Dois cães: Du­pla res­pon­sa­bi­li­da­de

Caes & Companhia - - NESTA EDIÇÃO -

A sa­be­do­ria po­pu­lar diz-nos que “Um é pou­co, Dois é bom, Três é de­mais”. Mas se­rá as­sim em re­la­ção a ter dois cães?

Omo­ti­vo mais fre­quen­te pa­ra as fa­mí­li­as que­re­rem um se­gun­do cão é pa­ra que es­te fa­ça com­pa­nhia e brin­que com o pri­mei­ro, es­pe­ci­al­men­te quan­do o pri­mei­ro cão fi­ca mui­tas ho­ras so­zi­nho em ca­sa à es­pe­ra que a fa­mí­lia re­gres­se. Es­ta ideia de tra­zer mais um cão pa­ra ca­sa dei­xa-nos tão en­tu­si­as­ma­dos que, por ve­zes, es­que­ce­mos que ter mais do que um cão não é o ide­al pa­ra qual­quer fa­mí­lia e há vá­ri­as coi­sas que de­ve­mos con­si­de­rar.

En­con­trar cães com­pa­tí­veis

Só de­ve pen­sar em jun­tar um se­gun­do cão à fa­mí­lia de­pois do pri­mei­ro es­tar bem adap­ta­do à fa­mí­lia. Nun­ca é boa ideia ado­tar dois cães ao mes­mo tem­po. Quan­do co­nhe­cer bem o cão que já tem po­de­rá en­tão pro­cu­rar um se­gun­do cão com per­so­na­li­da­de com­pa­tí­vel. Por exem­plo, se o seu cão é mui­to ati­vo não de­ve­rá es­co­lher um se­gun­do cão que gos­ta de dor­mir mui­tas ho­ras, pois a pro­ba­bi­li­da­de de en­tra­rem em con­fli­to é mui­to ele­va­da. Por ou­tro la­do, se tem um cão adul­to que gos­ta de des­can­sar tran­qui­lo, não de­ve­rá es­co­lher um ca­chor­ri­nho que não o dei­xe des­can­sar.

“Sín­dro­me de Ni­nha­da”

Dois cães que fa­zem tu­do jun­tos cri­am uma de­pen­dên­cia ex­tre­ma um com o ou­tro. O “Sín­dro­me de Ni­nha­da” tam­bém é ob­ser­va­do em cães que não são da mes­ma ni­nha­da, mas que pas­sam o tem­po to­do jun­tos. É por is­so fun­da­men­tal en­si­nar os cães a fi­ca­rem so­zi­nhos, por for­ma a evi­tar pro­ble­mas a lon­go pra­zo. Por exem­plo, se os cães não sa­bem es­tar so­zi­nhos e um de­les tem de ir ao ve­te­ri­ná­rio, o ou­tro vai fi­car em ca­sa an­si­o­so e po­de de­sen­vol­ver sé­ri­os pro­ble­mas com­por­ta­men­tais ou mes­mo au­to mu­ti­lar-se. Além dis­so, cães que es­tão sem­pre jun­tos po­dem fi­car de­pen­den­tes um do ou­tro ao pon­to de não con­se­guir in­te­ra­gir com ou­tros cães ou mes­mo com a fa­mí­lia hu­ma­na.

Es­pa­ço e es­ti­lo de vi­da

Os cães têm tam­bém que ser com­pa­tí­veis com a ca­sa on­de vão vi­ver, ou se­ja, não de­ve ado­tar um cão de por­te gran­de/gi­gan­te se vi­ve num pe­que­no apar­ta­men­to. Pa­ra além dis­so, o seu es­ti­lo de vi­da in­flu­en­cia a es­co­lha dos cães ide­ais, ou se­ja, se gos­ta de fa­zer lon­gas cor­ri­das e quer que o cão o acom­pa­nhe, de­ve es­co­lher um que te­nha con­for­ma­ção fí­si­ca pa­ra o fa­zer. Pe­lo con­trá­rio, se gos­ta de dar ape­nas pe­que­nos pas­sei­os pe­lo par­que não de­ve­rá es­co­lher cães que pre­ci­sem de cor­rer mui­to. O ide­al é ter aju­da de um trei­na­dor pro­fis­si­o­nal, com co­nhe­ci­men­to em com­por­ta­men­to ca­ni­no, que fa­ça uma ava­li­a­ção e o aju­de a de­ter­mi­nar qual o cão ide­al pa­ra a sua fa­mí­lia.

Du­pla Res­pon­sa­bi­li­da­de

Ter um cão que nos faz uma fes­ta enor­me quan­do che­ga­mos a ca­sa é das coi­sas me­lho­res do mun­do. Faz-nos sen­tir ama­dos, por­que so­mos o mais im­por­tan­te pa­ra eles. Is­to acar­re­ta múl­ti­plas res­pon­sa­bi­li­da­des da nos­sa par­te em re­la­ção ao bem-es­tar, se­gu­ran­ça e saú­de dos cães que são to­tal­men­te de­pen­den­tes de nós. Quan­do te­mos não um, mas dois cães, te­mos, no mí­ni­mo, o do­bro das des­pe­sas em co­mi­da, gu­lo­sei­mas, brin­que­dos, co­lei­ras e tre­las, ca­mas, ve­te­ri­ná­rio, gro­o­ming, re­gis­tos e se­gu­ros de res­pon­sa­bi­li­da­de ci­vil. As des­pe­sas com ve­te­ri­ná­rio vão mui­to além de des­pa­ra­si­tan­tes e va­ci­nas, te­mos tam­bém que con­tar que os cães po­dem fi­car do­en­tes ou so­frer le­sões e os gas­tos são im­pre­vi­sí­veis.

A ter em aten­ção!

A pri­mei­ra in­tro­du­ção dos dois cães de­ve ser fei­ta cui­da­do­sa­men­te pa­ra evi­tar con­fli­tos. A in­tro­du­ção de­ve ser fei­ta com cal­ma e só de­vem ser dei­xa­dos jun­tos so­zi­nhos quan­do se ti­ver a cer­te­za que não vai ha­ver pro­ble­mas. Se o seu cão so­fre de an­si­e­da­de por se­pa­ra­ção, la­dra o dia to­do ou é hi­pe­ra­ti­vo, um se­gun­do cão não irá re­sol­ver o pro­ble­ma. O mais pro­vá­vel é que aca­be com dois cães com pro­ble­mas com­por­ta­men­tais. Nes­tes ca­sos o ide­al é con­tac­tar um trei­na­dor pa­ra aju­dar a re­sol­ver pri­mei­ro os pro­ble­mas já apre­sen­ta­dos. Am­bos os cães de­vem ser es­te­ri­li­za­dos, mes­mo se fo­rem do mes­mo gé­ne­ro. Is­to vai mi­ni­mi­zar a re­a­ti­vi­da­de cau­sa­da por flu­tu­a­ções hor­mo­nais que po­de­ria re­sul­tar em con­fli­tos. Os cães de­vem sem­pre fi­car den­tro de ca­sa quan­do a fa­mí­lia se au­sen­ta. Is­to vai evi­tar que se en­tre­te­nham a la­drar pa­ra quem pas­sa na rua, que en­trem em con­fli­to ca­so ou­çam si­re­nes, cães ou ou­tros es­tí­mu­los, que ar­ran­jem for­ma de sair so­zi­nhos e que se­jam ví­ti­mas de mal­da­de alheia.

Com­pro­mis­so

Os cães vi­vem 10-20 anos. Quan­do de­ci­di­mos ter um cão com­pro­me­te­mo-nos a dar-lhe to­dos os cui­da­dos de saú­de e bem-es­tar que me­re­ce. Os cães são ani­mais de com­pa­nhia e não de­vem ser dei­xa­dos sem com­pa­nhia hu­ma­na por lon­gos pe­río­dos de tem­po. Mes­mo nos di­as em que che­ga a ca­sa exaus­to do tra­ba­lho, os cães vão es­tar lá à es­pe­ra da aten­ção – es­ti­ve­ram o dia to­do à es­pe­ra – e não é jus­to vi­rar-lhes cos­tas e pe­dir que es­pe­rem por um dia me­lhor. Pa­ra além dis­so, sem­pre que qui­ser pas­sar noi­tes, fins-de-se­ma­na ou fé­ri­as fo­ra vai ter que ga­ran­tir que acei­tam os cães ou en­tão te­rá que en­con­trar um lo­cal se­gu­ro pa­ra os dei­xar – e is­to tam­bém tem cus­tos ex­tra. Quan­do de­ci­de ter mais do que um cão tem que es­tar pre­pa­ra­do pa­ra as­su­mir um com­pro­mis­so ain­da mai­or a ní­vel emo­ci­o­nal, de tem­po, de des­pe­sas e tam­bém na even­tu­a­li­da­de de os cães en­tra­rem em con­fli­to e pre­ci­sar de aju­da de um trei­na­dor pro­fis­si­o­nal. O se­gun­do cão nun­ca vai ser co­mo o pri­mei­ro e o do­no tem que es­tar pre­pa­ra­do pa­ra as­su­mir es­sa res­pon­sa­bi­li­da­de. Se não tem tem­po pa­ra o pri­mei­ro cão, di­fi­cil­men­te vai ter tem­po pa­ra mais um cão.

O se­gun­do cão nun­ca vai ser co­mo o pri­mei­ro e o do­no tem que es­tar pre­pa­ra­do pa­ra as­su­mir es­sa res­pon­sa­bi­li­da­de em du­pli­ca­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.