Fa­zer as ne­ces­si­da­des no lo­cal cor­re­to

Quan­do ad­qui­ri­mos um cão ain­da ca­chor­ro ou ado­ta­mos um cão adul­to que te­nha vi­vi­do al­gum tem­po no ca­nil, sa­be­mos que va­mos pas­sar por uma eta­pa que exi­ge mui­ta pa­ci­ên­cia dos tu­to­res: en­si­ná-lo a fa­zer as ne­ces­si­da­des no lo­cal cor­re­to, se­ja es­se lo­cal um r

Caes & Companhia - - CONTENTS - Ana Ca­ma­cho Trei­na­do­ra da It's All About Dogs (www.it­sal­la­bout­dogs.net) Fo­tos: IAAD e Shut­ters­tock

Há quem con­si­de­re es­ta fa­se da vi­da do seu cão um bi­cho de 7 ca­be­ças, há quem sim­ples­men­te não quei­ra ter um cão por­que não to­le­ra ne­ces­si­da­des es­pa­lha­das pe­la ca­sa. Nes­te ar­ti­go va­mos mos­trar co­mo de­ve en­si­nar o seu ca­chor­ro (ou qual­quer cão adul­to) a fa­zer as ne­ces­si­da­des no lo­cal cor­re­to, sem en­con­trar “aci­den­tes” por to­do o la­do, sem cas­ti­gos e sem­pre da for­ma mais sim­ples, fá­cil e efi­caz pa­ra si e pa­ra o seu cão.

A ne­ces­si­da­de da res­tri­ção es­pa­ci­al

Quem já te­ve um ca­chor­ro sa­be o quan­to é di­fí­cil con­se­guir le­vá-lo ao “lo­cal cor­re­to” en­quan­to ele es­tá a brin­car ou a ex­plo­rar a ca­sa quan­do ele es­tá pres­tes a fa­zer as su­as ne­ces­si­da­des. Num ce­ná­rio hi­po­té­ti­co se­ria pos­sí­vel pa­ra um tu­tor an­dar atrás do seu ca­chor­ro e con­tro­lar to­dos os seus mo­vi­men­tos, pre­ve­nin­do de cer­ta for­ma que ele se ma­goe, es­tra­gue al­gu­ma coi­sa ou fa­ça um xi­xi em al­gum lu­gar me­nos con­ve­ni­en­te. Tal si­tu­a­ção é im­pos­sí­vel, até por­que o tu­tor quan­do che­ga a ca­sa de­pois de um dia de tra­ba­lho não tem dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra pas­sar di­ver­sas ho­ras se­gui­das atrás do seu cão, vi­gi­an­do to­dos os seus mo­vi­men­tos, por­que tem o jan­tar pa­ra fa­zer ou tem que dar ba­nho às cri­an­ças, por exem­plo. Des­te mo­do, uma vez que é im­pos­sí-

vel ga­ran­tir que não ha­ja aci­den­tes pe­lo ca­mi­nho, a me­lhor for­ma de as­se­gu­rar que o seu ca­chor­ro es­tá de­vi­da­men­te con­tro­la­do é con­fi­nan­do-o a um es­pa­ço on­de lhe dá a pos­si­bi­li­da­de de não ro­er na­da que não de­ve dis­po­ni­bi­li­zan­do-lhe brin­que­dos ade­qua­dos e, da mes­ma for­ma, que fa­ça as ne­ces­si­da­des sem­pre no mes­mo lo­cal – aque­le que pa­ra vo­cê é o cor­re­to.

On­de? O cão tem de apren­der!

De­ve-se en­ten­der que, pa­ra um ca­chor­ro ou um cão, não há lu­ga­res cor­re­tos pa­ra fa­zer as ne­ces­si­da­des se ele não for de­vi­da­men­te en­si­na­do. Os ca­chor­ros, por exem­plo, não ten­do ain­da con­tro­lo so­bre a be­xi­ga ou in­tes­ti­nos, fa­zem as ne­ces­si­da­des on­de ca­lhar. Um cão adul­to, que nun­ca foi de­vi­da­men­te en­si­na­do a fa­zer as ne­ces­si­da­des fo­ra do es­pa­ço on­de vi­ve (por exem­plo, um cão que vi­ve num quin­tal ou um cão de ca­nil), não sa­be que, co­mo an­te­ri­or­men­te fa­zia, não po­de uri­nar em qual­quer lo­cal.

Co­mo usar a res­tri­ção es­pa­ci­al pa­ra en­si­nar

Pa­ra ser en­tão mais fá­cil ao tu­tor en­si­nar o seu ca­chor­ro ou cão adul­to o lu­gar cer­to pa­ra fa­zer as ne­ces­si­da­des, es­te de­ve es­tar res­trin­gi­do a um es­pa­ço pro­por­ci­o­nal ao seu ta­ma­nho, on­de lhe es­tão dis­po­ni­bi­li­za­dos res­guar­dos, por exem­plo, em quan­ti­da­de su­fi­ci­en­te pa­ra ele fa­zer o que tem a fa­zer. Po­de en­con­trar um can­to na co­zi­nha ou mar­qui­se e cons­truir uma ve­da­ção que li­mi­te o es­pa­ço do seu cão. No en­tan­to,

em mui­tas lo­jas ou lu­ga­res co­mer­ci­ais, é pos­sí­vel en­con­trar “par­ques pa­ra ca­chor­ros” que con­sis­tem em es­tru­tu­ras de me­tal ou de ma­dei­ra que li­mi­tam o es­pa­ço on­de o cão po­de an­dar e brin­car. Den­tro des­te es­pa­ço de res­tri­ção es­pa­ci­al de­ve exis­tir: uma ca­ma pa­ra o cão dor­mir, água à dis­po­si­ção, brin­que­dos de es­ti­mu­la­ção men­tal e res­guar­dos su­fi­ci­en­tes on­de o seu cão vai fa­zer as ne­ces­si­da­des. O nú­me­ro de res­guar­dos de­pen­de mui­to da “pon­ta­ria” do seu cão. Se for um ca­chor­ro que mal che­gou a ca­sa e faz as ne­ces­si­da­des ain­da em qual­quer la­do, de­ve pre­en­cher o pa­vi­men­to com res­guar­dos su­fi­ci­en­tes pa­ra que ele não fa­lhe. Nes­te ca­so, se­rá to­do o pa­vi­men­to li­vre do par­que de ca­chor­ros. Com o tem­po, e quan­do a pon­ta­ria es­ti­ver mais cer­tei­ra de­pois de o en­si­nar, po­de re­du­zir o nú­me­ro de res­guar­dos que dei­xa no chão. En­quan­to o seu ca­chor­ro ou o seu cão es­tá no es­pa­ço res­trin­gi­do, a pro­ba­bi­li­da­de de ele fa­lhar o lo­cal cor­re­to pa­ra fa­zer as ne­ces­si­da­des é ba­si­ca­men­te nu­la. Cer­to?

Use res­tri­ção es­pa­ci­al e crie um lo­cal on­de o seu ca­chor­ro te­nha a ca­ma, a água, brin­que­dos e a sua ca­sa de ba­nho

Lo­cais que po­dem ser uti­li­za­dos co­mo lo­cal cor­re­to

É mui­to usu­al, até por­que se ven­dem em mui­to la­do, uti­li­zar res­guar­dos pró­pri­os pa­ra cães pa­ra en­si­nar os ca­chor­ros a fa­ze­rem as ne­ces­si­da­des no mes­mo. No en­tan­to, po­dem ser uti­li­za­das ou­tras idei­as cri­a­ti­vas pa­ra o mes­mo efei­to. Uma caixa com rel­va ar­ti­fi­ci­al, por exem­plo, é uma so­lu­ção al­ter­na­ti­va ao tra­di­ci­o­nal res­guar­do, po­den­do-se la­var a mes­ma com água e de­ter­gen­tes apro­pri­a­dos pa­ra eli­mi­nar a uri­na e as fe­zes do seu cão.

Co­mo e quan­do uti­li­zar a res­tri­ção es­pa­ci­al

Fa­lar de res­tri­ção es­pa­ci­al é al­go que mui­tos tu­to­res não gos­tam de ou­vir. É com­pre­en­sí­vel que quan­do ad­qui­ri­mos um ca­chor­ri­nho é im­pos­sí­vel re­sis­tir ao seu char­me e que­re­mos dei­xá-lo cor­rer e brin­car por to­do o la­do. No en­tan­to, te­mos que ter em con­ta que se der­mos mui­to es­pa­ço ao nos­so ca­chor­ro pa­ra cor­rer e brin­car po­de­mos en­con­trar em qual­quer par­te “pre­sen­tes” in­de­se­já­veis. Se são in­de­se­já­veis, que­re­mos ob­vi­a­men­te evi­tá-los. E não há co­mo o fa­zer se não hou­ver a tal res­tri­ção es­pa­ci­al on­de o ca­chor­ro po­de es­tar sem es­tar sob vi­gi­lân­cia per­ma­nen­te e ati­va. Não obs­tan­te, a res­tri­ção es­pa­ci­al não quer di­zer que o seu ca­chor­ro não pos­sa sair e ex­plo­rar o es­pa­ço que o ro­deia. De­ve o tu­tor, con­tu­do, sem­pre que o dei­xa ex­plo­rar es­se es­pa­ço, ga­ran­tir a se­gu­ran­ça do seu ca­chor­ro de­ven­do com is­so vi­giá-lo ati­va­men­te, ou se­ja, es­tar sem­pre com ele a ve­ri­fi­car o que ele faz e co­mo de­cor­re a sua ex­plo­ra­ção. Se tal não é pos­sí­vel, o ca­chor­ro de­ve ser co­lo­ca­do de no­vo no par­que ou no es­pa­ço no qual es­tá res­trin­gi­do, dis­po­ni­bi­li­zan­do-lhe brin­que­dos ade­qua­dos pa­ra es­tar en­tre­ti­do.

Quan­do não es­tá sob vi­gi­lân­cia ati­va

Es­ta fa­se da vi­da do ca­chor­ro é em mui­to, se­me­lhan­te à de uma cri­an­ça em que, en­quan­to po­de­mos vi­gi­ar é-lhe per­mi­ti­do per­cor­rer e des­co­brir no­vos es­pa­ços, mas nos mo­men­tos em que não po­de­mos ga­ran­tir es­sa vi­gi­lân­cia co­lo­ca­mos a cri­an­ça no par­que com brin­que­dos ade­qua­dos pa­ra es­tar en­tre­ti­da. Con­for­me o seu ca­chor­ro cres­ce e o seu ta­ma­nho au­men­ta, o es­pa­ço ao qual ele es­tá con­fi­na­do vai au­men­tan­do tam­bém. No ca­so de um cão adul­to e en­quan­to ele não sou­ber fa­zer as ne­ces­si­da­des no lo­cal cor­re­to ou sa­ber quais os brin­que­dos ade­qua­dos que de­ve ro­er, po­de e de­ve uti­li­zar sem­pre a res­tri­ção es­pa­ci­al quan­do ele não es­tá sob vi­gi­lân­cia ati­va.

A uti­li­za­ção dos re­for­ços de al­to va­lor pa­ra en­si­nar

Quan­do o ca­chor­ro es­tá con­fi­na­do a um es­pa­ço é mui­to mais fá­cil con­se­guir “apa­nhá-lo” a fa­zer as ne­ces­si­da­des no lo­cal cor­re­to (nes­ta fa­se se­rá o res­guar­do ou a caixa com rel­va ar­ti­fi­ci­al, por

exem­plo). Sem­pre que apa­nha­mos o ca­chor­ro a fa­zer xi­xi no res­guar­do de­ve­mos re­com­pen­sá-lo! Mas quan­do fa­la­mos em re­com­pen­sas, de­ve­mos pen­sar no que re­al­men­te é uma re­com­pen­sa pa­ra o cão na­que­le mo­men­to. Se­rão fes­tas? Se­rá uma gran­de ma­ni­fes­ta­ção de eu­fo­ria por ter fei­to o que nós que­re­mos? Pa­ra um cão, fa­zer xi­xi aqui ou ali é in­di­fe­ren­te por mais fes­tas que lhe fa­ça­mos. Mas se lhe der­mos aque­le bo­ca­di­nho de co­mi­da mui­to boa que ele nun­ca cos­tu­ma co­mer, es­ta­re­mos a ter com ele uma con­ver­sa di­fe­ren­te. Es­tes pe­da­ci­nhos po­dem ser fran­go co­zi­do, pre­sun­to, fí­ga­do, quei­jo, qual­quer coi­sa re­al­men­te boa e ape­ti­to­sa. O ca­chor­ro vai pen­sar: “Ena! Eu fiz qual­quer coi­sa mui­to boa que fez com que eu re­ce­bes­se es­ta de­lí­cia!”. E se re­pe­tir­mos inú­me­ras ve­zes es­te exer­cí­cio com aque­le bo­ca­di­nho de co­mi­da ex­tre­ma­men­te boa ele vai en­ten­der com mui­ta ra­pi­dez que foi por ter fei­to o xi­xi na­que­le sí­tio que me­re­ceu aque­le pré­mio.

E não o in­ter­rom­pa!

É usu­al co­me­çar­mos a fes­te­jar e a ma­ni­fes­tar uma gran­de eu­fo­ria no mo­men­to em que ele al­ça a pa­ta ou se aga­cha pa­ra fa­zer o que tem a fa­zer, mas es­te mo­men­to é de­ma­si­a­do im­por­tan­te pa­ra ser in­ter­rom­pi­do. Por is­so, sem­pre que o seu cão es­ti­ver a fa­zer qual­quer ne­ces­si­da­de, de­ve dei­xá-lo fa­zer de for­ma des­con­traí­da e sem in­ter­rup­ções e no mo­men­to que

Apa­nhe o cão a fa­zer as ne­ces­si­da­des no lo­cal cor­re­to e re­com­pen­se, du­ran­te o pas­seio ou na rua, por exem­plo

as fi­na­li­za, aí sim, me­te a mão ao bol­so e re­ti­ra a di­ta gu­lo­sei­ma su­per ape­ti­to­sa que vai dis­tin­guir es­te exer­cí­cio de to­dos os ou­tros. De­pois não se con­te­nha e dê-lhe uma gran­de fes­ta!

Co­mo pro­ce­der quan­do faz as ne­ces­si­da­des no lo­cal er­ra­do?

Fa­zer as ne­ces­si­da­des fo­ra do sí­tio é al­go que po­de e vai acon­te­cer ain­da al­gu­mas ve­zes en­quan­to o seu cão não per­ce­ber o que é pre­ten­di­do e não tem con­tro­lo sob a sua be­xi­ga e in­tes­ti­nos. Téc­ni­cas mui­to an­ti­gas con­sis­ti­am em ba­ter no ca­chor­ro com um jor­nal quan­do ele es­ti­ves­se a fa­zer xi­xi ou es­fre­gar o seu fo­ci­nho no chão pa­ra lhe di­zer co­mo era er­ra­do fa­zer xi­xi ali. Quan­do que­re­mos en­si­nar um cão a fa­zer as ne­ces­si­da­des no lo­cal cor­re­to, que­re­mos de fac­to vê-lo a fa­zer as ne­ces­si­da­des até ao fim e re­for­çar o

com­por­ta­men­to (is­to, se ele es­ti­ver no lo­cal cor­re­to a fa­zer as mes­mas). No en­tan­to, se o cas­ti­ga­mos com um jor­nal ou com qual­quer ou­tro mé­to­do aver­si­vo, a in­for­ma­ção que es­ta­mos a pas­sar ao cão po­de ser a er­ra­da. Co­mo é que ele po­de sa­ber, se tem mo­men­tos em que é pre­mi­a­do e nou­tros mo­men­tos é cas­ti­ga­do? O que o ca­chor­ro vai pre­fe­rir é evi­tar fa­zer qual­quer coi­sa que se­ja à sua fren­te pa­ra não ser cas­ti­ga­do. Nes­tas si­tu­a­ções o tu­tor dei­xa de con­se­guir re­for­çar o com­por­ta­men­to do seu cão, por­que ele já não faz as ne­ces­si­da­des à sua fren­te, e co­me­ça a fa­zê-las em lo­cais es­con­di­dos on­de nin­guém vê, ou en­tão pas­sei­am ho­ras e ho­ras na rua sem fa­zer na­da lá fo­ra, por­que es­tão à tre­la e à fren­te do tu­tor, aguen­tan­do o tem­po que for ne­ces­sá­rio até che­ga­rem a ca­sa.

O cão não per­ce­be!

O es­fre­gar o fo­ci­nho do ca­chor­ro no xi­xi po­de pa­re­cer que diz al­gu­ma coi­sa ao cão. Mas não. A ver­da­de é que quan­do en­con­tra­mos o xi­xi pe­la ca­sa já o ato es­tá fei­to, por ve­zes, há al­gum tem­po. Em mo­men­to al­gum ele vai en­ten­der que fa­zer xi­xi ali es­tá er­ra­do quan­do sen­te a sua uri­na no fo­ci­nho. Se mos­tra uma pos­tu­ra en­co­lhi­da e ame­dron­ta­da não sig­ni­fi­ca de to­do que ele per­ce­beu que fez mal, mas que pe­lo seu tom de voz e ati­tu­de pa­ra com ele, vem aí qual­quer coi­sa me­nos boa.

O me­lhor é ig­no­rar

A me­lhor so­lu­ção pa­ra os xi­xis e fe­zes fo­ra do sí­tio é ig­no­rar. Por ve­zes cus­ta, pois ele fez no ta­pe­te no­vi­nho em fo­lha ou no chão de ma­dei­ra de ca­sa. É por is­so, de

no­vo, que a res­tri­ção es­pa­ci­al tem uma gran­de im­por­tân­cia nes­ta fa­se e so­bre­tu­do en­quan­to o seu cão não sa­be fa­zer as ne­ces­si­da­des no lo­cal cor­re­to.

Os “aci­den­tes” tam­bém po­dem ter ra­zões mé­di­cas

Se o seu cão é adul­to e já sa­be fa­zer as ne­ces­si­da­des no lo­cal cor­re­to, a pri­mei­ra coi­sa que de­ve fa­zer é le­vá-lo ao mé­di­co ve­te­ri­ná­rio pa­ra fa­zer uma ava­li­a­ção mé­di­ca e iden­ti­fi­car se exis­te al­gu­ma si­tu­a­ção de saú­de com o seu cão que o es­te­ja a le­var a fa­zer as ne­ces­si­da­des den­tro de ca­sa. Al­gu­mas des­tas cau­sas po­dem es­tar as­so­ci­a­das a in­fe­ções uri­ná­ri­as, in­con­ti­nên­cia tem­po­rá­ria de­vi­do, por exem­plo, a uma si­tu­a­ção hor­mo­nal ou à to­ma de de­ter­mi­na­do me­di­ca­men­to, in­su­fi­ci­ên­cia re­nal, pro­ble­mas gas­troin­tes­ti­nais, etc. Ve­ri­fi­que se quan­do ocor­rem es­ses “aci­den­tes” o seu cão an­dou a be­ber mais água, se es­tá mais pros­tra­do, se es­tá a uri­nar de for­ma pou­co ha­bi­tu­al, se tem di­ar­reia. Es­ses sin­to­mas po­dem ser in­di­ca­do­res de que al­go não es­tá bem com o seu cão e jus­ti­fi­car o fac­to de en­con­trar uri­na e fe­zes em ca­sa. Visite o seu mé­di­co ve­te­ri­ná­rio.

Al­tu­ras em que o ca­chor­ro ten­de a fa­zer as ne­ces­si­da­des

Se que­re­mos apro­vei­tar to­das as opor­tu­ni­da­des que pu­der­mos pa­ra re­for­çar o com­por­ta­men­to do nos­so ca­chor­ro quan­do faz as ne­ces­si­da­des no lo­cal cor­re­to, te­mos que es­tar aten­to a to­dos os mo­men­tos em que elas po­dem sur­gir. Es­tes mo­men­tos são fá­ceis de iden­ti­fi­car. São eles: As­sim que acor­da; De­pois de co­mer; De­pois de trei­nar; De­pois de brin­car; An­tes de dor­mir.

Apro­vei­te as opor­tu­ni­da­des

Por exem­plo, de­pois de o ca­chor­ro dor­mir uma boa ses­ta, uma das pri­mei­ras coi­sas que ele vai fa­zer quan­do acor­dar é uri­nar. As­sim, se o con­du­zir ao res­guar­do lo­go que ele acor­da e es­pe­rar que ele fa­ça o seu xi­xi, po­de apro­vei­tar a opor­tu­ni­da­de pa­ra o re­com­pen­sar com al­go de al­to va­lor. De­pois de co­mer, é mui­to na­tu­ral fa­ze­rem um xi­xi e pou­co tem­po de­pois de­fe­ca­rem. To­dos os ca­chor­ros uri­nam du­ran­te ou após a brin­ca­dei­ra. Nes­tes mo­men­tos po­de apro­vei­tar pa­ra fa­zer uma pau­sa du­ran­te as cor­re­ri­as do seu ca­chor­ri­nho e le­vá-lo até ao es­pa­ço on­de es­tão os res­guar­dos pa­ra ele fa­zer um xi­xi e re­com­pen­sá-lo. Es­tes são exem­plos de ex­ce­len­tes opor­tu­ni­da­des pa­ra se­rem apro­vei­ta­das e en­si­nar-lhe de for­ma po­si­ti­va on­de pre­ten­de que ele fa­ça as su­as ne­ces­si­da­des.

Co­mo en­si­nar um cão adul­to?

Quan­do ado­ta­mos um cão adul­to, se­ja ele de ca­nil ou de rua, a pro­ba­bi­li­da­de de sa­ber fa­zer as ne­ces­si­da­des no lo­cal cor­re­to é mui­to re­du­zi­da, uma vez que, pe­lo me­nos no ca­nil, o cão tem de fa­zer as ne­ces­si­da­des no pró­prio lo­cal on­de vi­ve. No en­tan­to, es­ta si­tu­a­ção ape­sar de cons­tran­ge­do­ra não ne­ces­si­ta de ser um en­tra­ve se pre­ten­der ado­tar um cão. A for­ma de en­si­nar um cão adul­to é igual à for­ma co­mo se en­si­na um ca­chor­ro. De­ve ser fei­ta a res­tri­ção es­pa­ci­al: con­fi­nar o cão a um es­pa­ço fe­cha­do pro­por­ci­o­nal ao seu ta­ma­nho, dis­po­ni­bi­li­zar-lhe ca­ma, água e brin­que­dos de es­ti­mu­la­ção men­tal apro­pri­a­dos pa­ra es­tar en­tre­ti­do e res­guar­dos em quan­ti­da­de su­fi­ci­en­te pa­ra que ele fa­ça no lo­cal de­se­ja­do. O cão de­ve ser sem­pre re­com­pen­sa­do com re­com­pen­sas de al­to va­lor (co­mi­da ti­po fran­go co­zi­do ou fí­ga­do) quan­do faz as ne­ces­si­da­des no lo­cal pre­ten­di­do, apro­vei­tan­do to­das as opor­tu­ni­da­des em que é mai­or a pro­ba­bi­li­da­de de ele ir fa­zer al­go (quan­do acor­da ou após as re­fei-

ções, por exem­plo). Quan­do há aci­den­tes, ig­no­ra-se e lim­pa-se pos­te­ri­or­men­te com água e de­ter­gen­te da rou­pa ou vi­na­gre de lim­pe­za.

Co­mo pas­sar do res­guar­do em ca­sa pa­ra a rua

A par­tir do mo­men­to em que o cão co­me­ça a pas­se­ar na rua po­de co­me­çar lo­go a en­si­ná-lo a fa­zer as ne­ces­si­da­des no jar­dim à por­ta de sua ca­sa. De­ve es­co­lher um lo­cal pró­xi­mo de ca­sa pa­ra o le­var pa­ra lá ime­di­a­ta­men­te, de for­ma ro­ti­nei­ra. As­sim que ele fi­zer qual­quer ne­ces­si­da­de, re­for­ça o com­por­ta­men­to com co­mi­da de al­to va­lor. Fa­zen­do es­te exer­cí­cio, des­ta for­ma, sem­pre que sai de ca­sa com o seu cão, mais ra­pi­da­men­te ele as­so­cia a que fa­zer as ne­ces­si­da­des ali dá-lhe aces­so a bo­ca­di­nhos de co­mi­da mui­to sa­bo­ro­sos e co­me­ça a pre­fe­rir fa­zer as ne­ces­si­da­des na rua pa­ra re­ce­ber es­ses pré­mi­os. O pas­seio de­ve ser fei­to de­pois das ne­ces­si­da­des. Le­ve-o ao lo­cal cos­tu­mei­ro, aguar­de que ele fa­ça tu­do e de­pois vá pa­ra o pas­seio. Não caia no er­ro de fa­zer o opos­to que é co­me­çar o pas­seio e as­sim que ele faz o xi­xi ir pa­ra ca­sa, por­que nes­se ca­so o cão vai evi­tar fa­zer as ne­ces­si­da­des, por­que en­ten­de que es­tas ter­mi­nam o pas­seio.

Lem­bre-se que...

Quan­do de­fi­ne o es­pa­ço pa­ra res­tri­ção es­pa­ci­al, o pa­vi­men­to não de­ve ser po­ro­so nem con­ter ta­pe­tes. Ide­al­men­te, o pa­vi­men­to de­ve ser de ce­râ­mi­ca, pa­ra não ab­sor­ver a uri­na e se es­tra­gar.

Dar con­sis­tên­cia ao exer­cí­cio

En­si­nar um cão a fa­zer as ne­ces­si­da­des no lo­cal cor­re­to é em tu­do se­me­lhan­te a en­si­nar qual­quer ou­tro com­por­ta­men­to, co­mo o “sen­ta”, por exem­plo. É ne­ces­sá­rio ter pa­ci­ên­cia, se­guir to­dos os pas­sos in­di­ca­dos, re­for­çar e re­pe­tir. A re­pe­ti­ção do exer­cí­cio ga­ran­te a con­sis­tên­cia do mes­mo. De­ve por is­so, re­for­çar o com­por­ta­men­to do seu cão de fa­zer as ne­ces­si­da­des no lo­cal cor­re­to o nú­me­ro de ve­zes ne­ces­sá­rio pa­ra ga­ran­tir que ele as­si­mi­lou o exer­cí­cio e que não vão exis­tir mais aci­den­tes. O re­for­ço des­te com­por­ta­men­to po­de ser ne­ces­sá­rio du­rar in­clu­si­va­men­te 1 mês mes­mo de­pois do cão nun­ca mais ter fei­to ne­ces­si­da­des den­tro de ca­sa ou em qual­quer ou­tro lo­cal ina­pro­pri­a­do.

Afi­nal não é um bi­cho de 7 ca­be­ças!

Afi­nal, en­si­nar um ca­chor­ro ou um cão adul­to a fa­zer as ne­ces­si­da­des no lo­cal cor­re­to não é um bi­cho de 7 ca­be­ças. A res­tri­ção es­pa­ci­al e os re­for­ços de al­to va­lor são fer­ra­men­tas cha­ve pa­ra o su­ces­so e se­guin­do es­tas re­gras sim­ples irá ser bem-su­ce­di­do. Se­ja pa­ci­en­te, já que ca­da ca­chor­ro tem o seu rit­mo de apren­di­za­gem. Se­ja con­sis­ten­te e ve­rá que os re­sul­ta­dos co­me­çam a apa­re­cer. E re­com­pen­se com mui­ta frequên­cia du­ran­te o má­xi­mo de tem­po pos­sí­vel pa­ra ter os me­lho­res re­sul­ta­dos. Bons en­si­na­men­tos!

De­pois de o ca­chor­ro dor­mir uma boa ses­ta, uma das pri­mei­ras coi­sas que ele vai fa­zer quan­do acor­dar é uri­nar

Fa­zer as ne­ces­si­da­des fo­ra do sí­tio é al­go que po­de e vai acon­te­cer ain­da al­gu­mas ve­zes en­quan­to o seu cão não per­ce­ber o que é pre­ten­di­do .

Em ca­sa use res­guar­dos e re­com­pen­se com pe­da­ços de ga­li­nha co­zi­da.

Use pa­ra re­com­pen­sar al­go mui­to es­pe­ci­al co­mo quei­jo, ga­li­nha co­zi­da ou fi­am­bre.

Pa­ra en­si­nar um cão a fa­zer no lo­cal cor­re­to, te­mos de o ver a fa­zer as ne­ces­si­da­des até ao fim e re­for­çar o com­por­ta­men­to.

Apro­vei­te as pau­sas du­ran­te as cor­re­ri­as do seu ca­chor­ri­nho e le­ve-o aos res­guar­dos pa­ra ele fa­zer um xi­xi e re­com­pen­sá-lo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.