No­vo ga­to In­tro­du­ção de um

Caes & Companhia - - GATOS -

Na di­ca de ju­nho abor­dei o te­ma da che­ga­da de mais um ga­to. É sem­pre um mo­men­to úni­co pa­ra os fu­tu­ros do­nos, mas que po­de ge­rar al­gu­ma an­si­e­da­de ao ga­to re­si­den­te, que de re­pen­te vê o seu ter­ri­tó­rio in­va­di­do e even­tu­al­men­te ame­a­ça­do.

Uma in­tro­du­ção pre­ci­pi­ta­da po­de ge­rar um con­fli­to gra­ve en­tre os ga­tos, que uma vez ins­ta­la­do po­de ser di­fí­cil de re­sol­ver; por ou­tro la­do uma in­tro­du­ção gra­du­al e mo­ni­to­ri­za­da po­de re­sul­tar nu­ma re­la­ção es­tru­tu­ran­te en­tre os ga­tos. Mas se em ju­nho abor­dei a ques­tão mais so­bre o pon­to de vis­ta com­por­ta­men­tal, ho­je vou abor­dar a te­má­ti­ca sob o pon­to de vis­ta das im­pli­ca­ções que exis­tem em ter­mos de do­en­ças.

A te­má­ti­ca das do­en­ças in­fe­ci­o­sas

Os ga­tos são mes­tres em do­en­ças in­fe­ci­o­sas em par­ti­cu­lar em do­en­ças vi­rais. Quan­do di­go mes­tres re­fi­ro-me so­bre­tu­do à ca­pa­ci­da­de que têm de ser por­ta­do­res as­sin­to­má­ti­cos de mui­tas do­en­ças. Is­to sig­ni­fi­ca que um ga­to sau­dá­vel po­de trans­mi­tir mui­tas do­en­ças a ou­tro ga­to e al­gu­mas de­las fa­tais. Tes­tar os ga­tos pa­ra du­as do­en­ças vi­rais, co­nhe­ci­das com a SIDA dos ga­tos (FIV) e a leu­ce­mia

fe­li­na (FELV), bem co­mo ter as va­ci­nas em dia, são cui­da­dos man­da­tó­ri­os an­tes de jun­tar dois ga­tos. As pre­va­lên­ci­as da FIV e da FELV no nos­so país, não são to­tal­men­te co­nhe­ci­das, mas é es­ti­ma­do que, por exem­plo, em Lis­boa a pre­va­lên­cia se­ja de 5%. Is­to sig­ni­fi­ca que 5 em ca­da 100 ga­tos que se­jam ado­ta­dos são por­ta­do­res de uma des­tas do­en­ças e, co­mo tal, re­que­rem cui­da­dos mui­to es­pe­ci­ais, que só o seu mé­di­co ve­te­ri­ná­rio po­de es­cla­re­cer. Mas se pa­ra a FIV e pa­ra a FELV exis­te um tes­te rá­pi­do, há ou­tras do­en­ças que só um exa­me clí­ni­co cui­da­do po­de fa­zer sus­pei­tar. Por exem­plo, 80% dos ga­tos pro­ve­ni­en­tes de abri­gos são por­ta­do­res de her­pes ví­rus e, por is­so, é es­sen­ci­al que os pla­nos va­ci­nais dos ga­tos em ques­tão se­jam re­vis­tos. Não se tra­ta de uma te­má­ti­ca sim­ples, mui­to me­nos pa­ra ser abor­da­da em jei­to de di­ca. Mas a men­sa­gem que qu­e­ro dei­xar, pa­ra que to­dos os do­nos re­te­nham, é que ja­mais de­vem jun­tar ga­tos sem pri­mei­ro re­a­li­zar uma con­sul­ta no seu mé­di­co ve­te­ri­ná­rio.

A ques­tão dos pa­ra­si­tas

To­dos os ga­tos, quer o re­si­den­te quer o no­vo ha­bi­tan­te, de­vem ter um es­que­ma de des­pa­ra­si­ta­ção in­ter­na e ex­ter­na em dia. Mes­mo que o seu ga­to nun­ca te­nha ti­do pul­gas é im­por­tan­te que nes­ta fa­se se­ja pro­te­gi­do, pois o no­vo ha­bi­tan­te é mui­to pro­vá­vel que tra­ga com­pa­nhia in­de­se­ja­da.

A im­por­tân­cia da qua­ren­te­na

Mes­mo com to­dos os cui­da­dos va­ci­nais e de des­pa­ra­si­ta­ção, exis­tem do­en­ças que po­dem ser trans­mi­ti­das, por is­so é na­tu­ral que o seu mé­di­co ve­te­ri­ná­rio lhe pe­ça pa­ra re­a­li­zar um pe­río­do de qua­ren­ta que po­de ir até aos 2 me­ses. Não é mui­to sim­pá­ti­co ter dois ga­tos se­pa­ra­dos tan­to tem­po, mas se in­di­ca­do, fa­ça um es­for­ço pa­ra res­pei­tar es­ta ori­en­ta­ção.

A es­te­ri­li­za­ção

Se vai jun­tar ga­tos de se­xos di­fe­ren­tes, se­ja pru­den­te no que se re­fe­re a es­ta ques­tão. A ma­tu­ri­da­de se­xu­al sur­ge em mé­dia aos 6 me­ses, mas é fre­quen­te que te­nha iní­cio mais ce­do, por is­so não fa­ci­li­te.

O fa­tor stress

Prin­ci­pal­men­te pa­ra o ga­to re­si­den­te, es­ta al­te­ra­ção na sua ro­ti­na, po­de fa­zer des­po­le­tar do­en­ças que es­te­jam ador­me­ci­das, co­mo por exem­plo, um her­pes ví­rus (res­pon­sá­vel por in­fe­ções res­pi­ra­tó­ri­as). Não se as­sus­te, com os de­vi­dos cui­da­dos es­tas si­tu­a­ções são, na sua gran­de mai­o­ria, be­nig­nas e pas­sa­gei­ras.

Com os de­vi­dos cui­da­dos a aqui­si­ção de mais um mem­bro da fa­mí­lia se­rá fon­te de bo­as ex­pe­ri­ên­ci­as e ale­gri­as, quer pa­ra si, quer pa­ra o seu ga­to. Vol­to em de­zem­bro com mais uma di­ca, des­ta vez em con­tex­to na­ta­lí­cio. Até lá, bons mo­men­tos fe­li­nos!

Nun­ca de­vem jun­tar ga­tos sem pri­mei­ro re­a­li­zar uma con­sul­ta no seu mé­di­co ve­te­ri­ná­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.