seu cão de­ve ir ao gro­o­ming, mas de­ve evi­tar cor­tes ela­bo­ra­dos e de­mo­ra­dos. Um cor­te cur­to sig­ni­fi­ca um tem­po mí­ni­mo de es­co­va­gem, la­va­gem, se­ca­gem e per­ma­nên­cia em ci­ma da me­sa! No en­tan­to, ao su­ge­rir um cor­te cur­to ao do­no sur­ge o co­men­tá­rio que oi­ço mais ve­zes: “Mas eu não gos­to de o ver com o pe­lo cur­to!” Pois é, mas o cão não gos­ta de gro­o­ming e a ideia fi­nal é o bem-es­tar do cão, não ape­nas o gos­to do do­no. Se for pos­sí­vel con­ci­li­ar os dois ex­ce­len­te, se não, quem de­ve­ria ga­nhar é o cão.

Pa­ra um cão que nun­ca foi ao grom­mer, re­ce­ber uma sé­rie de ex­pe­ri­ên­ci­as no­vas, avas­sa­la­do­ras, to­das de uma só vez, po­de ser trau­ma­ti­zan­te

His­tó­ria do Ca­ni­che Toy

Tam­bém exis­tem ca­sos on­de o pro­ble­ma é “fal­ta de ne­go­ci­a­ção”. Te­nho um cli­en­te em par­ti­cu­lar, o Toy, que é um Ca­ni­che Toy, do qual fa­lo mui­tas ve­zes, em es­pe­ci­al pa­ra ex­pli­car is­to mes­mo. A pri­mei­ra vez que vi o Toy es­te ti­nha um ano de ida­de e era tão ruim que nin­guém o fa­zia acor­da­do. Na ver­da­de, o Toy era mes­mo mui­to agres­si­vo. A pri­mei­ra vez que o ar­ran­jei de­mo­rei ho­ras pa­ra fa­zer um cão com me­nos de 5 kg. Ca­da vez que ten­ta­va apro­xi­mar-me com a má­qui­na ele mor­dia a má­qui­na, a te­sou­ra idem e a si­tu­a­ção co­me­çou a tor­nar-se pe­ri­go­sa pa­ra o cão, que es­ta­va cheio de nós, pois a do­na es­ta­va com di­fi­cul­da­de em ar­ran­jar al­guém que lhe cor­tas­se o pe­lo. Com o pas­sar do tem­po, per­ce­bi que o Toy não gos­ta­va mes­mo era da má­qui­na. Aos pou­cos, fui ga­nhan­do a sua con­fi­an­ça, abo­li a má­qui­na por completo e pas­sou a ser fei­to in­tei­ra­men­te à te­sou­ra. A ca­be­ça e o fo­ci­nho eram fei­tos com ele de cos­tas vol­ta­das pa­ra mim, pa­ra não ver a te­sou­ra a apro­xi­mar-se. Uns di­as fi­ca­va me­lhor, ou­tros pi­or, mas não era se­da­do e ti­nha o gro­o­ming fei­to, que era o ob­je­ti­vo prin­ci­pal. Pou­co a pou­co, co­me­cei a sen­ti-lo a re­la­xar. O mais in­te­res­san­te é que o Toy nem se cha­te­a­va mui­to de ser es­co­va­do, nem de to­mar ba­nho, que é o que a mai­o­ria dos cães não gos­ta. O pro­ble­ma era mes­mo a má­qui­na! Ain­da ho­je, pas­sa­dos mais de 10 anos, não sei se é o ba­ru­lho ou a vi­bra­ção, mas con­ti­nua a não gos­tar. To­le­ra, mas por mui­to pou­co tem­po. Atu­al­men­te, o Toy é um dos meus me­lho­res cli­en­tes, ape­sar de con­ti­nu­ar com mau fei­tio. Está ve­lho­te e re­fi­la bas­tan­te, pois já tem al­gu­mas do­res.

No en­tan­to, já o con­si­go fa­zer no tem­po nor­mal de um Ca­ni­che, o que por si só é uma gran­de vi­tó­ria. Já me aba­na o ra­bo, an­da atrás de mim e até dei­xa que lhe to­que ao co­lo da do­na, coi­sa que era im­pen­sá­vel no iní­cio do nos­so re­la­ci­o­na­men­to. Nes­te ca­so foi uma ques­tão de eu ce­der em al­guns pon­tos, ele ce­der nos ou­tros e con­tar com o apoio da do­na, por­que um cor­te à te­sou­ra re­quer mai­or ma­nu­ten­ção, pois fi­ca mais com­pri­do. To­dos jun­tos con­se­gui­mos ar­ran­jar uma so­lu­ção pa­ra um dos mai­o­res de­sa­fi­os que ti­ve ao lon­go da mi­nha car­rei­ra – um Ca­ni­che mi­nús­cu­lo cha­ma­do Toy.

Uma ques­tão de “ne­go­ci­ar”

Te­nho pou­cos cães tão agres­si­vos co­mo o Toy e são agres­si­vos por ra­zões di­fe­ren­tes, que na sua gran­de mai­o­ria na­da tem a ver com o gro­o­ming. Tam­bém te­nho ou­tros ca­sos de “ne­go­ci­a­ções”, mas por stress e fal­ta de há­bi­tos de gro­o­ming em ca­chor­ros.

His­tó­ria da Coc­ker Pi­pa

Du­ran­te bas­tan­te tem­po a Coc­ker Pi­pa foi ar­ran­ja­da co­mo man­da o cor­te de ra­ça. No en­tan­to, era sem­pre um gran­de sa­cri­fí­cio pa­ra ela e pa­ra mim. Ela gri­ta­va ca­da vez que lhe es­co­va­va as pa­tas e apa­nha­va um nó do ta­ma­nho de uma er­vi­lha. E fa­zia o mes­mo aos do­nos, em ca­sa, que aos pou­cos fo­ram de­sis­tin­do de a es­co­var, pois ti­nham re­ceio de a ma­go­ar. Um dia pe­di­ram-me pa­ra cor­tar o pe­lo das pa­tas, por­que ela pas­sa­va a vi­da den­tro da pis­ci­na e ha­via pra­ga­nas na pro­pri­e­da­de. Cu­ri­o­sa­men­te, nes­se dia, a Pi­pa que pra­ti­ca­men­te não te­ve de ser es­co­va­da nas pa­tas e bar­ri­ga, por­tou-se lin­da­men­te. Na vez se­guin­te, o do­no pe­diu-me o mes­mo. Quan­do che­gou, a Pi­pa fez-me uma fes­ta e pas­sou o tem­po to­do con­ten­te. Nes­se dia ain­da se por­tou me­lhor que na vez an­te­ri­or. O do­no tam­bém re­pa­rou que ela vi­nha mui­to con­ten­te e che­gou à con­clu­são que es­se cor­te era apro­va­do pe­la Pi­pa! En­tão, se é is­to que a Pi­pa gos­ta, é as­sim que pas­sa­mos sem­pre a fa­zer, por­que ela é quem man­da no lo­ok de­la! E eu con­cor­dei, pois só po­dia mes­mo con­cor­dar, pe­ran­te a ale­gria evi­den­te da Pi­pa.

O im­por­tan­te é ter um cão fe­liz!

Há mui­tos ca­sos co­mo o Toy e a Pi­pa. Exis­tem cães que, ape­sar de to­do o es­for­ço, de­di­ca­ção e ca­ri­nho, nun­ca se vão ha­bi­tu­ar e nun­ca vão gos­tar dis­to. Se o seu cão não é igual ao da fo­to­gra­fia ou à ima­gem do cão com que sem­pre so­nhou, com o pe­lo es­vo­a­çan­te, mas é um cão fe­liz, qual é a dú­vi­da? Exis­tem os cor­tes stan­dard de ca­da ra­ça, exis­tem téc­ni­cas que se de­vem de uti­li­zar, mas des­de que o ani­mal não se­ja pre­ju­di­ca­do, não ve­jo ra­zão pa­ra que o seu cão não an­de ar­ran­ja­do e fe­liz.

O do­no co­mo cau­sa de stress

Já de­ve ter ou­vi­do que eles se por­tam me­lhor sem os do­nos por per­to e é ver­da­de. O do­no é uma das mai­o­res cau­sas de stress do seu cão. Uma coi­sa que cau­sa bas­tan­te stress é o pro­lon­ga­men­to da des­pe­di­da. Quan­do en­tre­ga o seu cão pa­ra o gro­o­ming fa­ça-o o mais de­pres­sa pos­sí­vel. Não vol­te atrás pa­ra o abra­çar ou pa­ra se des­pe­dir mil ve­zes, ou nem se des­pe­ça tão pou­co. Es­sa ati­tu­de apor­ta imen­sa an­si­e­da­de ao cão. Ele per­ce­be que o do­no está an­si­o­so por dei­xá-lo e pen­sa que há uma ra­zão pa­ra is­so. O ide­al se­rá che­gar, cum­pri­men­tar o Gro­o­mer, en­tre­gar-lhe o cão e a par­tir des­se mo­men­to não lhe li­gar mais. De­ve en­tão dar as ins­tru­ções so­bre o cor­te, in­for­mar so­bre o tem­pe­ra­men­to e, mui­to im­por­tan­te, so­bre even­tu­ais pro­ble­mas de saú­de. Pe­dir pa­ra que lhe li­guem quan­do es­ti­ver pron­to e sair. Man­te­nha a con­ver­sa cur­ta e su­cin­ta. O gro­o­ming nun­ca de­mo­ra me­nos de uma ho­ra. Por fa­vor não apa­re­ça an­tes pa­ra ver se o seu cão já está pron­to, is­so fa­rá com que ele fi­que ex­ci­ta­do por o ver, ou­vir ou até mes­mo chei­rar; o que, pa­ra além de nos tor­nar o tra­ba­lho mais di- fí­cil e pe­ri­go­so, fa­rá com que de­mo­re­mos mui­to mais tem­po a ter­mi­nar o seu cão.

Fa­le com o seu Gro­o­mer

Uma das coi­sas que gos­to mais nes­ta pro­fis­são é que na­da é pre­to e bran­co, exis­te to­da uma pa­le­te de co­res pe­lo meio e na­da está es­cri­to em pe­dra. Es­que­ça a opi­nião dos ou­tros, con­ver­se com o seu Gro­o­mer e ve­ja se exis­te al­gu­ma for­ma de fa­zer com que o gro­o­ming se­ja o mais pra­ze­ro­so pos­sí­vel pa­ra o seu cão, pois no fi­nal do dia é ele quem tem de gos­tar do tra­ta­men­to. A ideia é es­sa!

Os do­nos de­vem fa­lar com o Gro­o­mer e es­co­lher uma op­ção de cor­te que se­ja apro­va­da pe­lo seu cão, pa­ra que es­te an­de ar­ran­ja­do e fe­liz

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.