In­tro­du­zir um ca­chor­ro nu­ma ca­sa com ga­tos

Cães e ga­tos são mui­tas ve­zes ti­dos co­mo eter­nos ri­vais. No en­tan­to, quan­do con­ve­ni­en­te­men­te apre­sen­ta­dos po­dem con­vi­ver pa­ci­fi­ca­men­te no mes­mo es­pa­ço.

Caes & Companhia - - CONTENTS - Inês Gu­er­ra Mé­di­ca Ve­te­ri­ná­ria, De­par­ta­men­to de Com­por­ta­men­to Fe­li­no

Fe­li­nos e ca­ní­de­os são es­pé­ci­es di­fe­ren­tes com ne­ces­si­da­des par­ti­cu­la­res que têm de ser res­pei­ta­das. Es­ta é a ba­se pa­ra uma con­vi­vên­cia pa­cí­fi­ca na mes­ma ca­sa.

An­tes da che­ga­da do ca­chor­ro

An­tes de ini­ci­ar o pro­ces­so de in­tro­du­ção ga­ran­ta que o seu ga­to e o seu ca­chor­ro es­tão sau­dá­veis e des­pa­ra­si­ta­dos. Lem­bre-se que há pa­ra­si­tas que po­dem pas­sar do ga­to pa­ra o cão e vi­ce-ver­sa. Por ou­tro la­do, a in­tro­du­ção im­pli­ca al­gum grau de stress que po­de agra­var si­tu­a­ções já exis­ten­tes. A ca­sa de­ve es­tar pre­pa­ra­da pa­ra o ga­to, no­me­a­da­men­te, pro­por­ci­o­nan­do es­pa­ços em al­tu­ra que po­dem ser o seu por­to de abri­go. As­sim, o ga­to tem aces­so a lo­cais nos quais se sen­te se­gu­ro e on­de po­de evi­tar o con­tac­to di­re­to com o ca­chor­ro. Crie um lo­cal da ca­sa ao qual só o ga­to po­de ace­der, po­de usar uma por­ta pró­pria pa­ra ga­tos de mo­do a ga­ran­tir o aces­so ex­clu­si­vo.

Che­ga­da do ca­chor­ro

À che­ga­da a ca­sa o ca­chor­ro de­ve fi­car nu­ma di­vi­são, se­pa­ra­do dos ou­tros ani­mais que já a ha­bi­tem. É a al­tu­ra de ir apre­sen­tan­do a tre­la ao ca­chor­ro, pois irá pre­ci­sar de­la pos­te­ri­or­men­te co­mo ga­ran­tia de se­gu­ran­ça. É im­por­tan­te re­sis­tir a apre­sen­tar os ani­mais de ime­di­a­to, fa­ça sem­pre uma in­tro­du­ção de for­ma gra­du­al.

Al­ter­nân­cia de ter­ri­tó­ri­os

De­ve ser al­ter­na­do o ani­mal que es­tá em ca­da di­vi­são da ca­sa, pa­ra que am­bos co­nhe­çam a ca­sa no seu to­do e a pos­sam ex­plo­rar, prin­ci­pal­men­te o re­cém­che­ga­do. Es­ta eta­pa per­mi­te que pos­sam dei­xar o odor/fe­ro­mo­nas no ter­ri­tó­rio sem que ha­ja, ain­da, con­ta­to vi­su­al di­re­to. Nes­ta al­tu­ra de­ve tam­bém ser fei­ta tro­ca de chei­ros, por exem­plo, co­lo­can­do a man­ta do ca­chor­ro no ter­ri­tó­rio do ga­to e vi­ce-ver­sa.

Ini­ci­ar a apre­sen­ta­ção

Co­me­ce por dei­xar que se ve­jam, ca­chor­ro e ga­to, mas sem ha­ver con­ta­to fí­si­co, evi­tan­do as­sim pos­sí­veis in­te­ra­ções ne­ga­ti­vas. Po­de co­lo­car o ca­chor­ro com tre­la num es­pa­ço da ca­sa que não se­ja o que es­tá a fun­ci­o­nar co­mo a di­vi­são on­de ele vi­ve. Po­de tam­bém apre­sen­tar o ga­to den­tro de uma trans­por­ta­do­ra se re­ce­ar a re­a­ção do mes­mo, mas não dei­xe o ca­chor­ro apro­xi­mar-se mui­to, da­do que po­de ser uma ex­pe­ri­ên­cia as­sus­ta­do­ra,

An­tes de ini­ci­ar o pro­ces­so de in­tro­du­ção ga­ran­ta que o ga­to e o ca­chor­ro es­tão sau­dá­veis e des­pa­ra­si­ta­dos

por­que o ga­to es­tá con­ti­do num es­pa­ço pe­que­no.

Re­for­ço po­si­ti­vo

As­so­ci­ar a apre­sen­ta­ção a mo­men­tos em que é da­do ali­men­to fun­ci­o­na­rá co­mo um re­for­ço po­si­ti­vo. Po­de, tam­bém, usar brin­que­dos pa­ra dis­trair e in­te­ra­gir com o ca­chor­ro ou com o ga­to. Sem­pre que per­ce­ci­o­nar com­por­ta­men­tos po­si­ti­vos e de tran­qui­li­da­de – re­for­ce – dê os snacks fa­vo­ri­tos a quem se por­ta bem, as­sim vai au­men­tar a pro­ba­bi­li­da­de des­ses mes­mos com­por­ta­men­to vol­ta­rem a acon­te­cer no fu­tu­ro.

De­mo­re o tem­po ne­ces­sá­rio

Se no­tar que não es­tá a cor­rer bem, mais va­le pa­rar e re­pe­tir no dia se­guin­te. Es­tes pro­ces­sos são gra­du­ais, re­que­rem tem­po e per­sis­tên­cia. Fa­ça in­tro­du­ções por cur­tos es­pa­ços de tem­po, se ne­ces­sá­rio re­tor­ne no pro­ces­so, mais va­le um pas­so atrás, pa­ra dar de­pois dois em fren­te, do que in­sis­tir e cri­ar uma si­tu­a­ção di­fí­cil de ge­rir.

Pe­ça aju­da!

Co­mo já foi re­fe­ri­do, po­dem ser pro­ces­sos exi­gen­tes, ca­da ani­mal tem a sua per­so­na­li­da­de que ide­al­men­te de­ve ser ti­da em con­ta. O seu mé­di­co ve­te­ri­ná­rio po­de aju­dá-lo, a efe­tu­ar um Pla­no de In­tro­du­ção do ca­chor­ro ao ga­to de for­ma de­ta­lha­da, de­fi­nin­do o ca­mi­nho a per­cor­rer e for­ne­cen­do apoio téc­ni­co.

Vi­ver em har­mo­nia

É pos­sí­vel ter cães e ga­tos a vi­ve­rem jun­tos e re­la­xa­dos na mes­ma ca­sa. Se­rá uma ex­pe­ri­ên­cia ma­ra­vi­lho­sa pa­ra to­dos.

Co­me­ce por dei­xar que se ve­jam, ca­chor­ro e ga­to, mas sem ha­ver con­ta­to fí­si­co, evi­tan­do pos­sí­veis in­te­ra­ções ne­ga­ti­vas.

O ga­to de­ve ter um es­pa­ço al­to e aces­so a lo­cais nos quais se sen­te se­gu­ro, pa­ra po­der evi­tar o con­tac­to di­re­to com o ca­chor­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.