De­sen­vol­vi­men­to dos ca­chor­ros: Evo­lu­ção do com­por­ta­men­to

O de­sen­vol­vi­men­to dos ca­chor­ros – Par­te II

Caes & Companhia - - CONTENTS - Car­la Cruz Mes­tre em Pro­du­ção Ani­mal e Dou­to­ran­da em Ci­ên­cia Ani­mal (www.ara­dik.net) | Fo­tos: Shut­ters­tock

No mês pas­sa­do vi­mos co­mo as­se­gu­rar as ne­ces­si­da­des fí­si­cas dos ca­chor­ros en­quan­to es­tão com o cri­a­dor, pa­ra um cres­ci­men­to cor­re­to. Es­te mês va­mos abor­dar ou­tros re­que­ri­men­tos tão ou mais im­por­tan­tes na cri­a­ção de cães equi­li­bra­dos ca­pa­zes de se in­te­gra­rem na su­as fa­mí­li­as – a evo­lu­ção do com­por­ta­men­to des­de o nas­ci­men­to, e ne­ces­si­da­des dos ca­chor­ros nes­ta área.

Um ca­chor­ro, tal co­mo uma cri­an­ça, não é um adul­to em pon­to pe­que­no. Os seus pro­ces­sos men­tais, as su­as ca­pa­ci­da­des com­por­ta­men­tais, as su­as ha­bi­li­da­des mo­to­ras, são mui­to di­fe­ren­tes, e vão-se mo­di­fi­can­do ao lon­go do tem­po. Co­nhe­cer a for­ma co­mo es­ta evo­lu­ção se pro­ces­sa é cru­ci­al tan­to pa­ra o cri­a­dor co­mo pa­ra o fu­tu­ro (ou atu­al) do­no de um ca­chor­ro, pa­ra sa­be­rem me­lhor quais as ex­pec­ta­ti­vas re­a­lis­tas em ca­da fa­se e co­mo aju­dar ca­da be­bé a de­sen­vol­ver o seu po­ten­ci­al.

Pe­río­dos sen­sí­veis

Com ba­se na evo­lu­ção das su­as ca­pa­ci­da­des, o de­sen­vol­vi­men­to dos ca­chor­ros foi tra­di­ci­o­nal­men­te di­vi­di­do em qua­tro fa­ses, ou pe­río­dos, se­quen­ci­ais, em gran­de par­te de­pen­den­tes da ida­de do ani­mal. Es­tas fa­ses fo­ram tra­di­ci­o­nal­men­te de­no­mi­na­das de “pe­río­dos crí­ti­cos”, por­que se pen­sa­va que a sua du­ra­ção era es­tan­que e in­va­riá­vel; se al­go não acon­te­ces­se nu­ma de­ter­mi­na­da fa­se, já não po­de­ria mais acon­te­cer, e o ani­mal per­de­ria pa­ra sem­pre es­sa ca­pa­ci­da­de, ou nun­ca mais a con­se­gui­ria ob­ter. Atu­al­men­te sa­be-se que ca­da fa­se não é tão es­tan­que qu­an­to se pen­sa­va. Exis­te al­gu­ma va­ri­a­bi­li­da­de no iní­cio e fim de ca­da pe­río­do, e mes­mo nas ap­ti­dões que se po­dem ad­qui­rir em ca­da al­tu­ra. Es­ta va­ri­a­bi­li­da­de de­pen­de do in­di­ví­duo em si, do seu cres­ci­men­to es­pe­cí­fi­co, do am­bi­en­te em que é cri­a­do, e mes­mo do seu ti­po – al­gu­mas ra­ças ten­dem a ter cer­tos pe­río­dos mais ex­ten­sos que ou­tras. Daí que a de­no­mi­na­ção cor­re­ta é de “pe­río­dos sen­sí­veis”, pois des­cre­vem al­tu­ras em que é mais fá­cil ad­qui­rir cer­tas com­pe­tên­ci­as com­por­ta­men­tais, mas não é im­pos­sí­vel (ape­sar de se tor­nar mais tra­ba­lho­so) al­can­çá-las nou­tras fa­ses mais tar­di­as. Ve­ja­mos en­tão as fa­ses do de­sen­vol­vi­men­to dos ca­chor­ros.

Pe­río­do ne­o­na­tal

É o pe­río­do des­de o nas­ci­men­to até à aber­tu­ra dos olhos, pe­los 12-15 di­as. Nes­ta fa­se, os ca­chor­ros são or­ga­nis­mos to­tal­men­te de­pen­den­tes da mãe, que as­se­gu­ra as su­as ne­ces­si­da­des de ali­men­ta­ção, con­for­to tér­mi­co e hi­gi­e­ne. Por exem­plo, não são ca­pa­zes de uri­nar ou de­fe­car de for­ma au­tó­no­ma, es­se com­por­ta­men­to re­fle­xo tem de ser es­ti­mu­la­do pe­la mãe, atra­vés das lam­bi­de­las aos ca­chor­ros (ou pe­lo cri­a­dor com um pa­no hú­mi­do e mor­no, no ca­so de ca­chor­ros cri­a­dos à mão). O com­por­ta­men­to e mor­fo­lo­gia es­tão adap­ta­dos ex­clu­si­va­men­te a uma vi­da in­fan­til. Por exem­plo, a for­ma da ca­be­ça e da bo­ca es­tão adap­ta­das à suc­ção do leite das te­tas ma­ter­nas; al­gu­mas se­ma­nas mais tar­de, com o de­sen­vol­vi­men­to fí­si­co, a for­ma da bo­ca mu­da e os cães dei­xam de con­se­guir su­gar lí­qui­dos. O cé­re­bro é mui­to ima­tu­ro e as ca­pa­ci­da­des sen­so­ri­ais li­mi­ta­das. Os olhos e ou­vi­dos es­tão fe­cha­dos, sem re­a­ção (ape­sar de que al­guns ca­chor­ros po­dem re­a­gir a lu­zes mui­to for­tes). O ol­fa­to es­tá re­la­ti­va­men­te de­sen­vol­vi­do, sen­do usa­do pa­ra lo­ca­li­zar a pro­ge­ni­to­ra e o am­bi­en­te fa­mi­li­ar. O ta­to es­tá bem de­sen­vol­vi­do, sen­do es­te sen­ti­do usa­do pa­ra en­con­trar a mãe. Têm re­a­ção à dor e ao frio, mas mau con­tro­lo da tem­pe­ra­tu­ra cor­po­ral, em par­ti­cu­lar na pri­mei­ra se­ma­na de vi­da – a tem­pe­ra­tu­ra é man­ti­da fun­da­men­tal­men­te atra­vés do con­tac­to es­trei­to com a mãe e os ir­mãos. Nes­ta fa­se, os ca­chor­ros não são ca­pa­zes de an­dar, ape­nas ar­ras­tar-se de um la­do pa­ra ou­tro (mai­o­ri­ta­ri­a­men­te pa­ra fon­tes de ca­lor, ali­men­ta­ção e con­for­to) e o com­por­ta­men­to apre­sen­ta­do é qua­se ex­clu­si­va­men­te de so­li­ci­ta­ção de cui­da­dos – o ca­chor­ro cho­ra­min­ga quan­do es­tá des­con­for­tá­vel (com fo­me ou com frio) de for­ma a atrair a aten­ção da pro­ge­ni­to­ra; quan­do es­tá con­for­tá­vel, pas­sa qua­se to­do o tem­po a dor­mir e mal se ou­ve. Ape­sar de nes­te pe­río­do os ca­chor­ros se­rem ce­gos e sur­dos, tem si­do evi­den­ci­a­do que a exis­tên­cia de stress mo­de-

O de­sen­vol­vi­men­to do com­por­ta­men­to de­pen­de de pe­río­dos sen­sí­veis, in­flu­en­ci­a­dos pe­la ida­de, cres­ci­men­to e ti­po ra­ci­al

ra­do (por exem­plo, o ma­nu­se­a­men­to por par­te das pes­so­as) é be­né­fi­co pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da sua men­te, no sen­ti­do em que ace­le­ra o cres­ci­men­to, re­duz a emo­ci­o­na­li­da­de e, pos­si­vel­men­te, po­de­rá au­men­tar a re­sis­tên­cia a al­gu­mas do­en­ças. Daí a po­pu­la­ri­da­de de pro­gra­mas de es­ti­mu­la­ção pre­co­ce do sis­te­ma ner­vo­so, re­a­li­za­dos an­tes da aber­tu­ra dos olhos, na­que­le que é um pe­río­do de rá­pi­do cres­ci­men­to neu­ro­ló­gi­co.

Pe­río­do de tran­si­ção

De­cor­re apro­xi­ma­da­men­te da 2ª à 4ª se­ma­na de ida­de;

ini­cia-se quan­do os olhos se abrem e ter­mi­na com a aber­tu­ra dos ou­vi­dos, quan­do apa­re­cem as pri­mei­ras re­a­ções a sons. É um pe­río­do de rá­pi­das al­te­ra­ções, no qual os com­por­ta­men­tos ne­o­na­tais di­mi­nu­em ou de­sa­pa­re­cem, e co­me­çam a apa­re­cer com­por­ta­men­tos mais ela­bo­ra­dos. Os ca­chor­ros pas­sam de ani­mais mui­to pro­te­gi­dos do am­bi­en­te a in­di­ví­du­os que se aper­ce­bem e re­a­gem ao mun­do que os ro­deia. É tam­bém nes­ta al­tu­ra que co­me­çam a apa­re­cer os pri­mei­ros den­tes, per­mi­tin­do co­me­çar a pas­sar de uma ali­men­ta­ção ba­se­a­da ex­clu­si­va­men­te no leite ma­ter­no pa­ra uma ali­men­ta­ção só­li­da. Em mui­tos ca­sos, a mãe co­me­ça ago­ra a re­gur­gi­tar co­mi­da às cri­as. Na­da de alar­mes, é um com­por­ta­men­to per­fei­ta­men­te na­tu­ral, que pre­pa­ra os ca­chor­ros pa­ra o des­ma­me. Com­ple­men­tan­do a mãe, é du­ran­te es­te pe­río­do que o cri­a­dor co­me­ça a dar co­mi­da mais ou me­nos só­li­da aos ca­chor­ros. Os mem­bros co­me­çam ago­ra a su­por­tar o pe­so dos ca­chor­ros. As­so­ci­a­do ao rá­pi­do de­sen­vol­vi­men­to dos res­tan­tes ór­gãos sen­so­ri­ais, is­to per­mi­te que a ex­plo­ra­ção dei­xe de se ba­se­ar ape­nas no ta­to, e co­me­ce a in­te­grar to­dos os ou­tros sen­ti­dos. Pe­las 3 se­ma­nas, os ca­chor­ros co­me­çam a res­pon­der a pes­so­as e ou­tros ani­mais que de­te­tem à dis­tân­cia. A re­gu­la­ção da tem­pe­ra­tu­ra é mais efi-

No pe­río­do de so­ci­a­li­za­ção de­cor­rem nu­me­ro­sas al­te­ra­ções com­por­ta­men­tais, pre­pa­ran­do o ca­chor­ro pa­ra a sua vi­da

caz, o que, as­so­ci­a­do ao fac­to de o ca­chor­ro co­me­çar a an­dar, per­mi­te que es­te co­me­ce a ex­plo­rar o ex­te­ri­or da sua “to­ca”. Co­me­ça a ha­ver al­gum au­to­con­tro­lo re­la­ti­va­men­te à ex­cre­ção, e a mãe co­me­ça gra­du­al­men­te a aban­do­nar o com­por­ta­men­to de es­ti­mu­la­ção, nor­mal­men­te na mes­ma al­tu­ra em que os ca­chor­ros co­me­çam a co­mer ou­tra co­mi­da que não o leite ma­ter­no. É ain­da nes­ta fa­se que os ca­chor­ros co­me­çam a aba­nar a cau­da. Co­me­çam a sur­gir as in­te­ra­ções com os ou­tros ca­chor­ros da ni­nha­da, tor­nan­do-se os ros­ni­dos, la­ti­dos e lu­tas ami­gá­veis com os ou­tros ca­chor­ros da ni­nha­da ca­da vez mais co­muns. Sur­ge o com­por­ta­men­to de fu­ga, pri­mei­ro sob a for­ma de mo­vi­men­to pa­ra trás em re­a­ção a um si­nal e, no fi­nal do pe­río­do, co­mo res­pos­ta de “sus­to” ao som, pri­mei­ro si­nal que a au­di­ção se de­sen­vol­veu. No fi­nal des­ta fa­se, co­me­ça a ser pos­sí­vel in­du­zir re­fle­xos con­di­ci­o­na­dos; an­tes, qual­quer ti­po de con­di­ci­o­na­men­to é ins­tá­vel.

Pe­río­do de so­ci­a­li­za­ção

É a fa­se que de­cor­re sen­si­vel­men­te até

às 12-16 se­ma­nas. É nes­ta al­tu­ra que os ca­chor­ros co­me­çam a exi­bir a mai­o­ria dos pa­drões com­por­ta­men­tais do adul­to, ape­sar de ti­pi­ca­men­te ain­da não es­ta­rem bem or­ga­ni­za­dos e co­or­de­na­dos. En­quan­to no pe­río­do an­te­ri­or ocor­re­ram es­sen­ci­al­men­te al­te­ra­ções mo­to­ras e sen­so­ri­ais, nes­ta eta­pa ocor­re prin­ci­pal­men­te o rá­pi­do de­sen­vol­vi­men­to do com­por­ta­men­to so­ci­al. É aqui que os ca­chor­ros apren­dem a ser cães e a in­te­ra­gir com ou­tros in­di­ví­du­os da sua es­pé­cie, bem co­mo com es­pé­ci­es com as quais con­tac­tem (co­mo as pes­so­as), e vão apren­den­do com a mãe qual o com­por­ta­men­to ade­qua­do nas in­te­ra­ções com ou­tros cães. Ela co­me­ça tam­bém a dei­xá-los so­zi­nhos por pe­río­dos de tem­po ca­da vez mai­o­res, o que tam­bém en­co­ra­ja a pro­cu­ra e in­te­ra­ção com ou­tros par­cei­ros so­ci­ais. Os ca­chor­ros já con­se­guem fa­zer as­so­ci­a­ções rá­pi­das en­tre es­tí­mu­los, tal com os adul­tos, mas, na­tu­ral­men­te, têm uma ca­pa­ci­da­de de con­cen­tra­ção mui­to li­mi­ta­da e ra­pi­da­men­te se dis­tra­em. Não são ain­da ca­pa­zes de apren­der com­por­ta­men­tos mo­to­res com­ple­xos, da­do que a sua co­or­de­na­ção mo­to­ra não es­tá ain­da com­ple­ta­men­te de­sen­vol­vi­da. Co­me­ça a ve­ri­fi­car-se o com­por­ta­men­to de imi­ta­ção, is­to é, os ca­chor­ros co­me­çam a com­por­tar-se co­mo um gru­po. Sur­gem tam­bém as lu­tas fin­gi­das e ata­ques de gru­po, que per­mi­tem o es­ta­be­le­ci­men­to de re­la­ções so­ci­ais e hi­e­rár­qui­cas (ape­sar de não com­ple­ta­men­te de­fi­ni­das), sem que os in­di­ví­du­os fi­quem se­ri­a­men­te fe­ri­dos. Es­ta fa­se con­si­de­ra-se ter­mi­na­da quan­do apa­re­cem as pri­mei­ras re­a­ções de me­do, o que va­ria, en­tre ou­tros, con­so­an­te o am­bi­en­te em que são cri­a­dos e o ti­po ra­ci­al – por exem­plo, em cães de ca­ça es­te com­por­ta­men­to ten­de a apa­re­cer mais tar­de do que em cães pas­to­res.

Pe­río­do ju­ve­nil

Co­me­ça pe­las 12-16 se­ma­nas, e ter­mi­na com o iní­cio da ma­tu­ra­ção se­xu­al, que por nor­ma de­cor­re en­tre os 6 e os 18 me­ses, de­pen­den­do do por­te do ani­mal (cães pe­que­nos ten­dem a atin­gir a ma­tu­ri­da­de se­xu­al mais ce­do que os gran­des). As al­te­ra­ções que ocor­rem não são tão mar­can­tes co­mo nos pe­río­dos an­te­ri­o­res. To­dos os ór­gãos es­tão já qua­se com­ple­ta­men­te de­sen­vol­vi­dos. No que res­pei­ta às ca­pa­ci­da­des mo­to­ras, as di­fe­ren­ças di­zem res­pei­to es­sen­ci­al­men­te ao au­men­to de for­ça e ha­bi­li­da­de, não ao apa­re­ci­men­to de no­vos com­por­ta­men­tos. A den­ti­ção per­ma­nen­te co­me­ça a sur­gir cer­ca das 16 se­ma­nas, es­tan­do em ge­ral com­ple­ta no fim des­te pe­río­do. As cur­vas de cres­ci­men­to co­me­çam a es­ta­bi­li­zar; ter­mi­na a fa­se de cres­ci­men­to rá­pi­do, ape­sar de o cres­ci­men­to con­ti­nu­ar até per­to dos 2 anos, ida­de em que a mai­o­ria os ca­chor­ros ter­mi­na o gros­so do seu de­sen­vol­vi­men­to fí­si­co (as ra­ças de por­te mui­to gran­de ten­dem a con­ti­nuá-lo du­ran­te mais al­guns me­ses). Os com­por­ta­men­tos co­me­çam a or­ga­ni­zar-se co­e­ren­te­men­te. As ca­pa­ci­da­des de apren­di­za­gem es­tão já de­sen­vol­vi­das no iní­cio do pe­río­do, em­bo­ra o ca­chor­ro não con­si­ga ain­da apren­der ta­re­fas di­fí­ceis, par­ci­al­men­te de­vi­do ao seu re­du­zi­do pe­río­do de con­cen­tra­ção e à sua gran­de ex­ci­ta­bi­li­da­de. Qu­an­to à ve­lo­ci­da­de de for­ma­ção dos re­fle­xos con­di­ci­o­na­dos, ela co­me­ça a di­mi­nuir pe­los 4 me­ses, pro­va­vel­men­te por­que a apren­di­za­gem pré­via co­me­ça a in­ter­fe­rir com as no­vas apren­di­za­gens. O com­por­ta­men­to agres­si­vo de­sen­vol­ve-se num pa­drão ri­tu­a­li­za­do de do­mi­nân­cia/sub­mis­são; a ocor­rên­cia de lu­tas re­ais é mui­to re­du­zi­da. Es­ta or­dem de do­mi­nân­cia li­mi­ta o con­tac­to com ani­mais es­tra­nhos e os ca­chor­ros ten­dem a ata­car es­tra­nhos co­lo­ca­dos com eles. Mas o ní­vel de to­le­rân­cia fa­ce a des­co­nhe­ci­dos de­pen­de da ra­ça, do grau de de­sen­vol­vi­men­to dos ca­chor­ros (que nes­ta fa­se ten­dem a re­a­gir co­mo um gru­po, de­mons­tran­do que o com­por­ta­men­to de imi­ta­ção se tor­nou mais co­mum) e ao es­ta­rem ou não ha­bi­tu­a­dos a es­se ti­po de in­te­ra­ções. Ocor­re com­por­ta­men­to se­xu­al, mas re­a­li­za­do de uma for­ma ju­ve­nil, des­con­tex­tu­a­li­za­do, in­com­ple­to e fa­cil­men­te in­ter­rom­pi­do. É a ma­tu­ra­ção da fun­ção se­xu­al, com a ca­pa­ci­da­de de efe­tu­ar re­la­ções se­xu­ais com­ple­tas, que mar­ca o fim des­te pe­río­do.

Ida­de adul­ta

Con­si­de­ra-se que o ani­mal al­can­çou a ida­de adul­ta quan­do atin­ge a ma­tu­ri­da­de se­xu­al, ou se­ja, quan­do é ca­paz de se re­pro­du­zir. No en­tan­to, is­to não sig­ni­fi­ca ne­ces­sa-

ri­a­men­te que o seu de­sen­vol­vi­men­to fí­si­co e psi­co­ló­gi­co es­te­ja ter­mi­na­do. Mui­to an­tes pe­lo con­trá­rio, e tal co­mo acon­te­ce com as pes­so­as, os cães ten­dem a po­der ini­ci­ar a reprodução nu­ma fa­se em que são ain­da ba­si­ca­men­te ca­chor­rões e ain­da se es­tão a de­sen­vol­ver e ama­du­re­cer. Po­der re­pro­du­zir-se não sig­ni­fi­ca ne­ces­sa­ri­a­men­te que se­ja sau­dá­vel fa­zê-lo lo­go. Is­to é par­ti­cu­lar­men­te no­tó­rio no ca­so de cães de por­te gran­de e mui­to gran­de, que con­ti­nu­am ain­da a cres­cer du­ran­te mais al­guns me­ses ou mes­mo mais de um ano após a ma­tu­ri­da­de se­xu­al; tam­bém o seu com­por­ta­men­to per­ma­ne­ce es­sen­ci­al­men­te “ado­les­cen­te”, sen­do co­mum que ape­nas pe­los 2 ou 3 anos de ida­de co­me­cem mos­trar-se mais cal­mos e con­tro­la­dos.

O im­prin­ting ou vin­cu­la­ção

O im­prin­ting, ou vin­cu­la­ção em por­tu­guês, é o es­ta­be­le­ci­men­to de la­ços emo­ci­o­nais e afe­ti­vos com ou­tros

in­di­ví­du­os. O pe­río­do em que ocor­re o im­prin­ting va­ria con­so­an­te o ti­po de ani­mal, e é de­ter­mi­nan­te pa­ra que o in­di­ví­duo “sai­ba” a que es­pé­cie per­ten­ce, qual se­rá o seu gru­po so­ci­al e/ou se­xu­al. Por exem­plo, em aves, os pin­tos as­so­ci­am o ob­je­to em mo­vi­men­to que vêm nas pri­mei­ras ho­ras de vi­da co­mo sen­do a sua “mãe”, e irão se­gui-lo ao lon­go do seu de­sen­vol­vi­men­to, mes­mo que se­ja uma pes­soa ou um car­ro te­le­co­man­da­do; se a mãe re­al lhes for apre­sen­ta­da ho­ras mais tar­de, já não se­rá con­si­de­ra­da co­mo tal, pois já atri­buí­ram es­sa iden­ti­da­de a ou­tro ob­je­to. Em cri­as de lo­bo, es­te pro­ces­so ocor­re nos pri­mei­ros di­as de vi­da. Já nos cães, te­mos uma si­tu­a­ção es­pe­ci­al. Eles são dos pou­cos ani­mais ca­pa­zes de es­ta­be­le­cer la­ços du­ra­dou­ros não só com a sua es­pé­cie, mas com ou­tras – daí adap­ta­rem-se tão bem a vi­ver per­fei­ta­men­te in­te­gra­dos nas so­ci­e­da­des hu­ma­nas. Co­mo vi­mos, du­ran­te o pe­río­do ne­o­na­tal, as in­te­ra­ções so­ci­ais do ca­chor­ro ocor­rem vir­tu­al­men­te ape­nas com a pro­ge­ni­to­ra; os ir­mãos ou ou­tros or­ga­nis­mos são de so­me­nos im­por­tân­cia. O pe­río­do de ama­men­ta­ção cria um vín­cu­lo so­ci­al e emo­ci­o­nal en­tre os ca- chor­ros e a mãe. Du­ran­te o pe­río­do de tran­si­ção, os sen­ti­dos do cão são su­bi­ta­men­te es­ti­mu­la­dos e os ca­chor­ros aper­ce­bem-se da pre­sen­ça dos ir­mãos e da exis­tên­cia de um mun­do ex­te­ri­or à sua to­ca, cu­ja in­fluên­cia se faz sen­tir de uma for­ma ca­da vez mais mar­ca­da. Nes­ta ida­de, têm no­ção da pre­sen­ça de ou­tros ani­mais e pes­so­as, mas não de­sen­vol­ve­ram ain­da to­das as su­as ca­pa­ci­da­des de co­mu­ni­ca­ção, con­ti­nu­an­do a re­la­ci­o­nar-se es­sen­ci­al­men­te com o seu pró­prio gru­po fa­mi­li­ar. O pe­río­do de so­ci­a­li­za­ção é, co­mo o seu no­me in­di­ca, o pe­río­do em que os ca­chor­ros mais fa­cil­men­te irão es­ta­be­le­cer re­la­ções so­ci­ais, quer com ou­tros ca­chor­ros, quer com ou­tras es­pé­ci­es. O com­por­ta­men­to de ex­plo­ra­ção, bem co­mo si­tu­a­ções que en­vol­vam con­tac­to cor­po­ral (co­mo jo­gos de lu­ta ou com­por­ta­men­tos “se­xu­ais”) fa­vo­re­cem a in­te­ra­ção com ou­tros in­di­ví­du­os. Pa­ra­le­la­men­te, o sur­gi­men­to de re­a­ções de me­do e fu­ga fa­ce a es­tra­nhos co­me­ça a li­mi­ta o es­ta­be­le­ci­men­to de re­la­ções

Os cães são ca­pa­zes de for­mar la­ços so­ci­ais não só com a sua es­pé­cie, mas tam­bém com ou­tras com as quais con­vi­vam em ca­chor­ros

Ca­chor­ros mui­to no­vos são ca­pa­zes de apren­der o que lhe pe­di­mos, mas é ne­ces­sá­rio sa­ber adap­tar-se ao seu ní­vel de de­sen­vol­vi­men­to

com con­tac­tos ca­su­ais, com­pro­me­ten­do o po­ten­ci­al de for­mar la­ços com ou­tras es­pé­ci­es. Tem si­do de­mons­tra­do que a for­ma­ção de la­ços so­ci­ais se ini­cia pe­las 3 se­ma­nas, com um pi­co pe­las 6 a 8 se­ma­nas, di­mi­nuin­do pe­las 12-16 se­ma­nas. Na pri­mei­ra par­te des­te pe­río­do (3-4 a 6 se­ma­nas), os ca­chor­ros for­mam mais fa­cil­men­te la­ços so­ci­ais com ou­tros cães

(vin­cu­la­ção pri­má­ria); du­ran­te to­do o pe­río­do, ocor­re o es­ta­be­le­ci­men­to de as­so­ci­a­ção às pes­so­as e/ou ou­tras es­pé­ci­es (vin­cu­la­ção se­cun­dá­ria).

Con­sequên­ci­as pa­ra a apren­di­za­gem

O co­nhe­ci­men­to de co­mo se pro­ces­sa o de­sen­vol­vi­men­to psi­co-mo­tor de um ca­chor­ro per­mi­te ma­xi­mi­zar a pro­ba­bi­li­da­de de cri­ar e edu­car ca­chor­ros com­por­ta­men­tal­men­te equi­li­bra­dos. Du­ran­te boa par­te do pe­río­do ide­al de so­ci­a­li­za­ção, eles es­tão ain­da em ca­sa do cri­a­dor. An­tes do apa­re­ci­men­to dos pri­mei­ros me­dos eles são “es­pon­jas” que ab­sor­vem e apre­en­dem fá­cil e ale­gre­men­te o que se lhes en­si­na e as si­tu­a­ções às quais são ex­pos­tos. As­sim, qu­an­to mais coi­sas se lhes apre­sen­tar nes­ta fa­se, sem­pre to­man­do o cui­da­do de eles cri­a­rem as­so­ci­a­ções po­si­ti­vas com elas, mais fa­cil­men­te eles sa­be­rão re­a­gir a si­tu­a­ções di­fe­ren­tes no fu­tu­ro. As­sim, pa­ra o cri­a­dor, a ima­gi­na­ção é o li­mi­te! Dei­xar os ca­chor­ros co­nhe­ce­rem di­fe­ren­tes su­per­fí­ci­es, ha­bi­tuá-los a di­fe­ren-

tes ba­ru­lhos, brin­ca­rem com ob­je­tos com di­fe­ren­tes tex­tu­ras e den­si­da­des, tra­ba­lha­rem a per­ce­ção cor­po­ral e o equi­lí­brio, etc., vai ha­bi­tuá-los a usar a ca­be­ça e as pa­tas e aju­dar a que não es­tra­nhem al­go di­fe­ren­te que en­con­trem mais tar­de, le­van­do a cães mais equi­li­bra­dos.

Em bre­ve…

Nin­guém es­pe­ra que uma cri­an­ça se com­por­te da mes­ma for­ma que uma pes­soa adul­ta; da mes­ma for­ma, não se de­ve es­pe­rar que um ca­chor­ro te­nha as mes­ma ati­tu­des e re­a­ções que um cão adul­to. O seu com­por­ta­men­to es­tá de­pen­den­te do seu ní­vel de de­sen­vol­vi­men­to, que de­ve ser ti­do em con­si­de­ra­ção quan­do se pla­neia a sua edu­ca­ção e trei­no. Exis­tem ida­des mais pro­pí­ci­as pa­ra dar o mun­do a co­nhe­cer ao ca­chor­ro, pe­río­dos em que apre­sen­tar no­vas ex­pe­ri­ên­ci­as, ani­mais e pes­so­as ao ca­chor­ro irão fa­ci­li­tar gran­de­men­te a sua adap­ta­ção ao meio. Um ca­chor­ro que se­ja ex­pos­to ao má­xi­mo pos­sí­vel de no­vas si­tu­a­ções du­ran­te o pe­río­do de so­ci­a­li­za­ção tem uma gran­de van­ta­gem à par­ti­da na sua re­la­ção com o nos­so mun­do hu­ma­ni­za­do. Po­rém, es­tas fa­ses não es­tão com­ple­ta­men­te “gra­va­das na pe­dra”. De­pen­dem gran­de­men­te não só da ida­de co­mo an­tes se pen­sa­va, mas tam­bém do seu ti­po ra­ci­al, do in­di­ví­duo es­pe­cí­fi­co e do am­bi­en­te em que vi­ve.

Nas pri­mei­ras du­as se­ma­nas, os ca­chor­ros es­tão to­tal­men­te de­pen­den­tes da mãe pa­ra ali­men­ta­ção, ca­lor e hi­gi­e­ne.

Quan­do os olhos e ou­vi­dos se abrem, os ca­chor­ros aper­ce­bem-se do mun­do que os ro­deia, e o seu com­por­ta­men­to de­sen­vol­ve-se enor­me­men­te.

O pe­río­do de so­ci­a­li­za­ção de­cor­re des­de a aber­tu­ra dos ou­vi­dos ao iní­cio dos com­por­ta­men­tos de me­do e evi­ta­ção. É quan­do os ca­chor­ros de­vem ser ex­pos­tos ao má­xi­mo de si­tu­a­ções.

Nas brin­ca­dei­ras com os ir­mãos, os ca­chor­ros apren­dem a co­or­de­nar os mo­vi­men­tos, a au­to-con­tro­lar-se, e co­me­çam a es­ta­be­le­cer as pri­mei­ras re­la­ções.

É nas in­te­ra­ções com a mãe e ou­tros cães, em ca­sa dos cri­a­do­res, que os ca­chor­ros apren­dem a co­mu­ni­car e a re­la­ci­o­nar-se com a sua es­pé­cie.

Brin­que­dos de di­fe­ren­tes for­mas, tex­tu­ras, den­si­da­des, aju­dam os ca­chor­ros a ha­bi­tu­ar-se a sen­sa­ções di­fe­ren­tes de uma for­ma di­ver­ti­da.

É nas brin­ca­dei­ras com os ir­mãos e com a mãe que os ca­chor­ros apren­dem os com­por­ta­men­tos de apa­zi­gua­men­to e sub­mis­são.

Os ca­chor­ros co­me­çam a co­mer co­mi­da só­li­da par­tir do fi­nal do pe­río­do de tran­si­ção, o que tam­bém aju­da a au­men­tar a sua in­de­pen­dên­cia re­la­ti­va­men­te à mãe.

So­ci­a­li­zar, so­ci­a­li­zar, so­ci­a­li­zar! Quan­do as no­vas ex­pe­ri­ên­ci­as são po­si­ti­vas e di­ver­ti­das, fa­cil­men­te se ob­têm cães con­fi­an­tes e fe­li­zes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.