So­ci­a­bi­li­za­ção ou va­ci­na­ção? Eis a ques­tão!

Eis a ques­tão!

Caes & Companhia - - CONTENTS -

Afi­nal, qual a de­ci­são mais be­né­fi­ca pa­ra os ca­chor­ros – pro­mo­ver a sua so­ci­a­li­za­ção pri­má­ria, ou res­guar­dá-los em ca­sa até que o pro­ces­so de va­ci­na­ção es­te­ja con­cluí­do?

Àse­me­lhan­ça do que acon­te­ce com o de­sen­vol­vi­men­to dos hu­ma­nos – cu­ja per­so­na­li­da­de fi­ca pra­ti­ca­men­te for­ma­da por vol­ta dos 8 anos de ida­de –, tam­bém os cães têm um pe­río­do crí­ti­co de de­sen­vol­vi­men­to. To­das as ex­pe­ri­ên­ci­as vi­vi­das por um ca­chor­ro du­ran­te es­te pe­río­do têm enor­me im­pac­to no tem­pe­ra­men­to do cão adul­to.

Pe­río­do crí­ti­co de apren­di­za­gem dos ca­chor­ros

No pas­sa­do, a mai­o­ria dos mé­di­cos ve­te­ri­ná­ri­os de re­fe­rên­cia na es­pe­ci­a­li­da­de de com­por­ta­men­to e bem-es­tar ani­mal pro­cu­rou fi­xar a ida­de em que o pe­río­do crí­ti­co de apren­di­za­gem dos ca­chor­ros es­ta­ria con­cluí­do. Al­guns de­fen­di­am 12 se­ma­nas, ou­tros 16, 18 e 20 se­ma­nas. Mais re­cen­te­men­te, os es­pe­ci­a­lis­tas ten­dem a ser fle­xí­veis na es­ti­pu­la­ção des­te li­mi­te, de­fen­den­do a ideia de que exis­tem di­fe­ren­ças de cão pa­ra cão, de con­tex­to pa­ra con­tex­to. Cer­to é que, um pou­co por to­do o mun­do, com os EUA na fren­te, os pri­mei­ros me­ses de vi­da dos cães têm si­do ob­je­to de inú­me­ros es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos. Al­gu­ma des­ta in­ves­ti­ga­ção pro­cu­ra iden­ti­fi­car as me­lho­res es­tra­té­gi­as a ado­tar nes­ta pri­mei­ra fa­se da vi­da do cão, pa­ra ga­ran­tir o seu bom com­por­ta­men­to no fu­tu­ro – sem me­do de pes­so­as es­tra­nhas, ou cães, am­bi­en­tes ou sons atí­pi­cos.

O que é a so­ci­a­li­za­ção?

Nes­te con­tex­to, a co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca li­ga­da ao com­por­ta­men­to ani­mal im­por­tou da so­ci­o­lo­gia o con­cei­to de so­ci­a­li­za­ção e apli­cou-o nos ani­mais. So­ci­a­li­za­ção é o pro­ces­so atra­vés do qual a nos­sa iden­ti­da­de é mol­da­da pe­las cul­tu­ras em que vi­ve­mos – a de gé­ne­ro, da ra­ça ou clas­se so­ci­al (in Swart e Grau­erholz 2012). Mais re­cen­te­men­te so­ció­lo­gos e an­tro­pó­lo­gos vi­e­ram re­co­nhe­cer que a so­ci­a­li­za­ção é um pro­ces­so ati­vo atra­vés do qual as pes­so­as – e as cri­an­ças em par­ti­cu­lar –, de­sen­vol­vem pa­drões de pen­sa­men­to, com­por­ta­men­to e sen­ti­men­tos pe­lo fac­to de in­te­ra­gi­rem com os ou­tros. As pes­so­as são, por­tan­to, agen­tes ati­vos que in­ter­pre­tam as in­te­ra­ções que ex­pe­ri­men­tam e res­pon­dem

(in Cha­pin, Qu­ar­da­ni e Bar­low, 2016). O cons­truc­to so­ci­a­li­za­ção apli­ca­do nos ani­mais tra­duz-se no re­co­nhe­ci­men­to de que o com­por­ta­men­to des­tes é mol­da­do pe­las ex­pe­ri­ên­ci­as que vi­vem no mun­do so­ci­al que é o nos­so. Vá­ri­os es­tu­dos têm con­tri­buí­do pa­ra con­so­li­dar es­ta cren­ça.

Uma so­ci­a­li­za­ção de­fi­ci­en­te nos pri­mei­ros me­ses de vi­da é mais pe­ri­go­sa do que a pos­si­bi­li­da­de de con­trair uma do­en­ça in­fec­ci­o­sa

A re­le­vân­cia da ida­de

Não obs­tan­te a so­ci­a­li­za­ção ser um pro­ces­so que se es­ten­de por to­da a vi­da – das pes­so­as e dos ani­mais –, ela é mui­to mais ca­paz de mol­dar com­por­ta­men­tos se ocor­rer nas ida­des crí­ti­cas do de­sen­vol­vi­men­to, hu­ma­no e ani­mal. As­sim, os 4 ou 5 pri­mei­ros me­ses de vi­da de um ca­chor­ro são uma opor­tu­ni­da­de úni­ca pa­ra exer­cer uma sé­rie de in­fluên­ci­as no sen­ti­do de ele ado­tar bons com­por­ta­men­tos (de obe­di­ên­cia, por exem­plo) e pre­ve­nir os maus (co­mo a agres­si­vi­da­de). No fun­do, tra­ta-se de aju­dar o ca­chor­ro a vi­ver bem em so­ci­e­da­de, em am­bi­en­tes mais ou me­nos ur­ba­nos. Por is­so é que es­tes pri­mei­ros me­ses de vi­da do cão são de­sig­na­dos “pe­río­do crí­ti­co” ou “pe­río­do sen­sí­vel” de so­ci­a­li­za­ção. Nes­te pe­río­do fun­da­men­tal de apren­di­za­gem, os ca­chor­ros es­tão mui­to pro­pen­sos a fa­mi­li­a­ri­za­rem-se com ani­mais e pes­so­as; a apren­der que os ob­je­tos, as pes­so­as e os am­bi­en­tes são se­gu­ros; e a apren­der a co­mu­ni­car e in­te­ra­gir com os seus pa­res.

Uma fa­se de­li­ca­da pa­ra o ca­chor­ro

Con­tu­do, nes­ta pri­mei­ra fa­se da vi­da o sis­te­ma imu­ni­tá­rio do cão ain­da es­tá a de­sen­vol­ver-se. A pri­mei­ra va­ci­na­ção de­cor­re pre­ci­sa­men­te nes­te pe­río­do, ha­bi­tu­al­men­te em vá­ri­as to­mas que ter­mi­nam pe­los 4 ou 5 me­ses. Lo­go, nes­te pe­río­do, o ris­co de con­tra­ção de do­en­ças in­fec­ci­o­sas é ele­va­do. Por es­te mo­ti­vo, al­guns mé­di­cos ve­te­ri­ná­ri­os re­co­men­dam que os ca­chor­ros fi­quem re­ti­dos em ca­sa até ao fim des­ta va­ci­na­ção (com 4 ou 5 me­ses), evi­tan­do, as­sim, as ame­a­ças in­fec­ci­o­sas ine­ren­tes a di­ver­sos am­bi­en­tes ex­ter­nos.

O ris­co as­so­ci­a­do à pri­va­ção so­ci­al

Sem re­fu­tar a exis­tên­cia des­te ris­co, a co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca ve­te­ri­ná­ria de ba­se com­por­ta­men­ta­lis­ta tem aler­ta­do, nos úl­ti­mos anos, pa­ra um ou­tro ris­co que no pas­sa­do foi des­cu­ra­do – o ris­co as­so­ci­a­do à pri­va­ção so­ci­al a que mui­tos cães ain­da são su­jei­tos até que a va­ci­na­ção pri­má­ria ter­mi­ne, im­pe­din­do, as­sim, que se pro­ces­se a so­ci­a­li­za­ção ne­ces­sá­ria. Es­ta cor­ren­te de pen­sa­men­to de­fen­de a ideia de que uma so­ci­a­li­za­ção de­fi­ci­en­te nos pri­mei­ros me­ses de vi­da de um ca­chor­ro é mais pe­ri­go­sa do que a pos­si­bi­li­da­de de es­te con­trair al­gu­ma do­en­ça in­fec­ci­o­sa. Por­que a fal­ta de so­ci­a­li­za­ção ou a so­ci­a­li­za­ção de­fi­ci­en­te nes­ta ida­de crí­ti­ca po­ten­cia o ris­co de os cães vi­rem a ter pro­ble­mas com­por­ta­men­tais que po­dem ser mui­to per­tur­ba­do­res.

Pro­ble­mas de com­por­ta­men­to

Ale­ga-se que o bem-es­tar men­tal e o com­por­ta­men­to equi­li­bra­do dos cães são tão im­por­tan­tes quan­to a sua saú­de fí­si­ca. Fre­quen­te­men­te evo­ca-se a evi­dên­cia de que mor­rem mui­to mais cães eu­ta­na­si­a­dos na sequên­cia de aban­do­no por mau com­por­ta­men­to, do que por efei­to de do­en­ças in­fec­ci­o­sas. Há re­gis­to de que nos EUA, por ca­da ve­te­ri­ná­rio clí­ni­co, mor­rem anu­al­men­te

A fal­ta de, ou in­su­fi­ci­en­te, so­ci­a­li­za­ção na ida­de crí­ti­ca po­ten­cia o ris­co de os cães vi­rem a ter pro­ble­mas com­por­ta­men­tais

5 cães por par­vo­vi­ro­se; mas cen­te­nas de cães são aba­ti­dos to­dos os anos de­vi­do a pro­ble­mas de tem­pe­ra­men­to e com­por­ta­men­to.

Au­las de so­ci­a­li­za­ção de ca­chor­ros

Pa­ra re­sol­ver es­te di­le­ma – so­ci­a­li­za­ção pri­má­ria sem va­ci­na­ção com­ple­ta vs. va­ci­na­ção com­ple­ta sem so­ci­a­li­za­ção –, exis­tem au­las de so­ci­a­li­za­ção de ca­chor­ros, vul­go Puppy Clas­ses, as quais pro­mo­vem a so­ci­a­li­za­ção, sem ris­co adi­ci­o­nal de con­tra­ção de do­en­ças in­fec­ci­o­sas. Pa­ra se­rem se­gu­ras, es­tas au­las de­vem de­cor­rer em re­cin­to fe­cha­do, de­vi­da­men­te hi­gi­e­ni­za­do e es­te­ri­li­za­do, e to­dos os ca­chor­ros têm de es­tar mi­ni­ma­men­te va­ci­na­dos.

Re­co­men­da­ções in­ter­na­ci­o­nais

A So­ci­e­da­de Ve­te­ri­ná­ria Ame­ri­ca­na de Com­por­ta­men­to Ani­mal, uma re­fe­rên­cia na área com­por­ta­men­tal, re­co­men­da a frequên­cia de au­las de so­ci­a­li­za­ção de ca­chor­ros a par­tir das 7-8 se­ma­nas de ida­de e a va­ci­na­ção mí­ni­ma que exi­ge é a pri­mei­ra to­ma, que tem de ocor­rer 7 ou mais di­as an­tes da pri­mei­ra au­la. Da Eu­ro­pa so­pram re­co­men­da­ções se­me­lhan­tes, de­sig­na­da­men­te vin­das de Ian Dun­bar. Es­te mé­di­co ve­te­ri­ná­rio in­glês, con­si­de­ra­do uma su­mi­da­de em com­por­ta­men­to ani­mal, é fun­da­dor da As­so­ci­a­ção de Trei­na­do­res Ca­ni­nos Pro­fis­si­o­nais (APDT) e re­cla­ma a au­to­ria das au­las de so­ci­a­li­za­ção de ca­chor­ros sem tre­la. Ian Dun­bar re­co­men­da que to­dos os ca­chor­ros fre­quen­tem au­las de so­ci­a­li­za­ção, a co­me­çar an­tes dos 4,5 me­ses de ida­de – mo­men­to que as­si­na­la a di­fí­cil pas­sa­gem de ca­chor­ro a ado­les­cen­te.

Ro­bert An­der­son, ou­tro mé­di­co ve­te­ri­ná­rio com­por­ta­men­ta­lis­ta de re­no­me in­ter­na­ci­o­nal, di­ri­giu-se pu­bli­ca­men­te aos co­le­gas ve­te­ri­ná­ri­os que são mais cé­ti­cos em re­la­ção à so­ci­a­li­za­ção pri­má­ria. Com uma fun­da­men­ta­ção ci­en­tí­fi­ca só­li­da, ele ape­la­va a que to­dos os ve­te­ri­ná­ri­os re­co­men­das­sem aos seus cli­en­tes a frequên­cia de au­las de so­ci­a­li­za­ção e trei­no pa­ra ca­chor­ros a par­tir das 8 ou 9 se­ma­nas de ida­de. En­tre ou­tros ar­gu­men­tos, es­te pro­fes­sor ale­gou o fac­to de a ex­pe­ri­ên­cia e a in­for­ma­ção acu­mu­la­da nos úl­ti­mos 10 anos de­mons­tra­rem que a prá­ti­ca de bo­as au­las de so­ci­a­li­za­ção não ofe­re­ce ris­co acres­ci­do pa­ra a saú­de dos ca­chor­ros.

Qual o ris­co de con­tá­gio?

Num es­tu­do re­cen­te, ve­ri­fi­cou-se que o ris­co de con­trair par­vo­vi­ro­se ca­ni­na em ca­chor­ros va­ci­na­dos que fre­quen­tam au­las de so­ci­a­li­za­ção não é su­pe­ri­or ao ris­co que cor­rem os ca­chor­ros va­ci­na­dos que não fre­quen­tam es­tas au­las (Ste­pi­ta e Bain 2013). Sem pre­juí­zo do que fi­cou di­to, an­tes de par­ti­ci­par num pro­gra­ma de so­ci­a­li­za­ção e trei­no, qual­quer ca­chor­ro de­ve ser ob­ser­va­do pe­lo seu mé­di­co ve­te­ri­ná­rio com vis­ta a cer­ti­fi­car que não exis­tem cir­cuns­tân­ci­as es­pe­ci­ais a re­que­rer uma imu­ni­za­ção re­for­ça­da an­tes de ini­ci­ar as au­las.

Mas afi­nal o que são au­las de so­ci­a­li­za­ção?

Não de tra­ta de um me­ro con­ví­vio en­tre ca­chor­ros. Pa­ra ser se­gu­ro e efi­caz, um pro­gra­ma de so­ci­a­li­za­ção de­ve ser con­ce­bi­do e con­du­zi­do por um ou mais pro­fis­si­o­nais for­ma­dos em com­por­ta­men­to ani­mal e com a ex­pe­ri­ên­cia ade­qua­da. Se­gun­do o pro­to­co­lo re­co­men­da­do pe­la clí­ni­ca de com­por­ta­men­to ani­mal da Uni­ver­si­da­de de Pur­due, os prin­ci­pais ob­je­ti­vos des­tas au­las são: (1) pro­por­ci­o­nar es­tí­mu­los que ti­pi­ca­men­te ge­ram me­do e des­sen­si­bi­li­zar; (2) so­ci­a­li­zar; e (3) de­mons­trar o que são in­te­ra­ções apro­pri­a­das en­tre cão e do­no. Ape­sar de al­guns co­man­dos bá­si­cos de obe­di­ên­cia se­rem tam­bém exer­ci­ta­dos, o trei­no de obe­di­ên­cia não de­ve ser o prin­ci­pal ob­je­ti­vo des­tes pro­gra­mas.

Fo­ra das au­las

A so­ci­a­li­za­ção não de­ve fi­car cir­cuns­cri­ta às au­las fre­quen­ta­das se­ma­nal­men­te. Com o co­nhe­ci­men­to ad­qui­ri­do e exer­ci­ta­do das téc­ni­cas de trei­no po­si­ti­vo, tam­bém os do­nos de­vem pro­mo­ver ex­pe­ri­ên­ci­as en­ri­que­ce­do­ras pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do ca­chor­ro. Acau­te­lan­do a sua saú­de e se­gu­ran­ça, cla­ro. En­quan­to a pri­mo-va­ci­na­ção não es­ti­ver con­cluí­da, de­ve-se evi­tar par­ques ca­ni­nos (dog parks) ou ou­tros am­bi­en­tes on­de a saú­de e o com­por­ta­men­to dos ou­tros cães não são con­tro­la­dos. De­ve-se pro­mo­ver o con­ví­vio com ou­tros ani­mais e ou­tras pes­so­as, mas em am­bi­en­tes se­gu­ros (na pró­pria ca­sa ou em ca­sa de ami­gos), e com ga­ran­tia de que to­dos es­tão va­ci­na­dos. De ca­sa pa­ra o car­ro e do car­ro pa­ra qual­quer lu­gar, o ca­chor­ro de­ve ser le­va­do ao co­lo.

So­ci­a­li­za­ção ou va­ci­na­ção?

Em res­pos­ta à ques­tão de par­ti­da, a me­lhor de­ci­são é a que con­ci­lia so­ci­a­li­za­ção e va­ci­na­ção. Quem não qui­ser des­per­di­çar a me­lhor fa­se da vi­da de um cão pa­ra lhe en­si­nar os com­por­ta­men­tos de­se­ja­dos e evi­tar os in­de­se­ja­dos, de­ve va­ci­ná-lo o mais ce­do pos­sí­vel, e uma se­ma­na após a pri­mei­ra to­ma, po­de pro­cu­rar uma es­co­la pro­fis­si­o­nal pa­ra fre­quen­tar um pro­gra­ma se­gu­ro de so­ci­a­li­za­ção e obe­di­ên­cia.

De­ve-se pro­mo­ver o con­ví­vio com ou­tros ani­mais e pes­so­as, em am­bi­en­tes se­gu­ros e com ga­ran­tia de que to­dos es­tão va­ci­na­dos

Pa­ra se­rem se­gu­ras, as au­las pa­ra ca­chor­ros de­vem de­cor­rer em re­cin­to fe­cha­do, de­vi­da­men­te hi­gi­e­ni­za­do e es­te­ri­li­za­do, e to­dos têm de es­tar mi­ni­ma­men­te va­ci­na­dos.

O ca­chor­ro de­ve in­te­ra­gir com tri­ci­clos, bi­ci­cle­tas, ska­tes e ou­tros.

É im­por­tan­te a in­te­ra­ção com si­tu­a­ções me­nos co­muns, co­mo pes­so­as com ca­pa­ce­tes, ca­na­di­a­nas ou em ca­dei­ras de ro­das.

As au­las de so­ci­a­li­za­ção de ca­chor­ros, vul­go Puppy Clas­ses, pro­mo­vem a so­ci­a­li­za­ção, sem ris­co adi­ci­o­nal de con­tra­ção de do­en­ças in­fec­ci­o­sas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.