Cães acor­ren­ta­dos: Um bas­ta nos maus tra­tos!

Um bas­ta nos maus tra­tos!

Caes & Companhia - - CONTENTS -

Man­ter um cão pre­so nu­ma cor­ren­te é co­mo man­tê-lo em uma pri­são. Uma pri­são na qual o cão es­tá res­tri­to à so­li­tá­ria, pois es­tá so­zi­nho e não po­de es­co­lher apro­xi­mar-se de nin­guém. Não se po­de mo­ver mais do que aque­le es­pa­ço, não tem es­co­lhas so­bre na­da do que po­de fa­zer nem do am­bi­en­te ao seu re­dor.

Ocão pre­so nu­ma cor­ren­te tem a sua vi­da mi­se­ra­vel­men­te man­ti­da num es­pa­ço ex­tre­ma­men­te li­mi­ta­do, to­dos os di­as ro­de­a­do da mes­ma pai­sa­gem, dos mes­mos es­tí­mu­los e das mes­mas ro­ti­nas. Se olhar­mos pa­ra o que sig­ni­fi­ca o bem-es­tar de um ani­mal, ra­pi­da­men­te con­cluí­mos que pe­lo me­nos um dos pa­râ­me­tros cru­ci­ais não es­tá col­ma­ta­do que é o do cão po­der pra­ti­car o seu com­por­ta­men­to na­tu­ral. O ce­ná­rio tor­na-se ain­da mais dra­má­ti­co, por­que a mai­o­ria dos cães que es­tão ata­dos a cor­ren­tes en­con­tram-se em si­tu­a­ções de­plo­rá­veis, com abri­gos dé­beis ou sem abri­go ne­nhum, mui­tos são sub­me­ti­dos a uma ali­men­ta­ção de­fi­ci­en­te, vi­vem na su­ji­da­de e não têm es­pa­ço on­de fa­zer as ne­ces­si­da­des. Ex­pos­tos ao cli­ma mui­tos so­frem de frio e ou ca­lor ex­tre­mos sem op­ções viá­veis de re­fú­gio.

Acor­ren­tar um cão é sem som­bra de dú­vi­da sub­me­ter um cão a uma vi­da de maus tra­tos por ne­gli­gên­cia de to­das as coi­sas que fa­zem de um cão, um cão.

Uma si­tu­a­ção pe­ri­go­sa

Co­lo­can­do de par­te to­das as con­si­de­ra­ções éti­cas e mo­rais acer­ca do fac­to de man­ter­mos um cão ata­do a uma cor­ren­te, um dos fa­to­res que tor­na es­ta “prá­ti­ca” não só de­tes­tá­vel co­mo ex­tre­ma­men­te pe­ri­go­sa é o fac­to de que a gran­de mai­o­ria dos cães acor­ren­ta­dos se tor­nam agres­si­vos ou re­a­ti­vos. Mas por­que se tor­nam es­tes cães agres­si­vos? E que ti­po de agres­são fa­la­mos?

Agres­si­vi­da­de de­fen­si­va

Cães pre­sos a cor­ren­tes sa­bem que es­tão pre­sos, lo­go sa­bem que es­tão em pe­ri­go! Tu­do o que os cães pre­sos a cor­ren­tes ve­em que os as­sus­ta é ime­di­a­ta­men­te afas­ta­do com de­mons­tra­ções ve­e­men­tes e cla­ras de com­por­ta­men­tos agres­si­vos. O cão de­fen­de-se, afi­nal ele es­tá pre­so não po­de fu­gir e tem que evi­tar a to­do cus­to que aqui­lo que ele não co­nhe­ce, ou que o as­sus­ta se apro­xi­me de­le. Se qual­quer “coi­sa” ou “pes­soa” se apro­xi­ma de um cão pre­so e es­te por qual­quer mo­ti­vo per­ce­be es­ta apro­xi­ma­ção co­mo pe­ri­go­sa pa­ra si, ele irá usar com­por­ta­men­tos agres­si­vos co­mo for­ma de au­men­tar a dis­tân­cia e afas­tar o es­tí­mu­lo cau­sa­dor do pe­ri­go. A es­te ti­po de agres­si­vi­da­de cha­ma­mos de agres­si­vi­da­de de­fen­si­va.

Agres­si­vi­da­de por frus­tra­ção

Ou­tro ti­po de agres­si­vi­da­de re­cor­ren­te em cães acor­ren­ta­dos pro­vém da frus­tra­ção. A frus­tra­ção de não po­de­rem sair da­li e in­te­ra­gir. À me­di­da que pas­sam os di­as, ve­em cães a pas­sar, ou­vem-nos, chei­ram-nos, mas nun­ca se po­dem apro­xi­mar. O mes­mo com pes­so­as, car­ros, cri­an­ças, etc. Es­te ti­po de agres­são es­ca­la a um rit­mo enor­me com o tem­po e ge­ne­ra­li­za-se a to­dos os que se ten­tam apro­xi­mar le­van­do a que os úni­cos com­por­ta­men­tos que os cães sa­bem exi­bir a par­tir de de­ter­mi­na­do pon­to são re­a­ti­vos.

De­sen­vol­vi­men­to de pro­ble­mas com­por­ta­men­tais gra­ves

Cães que es­tão pre­sos a cor­ren­tes uma vi­da in­tei­ra são ani­mais que vi­vem num va­zio so­ci­al e men­tal. Não se exer­ci­tam fi­si­ca­men­te, nem men­tal­men­te, e não de­têm con­tac­to so­ci­al com pes­so­as e ou mem­bros da pró­pria es­pé­cie. Es­ta ina­ti­vi­da­de men­tal e fí­si­ca e es­te va­zio so­ci­al, le­va a que de­ter­mi­na­dos cães (prin­ci­pal­men­te os mais ati­vos)

Tu­do o que os cães pre­sos a cor­ren­tes ve­em que os as­sus­ta é ime­di­a­ta­men­te afas­ta­do com de­mons­tra­ções ve­e­men­tes e cla­ras de com­por­ta­men­tos agres­si­vos

Cães que es­tão pre­sos a cor­ren­tes uma vi­da in­tei­ra são ani­mais que vi­vem num va­zio so­ci­al e men­tal

de­sen­vol­vam mui­tas ati­vi­da­des pa­ra se dis­traí­rem. Al­guns cães de­sen­vol­vem com­por­ta­men­tos ob­ses­si­vo-com­pul­si­vos de an­dar à ro­da, per­se­guir a cau­da, ca­var bu­ra­cos ou la­drar in­ces­san­te­men­te, co­mo se o pró­prio som da sua voz fos­se uma dis­tra­ção pa­ra o va­zio em que se en­con­tram. Ou­tro pro­ble­ma gra­ve é o de­sen­vol­vi­men­to do que cha­ma­mos es­ta­do de de­sam­pa­ro apren­di­do, que é um es­ta­do que le­va a que um ani­mal de­sis­ta de tu­do, por­que apren­de que não con­se­gue es­ca­par da si­tu­a­ção em que es­tá. Es­tes cães nor­mal­men­te su­cum­bem, mui­tos mor­rem pre­co­ce­men­te, en­tram em de­pres­sões gra­ves, fi­cam do­en­tes com fa­ci­li­da­de e, por fal­ta de pa­la­vras me­lho­res pa­ra des­cre­ver es­te es­ta­do, sim­ples­men­te dei­xam de lu­tar pe­la vi­da. Al­guns cães so­bre­vi­vem to­da uma vi­da num es­ta­do ca­ta­tó­ni­co sub­me­ti­dos a uma si­tu­a­ção que não po­dem con­tro­lar e que es­tá fo­ra do seu con­tro­lo.

Ne­gli­gên­cia

To­dos os cães pre­ci­sam de ser pas­se­a­dos di­a­ri­a­men­te – in­de­pen­den­te­men­te do es­pa­ço ex­te­ri­or ao qual te­nham aces­so. Pre­ci­sam de so­ci­a­li­zar com ou­tros cães, pre­ci­sam de es­tar so­ci­al­men­te per­to da sua fa­mí­lia hu­ma­na o mai­or tem­po pos­sí­vel. To­dos os cães pre­ci­sam de brin­car, cor­rer, chei­rar, re­co­nhe­cer o am­bi­en­te que os ro­deia e o mun­do on­de vi­vem. An­dar de car­ro, pas­se­ar, apren­der com­por­ta­men­tos no­vos, apren­der a co­mu­ni­car com as pes­so­as e apren­der a vi­ver na so­ci­e­da­de hu­ma­na. Cães re­ne­ga­dos a um lo­cal nu­ma cor­ren­te es­tão a ser ne­gli­gen­ci­a­dos em to­das as su­as ne­ces­si­da­des, des­de as mais bá­si­cas, àque­las que fa­zem dos cães um ani­mal so­ciá­vel e ap­to a vi­ver em so­ci­e­da­de com as pes­so­as. Não exis­te mo­ti­vo ne­nhum pa­ra se man­ter um cão ata­do a uma cor­ren­te. É uma prá­ti­ca ain­da vis­ta em Por­tu­gal com bas­tan­te frequên­cia, e uma que a lei de­ve­ria pre­ver ati­va­men­te co­mo in­cluí­da nos maus tra­tos por ne­gli­gên­cia e não só.

Cão de guar­da

Mui­tas pes­so­as jus­ti­fi­cam a si­tu­a­ção de man­te­rem um cão ata­do a uma cor­ren­te, por­que pre­ci­sam de um cão de guar­da. Na ver­da­de, um cão ja­mais de­ve­ria ser “usa­do” co­mo um ob­je­to tal co­mo um alar­me, pa­ra além do ób­vio que é o fac­to de que cães ata­dos a cor­ren­tes não guar­dam nem pro­te­gem ab­so­lu­ta­men­te na­da, uma vez que es­tão ata­dos e não po­dem che­gar a la­do ne­nhum. Na gran­de mai­o­ria são cães com pro­ble­mas gra­ves a ní­vel com­por­ta­men­tal e cães me­dro­sos que ao in­vés de mor­der al­guém sai­ri­am a cor­rer se fos­se pos­sí­vel. Ad­qui­rir um cão e co­lo­cá-lo ata­do a uma cor­ren­te de­bai­xo de uma ár­vo­re, ao la­do de uma ca­so­ta po­dre de ma­dei­ra, pa­ra que ele “guar­de” uma pro­pri­e­da­de, ob­je­tos ou o que for, é uma ati­tu­de ego­cen­tris­ta, mal­do­sa e mui­to tris­te e ob­vi­a­men­te com­ple­ta­men­te inú­til pa­ra o pro­pó­si­to ci­ta­do. Es­tas pes­so­as, por nor­ma, li­mi­tam-se a dar res­tos aos cães e a man­tê-los vi-

Cães re­ne­ga­dos a um lo­cal nu­ma cor­ren­te es­tão a ser ne­gli­gen­ci­a­dos em to­das as su­as ne­ces­si­da­des

vos pa­ra que sir­vam a sua fun­ção. Mui­tas pes­so­as mal­tra­tam es­tes ani­mais, ati­ran­do-lhes pe­dras ou es­pi­ca­çan­do-os com paus pa­ra que es­tes de­mons­trem com­por­ta­men­tos agres­si­vos di­re­ci­o­na­dos a pes­so­as. A cru­el­da­de des­te ato nun­ca po­de­rá ser jus­ti­fi­ca­da, mui­to me­nos por­que pre­ten­de­mos “guar­dar” um imó­vel ou ob­je­to. Os cães são ani­mais sen­ci­en­tes, sem po­der de es­co­lha sob aqui­lo que lhes im­po­mos e de­vem ser al­vo da nos­sa pro­te­ção e não o opos­to.

Le­gis­la­ção por­tu­gue­sa

Foi re­cen­te­men­te de­ter­mi­na­do na le­gis­la­ção que os ani­mais dei­xa­ram de ser vis­tos à luz da lei co­mo coi­sas. São ago­ra vis­tos co­mo se­res sen­ci­en­tes, ou se­ja, se­res do­ta­dos de sen­ti­men­tos. Co­mo tal, atar um ser sen­ci­en­te a uma cor­ren­te, ex­pos­to ao am­bi­en­te e aos seus pe­ri­gos uma vi­da in­tei­ra é de fac­to maus tra­tos e ne­gli­gên­cia. Até quan­do te­re­mos de vi­ver la­do a la­do com es­tas si­tu­a­ções de maus tra­tos e per­ma­ne­cer em si­lên­cio? A Lei aqui pre­ci­sa de ser so­be­ra­na e di­tar de for­ma in­ques­ti­o­ná­vel a pu­ni­ção das pes­so­as que usem os ani­mais co­mo ob­je­tos.

Re­fli­ta e pas­se a men­sa­gem!

A ex­plo­ra­ção de um ani­mal nes­tes ter­mos não só é eti­ca­men­te re­pro­vá­vel co­mo é cau­sa­do­ra de cães que po­dem vir a re­pre­sen­tar pa­ra a nos­sa so­ci­e­da­de um pe­ri­go gra­vís­si­mo. A mai­o­ria dos aci­den­tes de mor­di­das ou mor­te com cães re­por­ta­das pe­lo mun­do fo­ra, ad­vém de cães que vi­vi­am pre­sos e por al­gum mo­ti­vo se sol­ta­ram. Dei­xar de ver os ani­mais co­mo al­go que po­de ser usa­do por nós pa­ra a nos­sa con­ve­ni­ên­cia. Dei­xar de ten­tar jus­ti­fi­car o que não tem jus­ti­fi­ca­ção atra­vés de in­ten­ções mal­do­sas co­mo guar­dar ou, sim­ples­men­te, por­que que­re­mos ter um cão, mas não te­mos con­di­ções ade­qua­das pa­ra o ter. Se não quer ter um cão den­tro de ca­sa, não o te­nha. Os cães pre­ci­sam de es­tar per­to das pes­so­as, dor­mir aos seus pés en­quan­to se sen­ta no so­fá e re­ce­ber a sua aten­ção, ca­ri­nho e amor da mes­ma for­ma que o dão. Lu­te­mos pe­lo fim des­tas si­tu­a­ções, se­ja em que lo­cal for. Cães acor­ren­ta­dos nun­ca mais. Re­fli­ta e pas­se a men­sa­gem, pa­ra que jun­tos pos­sa­mos pa­rar com es­ta prá­ti­ca cru­el.

A mai­o­ria dos aci­den­tes de mor­di­das ou mor­te com cães, ad­vém de cães que vi­vi­am pre­sos e por al­gum mo­ti­vo se sol­ta­ram.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.