A pin­ta da dis­cór­dia

Caes & Companhia - - RAÇA -

O Dál­ma­ta é a úni­ca ra­ça co­nhe­ci­da em que to­dos os exem­pla­res es­tão ge­ne­ti­ca­men­te pre­dis­pos­tos pa­ra ele­va­dos ní­veis de áci­do úri­co, que po­dem le­var à for­ma­ção de pe­dras nos rins ou na be­xi­ga, que por sua vez po­dem cau­sar blo­quei­os na ure­tra. Não há for­ma de, na ra­ça, sim­ples­men­te di­mi­nuir os ní­veis de áci­do úri­co. Is­to por­que o ge­ne res­pon­sá­vel por es­te pro­ble­ma es­tá in­ti­ma­men­te re­la­ci­o­na­do com o ge­ne res­pon­sá­vel pe­la pe­la­gem pin­tal­ga­da tão par­ti­cu­lar da ra­ça. Uma vez que to­dos os ani­mais são por­ta­do­res des­te pro­ble­ma, mes­mo se­le­ci­o­nan­do os ani­mais com os ní­veis mais bai­xos, os in­di­ví­du­os con­ti­nu­a­ri­am a apre­sen­tar con­cen­tra­ções 10 ve­zes su­pe­ri­o­res ao nor­mal nos cães. Mas há uma for­ma de con­se­guir ob­ter ani­mais com ní­veis nor­mais de áci­do úri­co – cru­zar com ou­tra ra­ça, por­ta­do­ra da có­pia “nor­mal” do ge­ne que co­di­fi­ca pa­ra es­ta ca­rac­te­rís­ti­ca. Em 1973, o Dr. Ro­bert Schai­ble, ge­ne­ti­cis­ta ame­ri­ca­no, pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio e cri­a­dor, de­li­ne­ou um pro­je­to de cru­za­men­tos pa­ra in­tro­du­zir a ver­são “nor­mal”, do­mi­nan­te, do ge­ne do áci­do úri­co na ra­ça, cru­zan­do uma fê­mea Dál­ma­ta com um ma­cho Poin­ter, por con­si­de­rar que es­ta era a ra­ça mais pró­xi­ma do Dál­ma­ta. A par­tir da pri­mei­ra ge­ra­ção, to­dos os aca­sa­la­men­tos sub­se­quen­tes fo­ram re­tro­cru­za­men­tos ape­nas com Dál­ma­tas, de for­ma a me­lho­rar o ti­po dos ani­mais e a cor da pe­la­gem; não vol­tou a ha­ver qual­quer cru­za­men­to com quais­quer ou­tros ani­mais de qual­quer ou­tra ra­ça. Não fo­ram fei­tos cru­za­men­tos ape­nas en­tre os ani­mais por­ta­do­res da có­pia nor­mal do ge­ne pa­ra evi­tar pro­ble­mas de­ri­va­dos da con­san­gui­ni­da­de. Ape­sar de es­te pro­je­to ter ti­do su­ces­so nos seus objetivos – per­mi­tir ob­ter Dál­ma­tas tí­pi­cos sem pro­ble­mas de cál­cu­los uri­ná­ri­os (ape­sar de to­dos os exem­pla­res não afe­ta­dos se­rem por­ta­do­res do pro­ble­ma, em vir­tu­de de não ter si­do pra­ti­ca­da con­san­gui­ni­da­de) – e mes­mo ape­sar de ani­mais oriun­dos des­te pro­je­to, ao fim de al­gu­mas ge­ra­ções, te­rem mes­mo su­ces­so em rin­gues de Ex­po­si­ções, com­pe­tin­do e ga­nhan­do con­tra Dál­ma­tas “nor­mais”, ele en­con­trou uma gran­de re­sis­tên­cia por par­te da Ca­ni­cul­tu­ra or­ga­ni­za­da da ra­ça (que ini­ci­al­men­te até apoi­ou a ideia), de­vi­do a con­cei­tos de “pu­re­za” – re­cor­ren­do a ar­gu­men­tos que mes­mo após vá­ri­as ge­ra­ções de re­tro­cru­za­men­tos, os in­di­ví­du­os não eram ver­da­dei­ra­men­te Dál­ma­tas. A con­tro­vér­sia tem du­ra­do até aos di­as de ho­je, com apoi­an­tes e opo­si­to­res da in­te­gra­ção des­tes in­di­ví­du­os nos Li­vros de Ori­gens ofi­ci­ais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.