Ra­ça: En­glish Sprin­ger Spa­ni­el

Um cão pa­ra to­da a fa­mí­lia!

Caes & Companhia - - CONTENTS -

O En­glish Sprin­ger Spa­ni­el é um cão ale­gre e equi­li­bra­do, ex­tre­ma­men­te ver­sá­til e fi­el com­pa­nhei­ro. Em qual­quer fa­mí­lia, um Sprin­ger vai-se adap­tar e cres­cer co­mo o me­lhor ami­go das cri­an­ças em to­das as su­as brin­ca­dei­ras e um ver­da­dei­ro cúm­pli­ce pa­ra to­dos os mem­bros da fa­mí­lia. Na re­a­li­da­de, um cão pa­ra to­dos.

OEn­glish Sprin­ger Spa­ni­el é o fun­da­dor de to­dos os res­tan­tes Spa­ni­els. Ini­ci­al­men­te, era con­si­de­ra­da a mes­ma ra­ça que o Coc­ker Spa­ni­el, ape­nas di­ver­gia em re­la­ção ao ta­ma­nho. Nu­ma ni­nha­da, os cães mai­o­res eram Sprin­gers e os res­tan­tes eram con­si­de­ra­dos Coc­kers. Foi ape­nas em 1902 que o En­glish Ken­nel Club re­co­nhe­ceu o En­glish Sprin­ger Spa­ni­el co­mo uma ra­ça dis­tin­ta do Coc­ker Spa­ni­el. Mais tar­de foi re­co­nhe­ci­da pe­lo Ame­ri­can Ken­nel Club, em 1910.

A ra­ça em Por­tu­gal

Es­ta ra­ça ti­nha a sua po­pu­la­ri­da­de res­tri­ta a pes­so­as que ti­nham in­te­res­se em cães de ca­ça, mas sem­pre mar­can­do os seus do­nos pe­la sua per­so­na­li­da­de e de­di­ca­ção. Al­gu­mas ni­nha­das eram fei­tas de mo­do pon­tu­al, so­bre­tu­do por es­tran­gei­ros que vi­vi­am em Por­tu­gal e que tra­zi­am os seus re­pro­du­to­res do Rei­no Uni­do. Mais tar­de, um cri­a­dor fez uma cri­a­ção mais con­sis­ten­te de Sprin­gers, o Ca­nil de Al­co­ba­ça. Es­te cri­a­dor de­di­cou-se a es­ta ra­ça on­de pas­sou a ex­por os seus cães em Ex­po­si­ções de be­le­za, tal­vez dos pou­cos cri­a­dos em Por­tu­gal com tí­tu­los de be­le­za. Ao lon­go dos anos os Sprin­ger fo­ram-se tor­nan­do co­nhe­ci­dos e ad­mi­ra­dos por cri­a­do­res e ex­po­si­to­res de ou­tras ra­ças que se in­te­res­sa­ram nes­ta ra­ça. Par­ti­cu­lar­men­te no am­bi­en­te das Ex­po­si­ções de be­le­za, a ra­ça pas­sou de to­tal­men­te des­co­nhe­ci­da por to­dos a ad­mi­ra­da por mui­tos. Uma pre­sen­ça cons­tan­te em mui­tos even­tos e com es­pe­ci­al cres­ci­men­to, tan­to em nú­me­ro co­mo em qua­li­da­de. Is­to é fru­to de mui­tos anos de de­di­ca­ção, mas tam­bém de­vi­do à fa­ci­li­da­de que es­tes cães pos­su­em pa­ra ga­nhar adep­tos. São cães mui­to ex­pres­si­vos e que aos pou­cos con­quis­ta­ram o seu es­pa­ço.

E no es­tran­gei­ro

No Rei­no Uni­do es­ta é uma ra­ça ex­tre­ma­men­te po­pu­lar, sem­pre no top 10 da po­pu­la­ri­da­de, sen­do am­pla­men­te co­nhe­ci­da por to­dos e mui­to uti­li­za­da em va­ri­a­das áre­as. O trei­no de cães pa­ra te­ra­pia e for­ças po­li­ci­ais tem uma gran­de con­fi­an­ça no tra­ba­lho efe­tu­a­do ao lon­go dos anos com es­ta ra­ça e são uma re­fe­rên­cia mun­di­al nes­tas áre­as. Pa­ra além des­tas áre­as de tra­ba­lho, o Sprin­ger bri­lha tam­bém nas Ex­po­si­ções de be­le­za on­de es­tá sem­pre pre­sen­te tan­to em nú­me­ro co­mo em qua­li­da­de. As mai­o­res re­fe­rên­ci­as de cri­a­do­res por to­do o Mun­do es­tão ine-

A ra­ça pas­sou de qua­se des­co­nhe­ci­da a ad­mi­ra­da por mui­tos, pois são cães mui­to ex­pres­si­vos que con­quis­ta­ram o seu es­pa­ço

vi­ta­vel­men­te no Rei­no Uni­do, ori­gem des­ta ra­ça.

Apa­rên­cia ge­ral

Fi­si­ca­men­te, são cães de cons­tru­ção si­mé­tri­ca e com­pac­tos, com uma al­tu­ra apro­xi­ma­da de 51 cm e o seu pe­so de­ve ron­dar os 23 kg, com al­gu­mas va­ri­a­ções en­tre ma­chos e fê­me­as. É um cão bem pro­por­ci­o­na­do, equi­li­bra­do, com­pac­to, com um ar or­gu­lho­so e de mo­vi­men­tos su­a­ves e sem es­for­ço. O seu mo­vi­men­to é úni­co, on­de as pa­tas di­an­tei­ras ba­lan­çam de uma for­ma efi­caz e co­bre ter­re­no com mui­ta fa­ci­li­da­de, sen­do as pa­tas pos­te­ri­o­res as res­pon­sá­veis pe­la sua im­pul­são. Em mo­vi­men­to len­to, po­de ter um mo­vi­men­to tí­pi­co de pas­so tra­va­do. Os seus olhos são ca­rac­te­rís­ti­cos por se­rem em for­ma de amên­doa e li­gei­ra­men­te mais es­cu­ros do que cor de amên­doa nos cães cas­ta­nho fí­ga­do e pre­tos nos cães de pe­la­gem pre­ta. As su­as ore­lhas tam­bém são uma das su­as prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas dis­tin­ti­vas, sen­do com­pri­das e caí­das ao lon­go do pes­co­ço, o que lhe dão o seu ar al­ti­vo.

Pe­la­gem

A sua pe­la­gem po­de ser cas­ta­nha-fí­ga­do e bran­ca ou pre­ta e bran­ca. Am­bas as pe­la­gens po­dem ain­da in­cluir mar­cas de fo­go si­tu­a­das na par­te in­te­ri­or das ore­lhas, por ci­ma dos olhos, na fa­ce la­te­ral e ain­da de­bai­xo da cau­da. O seu pe­lo é li­so, mas pos­sui du­as ca­ma­das, o que per­mi­te a sua re­sis­tên­cia à água e às con­di­ções at­mos­fé­ri­cas. O pe­lo é bri­lhan­te, com fran­jas nas pa­tas, na bar­ri­ga e nas ore­lhas, mas ne­ces­si­ta de ma­nu­ten­ção.

Ma­nu­ten­ção da pe­la­gem

A sua ma­nu­ten­ção não é di­fí­cil de fa­zer com um pou­co de aten­ção men­sal, de­ven­do ser pen­te­a­do com um pen­te fi­no pa­ra sol­tar o pe­lo mor­to de­bai­xo do pe­lo no­vo. É ne­ces­sá­rio de­sem­ba­ra­çar o pe­lo das ore­lhas e das pa­tas com al­gu­ma frequên­cia pa­ra per­mi­tir que cres­ça sau­dá­vel sem aglo­me­ra­dos gran­des de pe­los co­la­dos. O pe­lo ex­ce­den­te de­ve ser re­ti­ra­do, so­bre­tu­do na zo­na da ca­be­ça pa­ra que não se for­me uma po­pa. Es­se pe­lo é pe­lo ve­lho e se­co, por is­so sai­rá com fa­ci­li­da­de ape­nas com as mãos, pu­xan­do su­a­ve­men­te o pe­lo na di­re­ção do seu cres­ci­men­to. Qu­an­to aos ba­nhos, de­vem ser pou­co fre­quen­tes e sem­pre com champôs hi­dra­tan­tes ade­qua­dos ao seu pe­lo. A sua pe­la­gem é mui­to re­sis­ten­te e

As su­as ore­lhas é uma ca­rac­te­rís­ti­ca dis­tin­ti­va, sen­do com­pri­das e caí­das ao lon­go do pes­co­ço, dan­do-lhe um ar al­ti­vo

adap­ta­da à água e ao frio. Po­de fi­car quei­ma­da no ve­rão se ti­ver mui­to tem­po ao sol, ad­qui­rin­do um tom ama­re­la­do e se­co nas zo­nas de pe­lo cas­ta­nho. O de­se­ja­do é um cas­ta­nho fí­ga­do es­cu­ro, de­ven­do o pe­lo ama­re­lo quei­ma­do do sol ser es­co­va­do pa­ra dar lu­gar a um no­vo pe­lo sau­dá­vel e bri­lhan­te. A pro­cu­ra do seu Sprin­ger Ao pen­sar es­co­lher um ca­chor­ro Sprin­ger de­ve, pri­mei­ro de tu­do, es­tar in­for­ma­do em re­la­ção à ra­ça, tem­pe­ra­men­to e pe­la­gem; e de­pois o que lhe vai po­der pro­por­ci­o­nar, co­mo é o seu quo­ti­di­a­no, os tem­pos li­vres ou fé­ri­as, a es­tru­tu­ra fa­mi­li­ar, etc. De­pois des­te pri­mei­ro pas­so, de­ve­rá es­co­lher sem­pre cri­a­do­res res­pon­sá­veis, ga­ran­tin­do as­sim a le­gi­ti­mi­da­de das in­for­ma­ções re­ce­bi­das acer­ca dos pro­ge­ni­to­res da ni­nha­da, do mo­do co­mo os cães são tra­ta­dos e trei­na­dos, dos seus tes­tes de des­pis­tes das prin­ci­pais do­en­ças e da ge­né­ti­ca dos seus an­te­pas­sa­dos. Só as­sim se po­de ga­ran­tir que a ni­nha­da na qual pro­cu­ra o seu no­vo ca­chor­ro é de qua­li­da­de. Quan­do fa­la­mos em qua­li­da­de, não nos re­fe­ri­mos ape­nas aos tí­tu­los e con­quis­tas dos pro­ge­ni­to­res ou às su­as qua­li­da­des co­mo ca­ça­do­res, que evi­den­ci­am cer­ta­men­te a be­le­za e ou­tras qua­li­da­des dos cães, mas so­bre­tu­do à saú­de e ao am­bi­en­te em que os cães vi­vem e no qual a ni­nha­da em ques­tão foi cri­a­da. A so­ci­a­bi­li­za­ção dos pro­ge­ni­to­res e dos ca­chor­ros da ni­nha­da é tam­bém ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te já que per­mi­ti­rá iden­ti­fi­car pro­ble­mas de ti­mi­dez ex­ces­si­va ou de do­mi­nân­cia exa­ge­ra­da nos ca­chor­ros da ni­nha­da. Ca­so con­trá­rio, não se­ria pos­sí­vel dis­tin­guir, por exem­plo, a ti­mi­dez da fal­ta de so­ci­a­bi­li­za­ção. Se pre­ten­de ad­qui­rir um ca­chor­ro pa­ra a sua fa­mí­lia, es­tes fa­to­res são ain­da mais im­por­tan­tes já que ao par­ti­lhar a ca­sa com cri­an­ças, um cão de­ve ser equi­li­bra­do e de con­fi­an­ça pa­ra que to­dos pos­sam con­vi­ver sem pro­ble­mas du­ran­te mui­tos anos. Es­co­lha do ca­chor­ro De­pois de es­co­lher um cri­a­dor e a ni­nha­da, fal­ta ape­nas es­co­lher o ca­chor­ro. A pre­fe­rên­cia por um ma­cho ou uma fê­mea de­pen­de so­bre­tu­do de uma ques­tão pes­so­al. O mi­to de que os ma­chos são mais enér­gi­cos e que as fê­me­as são mais ca­ri­nho­sas não tem fun­da­men­to nes­ta ra­ça. Con­so­an­te os seus ob­je­ti­vos, li­mi­ta­ções e pre­fe­rên­ci­as pessoais, de­ve es­co­lher em con­jun­to com o cri­a­dor o seu ca­chor­ro. Só o cri­a­dor co­nhe­ce os ca­chor­ros e os pro­ge­ni­to­res de mo­do a po­der acon­se­lhar qual o ca­chor­ro a es­co­lher de en­tre to­dos os ca­chor­ros da

Quan­do bem so­ci­a­bi­li­za­do é um cão que nos po­de acom­pa­nhar no nos­so dia-a-dia e se com­por­ta bem em to­das as si­tu­a­ções

ni­nha­da. Ce­do se no­tam ten­dên­ci­as no tem­pe­ra­men­to de ca­da um e não se de­ve apres­sar a es­co­lha à nas­cen­ça, on­de ape­nas se po­de­rá sa­ber a cor do ca­chor­ro e na­da so­bre o seu ca­rá­ter e ten­dên­cia pa­ra al­gu­ma ap­ti­dão. Pa­ra al­guns ob­je­ti­vos, co­mo a ob­ten­ção de um cão pa­ra re­pro­du­tor ou pa­ra Ex­po­si­ções de be­le­za, al­guns ou­tros pon­tos de­vem ser con­fir­ma­dos e mui­tas ve­zes não são vi­sí­veis ou com­pro­vá­veis quan­do o ca­chor­ro tem ape­nas 8 ou 10 se­ma­nas.

Che­ga­da do ca­chor­ro a ca­sa

De­pois de ad­qui­rir o ca­chor­ro, de­pois de to­dos os pas­sos an­te­ri­o­res, de­ve co­me­çar a in­te­gra­ção do ca­chor­ro no seu no­vo am­bi­en­te e dar-lhe a co­nhe­cer a sua no­va fa­mí­lia, in­cluin­do ou­tros ani­mais de com­pa­nhia. Trei­nar um Sprin­ger não é uma ta­re­fa di­fí­cil e ra­pi­da­men­te ele se aper­ce­be­rá de quem é o seu do­no do­mi­nan­te e, ape­sar de ado­rar to­da a fa­mí­lia, te­rá uma li­ga­ção es­pe­ci­al com um dos mem­bros da fa­mí­lia.

Edu­ca­ção e trei­no

O trei­no des­tes cães é sim­ples­men­te a dis­tin­ção en­tre a re­com­pen­sa e o re­co­nhe­cer o er­ro, quan­do o seu com­por­ta­men­to é o de­se­ja­do ou não. De to­dos os mo­dos, é ne­ces­sá­rio que o seu ca­chor­ro se sin­ta con­fi­an­te e se­gu­ro no seu am­bi­en­te an­tes de ini­ci­ar qual­quer ti­po de trei­no. Sem es­te pres­su­pos­to, po­de­rá fo­men­tar o seu ner­vo­sis­mo e me­do. As­sim que con­si­ga trans­mi­tir-lhe con­fi­an­ça, en­tão po­de­rá co­me­çar a fe­li­ci­tá-lo pe­los com­por­ta­men­tos de­se­ja­dos e a re­pre­en­dê-lo pe­los com­por­ta­men­tos in­de­se­ja­dos. Qual­quer que se­ja a si­tu­a­ção, o cão te­rá de con­se­guir li­gar a sua ação à re­a­ção que pro­vo­cou no do­no. Se não fo­rem in­ter­li­ga­das, não ha­ve­rá as­so­ci­a­ção e, co­mo tal, não ser­vi­rá co­mo apren­di­za­gem.

Ma­tu­ri­da­de e reprodução

Qu­an­to à reprodução, a ida­de de ma­tu­ra­ção dos Sprin­gers é aos 2 anos de ida­de. Só en­tão os cães po­dem re­al­men­te ser con­si­de­ra­dos adul­tos, tan­to fi­si­ca­men­te co­mo emo­ci­o­nal­men­te. Con­tu­do, as fê­me­as ten­dem a ma­tu­rar mais ce­do do que os ma­chos, tan­to emo­ci­o­nal­men­te co­mo fi­si­ca­men­te. Em Por­tu­gal, pe­lo re­gu­la­men­to do Clu­be Por­tu­guês de Ca­ni­cul­tu­ra, os ma­chos po­dem ser utilizados na reprodução a par­tir do ano de ida­de, ape­sar da sua ma­tu­ra­ção ain­da não es­tar con­cluí­da, pois o seu de­sem­pe­nho re­pro-

O Sprin­ger é um cão bem pro­por­ci­o­na­do, equi­li­bra­do, com­pac­to, com um ar or­gu­lho­so e de mo­vi­men­tos su­a­ves e sem es­for­ço

du­ti­vo não põe em cau­sa o seu cres­ci­men­to. Já as fê­me­as ape­nas de­vem ser uti­li­za­das na reprodução a par­tir dos dois anos de ida­de. O pri­mei­ro cio po­de ocor­rer en­tre os 10 e os 12 me­ses, e nor­mal­men­te ocor­re du­as ve­zes por ano. Ao uti­li­zar um cão co­mo re­pro­du­tor de­ve ha­ver um cui­da­do em ga­ran­tir que es­se cão é re­al­men­te sau­dá­vel e que tam­bém não é por­ta­dor de al­gu­mas do­en­ças que po­dem afe­tar os des­cen­den­tes, co­mo é o ca­so da dis­pla­sia de an­ca, de PRA (atro­fia pro­gres­si­va da re­ti­na) e de ta­ras ocu­la­res. Es­tes são os as­pe­tos mais co­muns pa­ra os quais exis­tem tes­tes de des­pis­te re­la­ti­va­men­te sim­ples e, co­mo tal, de­vem ser efe­tu­a­dos aos re­pro­du­to­res utilizados pe­los cri­a­do­res res­pon­sá­veis.

Nas­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to

O cru­za­men­to de dois re­pro­du­to­res, nor­mal­men­te, é de mon­ta na­tu­ral e, sen­do uma ra­ça bas­tan­te rús­ti­ca, tam­bém não evi­den­ci­am pro­ble­mas de par­to. O nú­me­ro mé­dio de ca­chor­ros nu­ma ni­nha­da é de 5 ou 6 ca­chor­ros, em­bo­ra pos­sa va­ri­ar bas­tan­te. Nor­mal­men­te, as ca­de­las são bas­tan­te au­tó­no­mas com o cui­da­do da sua ni­nha­da e são pro­te­to­ras em re­la­ção a ou­tros cães. São, no en­tan­to, ex­tre­ma­men­te so­ciá­veis com as pes­so­as, mes­mo em al­tu­ras de ni­nha­das, per­mi­tin­do, nor­mal­men­te, que pes­so­as des­co­nhe­ci­das vi­si­tem a ni­nha­da sem qual­quer si­nal de an­si­e­da­de da mãe. Os ca­chor­ros à nas­cen­ça pe­sam em mé­dia 350 g, du­pli­can­do es­se pe­so ao fim da pri­mei­ra se­ma­na de vi­da. Quan­do sau­dá­veis, os ca­chor­ros au­men­tam pro­gres­si­va­men­te de pe­so à me­di­da que cres­cem e com 15 di­as co­me­çam a abrir os olhos, ape­sar de de­mo­rar mais al­guns di­as até que con­si­gam dis­tin­guir ima­gens e som­bras.

Tem­pe­ra­men­to

Um das ca­rac­te­rís­ti­cas des­ta ra­ça é que são cães ener­gé­ti­cos e aten­tos,

O seu gran­de trun­fo é o tem­pe­ra­men­to, são mui­to ami­gá­veis com cri­an­ças e ex­tre­ma­men­te afá­veis com ou­tros cães

fá­cil trei­no e com uma li­ga­ção mui­to for­te ao seu do­no. Con­tu­do, pe­lo seu ta­ma­nho mé­dio, são cães que se adap­tam à vi­da na ci­da­de sem pro­ble­mas, se lhe pro­por­ci­o­na­rem exer­cí­cio e com­pa­nhia. O seu gran­de trun­fo é mes­mo o seu tem­pe­ra­men­to. São cães mui­to equi­li­bra­dos, nem tí­mi­dos nem agres­si­vos, de fá­cil trei­no e so­ci­a­bi­li­za­ção, mui­to ami­gá­veis com cri­an­ças e ain­da ex­tre­ma­men­te afá­veis com ou­tros cães. Quan­do bem so­ci­a­bi­li­za­do é um cão que re­al­men­te nos po­de acom­pa­nhar no nos­so dia-a-dia e que se com­por­ta em to­das as si­tu­a­ções pa­ra que o le­ve.

Um ca­ça­dor en­tu­si­as­ta

Co­mo cão de ca­ça, es­ta é uma das ra­ças mais po­pu­la­res em al­guns paí­ses, co­mo no Rei­no Uni­do, em Fran­ça e mais re­cen­te­men­te no nor­te da Eu­ro­pa, es­pe­ci­al­men­te na Sué­cia. É uma ra­ça ex­tre­ma­men­te en­tu­si­as­ta a ca­çar, sen­do ágil e rá­pi­do nas su­as fun­ções de bus­ca e de le­van­te de ca­ça me­nor. Tem mui­ta fa­ci­li­da­de em se mo­vi­men­tar em to­dos os ti­pos de ter­re­nos e pe­lo seu ta­ma­nho pe­que­no com­pa­ra­do com os seus prin­ci­pais con­cor­ren­tes nes­ta área, sai em van­ta­gem pe­la sua en­tre­ga e ver­sa­ti­li­da­de. Sil­va­dos aper­ta­dos e ma­tos cer­ra­dos não im­pe­dem o tra­ba­lho de um Sprin­ger. De to­dos os ter­re­nos, o seu pre­fe­de

Pe­lo seu ta­ma­nho mé­dio, são cães que se adap­tam à vi­da na ci­da­de sem pro­ble­mas, se lhe pro­por­ci­o­na­rem exer­cí­cio e com­pa­nhia

ri­do é sem dú­vi­da a água e tem uma atra­ção mui­to for­te por qual­quer lo­cal on­de se pos­sa mo­lhar. Per­to de um rio, la­go ou mes­mo na praia é mui­to di­fí­cil man­ter um Sprin­ger se­co. De­pois do tra­ba­lho de bus­ca e le­van­te, o Sprin­ger co­bra a ca­ça pa­ra en­tre­gar ao seu do­no. Em Por­tu­gal é so­bre­tu­do uti­li­za­do na ca­ça à per­diz, aos pa­tos e fai­sões. O seu ins­tin­to de ca­ça­dor é nor­mal­men­te su­fi­ci­en­te pa­ra se sa­ber mo­vi­men­tar no cam­po e sa­ber tra­ba­lhar o ter­re­no com o seu ol­fa­to pa­ra se­guir os ras­tos exis­ten­tes. Pa­ra se tor­nar num bom com­pa­nhei­ro de ca­ça, irá pre­ci­sar de trei­no pa­ra co­brar com efi­cá­cia mas o seu tem­pe­ra­men­to en­tu­si­as­ta e ale­gre aju­dam nes­ta apren­di­za­gem. A opor­tu­ni­da­de de um dia de ca­ça com o seu do­no é o me­lhor que po­de dar a um Sprin­ger, já que ele po­de pôr em prá­ti­ca to­do o seu po­ten­ci­al, ener­gia, mas so­bre­tu­do to­da a sua de­di­ca­ção. É a tra­ba­lhar que ele a mos­tra e se sen­te fe­liz.

Uma ra­ça que gos­ta de tra­ba­lhar

Con­tu­do, não é só a ca­çar que um Sprin­ger se sen­te re­a­li­za­do. Mui­tas ou­tras áre­as o in­te­res­sam. Es­te é um cão que gos­ta de apren­der e que be­ne­fi­cia mui­to em fa­zer ta­re­fas. Dos pe­que­nos tru­ques nas brin­ca­dei­ras com as cri­an­ças, ao trei­no de obe­di­ên­cia ou na prá­ti­ca de um des­por­to ca­ni­no, to­dos es­tes mo­men­tos dão ao Sprin­ger a opor­tu­ni­da­de pa­ra bri­lhar e dis­fru­tar com os seus do­nos de uma cum­pli­ci­da­de es­pe­ci­al.

O que po­de fa­zer com o seu Sprin­ger?

Exis­tem vá­ri­os des­por­tos on­de os cães des­ta ra­ça se des­ta­cam, se­ja no Agi­lity, em Obe­di­ên­cia, Fre­esty­le ou Ex­po­si­ções Ca­ni­nas de be­le­za. Se­ja pe­la sua agi­li­da­de, ve­lo­ci­da­de e gos­to em agra­dar ao seu do­no, são cães que se en­tre­gam ao des­por­to com en­tu­si­as­mo. Se­ja o ce­ná­rio de ci­da­de ou de cam­po, se­rá sem­pre um bom com­pa­nhei­ro quan­do va­mos cor­rer ou pas­se­ar de bi­ci­cle­ta.

Tam­bém têm si­do es­co­lhi­dos pa­ra cães

de te­ra­pia, pe­lo seu em­pe­nho e de­di­ca­ção na aju­da de pes­so­as

Uma ra­ça ver­sá­til

São ain­da ex­ce­len­tes cães de po­lí­cia, sen­do mui­to re­qui­si­ta­dos pe­las equi­pas de trei­no de cães pa­ra de­te­ção de dro­gas e ex­plo­si­vos. Tam­bém têm si­do es­co­lhi­dos pa­ra cães de te­ra­pia, uma área mui­to abran­gen­te e mui­to in­te­res­san­te que ti­ra des­tes cães o seu me­lhor em­pe­nho e de­di­ca­ção na aju­da de mui­tas pes­so­as.

Ne­ces­si­da­des de exer­cí­cio

Du­ran­te a fa­se de cres­ci­men­to de um Sprin­ger, até aos 10 me­ses, o exer­cí­cio de­ve ser mo­de­ra­do pa­ra não cau­sar le­sões gra­ves no ca­chor­ro. Co­mo ado­ra exer­cí­cio, de­pois des­sa ida­de é um cão ener­gé­ti­co que acom­pa­nha­rá to­das as ati­vi­da­des em fa­mí­lia que lhe se­ja per­mi­ti­do par­ti­ci­par. De­pois de se exer­ci­tar, é um cão cal­mo que não in­co­mo­da o am­bi­en­te em ca­sa.

Cui­da­dos de saú­de

Os ou­vi­dos e os olhos dos Sprin­gers de­vem ser cui­da­dos re­gu­lar­men­te. Os pro­ble­mas de ou­vi­dos po­dem ser pre­ve­ni­dos por uma lim­pe­za re­gu­lar. Os pro­ble­mas ocu­la­res de­vem ser des­pis­ta­dos nas su­as li­nhas ge­né­ti­cas.

De to­dos os ter­re­nos o pre­fe­ri­do é a água, pois tem uma atra­ção mui­to for­te por qual­quer lu­gar on­de se pos­sa mo­lhar.

É usu­al um Sprin­ger apro­vei­tar qual­quer des­cul­pa pa­ra se mo­lhar, até em uma fon­te na ci­da­de.

Du­ran­te a fa­se de cres­ci­men­to de um Sprin­ger, até aos 10 me­ses, o exer­cí­cio de­ve ser mo­de­ra­do pa­ra não cau­sar le­sões gra­ves no ca­chor­ro.

As cri­an­ças e os Sprin­gers são mui­tas ve­zes cúm­pli­ces de brin­ca­dei­ras.

Nor­mal­men­te, as ca­de­las são ex­tre­ma­men­te so­ciá­veis com as pes­so­as, per­mi­tin­do que des­co­nhe­ci­dos vi­si­tem a ni­nha­da sem qual­quer si­nal de an­si­e­da­de da mãe.

A ex­pres­são de um Sprin­ger de­ve ser su­a­ve e com um olhar de­di­ca­do.

De­pois do tra­ba­lho de bus­ca e le­van­te, o Sprin­ger co­bra a ca­ça pa­ra en­tre­gar ao seu do­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.