Plan­tas me­di­ci­nais

Uso da mal­va na saú­de do cão

Caes & Companhia - - SAUDE ANIMAL NATURAL - Di­no­ra Xa­vi­er Mé­di­ca Ve­te­ri­ná­ria

A mal­va é uma plan­ta ori­gi­ná­ria da Eu­ro­pa e da Ásia com vas­ta uti­li­za­ção na me­di­ci­na po­pu­lar e tra­di­ci­o­nal por­tu­gue­sa e eu­ro­peia. Lem­bram-se do que os vos­sos avós di­zi­am da mal­va? En­tão va­mos co­nhe­cer os fun­da­men­tos da sua uti­li­za­ção no cão.

Afa­mí­lia Mal­va­ce­ae in­clui 75 gé­ne­ros e 1.000 es­pé­ci­es de plan­tas que in­clu­em er­vas, ar­bus­tos e ár­vo­res co­nhe­ci­das, in­cluin­do des­de a plan­ta do al­go­dão a ou­tras or­na­men­tais co­mo os hi­bis­cos (Fo­rey, 1992). Des­tes, o gé­ne­ro bo­tâ­ni­co que nos in­te­res­sa te­ra­peu­ti­ca­men­te é o Mal­va, tam­bém usa­do co­mo no­me vul­gar de di­ver­sas es­pé­ci­es de plan­tas. As su­as fo­lhas são al­ter­na­das, lo­ba­das e pal­ma­das, com pe­cío­los com­pri­dos e ar­re­don­da­das. A plan­ta po­de me­dir de 10 cm a 40 cm de al­tu­ra (Ha­sel­ba­ch, 2008). As flo­res me­dem de meio a 5 cm, com cin­co pé­ta­las cu­ja cor va­ria en­tre ro­sa, li­lás e bran­co. Al­gu­mas es­pé­ci­es são co­mes­tí­veis, in­cluin­do os seus fru­tos.

Ha­bi­tat e dis­tri­bui­ção

A mal­va é uma plan­ta bi­e­nal ori­gi­ná­ria da Eu­ro­pa e da Ásia, mas tam­bém na­tu­ra­li­za­da na Amé­ri­ca e na Aus­trá­lia. É fá­cil en­con­trá-la em cam­pos sil­ves­tres e bei­ran­do ca­mi­nhos e per­cur­sos pe­des­tres (Cu­nha, 2011). A sua dis­tri­bui­ção é tan­to ru­ral co­mo ur­ba­na na ocor­rên­cia es­pon­tâ­nea, sen­do pos­sí­vel ob­ser­vá-las mes­mo no cen­tro de ci­da­des co­mo Lis­boa e Por­to, jun­to às ber­mas das es­tra­das, em des­cam­pa­dos, ter­re­nos bal­di­os ou mes­mo à saí­da da sua ca­sa em um pe­da­ço de ter­ra es­que­ci­do.

Prin­ci­pais cons­ti­tuin­tes das par­tes uti­li­za­das

As es­pé­ci­es de mal­va que po­de en­con­trar dis­po­ní­veis ou es­pon­tâ­ne­as são Mal­va

syl­ves­tris (mal­va-co­mum ou mal­va-sil­ves­tre) e Mal­va ne­glec­ta (mal­va-pe­que­na ou mal­va-das-fo­lhas-re­don­das). As prin­ci­pais par­tes da plan­ta da mal­va uti­li­za­das com fins te­ra­pêu­ti­cos são a flor e a fo­lha, prin­ci­pal­men­te pe­la pre­sen­ça de mu­ci­la­gens e an­to­ci­a­nó­si­dos em quan­ti­da­des mais apre­ciá­veis na flor do que na fo­lha, e de bi­o­fla­vo­noi­des, ta­ni­nos e sais mi­ne­rais em par­ti­cu­lar na fo­lha.

Quais as fun­ções te­ra­pêu­ti­cas dos seus cons­ti­tuin­tes?

As flo­res da mal­va con­têm prin­ci­pal­men­te mu­ci­la­gens e an­to­ci­a­nó­si­dos. Es­tas são os prin­ci­pais cons­ti­tuin­tes ati­vos da mal­va. Mu­ci­la­gens são açú­ca­res com­ple­xos que, por hi­dró­li­se (uma re­a­ção quí­mi­ca on­de in­ter­vém a água) ori­gi­nam açú­ca­res mais sim­ples co­mo a ram­no­se, glu­co­se e a ara­bi­no­se e áci­do ga­lac­tu­ró­ni­co. Es­tas mu­ci­la­gens apre­sen­tam co­mo ati­vi­da­de far­ma­co­ló­gi­ca uma

As mu­ci­la­gens das flo­res da mal­va apre­sen­tam co­mo ati­vi­da­de far­ma­co­ló­gi­ca uma ação an­ti-in­fla­ma­tó­ria e pro­te­to­ra das mu­co­sas

No apa­re­lho di­ges­ti­vo a mal­va tem uma ação an­ti-in­fla­ma­tó­ria, emo­li­en­te e re­ge­ne­ra­do­ra da mu­co­sa gás­tri­ca e in­tes­ti­nal

ação an­ti-in­fla­ma­tó­ria e pro­te­to­ra das

mu­co­sas (emo­li­en­te) (Cu­nha, 2011), e são o cons­ti­tuin­te ati­vo que co­no­ta a mal­va com os seus prin­ci­pais usos te­ra­pêu­ti­cos.

In­di­ca­ções e uti­li­za­ções te­ra­pêu­ti­cas em ani­mais

No cão e no ga­to a mal­va po­de ser uti­li­za­da em uso in­ter­no co­mo emo­li­en­te e an­ti-in­fla­ma­tó­rio em do­en­ças do tra­to res­pi­ra­tó­rio co­mo la­rin­gi­te, bron­qui­te e tra­que­o­bron­qui­te, fa­ci­li­ta­dor da ex­pe­to­ra­ção e na di­mi­nui­ção do es­ta­do in­fe­ci­o­so. Tam­bém em afe­ções gas­troin­tes­ti­nais co­mo a gas­tri­te pe­las ações gas­tro-pro­te­to­ra e an­ti-in­fla­ma­tó­ria, em uso in­ter­no. As mu­ci­la­gens apre­sen­tam tam­bém uma ação hi­po­glu­ce­mi­an­te po­den­do ser usa­das no con­tro­lo dos ní­veis de gli­ce­mia (açú­car) no san­gue. Ex­ter­na­men­te, po­de ser uti­li­za­da nas in­fla­ma­ções da pe­le e das mu­co­sas, apre­sen­tan­do uma ação re­ge­ne­ra­do­ra, an­ti­in­fla­ma­tó­ria, cal­man­te e an­ti-pru­ri­gi­no­sa mui­to efi­caz.

For­mas de ad­mi­nis­tra­ção em ani­mais

Em uso in­ter­no po­de usar-se sob a for­ma de in­fu­são co­lo­can­do fo­lhas ou flo­res, du­ran­te cer­ca de 10 mi­nu­tos, em água quen­te que le­van­tou fer­vu­ra, pa­ra ob­ter uma solução a 2% apro­xi­ma­da­men­te. Tam­bém po­de en­con­trar a plan­ta em com­po­si­ções de xa­ro­pes ou fa­zer um xa­ro­pe a 5% de ex­tra­to flui­do. Pa­ra uso ex­ter­no, po­de usar-se por co­zi­men­to das par­tes da plan­ta uti­li­za­das em água, ob­ten­do uma solução de cor mais in­ten­sa e con­cen­tra­ção apro­xi­ma­da de 5%, que de­pois se apli­ca lo­cal­men­te ou pa­ra la­va­gens da pe­le e das mu­co­sas (Cu­nha,2002).

Su­ges­tões pa­ra o uso da mal­va no apa­re­lho di­ges­ti­vo

De acor­do com as in­di­ca­ções e ações te­ra­pêu­ti­cas da plan­ta que po­de con­sul­tar

qua­dro, su­ge­ri­mos que uti­li­ze a mal­va em in­fu­são nas mais di­ver­sas si­tu­a­ções, on­de po­de­rá ob­ser­var re­sul­ta­dos rá­pi­dos e sur­pre­en­den­tes. Se o seu ani­mal so­fre de gas­tri­te

cró­ni­ca uti­li­ze re­gu­lar­men­te 1 a 4 co­lhe­res de so­pa, au­men­tan­do a quan­ti­da­de con­so­an­te o pe­so do seu ani­mal, ten­do co­mo re­fe­rên­cia 1 co­lher pa­ra 10 kg. Co­lo­que a co­lher de so­pa jun­to com a co­mi­da ou dê, de pre­fe­rên­cia, até 15 mi­nu­tos an­tes da re­fei­ção, di­re­ta­men­te na bo­ca ou ofe­re­ça a be­ber. Se o seu ani­mal vo­mi­ta oca­si­o­nal­men­te, mas com re­gu­la­ri­da­de (por exem­plo, vó­mi­to de pe­los no ga­to) dê após a ocor­rên­cia, se o seu ani­mal se mos­tra des­con­for­tá­vel. No ca­so de di­ar­rei­as sim­ples e en­te­ri­tes, que ocor­rem por in­ges­tão de ali­men­tos que não cor­res­pon­dem à di­e­ta re­gu­lar do ani­mal, acon­se­lha­mos que fa­ça je­jum de 12h pa­ra ali­men­tos só­li­dos e ofe­re­ça a ca­da 1h ou 2h uma pe­que­na por­ção de mal­va em in­fu­são. No apa­re­lho di­ges­ti­vo a mal­va tem uma ação an­ti-in­fla­ma­tó­ria, emo­li­en- te e re­ge­ne­ra­do­ra da mu­co­sa gás­tri­ca e in­tes­ti­nal. Po­de ser usa­da em al­ter­na­ti­va aos an­tiá­ci­dos con­ven­ci­o­nais, às sa­que­tas pa­ra re­ves­ti­men­to e pro­te­ção do estô­ma­go, e aos an­ti­di­ar­rei­cos e an­ti-in­fe­ci­o­sos (an­ti­bió­ti­cos) con­ven­ci­o­nais no tra­ta­men­to do in­tes­ti­no (en­te­ri­te, gas­tro­en­te­ri­te e di­sen­te­ria). A mal­va aju­da a com­ba­ter igual­men­te a obs­ti­pa­ção, de um mo­do su­a­ve, mas mui­to efi­caz, sen­do es­pe­ci­al­men­te útil e in­di­ca­da em ani­mais ju­ve­nis e se­ni­o­res (Li­eu­taghi, 2002).

Su­ges­tões pa­ra o uso da mal­va no apa­re­lho res­pi­ra­tó­rio

Com a mes­ma pre­pa­ra­ção de in­fu­são de mal­va já des­cri­ta e uti­li­zan­do co­mo re­fe­rên­cia as mes­mas ins­tru­ções de do­sa­gem, po­de fa­zer uso das su­as pro­pri­e­da­des em afe­ções e pa­to­lo­gi­as do apa­re­lho res­pi­ra­tó­rio de acor­do com as ações da plan­ta re­fe­ri­das no qua­dro. A mal­va é uma plan­ta mui­to útil no

tra­ta­men­to da tos­se pe­la sua ação emo­li­en­te, pei­to­ral e cal­man­te. É uma plan­ta que em in­fu­são é in­di­no

As in­fu­sões de fo­lha e flor de mal­va po­dem ser uti­li­za­das no tra­ta­men­to de pa­to­lo­gi­as do apa­re­lho uri­ná­rio

ca­da pa­ra la­rin­gi­tes, tra­queí­tes e

bron­qui­tes (Li­eu­taghi, 2002). Aqui po­de­mos in­cluir se­gu­ra­men­te a mal­va co­mo uma ex­ce­len­te plan­ta a jun­tar a qual­quer tra­ta­men­to de pa­to­lo­gi­as tão cor­ren­tes e co­muns co­mo a tos­se do ca­nil, uma tra­que­o­bron­qui­te in­fe­ci­o­sa que afe­ta cães de to­das as ida­des, cu­jo tra­ta­men­to con­ven­ci­o­nal de­cor­re com an­ti­bió­ti­cos e an­ti-in­fla­ma­tó­ri­os, e on­de a mal­va po­de en­trar co­mo par­te do tra­ta­men­to, quer em pro­to­co­los con­ven­ci­o­nais quer em tra­ta­men­tos de me­di­ci­na na­tu­ral e ho­lís­ti­ca, que têm uma ação mui­to efi­ca­zes e rá­pi­da no tra­ta­men­to des­tas do­en­ças.

Su­ges­tões pa­ra o uso da mal­va no apa­re­lho uri­ná­rio

As in­fu­sões de fo­lha e flor de mal­va su­ge­ri­das po­dem ser igual­men­te uti­li­za­das no tra­ta­men­to de pa­to­lo­gi­as do apa­re­lho uri­ná­rio com uma no­ta es­pe­ci­al so­bre as do­en­ças que cau­sam sen­sa­ção de ar­dor, dor ou des­con­for­to du­ran­te a mic­ção e que, de um mo­do ge­ral, são clas­si­fi­ca­das em me­di­ci­na ve­te­ri­ná­ria co­mo “in­fe­ção uri­ná­ria”. É mui­to co­mum o uso in­dis­cri­mi­na­do de an­ti­bió­ti­cos em pa­to­lo­gi­as do sis­te­ma uri­ná­rio que mui­tas ve­zes são ape­nas in­fla­ma­tó­ri­as cau­san­do des­con­for­to aos ani­mais e sin­to­mas co­mo uri­nar fre­quen­te com pou­ca uri­na ou ape­nas “pin­gui­nhas”, tom ro­sa­do ou pre­sen­ça de san­gue evi­den­te e des­con­for­to com ir­ri­ta­ção. Nes­tas pa­to­lo­gi­as, fre­quen­te­men­te in­fla­ma­tó­ri­as, mas ra­ra­men­te in­fe­ci­o­sas, os an­ti­bió­ti­cos apre­sen­tam uma ação mui­to li­mi­ta­da, sen­do fá­cil ob­ser­var o re­tor­no dos sin­to­mas lo­go que o an­ti­bió­ti­co ter­mi­na. Nes­tes ca­sos, a mal­va é uma das plan­tas in­di­ca­das, em es­pe­ci­al se ofe­re­ci­das aos ani­mais em je­jum, bem co­mo pa­ra do­en­ças co­mo cis­ti-

te, ure­tri­te, li­tía­se uri­ná­ria (cál­cu­los uri­ná­ri­os e re­nais) e qual­quer in­fla­ma­ção que en­vol­va rins, be­xi­ga e os seus ca­nais (ure­tra e ure­te­res), quer se­ja in­fe­ci­o­sa ou não. A sua ação cal­man­te das mu­co­sas per­mi­te que os ani­mais fi­quem ra­pi­da­men­te con­for­tá­veis en­quan­to o tra­ta­men­to da cau­sa de­cor­re.

Su­ges­tões pa­ra o uso ex­ter­no da mal­va na pe­le

Um dos usos mais efi­ca­zes da mal­va é a sua apli­ca­ção ex­ter­na em pa­to­lo­gi­as da pe­le. Qual­quer in­fla­ma­ção da pe­le po­de ser tra­ta­da com a apli­ca­ção lo­cal do lí­qui­do de co­ze­du­ra das mal­vas. Quer se­ja sob a for­ma de apli­ca­ção tó­pi­ca nu­ma le­são, cor­te ou abra­são on­de atua co­mo an­tis­sé­ti­co e de­sin­fe­tan­te, ou pa­ra la­va­gem de uma área ex­ten­sa do cor­po, co­mo por exem­plo nos ca­sos de der­ma­ti­tes se­bor­rei­cas on­de a sua apli­ca­ção é mui­to efi­caz pa­ra o tra­ta­men­to, as mal­vas po­dem ser usa­das co­mo uma al­ter­na­ti­va efi­caz e eco­nó­mi­ca aos tra­di­ci­o­nais an­tis­sé­ti­cos co­mer­ci­ais. Um dos usos que re­co­men­da­mos, ba­se­a­do na nos­sa ex­pe­ri­ên­cia clí­ni­ca, é a sua apli­ca­ção nas fís­tu­las das glân­du­las anais, pois tem uma ação an­ti-in­fe­ci­o­sa con­tro­lan­do fa­cil­men­te as bactérias, an­ti-in­fla­ma­tó­ria au­men­tan­do con­si­de­ra­vel­men­te o con­for­to dos ani­mais e pro­mo­ven­do a re­ge­ne­ra­ção rá­pi­da e efi­caz da le­são.

Su­ges­tões pa­ra o uso ex­ter­no da mal­va nas mu­co­sas

O uso ex­ter­no das mal­vas nas mu­co­sas é vas­to e abran­ge uma sé­rie de pa­to­lo­gi­as e sin­to­mas co­muns pa­ra os quais ne­ces­si­ta­mos em ge­ral de vá­ri­os me­di­ca­men­tos, e cu­ja to­xi­ci­da­de dos mes­mos po­de ser con­si­de­rá­vel pa­ra o or­ga­nis­mo. An­tes de mais, lem­bre-se que quan­do apli­ca qual­quer pro­du­to de “uso tó­pi­co ou lo­cal” es­te é sem­pre ab­sor­vi­do na sua (qua­se) to­ta­li­da­de atra­vés da pe­le e se­rá vei­cu­la­do atra­vés do cor­po pe­la cor­ren­te san­guí­nea. Qual­quer apli­ca­ção que fa­ça pa­ra tra­tar os ou­vi­dos ou olhos do seu ani­mal vai ser, se­gu­ra­men­te, ab­sor­vi­da pa­ra a cor­ren­te san­guí­nea. As mal­vas são ex­tre­ma­men­te efi­ca­zes no tra­ta­men­to da mai­o­ria das afe­ções

ocu­la­res des­de as con­jun­ti­vi­tes sim­ples ao glau­co­ma. Pa­ra uma sim­ples con­jun­ti­vi­te, ex­pe­ri­men­te subs­ti­tuir os ha­bi­tu­ais co­lí­ri­os e po­ma­das por al­gu­mas go­tas de in­fu­são de mal­vas, apli­ca­das di­re­ta­men­te nos olhos, com a aju­da de um con­ta-go­tas, cer­ca de 3x dia. Pa­ra as ro­ti­nei­ras oti­tes ex­pe­ri­men­te fa­zer a lim­pe­za da ce­ra com um co­to­ne­te em­be­bi­do em óleo de co­co vir­gem, se­gui­do de uma lim­pe­za ex­ter­na da pe­le do pa­vi­lhão au­ri­cu­lar com in­fu­são de mal­vas. Pa­ra a lim­pe­za das áre­as ge­ni­tais e al­mo­fa­di­nhas plan­ta­res e pal­ma­res das pa­tas após os pas­sei­os ex­pe­ri­men­te uma to­a­lhi­ta em­be­bi­da em mal­vas. Por fim, su­ge­ri­mos que ex­pe­ri­men­te o tra­ta­men­to de afe­ções da bo­ca, em par­ti­cu­lar as di­fí­ceis es­to­ma­ti­tes e gen­gi­vi­tes em ga­tos, com la­va­gem re­gu­la­res de chá de mal­vas, que até po­de ofe­re­cer co­mo be­bi­da re­fres­can­te pa­ra o seu ani­mal, e dei­xe-se sur­pre­en­der pe­los bons re­sul­ta­dos.

As mal­vas na cu­li­ná­ria… tam­bém pa­ra eles!

À se­me­lhan­ça de mui­tas ou­tras plan­tas me­di­ci­nais e te­ra­pêu­ti­cas, tam­bém as mal­vas apre­sen­tam usos co­mo plan­ta co­mes­tí­vel e em cu­li­ná­ria. Fo­lhas jo­vens e re­ben­tos de mal­va po­dem ser con­su­mi­dos crus ou co­zi­nha­dos e são es­pe­ci­al­men­te úteis em ani­mais que so­frem de obs­ti­pa­ção. Uma vez que, tal co­mo já re­fe­ri­mos em ar­ti­gos an­te­ri­o­res, uma das ca­rac­te­rís­ti­cas dos nos­sos ani­mais do­més­ti­cos é sa­be­rem re­co­nhe­cer, no am­bi­en­te que os ro­deia, re­cur­sos ali­men­ta­res es­pon­tâ­ne­os e te­ra­pêu­ti­cos, não se ad­mi­re se al­gu­ma vez o seu ani­mal op­tar es­pon­ta­ne­a­men­te por re­ben­tos ou fo­lhas jo­vens da plan­ta. Se sou­ber re­co­nhe­cer a plan­ta no am­bi­en­te po­de tam­bém re­co­lher os seus re­ben­tos, ofe­re­cer ao seu ani­mal, e ob­ser­var a sua re­a­ção.

Um dos usos mais efi­ca­zes da mal­va é a apli­ca­ção ex­ter­na em pa­to­lo­gi­as da pe­le, com apli­ca­ção lo­cal do lí­qui­do de co­ze­du­ra

As es­pé­ci­es de mal­va que po­de en­con­trar dis­po­ní­veis ou es­pon­tâ­ne­as são Mal­va syl­ves­tris (mal­va-co­mum ou mal­va-sil­ves­tre) e Mal­va ne­glec­ta (mal­va-pe­que­na ou mal­va-das-fo­lhas-re­don­das).

Fras­co com ex­tra­to ou óleo es­sen­ci­al de mal­va.

Na ima­gem fo­lhas e flo­res de Mal­va syl­ves­tris.

A mal­va é uma plan­ta mui­to útil no tra­ta­men­to da tos­se pe­la sua ação emo­li­en­te, pei­to­ral e cal­man­te.

Em ca­so de con­jun­ti­vi­te, ex­pe­ri­men­te al­gu­mas go­tas de in­fu­são de mal­vas, apli­ca­das di­re­ta­men­te nos olhos, com a aju­da de um con­ta-go­tas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.