9 Di­cas pa­ra trei­nar um cão pe­que­no

Mui­to fre­quen­te­men­te os cães de por­te pe­que­no tra­zem ao de ci­ma o ins­tin­to su­per pro­te­tor do seu tu­tor, por ve­zes até de um mo­do ex­ces­si­vo, uma vez que pa­re­cem tão frá­geis e tão vul­ne­rá­veis.

Caes & Companhia - - TREINO - João To­pe­te, Trei­na­dor da It's All About Dogs (www.it­sal­la­bout­dogs.net) Fo­tos: IAAD

Cães des­co­nhe­ci­dos são vistos com um pe­ri­go ou es­tá sem­pre pre­sen­te o pen­sa­men­to de que brin­ca­dei­ras mais enér­gi­cas com ou­tros cães po­dem re­sul­tar em le­sões gra­ves. Além dis­so, ten­dem a en­si­nar os seus cães mui­to mais tar­de do que o tu­to­res de cães de por­te mai­or, por­que acham mais fá­cil e prá­ti­co pe­gar ne­les ao co­lo pa­ra os re­ti­rar de uma si­tu­a­ção de pe­ri­go. Tam­bém no quo­ti­di­a­no, os tu­to­res de cães de por­te pe­que­no são mais per­mis­sí­veis com si­tu­a­ções que não são to­le­rá­veis em cães gran­des, co­mo mor­dis­car ou ros­nar nas mais di­ver­sas si­tu­a­ções, o rol de per­mis­sões é enor­me. O seu ta­ma­nho qua­se que im­põe pri­vi­lé­gi­os que os cães gran­des nun­ca te­rão. Des­te mo­do, os tu­to­res aca­bam por oca­si­o­nar in­vo­lun­ta­ri­a­men­te o cha­ma­do “sín­dro­me do cão de co­lo”.

“Sín­dro­me do cão de co­lo”

Ho­je, e ca­da vez mais, es­tou cons­ci­en­te de que al­guns cães pe­que­nos, e os seus tu­to­res, cai­em di­rei­ti­nhos no “Sín­dro­me do cão de co­lo”. Nos mais di­ver­sos lo­cais pú­bli­cos de­pa­ro-me com cães mal-edu­ca­dos com as pes­so­as, re­a­ti­vos com ou­tros cães e que pa­re­cem ver­da­dei­ras fe­ras quan­do es­tão no co­lo dos do­nos. Pa­ra além dis­so, mui­tos de­les pa­re­cem pe­que­nos tra­to­res a pu­xar à tre­la, não res­pon­dem ao cha­ma­men­to e sal­tar é a pa­la­vra de or­dem quan­do que­rem cum­pri­men­tar al­guém. Mas os cães pe­que­nos não têm de ser as­sim!

Pe­que­nos em ta­ma­nho, mas gran­des em po­ten­ci­al

Um cão de por­te pe­que­no é tão ca­paz de apren­der com­por­ta­men­tos bá­si­cos, e até exer­cí­ci­os mais com­ple­xos, co­mo um cão de por­te mai­or. Além des­tes te­rem uma fun­ção bas­tan­te im­por­tan­te pa­ra o seu bem-es­tar e se­gu­ran­ça a lon­go pra­zo, bas­ta ima­gi­nar­mos uma si­tu­a­ção em que nos se­ja im­pos­sí­vel pe­gar no cão ao co­lo. Quan­do fa­la­mos de trei­no e edu­ca­ção ca­ni­na te­mos de ter cla­ri­fi­ca­da a no­ção de que o ta­ma­nho não im­por­ta. To­dos os cães, in­de­pen­den­te­men­te do ta­ma­nho, da ra­ça e até da ida­de, de­vem ser trei­na­dos. To­dos têm a ca­pa­ci­da­de de apren­der! Sim­pli­fi­can­do, tu­do par­te do prin­cí­pio básico de que se um cão faz al­go e ob­tém a re­com­pen­sa que de­se­ja, vai con­ti­nu­ar a fa­zê-lo. Os mais cé­ti­cos fi­ca­ri­am es­pan­ta­dos se vis­sem o ele­va­do nú­me­ro de cães pe­que­nos e mi­ni­a­tu­ra que com­pe­tem com imen­so êxi­to em vá­ri­os des­por­tos, des­de Obe­di­ên­cia, a Agi­lity, Fris­bee, Fre­esty­le e Fly­ball, en­tre ou­tros. Na ver­da­de, vá­ri­as equi­pas de Fly- ball pro­cu­ram ter cães pe­que­nos pa­ra bai­xar a al­tu­ra dos sal­tos da equi­pa. Aliás, mui­tas ve­zes os cães pe­que­nos não re­ce­bem o exer­cí­cio fí­si­co ou a es­ti­mu­la­ção men­tal su­fi­ci­en­te, pe­lo que es­te ti­po de ati­vi­da­des po­dem ser be­né­fi­cas a vá­ri­os ní­veis. Tam­bém não é in­co­mum ve­ri­fi­car­mos que mui­tos tu­to­res de cães pe­que­nos evi­tam tra­zê-los à rua, ar­gu­men­tan­do que es­sa ne­ces­si­da­de só exis­te pa­ra cães mai­o­res, o que não é ver­da­de. Um cão de por­te pe­que­no tem tan­tas ne­ces­si­da­des de ex­plo­rar o mun­do ex­te­ri­or co­mo qual­quer ou­tro.

O trei­no de cães pe­que­nos

An­tes de mais va­mos cla­ri­fi­car a que me re­fi­ro quan­do fa­lo de trei­no. De um mo­do prá­ti­co, a mai­o­ria dos tu­to­res de cães de por­te mai­or são sus­ce­tí­veis de com­pre­en­der que é ne­ces­sá­rio tra­ba­lhar no trei­no e edu­ca­ção do seu cão pa­ra que es­te pos­sa in­te­ra­gir cal­ma­men­te com o mun­do que o ro­deia. Pa­ra es­tes, as “bo­as ma­nei­ras” en­glo­bam, ge­ral­men­te, res­pon­der ao cha­ma­men­to, an­dar à tre­la sem pu­xar, não fa­zer “as­nei­ras” em ca­sa e cum­pri­men­tar com cal­ma pes­so­as e ou­tros cães. Por ou­tro la­do, a ex­pe­ta­ti­va dos tu­to­res de cães pe­que­nos em re­la­ção ao trei­no e edu­ca­ção dos seus cães é di­mi­nu­ta ou ine­xis­ten­te, pren­den­do-se ge­ral­men­te com fa­zer as ne­ces­si­da­des no lo­cal cor­re­to. Is­to por­que é di­fe­ren­te ter um cão de 2 kg a sal­tar-nos pa­ra o co­lo ou a pu­xar à tre­la, em vez de um cão de 25 kg.

Um cão de por­te pe­que­no é tão ca­paz de apren­der com­por­ta­men­tos bá­si­cos e exer­cí­ci­os com­ple­xos co­mo um cão de mai­or por­te

En­si­ne o seu cão a vir pa­ra o co­lo em vez de pe­gar ne­le à for­ça.

A po­si­ção de “sen­ta” com a Bo­lo­ta na po­si­ção nor­mal.

Ini­ci­an­do o trei­no do “sen­ta” com a Bo­lo­ta, nu­ma po­si­ção mais bai­xa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.